Canalização de Tobias - Conferência de Verão 2006


OS MATERIAIS DE TOBIAS
Conferência da Nova Energia de Verão - 2006
Breckenridge, Colorado - 14 de Julho de 2006
Apresentando Tobias, canalizado por Geoffrey Hoppe




E, assim é, queridos Shaumbra, que de algum modo nós quase preferiríamos nos sentar aqui e ouvir a música de harpa - e a música do coração - que vem de todos vocês. Em um glorioso encontro mais uma vez aqui neste topo de montanha, mais uma vez nesta sala, onde tanta energia Shaumbra tem sido movimentada e transformada. Tantas velhas barreiras foram derrubadas exatamente aqui nesta sala. Foi aqui onde pronunciamos pela primeira vez quatro palavras muito simples: Vocês são Deus também. Foi aqui onde falamos sobre os Sete Selos, onde temos conduzido muitos encontros e workshops com os Shaumbra de todas as partes do mundo.


Eu, Tobias, e nossos convidados para este fim de semana, Kuthumi, Adamus Saint-Germain e Kwain Yin, todos temos dar umas risadas, zombar um pouquinho de Cauldre que pensou que... ele pensou que ninguém se apresentaria desta vez (risos). E vejam - vocês responderam ao chamado, ao chamado para estar aqui. Tanto se estiverem aqui em pessoa ou se estiverem aqui se juntando a nós através de sua tecnologia, vocês responderam ao chamado para este importante Shoud.


Este é o seu Shoud. Esta é a sua voz. Este representa o ponto em que se encontram em sua vida, no aprendizado e no trabalho. Shaumbra de todas as partes do mundo estão sintonizados neste momento para participar deste Shoud muito especial. Ele não faz parte da Série da Clareza, não faz parte da Série dos Professores - é uma experiência. É uma lembrança e um esquecimento, tudo ao mesmo tempo, mas vocês estão aqui.


Nós temos que tomar precisamente um momento particular para lembrar também, a vocês que estão sentados aqui, nesta sala: Sob o lado esquerdo do palco, que seria a sua mão direita, a menos que vocês estejam sentados de costas para o palco (risos), há uma bela pintura. Este quadro é uma representação - uma marca energética - de uma jornada que começou há muito tempo atrás. Esta linda pintura, com todas as suas cores e formas, conta uma história. E a história começou nos Templos de Tien na Atlântida.


Foi aí onde os Shaumbra verdadeiramente surgiram. Foi onde nos reunimos, querendo evoluir juntos para a fase seguinte da humanidade, sabendo que as coisas estavam em mudança e em transição. Nós trabalhamos juntos. Aprendemos sobre nós mesmos. Aprendemos o que é realmente a energia da família. Aprendemos sobre como funciona a energia, a vibração. Estudamos o potencial da humanidade e todos os diferentes cenários que possivelmente poderiam se desenrolar alem dos próximos 500 mil anos.


E a história dos Shaumbra continuou. Nos aprimoramos em pouco tempo antes da época de Yeshua, como representado no quadro. Aqui o quadro mostra o Arcanjo Rafael - o mais alto (risos). E ele mostra o jovem Tobias... não somente aquele que vocês conhecem como Cauldre, que está sentado aqui na cadeira, falando em meu nome. O jovem Tobias é também uma representação de todos os Shaumbra – a sua jornada – experienciando os seus medos, experienciando as dificuldades, mas conscientes de que estavam escolhendo isto, conscientes de que isto era apropriado e que era a sua paixão. De forma que - este jovem - é cada um de vocês, caminhando ao lado do Arcanjo Rafael.


Agora, como vocês podem ver nesta pintura, por muitos propósitos, intencionalmente as figuras não têm rosto, de forma que possa representar você, os que estão sentados ao seu lado, os Shaumbra de todos as partes do mundo. Até Rafael está sem rosto porque ele pode representar aqueles Seres que vêm trabalhar com vocês - e há muitos: Eu, Tobias, Saint-Germain, Kuthumi, Kwan Yin e muitos, muitos outros, que estão chegando para trabalhar com vocês.


E, então, provavelmente vocês notaram o cachorro. O cachorro foi pintado em semelhança no nosso querido Fred - o adorado animalzinho de Cauldre e Linda, amigo adorado que está deitado no palco hoje, participando. Oh, ele tem muito a dizer sobre o que vamos falar, ele experiencia isso fisicamente. Nós compartilharemos com vocês em um momento. 


Assim, Fred no quadro - o cão - representa os seres que vocês trazem como companheiros, que os apoiam de várias maneiras – de maneiras tão variadas que às vezes passam despercebidos. Algumas vezes através dos seus animais de estimação, outras, através de outros seres amados, mas representa o apoio terrestre que vocês recebem nesta incrível jornada.


Aguardem um momento e sintam a energia desta bela pintura feita por Anthony, que encontrarão aqui por todo o fim de semana. Sintam a energia que ela transmite, para todos os Shaumbra. E nós temos um pedido especial para Cauldre aqui. Nós vamos pedir que... oh, ele vai reclamar um pouco... Nós vamos pedir que esta bela pintura que representa esta Afiliação Global dos Professores da Nova Energia, seja pendurada em um lugar de destaque na sala de aulas, nas novas instalações no Lago Tahoe. E, oh sim, nós influenciamos bastante na escolha daquele local! (Risos). Pedimos desculpas por todas as dificuldades que vocês encontraram, mas nós nunca tivemos a intenção de que os Shaumbra fossem para. . . Reno! (muitos risos).


Então, nós vamos pedir que esta pintura seja colocada na sala de aula, no Centro de Serviços Shaumbra no Lago Tahoe - e o motivo por qual Cauldre está reclamando é que ele pagou por esta pintura do seu próprio bolso! (risos). Mas, querido Cauldre, talvez você comece a compreender um pouco melhor como o dinheiro simplesmente flui. Gaste-o. Gaste-o! E nós sabemos que Linda está com um pouco de medo também, mas (muitos risos) ... ele flui.


Assim, Shaumbra, nós estamos aqui reunidos uma vez mais em uma energia muito bela e sagrada, nesta maravilhosa conferência no topo das montanhas, unidos aos Shaumbra de todo o mundo. Antes que entremos no verdadeiro objetivo da mensagem, queremos chamar a atenção para algo sobre a situação mundial neste momento - algo sobre barreiras.


Gaia não gosta de barreiras, vocês sabem. Ela encontrará uma forma de removê-las de uma forma ou de outra. A energia de Gaia quer fluir aberta e livremente. Não há sentido em construir barreiras dividindo países, dividindo consciências e dividindo pessoas. E enquanto essa barreira continuar em minha terra de Israel, enquanto eles insistirem em manter os outros fora, haverá dificuldades. Haverá bombardeios. Haverá revoltas, e haverá o potencial de guerras. Assim, usando este momento neste palco, com toda a energia de Shaumbra, vamos pedir que estas barreiras cedam - voluntariamente – para que não precisem ser arrancadas.


As barreiras que estão separando a terra de Israel e os Palestinos estão causando agressão neste momento. Oh, isto se apresenta de muitas formas. Apresenta-se como certos grupos enfurecidos, mas também poderia se apresentar como Gaia tentando ajudar a humanidade a compreender que não pode construir barreiras.


O mesmo ocorre nas terras na Coreia. As terras da Coréia do Norte que, estranhamente, representam a energia da Lemúria, uma energia maltratada da Lemúria, uma energia da Lemúria que está triste, que está clamando por atenção... e, como vocês sabem, uma criancinha faz qualquer coisa para receber atenção - qualquer coisa... porque as velhas energias da Lemúria estão se sentindo excluídas.


Essa situação aflora de forma muito traiçoeira: lançando alguns mísseis aqui e outros lá, fazendo ameaças. Mas o obstáculo precisa cair. As pessoas precisam ter a liberdade de se movimentar de um lado para outro, são irmãos e irmãs que pertencem a uma ordem angelical e não podem ficar separados. E a energia da Coréia do Sul, que representa uma ordem antiga e bela dos dias de Ault ou Atlântida. Nós vamos lhes pedir, queridos Shaumbra da Coréia do Sul, que ajudem a movimentar as energias, de modo que os obstáculos possam ser removidos sem que Gaia precise fazê-lo, sem que as guerras aconteçam.


E então há barreiras de consciência por todo o mundo. Na África há barreiras que separam aqueles que têm dinheiro e poder e aqueles que não têm. Os que têm dinheiro e poder estão atingindo esta barreira e sustentando-se dos outros, mantendo-os em um estado de fraqueza, em que se vêem desanimados, pois sua criatividade e paixão foram usurpadas. Isto também é uma barreira, mesmo não sendo necessariamente física, e Gaia não gosta dessas barreiras também. Elas precisam ser vir abaixo.


E de abrirem-se por todo o mundo - as barreiras entre as religiões. As religiões colocam barreiras em torno de si para se proteger e se defender, mas chegou o momento da remoção desse tipo de barreiras também.


E as barreiras dentro de cada um impedem a total integração entre corpo, mente, espírito e outros aspectos. Chegou o momento desses obstáculos vagarosa e gentilmente se desintegrarem. Porque se as barreiras internas permanecerem, não é a energia de Gaia que entrará para sacudi-las - é a energia do seu próprio ser físico, do seu próprio planeta físico que os agitará. Seu corpo não gosta de barreiras da consciência e ele responderá com doença, cansaço e confusão.


Então, aqui reunidos com Shaumbra, quando vocês começarem a derrubar os seus muros, estarão ajudando a criar a consciência para derrubar os muros em torno de toda a Terra. Neste momento, quero chamar a atenção especificamente para esta Terra de Israel, as terras dos Palestinos. Quanto mais vocês tentarem construir o muro para isolar a cidade e o país, mais problemas terão. É uma mensagem simples e uma solução muito simples para um problema de família.


Agora, queridos Shaumbra, vamos inspirar profundamente. Vamos transmitir algumas informações nesses próximos três dias. Eu, Tobias, começarei o processo, Kuthumi virá para auxiliar e Saint-Germain virá para derrubar quaisquer muros que permaneçam (risos). Decidimos no palitinho (mais risos). Ele tirou o melhor, eu diria!


Nos próximos dias, vamos pedir a vocês que se encaminhem realmente para um espaço diferente. O assunto que vamos abordar é simples, mas é também um paradoxo. É simples, mas é também um enigma. Nós vamos falar sobre algo que vocês já sabem, mas não tudo. Vamos falar sobre algo que lhes dará clareza e que também irá confundi-los. Vamos lhes falar sobre algo que a sua mente aceitará prontamente, mas depois vai rejeitar. Vamos lhes falar sobre algo que tem a ver com derrubar barreiras e mudar a vida e também sobre uma nova forma de vida.


Como vocês sabem, as mudanças chegam suave e vagarosamente, para não afetar o equilíbrio entre corpo, mente e espírito. Às vezes nós sabemos que alguns de vocês querem avançar muito rápido. Mas conforme já contamos aos Shaumbra antes, há cerca de oito ou nove anos, houve um pequeno, pequeno grupo de Shaumbra, que se apresentou como voluntário para testar o nível máximo de velocidade com que a consciência dos Shaumbra conseguiria avançar, para ver até onde suportariam.


Aquele grupo... nenhum dos presentes fez parte deste grupo. . . mas aquele grupo avançou muito, muito rápido. Eles queriam testar. Eles queriam ver como os sistemas se sustentavam e como eles se rompiam. Foram Shaumbra cobaias (muitos risos). Esse grupo de Shaumbra se ofereceu espontaneamente. Foi por amor e por livre escolha que vieram para a Terra. Eles sabiam que fariam isso. Avançaram com muita rapidez para testar o limiar. Todos eles morreram. Voltaram todos para o nosso lado e neste final de semana, esse grupo está aqui como convidado também. Eles estão ajudando, algumas vezes a reduzir a velocidade que vocês tentam imprimir.


Vejam, é um equilíbrio contínuo que ocorre. Contínuo. O equilíbrio entre corpo, mente e espírito. Eles estão sempre se equilibrando um com o outro. Qualquer um que saia do equilíbrio leva os outros a se desequilibrar também, e então surgem alguns problemas. Assim, este grupo os auxilia nas ocasiões em que vocês querem avançar com velocidade excessiva, eles também os auxiliam quando vocês encalham e os empurram para fora da lama. Mas eles sabem que há um ritmo que vocês podem seguir para manter a integridade de todos os seus sistemas.


Nós vamos falar sobre sistemas neste final de semana. Vamos falar sobre reequilíbrio de sistemas. Pedimos que não houvesse nenhuma outra canalização neste final de semana, embora adoramos canalizar seres queridos, como Ohamah e Kwan Yin. Adoramos canalizar com Mark e Águia Branca. Adoramos canalizar Arcanjo Miguel, Rafael, mas temos uma energia muito especial que juntos reunimos para este final de semana. Não haverá nenhuma outra canalização além das três que serão feitas como parte desta conferência.


Nós vamos pedir para aqueles que estão dando sessões de facilitação neste final de semana - ouçam com atenção – todos os que pensam em dar sessões de facilitação neste final de semana, deixem de lado qualquer que seja o método que têm usado até agora. Não usem colares, contas, cristais, ou coisa desse tipo. Não usem os velhos métodos – tudo o que fizeram até agora. Estamos pedindo para que estejam presentes no Agora com aqueles com os quais estão aqui sentados. Não será nem mesmo uma sessão de facilitação. Vai ser diferente. Vocês vão aprender algo muito importante como facilitador e professor da Nova Energia. E aquele com quem estão trabalhando em suas sessões, vai aprender algo muito profundo e diferente sobre si mesmo. Então soltem a maneira como vocês têm trabalhado. Prestem atenção a este Shoud e saberão exatamente porquê, saberão exatamente o que fazer.


Ao contrário da maior parte das conferências e workshops, nós também pedimos que não haja nenhum tipo de meditação conduzida, neste palco ou em particular. Vocês já vão entender. Nós pedimos e marcamos com um ponto de exclamação, que não haja ativações neste final de semana. Não há nada a ativar. Nada a ativar. Nós vamos pedir que vocês larguem tudo isso nesses próximos três dias, Shaumbra. Não serve para a experiência que vamos ter aqui.


Então. . . vamos inspirar profundamente. Maravilhoso.


Vamos falar sobre os componentes de seu Ser aqui na Terra. Comecemos pelo corpo. Comecemos pelo corpo que é a parte- como se diz - a parte mais rudimentar do equilíbrio. É um recipiente físico. A palavra corpo significa literalmente "tonel" ou "arca". Seu corpo é o que lhes permite fazer coisas na matéria, na 3ª dimensão. Seu corpo é também - como se diz - o instrumento que lhes permite sentir emoções e dor. Permite que tenham um dispositivo sensorial de modo que possam sentir o gosto, ouvir, viver dentro de sua experiência, viver dentro de sua criação. Se vocês estivessem apenas na forma angélica, seria muito difícil experienciar a sua criação na extensão que vocês podem experienciar quando estão em um corpo.


Assim os brilhantes arquitetos da humanidade - vocês e muitos outros seres angélicos - projetaram esta coisa chamada corpo para que pudessem viver dentro de sua criação e experienciá-la de uma forma que os anjos não conseguem experienciar. É um belo recipiente. É uma parte muito importante de sua jornada. Já falamos disso antes em outros Shouds, vocês não devem nunca rejeitar ou renegar o seu corpo. Se o fizerem, ele responderá. Ele começará a paralisar, desencadeará doenças, causará certos tipos de desequilíbrios que tornarão mais difícil viver neste planeta. Assim o seu corpo é o primeiro componente.


Depois vem a mente - coisa muito interessante. Os anjos não têm mente. Eles não usam cérebros. Mente vem de uma antiga palavra Grega, "mynd". Mente. A palavra mente significa tender a, manter-se organizado, guardar. E esta foi à função da mente - armazenar os dados para o corpo, para a sua experiência na Terra. Guardar essa informação e trazê-la de volta quando fosse necessário.


A mente exerce uma função muito importante neste momento. A mente armazena as informações. A mente também os ajuda a fazer julgamentos práticos e sábios, mas novamente, como já falamos tantas vezes antes, a mente está extenuada, cansada. À mente foram atribuídas muitas responsabilidades e ela não sabe o que fazer neste momento. Atualmente, as escolas colocam ênfase exagerada na mente, no cérebro, em coisas como QI, e isto está causando um desequilíbrio tremendo tanto no nível individual como no nível de consciência.


A mente não é uma coisa ruim. A mente não esta onde o ego está. A mente está apenas tentando fazer o que vocês pediram para ela fazer. Mas ela está sobrecarregada.


E há um terceiro componente - o espírito. Espírito é uma palavra latina, spirari. . . Cauldre não tem um Latim muito bom. (Tobias ri, e a audiência sorri). Dificuldades da canalização, vocês entendem (risos). Espírito é uma palavra latina que significa literalmente "fôlego". Fôlego é o que ela significa – fôlego do espírito.


E é interessante porque espírito é provavelmente a palavra mais mal compreendida que podemos encontrar. Há tantos conceitos diferentes de espírito, o que é, e o que faz, e os humanos tendem a atribuir um valor humano ao espírito através de seus vários deuses e divindades. Tentam dar-lhe uma personalidade muito humana e a ele conferem todo o poder. Eles lhe conferem todo o domínio sobre si e sobre a humanidade. Os humanos criaram muitos deuses, muitos semi-deuses. Há uma grande distorção em todo esse conceito de espírito. O espírito é simplesmente força de vida, fôlego, origem. Espírito e respiração significam nascimento. Movimento de energia.


O espírito envolve também todos os seu aspectos. Ele é o Ser total. A mente tenta compreender, "Agora, o que isto significa - Ser total". Ela tenta compreender as coisas como o seu eu verdadeiro ou o seu eu superior. É tudo distorção. Tudo isso tem origem em um lugar pequeno, vem de uma mente que está tentando desesperadamente compreender esse conceito de espírito.


Em algum lugar dentro de vocês, vocês sabem que há uma ação do espírito. Vocês sabem que há uma força de vida dentro de vocês que é sua, exclusiva. Vocês sabem que há uma força de vida ou espírito dentro de tudo. Alguns de vocês até sabem que a força de vida dentro de vocês é exclusiva de cada um. Muitos ainda pensam que a força de vida é uma vasta energia homogênea, e ela não é. Espírito é algo muito pessoal. O espírito é próprio de cada um, mas neste momento, o espírito é muito mal compreendido pela consciência da humanidade. É um conceito muito distorcido.


Então é o momento de realmente remover este muro, compreender ou até admitir que vocês não têm a compreensão do que seja espírito. Pelo menos não a compreensão total, a compreensão que lhes daria uma perspectiva totalmente nova de vocês mesmos. Uma nova compreensão do espírito que permitirá a vocês agora enxergar a si próprios e a todos os seus aspectos, o modo como eles funcionam juntos, jogam juntos, e que agora chegou o momento para eles se reintegrarem.


Assim, nós temos o corpo, temos a mente e o espírito, mas há alguma coisa faltando. Está faltando uma peça. Vocês sempre perceberam-na, vocês procuraram por ela, chamaram por ela e tentaram recriá-la. Mas não a encontraram, e, de certa maneira, não conseguiram encontrá-la até agora. Foi preciso sete anos de discussão e Shouds. Tivemos de cruzar várias portas antes de chegarmos a esse ponto de poder falar sobre essa peça que faltava.


Imaginem por um momento... a maioria de vocês está sentada em cadeiras, imaginem se a sua cadeira tivesse somente três pernas em vez de quatro. O que aconteceria? Bem, vocês se adaptariam e se ajustariam. Vocês aprenderiam a sentar de maneira que não caíssem. Os músculos tentariam fazer uma compensação e os mecanismos de sua mente encontrariam um modo de assegurar a melhor posição. E depois de um período, vocês se esqueceriam de que um dia houve uma quarta perna. Vocês agora estão trabalhando em uma realidade que dispõe de três pernas, entretanto, há sempre este sentimento fundamental, irritante, de que está faltando algo. Mas vocês conseguiram compensar tão bem essa peça perdida, que passaram a ignorá-la ou fingir que ela não estava aí, e agora a sua realidade dispõe de apenas três pernas. . . sem ofensa, Fred.


Esta é a forma como os humanos vêm operando há longo, longo tempo. Vejam, quando os planos originais foram criados na Ordem do Arco - o Conselho dos Arcanjos, as energias arquetípicas que foram usadas pelos anjos para virem à Terra, na Ordem do Arco - havia um belo projeto, que chamaríamos de natureza biopsíquica, a natureza biológica e a natureza psicológica, o qual se tornaria a humanidade. E este projeto incluía quatro aspectos. Aqui estamos, de volta ao número quatro, porque o quatro é equilíbrio. Quatro é equilíbrio. Quatro é também a dualidade quadrada. É a Nova Energia.


Assim, no projeto original da natureza biopsíquica da humanidade, havia os quatro aspectos: corpo; mente; espírito ou energia da vida e havia outro componente - um belo componente - chamado "dei un gnost". Ele foi abreviado em certo período e ficou conhecido apenas como "gnost", mas a pronúncia era "dei un gnost".


Dei un gnost é a peça perdida, e vai ser muito difícil explicar, porque nós precisamos explicá-la nos termos e na linguagem dos humanos. Nós temos que explicá-la de algum modo que a mente possa compreender e aceitar. Mas mesmo agora enquanto vocês estão aqui, mesmo agora enquanto escutam este Shoud, vocês sabem que ela se perdeu, Dei un gnost é a peça que vocês perderam. A peça que tão frequentemente, quando vocês se viam em uma situação difícil, fazia vocês lutarem. Esta peça perdida não estava lá e vocês tentavam encontrá-la. A peça que os levou muitas vezes a imaginar por que as coisas eram tão árduas e difíceis. Por que algumas vezes vocês se viam envolvidos em uma luta contínua. Algumas vezes vocês se sentiam como se estivessem se arrastando pela vida, engatinhando em pedras.


Dei un gnost é também a essência da paixão na existência humana. É a quarta peça. Não é o espírito e nem é a mente. A melhor maneira de explicar dei un gnost é que ela é a sabedoria, mas não a sabedoria da mente. É a criatividade, mas não a criatividade da mente. Vejam, neste momento, mesmo os artistas e músicos usam a criatividade, mas ela é como adoçante. É artificial. Ela se origina na mente - há literalmente um lóbulo na mente onde as energias criativas podem fluir e ser manifestadas - mas não é dei un gnost. Não é a verdadeira - o que vocês chamam - capacidade criativa.


Assim, esta é a peça perdida, gnost... gnost. Esta peça perdida é a peça, é o componente criativo, é a sabedoria. Não se trata de intuição. É a capacidade de acessar os reinos não-físicos e os reinos cristalinos e trazer esta energia e consciência para os reinos terrestres. É a capacidade de manifestar sonhos muito rapidamente usando o equilíbrio entre corpo, mente, gnost e espírito. Mas esta peça ficou perdida durante muito, muito tempo, e chegou o momento de trazê-la de volta, mas de uma forma diferente agora. Nós não vamos voltar e ativar a antiga gnost. Não vamos tentar desenterrá-la das profundezas de onde ela está escondida. Ela teve um motivo para ficar escondida e agora quer voltar de modo diferente.


Vocês poderiam perguntar, "Então, o que aconteceu a gnost? Onde ela ficou? Por que foi ela a perna arrancada da cadeira?" Para compreender isso, teremos de voltar à energia da Atlântida. Faremos uma jornada juntos, se vocês assim o desejarem, de volta aos tempos de Ault.


Ault, o nome original da Atlântida. Ault foi a segunda era da humanidade. Como a maioria de vocês sabe, a Lemúria foi a primeira. Lemúria foi o tempo em que os seres angélicos vieram para a matéria, baixando a sua energia angélica, assumindo a forma física, integrando com o que vocês agora chamariam de terceira dimensão ou realidade física. Esta foi a primeira era da humanidade, e então em seguida veio Ault, Atlântida. E Ault foi um tempo que durou muito, muito - como se diz - centenas de milhares de anos. Ault foi o tempo onde nós começamos verdadeiramente a desenvolver a plena identidade humana. Fomos nos sentindo mais à vontade na realidade física. Mas, em Ault, os corpos assumiam todos os tipos de formas, tamanhos e configurações. Alguns anjos encarnavam em corpos pequenos, minúsculos, do tamanho de uma mosca. Outros encarnavam em seres físicos do tamanho de grandes edifícios. Assim em Ault nós queríamos viver em comunidades. Nós queríamos padronizar. Foi um desejo. Foi uma escolha.


Assim em Ault... e a maior parte de vocês aqui teve muitas, muitas existências lá. É uma espécie de lar verdadeiro na Terra. Em Ault nós começamos a trabalhar com o corpo e a mente para tentar padronizar e uniformizar, tentar criar uma unidade, uma uniformidade para atravessar as nossas energias juntos. Muito trabalho foi feito no corpo físico, investigando... usando energias - não energias elétricas - mas usando tipos de energias que não estão aqui neste momento, energias vibracionais. . . entrando no DNA e começando a mudar o corpo, de modo que quando o Ser reencarnasse, carregasse consigo um tipo diferente de código para que no final todos os corpos estivessem relativamente padronizados.


Houve um tipo de trabalho no corpo físico que incluiu o que vocês chamam agora de cirurgia, mas as cirurgias não eram feitas com bisturis. As cirurgias eram feitas com tipos muito precisos de ferramentas de luz. Os seus lasers hoje são imitações muito rudimentares - imitações muito, muito rudimentares. Mas essas ferramentas de luz eram usadas para cortar e enxertar, para mudar e reorganizar o corpo de modo a não precisarem esperar o intervalo das existências para começar a manifestar uma aparência mais comum.


Eu chamo a atenção para a palavra "comum" e "comunidade". É muito importante que muitos de vocês compreendam isso - vocês tentam fazer parte de comunidades e em geral isso não funciona, não funciona muito bem. E há uma razão... há uma razão. Em primeiro lugar, isso traz de volta muitas lembranças da Atlântida e as coisas não deram muito certo lá, e nem nesta era, a quarta era da humanidade. Não se pretende que vocês formem comunidades.


As comunidades tendem a ser - como se diz - balcões de alimentação para os seus participantes. Geralmente elas iniciam com ideais e sonhos muito elevados e inspirados, mas o que tende a acontecer é que os humanos nas comunidades começam a se nutrir uns dos outros, muitas vezes de forma muito inadequada. Quando observamos a energia das comunidades, vemos que muitas começam com idéias tão maravilhosas e claras, depois começam a manifestar um desequilíbrio sexual, e em geral não funcionam bem, principalmente para os Shaumbra. Por quê? Porque se trata de encontrar o Deus interior, de lembrar quem verdadeiramente são – sozinhos, primeiramente. Desenvolver a sua própria capacidade de professor. Compreender a si próprio. Ter que viver por si só sem se submeter a outros.


Assim, nos dias de Ault, os corpos foram muito trabalhados e esse trabalho foi literalmente entrelaçado ou codificado no DNA. Uma das coisas que vamos fazer neste final de semana é soltar alguns destes antigos códigos, de modo que o seu corpo possa realmente recuperar um pouco da pureza da sua energia e essência.


Alguns de vocês têm sido incomodados por doenças, moléstias ou enfermidades por um longo tempo, porque continuam carregando o código da Atlântida e ele chega a vocês de maneiras muito diferentes. É uma memória da Atlântida que permanece com vocês. Às vezes flui através de sua genealogia ou através de sua árvore de família, através da linhagem sanguínea, mas ela encontra o caminho até vocês. E algumas vezes, Shaumbra, este código tem levado o seu corpo a ser algo para o qual ele não foi realmente projetado para ser. Este código algumas vezes chega de forma cármica e leva o seu corpo a ser corrompido. Faz com que seu corpo paralise em determinadas áreas. Faz com que seu rosto assuma uma aparência e também algumas características físicas que vocês não reconhecem como suas.


Então uma das coisas que vão aparecer nesta forte reunião, nestes próximos dias, serão algumas mudanças físicas em seu corpo. Elas vão começar nos olhos, passarão pela face e depois pelo restante do corpo. Não vão acontecer de um dia para outro. Não queremos que vocês morram de medo quando olharem-se no espelho (risos). Serão mudanças graduais que começarão a ocorrer porque não precisamos mais deste velho código.


Mas o que nós realmente queremos falar é de outro tipo de codificação que ocorreu em Ault, na Atlântida, particularmente nas últimas encarnações do tempo que vocês estiveram lá antes da queda da Atlântida. Houve um trabalho para unificar a mente. Era um trabalho que para que todos os humanos tivessem a mesma capacidade aproximada da mente. Houve um trabalho no sentido de aumentar a capacidade de armazenamento de informações da mente e outro trabalho para aumentar a capacidade dos sentidos da mente em um terceiro nível dimensional ou nível material, para aperfeiçoar a audição, a visão e todas essas coisas. Foi um trabalho feito com instrumentos de luz na mente.


O trabalho inicial foi maravilhoso. O trabalho inicial foi feito de tal maneira que aqueles que não tivessem a capacidade mental dos outros poderiam compartilhar no mesmo nível aproximado. O trabalho foi feito para aumentar a capacidade da mente porque, como o corpo estava se adaptando cada vez melhor à realidade física, a mente precisava aumentar sua capacidade para acompanhar esse processo. Então houve muitos experimentos, muita pesquisa, para adequar a mente e padronizá-la.


Vocês têm que compreender todo o tempo, que o elemento do espírito não era bem compreendido. Voltando então, a alquimia da Atlântida era para tentar encontrar a fonte da energia da força da vida, mas o espírito, como vocês conhecem hoje, e a religião como vocês conhecem hoje, não fizeram parte da consciência da Atlântida. Não havia nenhuma compreensão, nenhum conceito de Deus. Não havia uma palavra para descrever Deus. A alquimia da busca era tentar descobrir o que originava a vida. O que estimulava e energizava a vida? Qual era a fonte?


Assim, ao mesmo tempo em que a pesquisa da mente era intensa na Atlântida, havia muitos que sentiam que a fonte da vida, ou o espírito, vinha da mente também. Assim houve muita pesquisa. Houve muitos experimentos e também o uso abusivo da energia no controle da mente.


Voltando à Atlântida, muitos indivíduos, e muitos estão aqui, permitiram que este trabalho fosse feito em sua mente, permitiram obstáculos artificiais, permitiram o redirecionamento das energias na mente, fechamentos de certos aspectos da mente. Havia uma programação da mente que essencialmente permitia que ela fosse hipnotizada. A hipnose não era usada antes desse trabalho de controle da mente. Não era possível hipnotizar alguém antes desse controle da mente e muitos seres receberam implantes no cérebro.


E havia aqueles no poder que verdadeiramente adoraram essa idéia porque viram que ela levava a uma uniformização e a uma padronização. Ela também impedia que alguns avançassem rápido demais e outros, lento demais, mas também permitiu que grupos e, finalmente, toda a humanidade fosse hipnotizada, controlada, limitada.


Muitos, muitos, muitos – mas muitos mesmo - receberam esse implante na Atlântida – e isso acabou fluindo até para os que não tinham recebido. Esse implante de controle da mente foi tão forte que ele realmente se infiltrou na consciência de todos. E isso acabou encontrando o caminho para a consciência até mesmo dos que não receberam esse tipo de controle da mente ou cirurgia do cérebro, acabou se infiltrando na consciência de todos. E ele existe até hoje.


A uniformização da mente, a capacidade que a mente tem de ser direcionada, hipnotizada, limitada e controlada, ainda se faz presente. Saint-Germain fala sobre isso no Synchrotize, e fala sobre as mentiras da mente, as mentiras que vocês se contam e as mentiras que são impostas no cenário da sua realidade. É porque esses experimentos de controle da mente que ocorreram na Atlântida acabaram... acabaram sendo a principal razão da decadência da Atlântida. Mas isso se fixou e permaneceu.


Há alguns cujo controle e cirurgia da mente foram tão intensos que eles são afetados até hoje, e continuam a voltar vida após vida, no que vocês chamariam de um estado de ser mentalmente retardado. Nunca saíram deste estado por causa do trabalho que foi feito. No intervalo das vidas, eles permanecem na mente, embora não tenham corpo. Eles permanecem nos reinos próximos da Terra, nos reinos astrais cinzentos, tentando conseguir outro corpo o mais rápido possível, encarnando novamente, mas, uma vez mais, mentalmente incompetentes. Fora da sua mente, e também fora do seu espírito.


Assim o efeito desses experimentos na Atlântida foi muito forte. É por isso que no Círculo Carmesim sempre dissemos, “Não façam afirmações”. Isso é uma forma de controle da mente. É da mente, e controle da mente tira a capacidade criadora inata de cada um. Nós sabemos que contrariamos muitos - como dizer - outros tipos de filosofias da nova era, quando dizemos "Sem afirmações". É você controlando sua própria mente, e isso também não funciona.


Até mesmo as visualizações tendem a vir da mente, e o que vocês fazem é apenas reforçar os velhos implantes da Atlântida. Vocês estão visualizando a partir da mente. Vocês estão se limitando, se hipnotizando e mentindo para vocês mesmos quando fazem estas coisas. Nós sempre dizemos que a qualquer hora que seja, no trabalho que realizam com alguém, que não se trate de tentar controlar a mente. Não se trate de tentar implantar limitações. Trate-se sempre de se estar aberto.


O trabalho de controle da mente - e do corpo - voltando ao assunto dos dias de Ault, afetou-os tanto, Shaumbra, que vocês partiram. Deixaram as comunidades. Deixaram suas famílias, entes queridos, companheiros e filhos, e de algum modo encontraram o seu lugar no que agora denominamos Templos de Tien. Vocês sabiam que isto não era certo. Sabiam que esses controles e a padronização não eram mais apropriados. Eles foram longe demais. Causaram muitos danos e o que uma vez tinha sido a bela e amorosa terra da Atlântida ou Ault, agora se transformara em um lugar de controle e abuso de poder. Assim, vocês abandonaram os seus lugares de segurança, deixaram as suas comunidades, e de alguma maneira, de alguma maneira, encontraram o caminho dos Templos de Tien.


Nos Templos de Tien, nós trabalhamos juntos para tentar anular boa parte do trabalho de controle da mente e do corpo. Nos Templos de Tien, trabalhamos com as energias que nos permitiriam mudar para outras dimensões, e nestas outras dimensões, liberar alguns dos controles que tinham sido colocados em vocês e em todos nós. E até certo ponto, alguns foram muito bem-sucedidos. Nós descobrimos algo nestes estados multidimensionais. Descobrimos que, quando nos deslocamos da realidade normal de 3ª dimensão, podemos começar a liberar este controle do corpo e da mente e continuar progredindo e avançando como seres individuais, angélicos e divinos.


Mas nós achamos muito difícil trazer essa energia dos outros reinos, essa liberdade de outros reinos, de volta para o físico, de volta para o mundo da 3ª dimensão, porque a consciência era muito forte. A consciência da Atlântida praticamente criou um muro ou um bloqueio que nos impediu de trazer de volta esse tipo de liberdade física e mental para a nossa realidade. Então, existimos juntos por um longo, longo tempo. Existimos em um estado alterado de consciência. Não estávamos na 3D, nem estávamos totalmente na 4D. Tínhamos criado nossa própria dimensão.


O que aconteceu na consciência global foi que esse desequilíbrio das quatro pernas da cadeira, o desequilíbrio dos quatro aspectos do Eu que foi projetado nos níveis angélicos, estava sendo agora distorcido por causa da submissão do corpo, do controle e das experiências da mente. Esta quarta perna - gnost - simplesmente começou a se desvanecer porque não estava mais sendo usada. Estava sendo bloqueada. Dei un gnost desapareceu. Saiu da realidade. Não estava mais sendo usada porque agora todo o foco foi colocado na mente e também no corpo. Houve muito trabalho na Atlântida, no que chamaríamos de beleza do corpo. Tentava-se aperfeiçoar o corpo físico. Era narcisista, mas era também... de certa maneira, era até divertido tentar fazer o corpo físico absolutamente perfeito.


Mas enquanto tudo isto estava acontecendo, o desequilíbrio causou o desaparecimento do gnost. E havia muitos - como se diz – líderes que não eram adequados na Atlântida e que gostaram desse desaparecimento, porque quando gnost desapareceu, também desapareceu a individualidade pessoal. Quando gnost começou a diminuir, quando a mente foi tomando cada vez mais o controle, a capacidade de criação e manifestação também diminuiu. A criação tornou-se muito difícil. Ela passou a representar um esforço muito grande, e em breve as pessoas, os humanos na Atlântida, pararam de criar. Apenas obedeciam. Apenas executavam o que lhes era pedido. Não se expressavam. Não exploravam nem criavam. Apenas obedeciam. Passaram por uma espécie de sono longo, um longo estado de sonho onde apenas obedeciam às energias, e é o que vem ocorrendo desde então.


Vejam, sem a quarta perna, sem gnost no lugar, é muito difícil criar. Tudo se torna um esforço. Vocês perderam uma peça. É tempo de trazer gnost de volta. Mas isto cria alguns dilemas muito interessantes. Isto cria um paradoxo porque gnost também é um grande sinal de parada, é um grande aviso. Vocês foram programados para não ter mais gnost. Ela se transformou em um "não". Transformou-se em algo que vocês não devem ter.


Voltando à Atlântida, aqueles que estavam começando a acumular poder e a assumir o controle, começaram a transformar gnost em algo ruim e a chamá-lo de trevas. Sim, até hoje as suas igrejas perpetuam isso. Elas não sabem real e verdadeiramente o que é gnost, só sabem que o repudiam. Elas não querem que as pessoas tenham isso, porquegnost dá às pessoas a capacidade criadora, além de representar a liberdade e a ponte entre a humanidade e o espírito. Ela devolve a sua própria capacidade criadora. Há muitos que estão no poder hoje, nas igrejas e nos governos, que temeriam o retorno de gnost, porque o indivíduo recuperaria o equilíbrio total - corpo, mente, gnost e espírito.


Então, gnost tornou-se um "não", tornou-se uma negativa. Observem a própria palavra gnost, partindo do princípio de que em Inglês ela é soletrada g-n-o-s-t, significando conhecimento e sabedoria em algumas escolas de pensamento. Gnost também foi abreviada como "no" (nenhum). "No” (Não). "Não necessariamente "know" (saber) como saber algo, K-n-o-w em Inglês, mas n-o (não). "Não. Pare. Não vá lá. "Assim, foi colocado um enorme obstáculo, uma barreira sobre a palavra gnost, que as pessoas passaram a ter medo de voltar a ela.


Vocês tentaram voltar vezes incontáveis, e na semana passada, ao saberem, ao tomarem conhecimento como Shaumbra que iríamos falar sobre isso hoje, vocês tentaram trazer gnost de volta. Alguns de vocês têm tido noites agitadas. Alguns fizeram viagens difíceis para chegar aqui. Alguns têm sentido muita ansiedade. Alguns têm sentido náuseas ou até - como se diz – o corpo parece rejeitar tudo, porque vocês vêem o grande sinal de parada - "Não". Vocês foram programados. Sua mente foi programada e para NÃO usar mais gnost. Vejam, há uma completa contradição nos termos, um paradoxo completo em tudo o que cerca o gnost.


Se vocês aguardarem um momento. . . nós não vamos lhes pedir para forçar nada, apenas aguardem um momento para sentir esta quarta perna. As energias de gnost sempre estiveram aí, mas têm sido muito evasivas. Quando vocês tentavam fazer algo, um projeto ou um novo trabalho, e tentavam alcançar... "Onde está esta energia perdida? Onde está essa ligação? O que acontece que eu não posso fazê-la se manifestar? O que acontece que isso é sempre muito extenuante?" Vocês continuam,de certa maneira, buscando gnost, mas a sua mente lhes diz "Não está aí, não existe. Você está se enganando, você está bancando o bobo". Mas há ainda algo muito profundo que continua dizendo, "Mas eu sei que há uma peça perdida. Qual é? Qual é? Qual é o Santo Graal de mim mesmo?"


Frequentemente vocês apelam ao espírito - à sua versão de espírito, não a verdade do espírito - mas vocês apelam a nós, "Tobias, Saint-Germain, Kuthumi, ajudem a trazer isto. Espírito ajude-me a trazer isto para meu interior. Ajude-me a manifestá-lo". Nós não podemos. Algumas vezes vocês voltam a apelar à mente. Esforçam-se para tentar imaginar todos os ângulos, todos os aspectos, e geralmente se desgastam. E, então, desistem, se rendem. Ficam frustrados e voltam à velha consciência, voltam a ser seguidores.


Estes três dias foram dedicados por nós e por vocês a trazer gnost de volta às suas vidas, a devolver a quarta perna à cadeira. Mas ela vai voltar de uma forma diferente, assim não busquem a antiga gnost. Ela vai voltar de forma diferente. Vocês vão ter dificuldade para tentar defini-la. Alguns vão dizer que já a têm, e eu posso lhes assegurar, que vocês não têm. (risos)


Sua mente está jogando com vocês, porque quando receberem gnost, quando trouxerem este equilíbrio de volta para a sua vida, primeiramente haverá um brilho. Ela criará uma facilidade e uma graça que vocês não vêem desde a Atlântida. Ela criará uma simplicidade e uma clareza que contestarão quaisquer palavras que eu possa usar. É cósmico e é humano - tudo ao mesmo tempo. É a ponte entre os seus reinos cristalinos. . . seus reinos cristalinos internos, seu eu criativo e seu eu humano. É a escada que foi retirada, que impedia o livre fluxo das energias entre os reinos.


Não podemos fazer isso em grupo. Não podemos fazer uma ativação em grupo. Não podemos fazer uma meditação orientada para gnost porque o que vai acontecer é que a sua mente vai tentar criar isso imediatamente. E se nós fizermos uma meditação orientada de grupo, vocês estarão usando o esforço de outros. É uma coisa muito individual e muito pessoal. Nós podemos lhes dizer, vendo a sua energia, que gnost, que a sabedoria criativa – não a intuição, a sabedoria criativa - está pronta para voltar. É o momento certo da sua vida. Vocês passaram por todas as outras coisas, é o momento para este componente perdido, para esta peça voltar.


Se vocês buscarem por ela, não vão encontrar. É um paradoxo. Se vocês não fizerem nada, ela não virá. (alguns risos). Assim, pelos próximos três dias, principalmente. . . e poderia continuar mais além do que isto. . . mas nós vamos criar uma - se assim escolherem - vocês vão criar uma energia pessoal que permitirá a volta da sabedoria criativa para reequilibrar a sua vida.


Vocês vão sentir, muito possivelmente, um efeito na mente e no corpo físico. Eles não estão acostumados a isto, não estão seguros do que é esta energia. Pedimos que não se apavorem, não tentem colocar a culpa em algo que comeram, ou algo que fizeram, ou algo mais. Apenas compreendam que vocês estão aqui entre Shaumbra, que vocês estão aqui - VOCÊS estão aqui - deixando que esta peça perdida volte, volte diferente.


Nós vamos lhes pedir que não tentem voltar em algum tipo de jornada lúcida à Atlântida para recuperar gnost. Vamos lhes pedir que não tentem voltar e anular nenhuma das cirurgias algumas vezes brutais, que foram feitas em seus corpos e mentes. Vocês não podem. Isto já foi. Nós vamos lhes pedir que criem o seu próprio espaço sagrado, o seu próprio caminho de ligação para que gnost retorne a vocês.


Ela será diferente. Será incomum, e novamente vocês vão se encontrar potencialmente nesta batalha e neste dilema totalmente mental para tentar trazê-la de volta. Mas quando vocês chegarem nesse ponto, quando entrarem nessa luta interna para tentar definir e buscar gnost, apenas respirem profundamente. Façam uma inspiração profunda.


Eu não posso lhes dizer como fazer isto, e esta é a parte frustrante, porque no momento em que eu fizer, ela desaparecerá novamente. Ela se esconderá. Eu não posso lhes dar uma fórmula porque não há nenhuma. É muito pessoal. Não há métodos para fazer isto. Não há nenhum tipo de encantamento. É com vocês. Isto é com vocês. Mas que lugar perfeito, que oportunidade perfeita quando estamos aqui em algum lugar entre a Série da Clareza e a Série dos Professores, para descobrir - e redescobrir - gnost.


Continuem a viver e a apreciar a vida nestes próximos dias. Não fiquem muito preocupados com isso. Nós vamos pedir a vocês principalmente para que não fiquem muito sérios. A seriedade fará gnost escapar (risos) porque a seriedade vem da mente.


Nós vamos pedir a vocês, que quando estiverem conversando uns com os outros, por favor, não tentem dizer aos outros o que é gnost (risos), porque esta é a sua experiência e é importante para eles, neste momento, terem a própria experiência com ela. Vocês não podem pressioná-la. Não podem fabricá-la artificialmente, e eu não posso dizer nada para tentar ajudá-los, apenas dizer-lhes que gnost - esta brilhante sabedoria criativa. . . nem mesmo essa palavra é adequada, porque é muito mais - gnost é a peça perdida que permite a graça e a facilidade da manifestação, a realização dos sonhos. Em vez de os sonhos serem mantidos fora, nos reinos astrais, gnost os traz para dentro. É uma bela coisa e é algo que eu carinhosamente espero que cada um de vocês experiencie à sua própria maneira.


E, novamente, se vocês tiverem expectativas sobre o que vai acontecer, sobre um grande e brilhante acontecimento ou um tipo de orgasmo espiritual irresistível, provavelmente vão se decepcionar. Assim, vocês estão aqui, com um dos desafios mais paradoxais e interessantes que já tiveram por um longo tempo, mas a beleza disso é que ele mudará a sua vida. Mudará o seu modo de viver. Mudará o seu modo de criar.


Em vez de todas essas lutas. . . eu usarei o exemplo de todo o esforço com a Companhia de Energia Círculo Carmesim, para encontrar o caminho certo e a construção certa e as pessoas, recursos e ferramentas certas. Este foi um exemplo maravilhoso para aqueles que têm trabalhado nisso, de como era antes de gnost. Quando gnost tomar o seu lugar na nova companhia do Círculo Carmesim, tudo fluirá de maneira diferente.


Eu não quero dizer nada mais neste momento, porque as suas mentes vão funcionar (risos). Vocês estão tentando intelectualizar gnost e não podem. Eu lhes darei mais umas poucas dicas. Alguns de vocês imaginam gnost como essa coisa que vocês chamam de criança interior. É um aspecto de gnost. Alguns a imaginam como toda essa coisa de criatividade. É um aspecto de gnost.


É muito pessoal. Não é a energia do coração. É algo diferente. Ela não existe no corpo, mas está ao seu redor, faz parte de vocês. Somente vocês - somente vocês - podem integrá-la de volta à sua realidade. Somente vocês. È por isso que eu pedi que todos os facilitadores se livrassem dos seus antigos métodos. Liberem seus velhos modos de experienciar esta conferência com este grupo. Eles vão sofrer uma evolução muito interessante. Se vocês quiserem ajudar, apenas respirem com a pessoa que estiverem tratando. Alguns de vocês já fazem isto, não fazem? Apenas estejam com eles. Deem-lhes o seu amor, deem-lhes a sua compaixão.


Uma outra coisa que posso dizer sobre gnost é que ela é a essência da paixão. É o fruto da rosa. É a expressão da paixão nos níveis terrestres.


Então, com isto, Shaumbra, chegou a hora de deixar que esta energia flua de volta para a sua vida, mas somente vocês podem fazê-lo. Nós continuaremos amanhã com Kuthumi. E depois, com Saint-Germain, com suas muitas outras apresentações e com a maravilhosa energia dos Shaumbra aqui, nesta reunião.


E assim é.




Traduzido por: Silvia Tognato Magini silvia.tm@uol.com.br

Revisado por: Sonia Bidutte bidutte@terra.com.br



Tobias do Conselho Carmesim é apresentado por Geoffrey Hoppe, com o pseudônimo de "Cauldre", Golden, Colorado. A história de Tobias, do bíblico Livro de Tobit, pode ser encontrada no web site do Círculo Carmesim: www.crimsoncircle.com. O Material do Tobias é oferecido gratuitamente aos Trabalhadores da Luz e Shaumbra de todo o mundo desde agosto de 1999, época em que Tobias disse que a humanidade tinha ultrapassado o potencial de destruição e entrado na Nova Energia.

O Círculo Carmesim representa uma rede mundial de anjos humanos que estão entre os primeiros a fazer a transição para a Nova Energia. Enquanto eles vivenciam as alegrias e os desafios do status da ascensão, ajudam outros humanos em suas jornadas, compartilhando informações, atendendo e orientando. Mais de 50.000 visitantes vão ao web site do Círculo Carmesim todos os meses ler os últimos materiais e discutir suas próprias experiências.

Os encontros do Círculo Carmesim acontecem mensalmente em Denver, Colorado, onde Tobias apresenta as informações mais recentes através de Geoffrey Hoppe. Tobias declara que ele e os outros do Círculo Carmesim celestial estão, na verdade, canalizando os humanos. De acordo com Tobias, eles estão lendo nossas energias e traduzindo nossas próprias informações de volta para nós, de modo que possamos vê-las vindo de fora, enquanto as vivenciamos no nosso interior. O "Shoud" é uma parte da canalização em que Tobias fica de lado e a energia dos humanos é canalizada diretamente por Geoffrey Hoppe.

As reuniões do Círculo Carmesim estão abertas ao público. O Círculo Carmesim sobrevive com o amor sincero e a doação dos Shaumbra de todo o mundo.

O objetivo dos que fazem parte do Círculo Carmesim é servir de guias humanos e professores àqueles que seguem o caminho do despertar espiritual interior. Não é uma missão evangélica. Pelo contrário, a luz interior é que guiará as pessoas até você para receberem compaixão e atenção. Você saberá o que fazer e o que ensinar nesse momento, quando vier até você o humano precioso e único, pronto para embarcar na jornada da Ponte de Espadas.

Se você estiver lendo isto e sentir a verdade e a conexão, você é realmente um Shaumbra. Você é um professor e um guia humano. Permita que a semente da divindade cresça dentro de você agora e em todos os momentos que estão por vir. Você nunca está sozinho, porque a família está espalhada por todo o mundo e os anjos estão ao seu redor.

Por favor, distribua este texto livremente numa base não comercial e sem cobrar por ele. Por favor, inclua as informações na íntegra, inclusive com todo este pé de página. Todos os outros usos têm que ser aprovados por escrito por Geoffrey Hoppe, Golden, Colorado. Veja a pagina de contatos no website http://www.crimsoncircle.com/

© Copyright 2006 Geoffrey Hoppe, P.O. Box 7328, Golden, CO 80403. Todos os direitos reservados.