Vivendo Sua Consciência

OS MATERIAIS DO CÍRCULO CARMESIM
A Série e2012:

SHOUD 1: "Vivendo Sua Consciência"
Apresentando ADAMUS,
Canalizado por Geoffrey Hoppe
Apresentado ao Círculo Carmesim
em 6 de agosto de 2011





Eu Sou o que Sou, Adamus, seu BFF espiritual.
 (N. da T.: BFF significa Best Friends Forever, ou seja, Melhor(es) Amigo(s) pra Sempre.)

Big Fun Family! (Grande Família Divertida)
Best Friends Forever (Melhores Amigos pra Sempre).
[Risadas e alguns aplausos]

Ah, queridos Shaumbra, queridos Shaumbra. Preciso ter cuidado com o que digo hoje. Sim, eu preciso, porque estão me observando. Estão me observando, e me preocupo se vou ser rebaixado de AAA para AA, de Anjo Ascenso Adamus para apenas Anjo Adamus. Então... Não dá mais pra saber quem eles vão rebaixar. [Adamus está se referindo ao recente rebaixamento do índice de crédito dos Estados Unidos] É desagradável, mas bastante apropriado. Bem, vamos falar sobre isso e sobre outras coisas maravilhosas hoje.

Fico feliz que estejam aqui. Fico realmente feliz que estejam aqui. E, claro, falo com aqueles que estão assistindo pela Internet, fico muito feliz que estejam conosco hoje, porque a mensagem de hoje, eu diria, será um marco. [Alguns aplausos] É! Eu acho. Vocês podem não achar, mas eu acho.

A mensagem de hoje vai chegar na essência de algumas coisas. Vou dizer muitas palavras hoje, mas no final vou juntar tudo, fazer um embrulho bonito, deixar a coisa bem simples e compreensível pra que qualquer um – qualquer um aqui – possa entender.

Assim, queridos Shaumbra, reunidos aqui neste dia ameno e lindo, às 3:07h, vocês sabem onde está a consciência de vocês? [Risadas] Sabem onde está sua consciência? Têm alguma pista? Fazem alguma ideia? Têm uma leve ideia de onde ela está? Sart? Obrigado pelas camisetas.

SART: Está bem aqui.

ADAMUS: Bem aqui, mas o que ela é? O que ela é? Trataremos disso hoje. Vamos nos divertir com isso hoje.

Assim, vamos respirar fundo ao começarmos este dia.

Por que Vocês Estão Aqui

Então, a pergunta é, enquanto esquentamos aqui: Por que vocês estão aqui hoje? Por que estão aqui? Eu respondo. Vocês estão aqui porque este é um momento e um lugar pra simplesmente relaxarem, pra estarem no espaço seguro. Ah, eu falo demais e faço algumas gaiatices... Chapéu adorável. [Ele pega o chapéu de alguém.] Acho que é um chapéu de pastor. É, sim. [Ele põe na cabeça.] Estilo francês... sim, com certeza.

Por que vocês estão aqui? Para apreciar isto. [Ele ajeita o chapéu.] Ele tem uma cabeça grande. Meu próximo canalizador vai precisar ter cabeça menor.

Assim, por que vocês estão aqui? Para se afastarem por algumas horas de toda a tensão, de toda a ansiedade que está lá fora, de toda essa energia que está em caos. Vocês vêm pra cá por causa das notícias e atualizações, vêm pra cá pra ficarem com a família – isto é, com a família boa. Vocês vêm pra cá pra que possam simplesmente relaxar, e é pra isso que convido vocês agora mesmo. Simplesmente relaxem. [Ele devolve o chapéu.] Não tentem entender todo o material apresentado aqui. Vocês podem pegar e ler depois, mas, provavelmente, nem vão precisar.

Vocês não precisam forçar nada aqui. Não precisam ficar tentando. Não precisam forçar nada. O legal de estar aqui é que vocês podem simplesmente respirar fundo. Nada pressiona vocês. Vocês não precisam resistir a nada. Este é o nosso momento – meu e dos outros seres –, nosso momento de fazer o trabalho, de facilitar, bom, a respiração, o movimento da energia, a liberação de algumas coisas que estão presas.

Vocês não precisam tentar entender nada aqui em cima [na mente]. Vocês podem apenas se sentar relaxando, como se estivessem assistindo a um programa de televisão em casa. Mas, em vez de terem algumas energias desequilibradas vindo na sua direção, vocês podem se sentar e relaxar, e simplesmente se permitir... permitir que seu eu faça o que ele já sabe fazer.

Este é o nosso momento de folga. É a nossa pequena, linda e sagrada ilha, longe de todo o barulho, da confusão, das energias e da ansiedade que estão lá fora. Então, vocês podem respirar fundo e deixar que isso siga o próprio rumo. Eu vou mantê-los entretidos, espero, por um tempo, enquanto vocês realmente permitem que um bocado de outro trabalho seja feito.

Outros vão trabalhar comigo, e estamos vendo que há um pequeno desequilíbrio energético aqui, porque você entra no cérebro, Anne, e fica pensando demais. Vemos que há um pequeno desequilíbrio energético, daí, nós passamos e literalmente a convidamos pra respirar fundo, relaxar e parar de se preocupar tanto com isso e permitir que o processo natural do Deus dentro de você aconteça.

Veja, a parte humana... Isso é pra todo mundo. Mas a parte humana fica tentando entender e resistir e não colabora com esse processo, que acaba se tornando algo muito intenso e difícil onde vocês se atolam. Se puderem simplesmente respirar fundo bem agora e relaxar, ele acontece sozinho.

As pessoas costumam perguntar: “Qual é o segredo? Qual é o mistério?” Simplicidade, de fato. Simplicidade é o segredo. Respirar fundo e confiar em si, se amar sem nenhum “porém”. Entender que tudo que vocês precisam ou querem já está aí. Vocês já deixaram no caminho antes mesmo desta existência humana. Já está aí.

Vocês sabem que tem essa parte de vocês que retorna da ascensão, que já ascendeu, que já meio que criou o caminho pra vocês, se vocês escolherem seguir esse caminho reto, fácil e simples. Essa parte, que é realmente vocês, já colocou tudo de que precisam nesse caminho. É apenas uma questão de vocês se permitirem estar conscientes. Será que vocês vão simplesmente respirar fundo e perceber que é fácil assim? É tão fácil como este caminho por aqui [referindo-se à passagem pelo centro da sala]. É tão fácil como observar e ficar consciente de que cada ferramenta, cada coisa, cada resposta já está aí.

Ah, vocês podem, se quiserem, podem pegar o caminho difícil. [Ele anda por uma fileira de cadeiras.] Vocês podem, bem, e não é tão ruim; é uma experiência. Se quiserem ter a experiência de passar com dificuldade pelo meio das pessoas, que lançam em vocês energia negativa do tipo: “Que m... você está fazendo, atropelando todo mundo? [Risadas] Você está pisando na minha bolsa e no meu pé.” Desculpe, Paul. Ai! Ou podem simplesmente pegar aquele caminho fácil.

Ou... eis uma proposta interessante... porque alguns de vocês olham para o caminho fácil e dizem: “Bem, esse é fácil demais.” Vocês dizem. Eu vivo falando sobre isso. Vocês perguntam: “Mas isso não é pegar o caminho do covarde?” Bom, não é. Vocês dizem: “Esse é fácil demais. Quero um pouco de agitação na minha vida.” Bom, vejam bem, vocês podem seguir um caminho relativamente fácil e ainda assim ter coisas maravilhosas pra agitar a vida. Coisas que nunca serão um peso pra vocês, que nunca irão confundi-los, que vão realmente ser uma alegria e uma experiência.

Assim, vamos respirar fundo.
Vocês estão aqui pra ter um pouco de folga.

O que Está Acontecendo

É um mundo intenso lá fora neste momento. Nós temos falado sobre isso. Eu digo “nós” de forma bem generalizada: qualquer Mestre que esteja... é uma palavra engraçada. Eu jamais teria me rotulado assim. Vejam, tudo que fiz foi simplificar, destilar isso. Falamos sobre isso na Austrália. Eles gostam de destilar as coisas, por isso precisei usar essa palavra. [Risadas] Ela foi muito útil. Eu precisava encontrar essa ligação em comum e... [rindo]

Falamos sobre destilar as coisas até as energias básicas essenciais. Simplificá-las, e não a partir daqui [da cabeça]. Vocês nunca, jamais, irão simplificar nada a partir daqui. Este pequeno dispositivo chamado cérebro foi especificamente desenvolvido e programado para a confusão. Ele se sente feliz com isso. Faz ele cantar. Dê a ele um quebra-cabeça – ele resolve. Por que as pessoas fazem palavras-cruzadas? Por quê? O cérebro!! Exercita um pouco o cérebro.

Por que elas jogam paciência todas as noites? Por que elas fazem essas coisas? O cérebro gosta de complexidade, e tudo bem, a menos que vocês pensem que vocês são o cérebro de vocês. Daí, a sua vida vai ser preenchida com confusão e complexidade, quebra-cabeças, charadas, desafios, até ficarem totalmente pra baixo, despidos e, então, aparecerem aqui. E perceberem que pode ser simples. Pode ser qualquer coisa que escolherem.

Assim, Shaumbra, está difícil lá fora, e temos falado sobre isso há um bom tempo. Acho que se pode dizer que foi profetizado. Vejam, não penso muito em termos de profecia, porque isso acaba entrando na alçada do charlatanismo, às vezes. E, se alguém realmente rastreasse as profecias, descobriria que muitas delas simplesmente não se realizam.

Muitas profecias estão repletas de drama. Mas, se alguém que pudesse destilar a consciência e a energia, olhasse pra isso a partir de uma perspectiva muito simples, vista de 1.000, 2.000 anos atrás, 5.000, 10.000, chegaria à mesma conclusão básica: a humanidade vai, em algum momento ou outro, passar por uma tremenda evolução.

Haveria mais seres encarnados na Terra do que em qualquer outra época – um nível populacional mais elevado – combinado com novos seres vindo de outras esferas e que nunca estiveram na Terra antes, combinado com a nova Energia, combinado com um monte de caos, tudo ao mesmo tempo.

Este seria um tempo de tremenda transformação neste planeta; transformação que não vem do destino, mas da escolha dos humanos, daqueles que disseram: “Estamos prontos para algo um pouco diferente. Estamos prontos pra viver como Mestres na Terra em vez de aspirar ser um, em vez de viver encarnações após encarnações. Estamos prontos pra viver aqui despertos, conscientes, alegres.”

Então, estamos rompendo... vocês estão rompendo com muitas coisas velhas neste momento. Mas, como disseram Kryon, Seth, Ramtha, Tobias e Kuthumi, como disseram há muito tempo, está acontecendo esse tremendo estresse, essa luta. Muitos dos velhos sistemas estão ruindo enquanto abrem espaço para os novos sistemas.

Particularmente, vocês e outros seres de mente consciente estão sentindo os efeitos disso mais do que qualquer um. Por quê? [Alguém diz: “Porque somos sensíveis”; outro diz: “Conscientes”.]

Sensíveis e conscientes, respostas absolutamente corretas, porque vocês estão mais conscientes. Vocês estão mais conscientes do que a maioria das pessoas. Isso é uma bênção e uma maldição. A boa notícia é que vocês estão mais conscientes. A má notícia é que vocês não podem voltar pra trás. Vocês podem correr, mas não podem se esconder. Vocês têm tentado fazer ambos [rindo]. Vocês têm tentado ambos.

Bom, falamos por muito tempo sobre o colapso dos velhos sistemas. Os velhos sistemas são coisas como as finanças. As finanças, o que está acontecendo neste momento? Um colapso total. Um colapso total.

Agora, perguntaram a nós, em outros seminários, quando e se a economia mundial entraria em colapso. Eu vou dizer. Isso já aconteceu há dois anos. Já entrou em colapso. Ninguém foi pra festa. Ninguém ficou sabendo. Quando digo colapso, quero dizer que os fundamentos por trás dos sistemas financeiros já se deterioraram. Foram apoiados pela fé, pela esperança das pessoas que investiram muito nas velhas maneiras. Mas, de certa forma, isso já acabou.

O novo sistema – um sistema bem mais justo, um sistema bem mais equilibrado energeticamente e, com certeza, um sistema bem mais consciente – já está sendo desenvolvido, já está em processo de implementação neste momento. Não é apenas uma esperança ou um sonho. Está acontecendo realmente.

Vocês perguntam: “Onde? Lá em Zurique?” Não, bem aqui. E vocês dizem: “Mas, Adamus, a última coisa que somos é experts em finanças. Lembre-se, temos problemas com abundância!” [Risadas] Não vou ter o botão do bonequinho rindo hoje? Não? Tudo bem. Não preciso. Não preciso dele. Vocês vão rir até chorar hoje, ou seja lá o que for.

Vocês não precisam conhecer os detalhes. Vocês não precisam entrar nas estruturas mentais da coisa. Vocês já estão criando isso, acreditem ou não. Vocês não estão vivendo isso, mas estão criando.

Tem algo bem lá no fundo de vocês que diz: “Ei, não é justo. Ei, isso não está mais funcionando. Ei, tem que haver um fluxo energético melhor.” Vocês não precisam entender de títulos e ações, e não precisam entender de obrigações do tesouro nacional.

A propósito, fico impressionado. Alguém entende? Vejam as agências de avaliação de risco de crédito. Agora, às vezes, as coisas são muito óbvias e as pessoas é que não entendem. Então, “Standard and Poor” (“Standard e Pobre”) é o nome de uma. “Moody” (“Mal-humorado”) é o nome de outra. E aquela outra: “Fitch” (“Furão”). Fitch. Parece que estão afanando dinheiro do seu bolso. “Só vou pegar um pouquinho e ele nem vai perceber.”

Que nomes são esses que colocam em agências de crédito respeitáveis, que decidem os índices que os governos e as grandes corporações...? “Standard and Poor”? Que tal “Hopeful and Abundant” (“Esperançoso e Abundante”)? Seria um nome melhor. Em vez de Moody, que tal Happy? Avaliações de Crédito Feliz! Parece até um nome asiático. Assim... É, alguns entenderam. Assim, queridos Shaumbra, muita coisa está acontecendo no momento.

Agora, por um lado, estou realmente entusiasmado com isso. Se não estivesse acontecendo, acho que eu estaria um pouco desapontado. Com vocês; não comigo, mas com vocês. Ou seja, se não estivesse acontecendo coisa o bastante aqui e ali no estado de sonho, em outras palavras, as energias realmente não estariam se movimentando, estariam presas. E, então, nós teríamos uma conversa inteiramente diferente agora se as energias estivessem realmente presas.

Perdoem-me, mas esses motores de vocês, simplesmente... [desligando um ventilador] isso e os celulares de vocês, arghh.

Então, a conversa seria diferente... Ela quer o ventilador [referindo à Linda]... seria sobre energia presa. Mas não é. Ela está se movendo muito rapidamente. Os resultados que vocês veem nos jornais, eu sei que assustam vocês, mas não deveriam. Agora, não sejam cegos também. Não... [Toca o celular de Kathleen.] Criptonita! [Risadas quando ele fica cambaleando.] Estou sentindo. Oh! [Ele se senta.] Acho que vou desmaiar aqui. [Risadas; Adamus ri.]

LINDA: Por favor, desliguem os celulares. Adamus não é muito fã deles. Não vai ser legal.

ADAMUS: Não, na verdade, eu resolvi que... [Ele pega um copo com alguma bebida.]

LINDA: Larga isso! Larga!

ADAMUS: ... quero lavar os celulares, realizar uma espécie de batizado. [Ele anda na direção de Kathleen com a bebida.]

LINDA: Larga!

ADAMUS: Não importa onde estejam.

KATHLEEN: Eu estava desligando o celular!
[Adamus ri e coloca o copo na mesa de novo.]

LINDA: Não, é limonada. Você não vai querer que ele faça isso.

ADAMUS: Mas está saborosa.

Então, onde estávamos? Ah, energia presa. Teríamos uma conversa inteiramente diferente. O fato é que ela está se movimentando. Está provocando muito drama por aí afora, um monte de gente entrando em pânico, sem saber o que vai acontecer depois.

Ah, e todos os falsos profetas vão aparecer agora, e sou categórico ao chamá-los de falsos. Todos os que buscam drama, todos os que alimentam as energias, todos os egoístas tendem a sair do armário. Vocês vão ver cada vez mais e mais isso. Panoramas de fim do mundo, teorias da conspiração. Por favor, Shaumbra. Agora, alguns de vocês vão ter um pouco a tendência de cair nessas teorias de conspiração. Não é nada disso. Nada disso.

Na verdade, como eu já disse, mas vou repetir aqui – e digo isso sinceramente –, os líderes políticos deste mundo... e são realmente muito poucos que eu chamaria de líderes... os líderes políticos deste mundo não são espertos o suficiente pra fazer uma conspiração. Realmente não são. [Risadas] Não mesmo. [Alguns aplausos] Eles estão tão atolados no próprio lixo, em seus egos e agendas, que não conseguem subir para o nível de clareza e simplicidade necessário pra colocar em prática uma conspiração.

Sobre os outros que vocês acham que estão conspirando, aqueles que têm muito dinheiro e querem mais, na verdade, eu digo o seguinte: eles estão procurando ir pra outro lugar com o dinheiro deles. São os que estão investindo em viagens espaciais. Eles não querem o planeta. Com todo o dinheiro que têm, eles percebem que não querem ter os problemas que têm aqui. Por quê? Por quê?

Bom, muitos percebem que podem ter todo o dinheiro do mundo e ainda precisam aturar um monte de coisa acontecendo. Eles estão, na verdade, usando... e isso é fato... há grupos de pessoas abastadas usando seu dinheiro pra fazer contato com alienígenas, de modo que possam sair deste lugar. Disseram pra eles... Eles têm objetivos como: vida eterna, sexo alienígena e todo esse tipo de coisa. Estão usando o dinheiro pra explorar ETs. Agora, eu gostaria de chegar até eles, às vezes, e contar realmente uma coisa ou duas sobre os ETs, mas vamos deixar que se divirtam.

Assim, seja como for, muita coisa está acontecendo neste planeta, um monte de energias, e vocês vão continuar a ver isso durante um tempo, a grande mudança, seja lá como queiram chamar. Lembrem-se – tenho que sublinhar isso; quero sublinhar 10 vezes – Não tem a ver com vocês. Não quero saber o quanto vocês achem que tem. Vocês tentam se prender a isso e fingem que tem a ver com vocês, mas não tem. Realmente não tem. Não!

Parte de vocês está puxando muito disso pra si. Vocês pegam essas coisas externas... Vocês são grandes receptores e transmissores de energia. Vocês são receptores psíquicos. Vocês pegam todas essas coisas que estão acontecendo lá fora e assumem como sendo de vocês. Vocês camuflam as coisas. Vocês meio que reconstroem essas coisas. Vocês mascaram essas coisas pra parecer que é um problema emocional pessoal, pra parecer que é um problema de abundância ou um problema de relacionamento. Não é.

Quantas vezes já dissemos isso? Muitas, porque vocês continuam pensando: “Bem, Adamus deve estar falando com o Timothy, não comigo. Adamus deve estar se referindo a outras pessoas, porque ainda tenho todos esses problemas.”Eles não são de vocês.

Vocês são seres muito sensíveis em certo nível. Vocês estão sentindo o que está acontecendo, mas estão fazendo essa distorção quando a coisa chega até vocês e fica parecendo que é de vocês. Alguns ainda se pautam pela teoria que diz: “Quem seriam vocês se não tivessem problemas.” Verdade. Os problemas – todos os problemas que vocês colocam diante de si, com que se levantam de manhã e vão pra cama à noite – servem pra lembrá-los de que estão vivos, dão ao cérebro algo com que trabalhar. Proporcionam a vocês emoções e dramas.

Ah, e sei que parte de vocês, amaldiçoando e praguejando, diz: “Quero me livrar desses problemas!” E, por favor, não cuspam em mim, mas vocês devem querer esses problemas, do contrário, eles não estariam aí. Sério. Verdade. Se vocês realmente não quisessem esses problemas, eles não estariam aí. Eu disse isso no ano passado, eu disse no ano anterior... [Linda segura um chapéu na frente dele.]

LINDA: É um escudo pra ninguém te bater.

ADAMUS: Não, basta... aqui, você fica aqui. [Risadas quando ele se esconde atrás dela.] Então...

Eu disse isso no ano passado, eu disse no ano anterior. Se alguma coisa está acontecendo na vida de vocês, e fica se repetindo, se está acontecendo, tem algo de que vocês gostam nesse jogo. Parte de vocês, obviamente, odeia o jogo, mas parte adora o jogo.

Vejam o que é – vocês é que mandam, vocês são os criadores – o que é isso de que gostam tanto? Porque essa é a razão pela qual isso está aí. Não existe outro motivo. Não é algo sendo imposto a vocês, que vem de outro lugar, de outra pessoa, incluindo, eu diria, os seus aspectos, porque, se está aí, mesmo que um aspecto esteja criando isso, vocês estão deixando que ele crie. Vocês estão deixando que esse aspecto mexa com vocês. Vocês estão permitindo que esse aspecto realmente impeça que vocês sejam seus próprios melhores amigos pra sempre.

A Nova Série

Assim, a nova Série. Concluímos nossa Série (SEGUINTE); é hora da nova Série. Como vamos chamá-la? [Alguém diz: “De Nova Série.”] Nova Série. É tão criativo quanto a minha Série (SEGUINTE). E o outro ano poderia se chamar Nova Série (SEGUINTE) e continuar de onde paramos.

Esperem um pouco. Sintam um instante. O que está acontecendo? O que está acontecendo neste momento? [A plateia diz: “Caos.”] Oh, a Série do Caos. Seria um bom nome. Realmente chamaria a atenção. Não é de todo ruim. Eu tinha uma coisa um pouco diferente em mente. Mas sintam. É.

MULHER SHAUMBRA 1: Revelação.

ADAMUS: Revelação. Revelação funcionaria.

MULHER SHAUMBRA 2: Nova Energia.

ADAMUS: Nova Energia. Tobias já teve uma assim. Ele ficaria furioso se eu roubasse isso dele.

MULHER SHAUMBRA 3: Ascensão.

ADAMUS: Ascensão. Já teve também.

LINDA: Corpo de Consciência.
[A plateia está oferecendo diversas sugestões.]

ADAMUS: Evolução. Certo, estamos chegando lá. Mestres... Espírito ancorado.

MULHER SHAUMBRA 4: Graduação.

ADAMUS: Graduação. Segunda graduação. Terceira graduação. [Risadas] Graduação final. Pós-graduação. Nova Consciência. Boas sugestões. Vejam, estamos reunindo um pouco de energia aqui. Sim, Vince?

VINCE: Viajando na Maionese.

ADAMUS: Viajando... Viajando no Seu Makyo, isso sim. [Risadas]

LINDA: Revolução da Consciência.
[Mais sugestões estão sendo oferecidas.]

ADAMUS: Linda?

LINDA: Revolução da Consciência.

ADAMUS: Revolução da Consciência... Ooh, Revolução. Sim! Isso atrairia alguma atenção. Chamaria atenção. Todas as sugestões são boas. Direi o que proponho, mas não significa que seja o certo.

LINDA: Podemos votar? [Risadas]

SART: A Próxima Grande Aventura de Sart. [Muitas risadas.]

LINDA: Tinha que ser ele.

ADAMUS: A Próxima Grande Aventura de Sart. Agora, esse nome seria bom. Sim. Sim. Seria bom, Sart, exceto pra todos os demais que estão ouvindo. Eles só sentiriam a sua energia.

SART: Que se juntem a ela também!

ADAMUS: É. Muitas sugestões boas aqui. Realmente, estamos juntando nossas ideias, nossa criatividade.

Eis o que eu estava pensando, e vou explicar daqui a pouquinho. [Adamus escreve no quadro.] “e2012”. Agora, vou explicar. Vocês não têm que gostar do nome. Mas é uma boa ideia.

Tudo Tem a Ver com Energia

Vou explicar. A coisa mais importante está acontecendo agora e pelo próximo ano e meio – talvez pelos próximos dois anos. E podem colocar uma nota no espelho, no carro ou onde for, mas agora tudo é energia. Tudo tem a ver com energia no momento.

Peço que insiram um asterisco aqui, ou seja, uma pequena nota de rodapé.

*** Quando digo que tudo é energia, isso não se aplica, necessariamente, a vocês, mas se aplica a tudo que está acontecendo no mundo neste momento. Vocês podem destilar, podem simplificar tudo isso – cada ação, cada jogo, cada manchete, tudo. Se puderem sentir, tudo tem a ver com energia.

Muita energia está em movimento agora, está em caos. Caos total. A energia está derrubando os velhos sistemas e tentando construir novos... não quero chamar de sistemas... mas novos modelos ou padrões, novas orientações para o modo como as coisas têm sido. Este mundo está numa crise de energia. Crise de energia.

Se derem uma olhada em tudo neste momento, o combustível, é óbvio. A situação dos combustíveis — há uma crise de energia aí. Isso tem sido falado há tempos, não é algo novo, mas este planeta tem usado combustíveis muito velhos, arcaicos. E é incrível, porque há energia no ar neste momento, só que ninguém sabe como juntá-la e utilizá-la. Chegaram perto algumas vezes, mas não acertaram ainda, porque... porque... porque...

LINDA (e a plateia): Falta consciência.

ADAMUS: A consciência ainda não está aí. Quando a consciência estiver aí, a solução, subitamente, vai surgir. É algo totalmente limpo, totalmente acessível, fácil de usar, e substitui o óleo, o carvão, o gás natural e grande parte do combustível fóssil. Mas este mundo está num desequilíbrio interessante de energias neste momento.

Como já dissemos, os recursos naturais necessários pra dar suporte à população do planeta agora e nos próximos 20, 30 anos, simplesmente, não estão aí. Existe o potencial de se ficar indo de uma crise à outra.

Imaginem uma crise agora com o dinheiro, a próxima crise verdadeira – crise verdadeira – sendo com o combustível. Imaginem os reservatórios começando a secar ou a população e o consumo da população crescendo até um nível em que extrair, refinar e distribuir não consigam dar conta. Daí, os preços vão lá pra cima. E muda tudo que está acontecendo na Terra.

E, meus amigos, isto não é uma previsão; está acontecendo. Não é drama; é real. Muitos humanos querem fechar os olhos pra isso, mas vocês podem, de fato, fazer alguma coisa. Vocês estão fazendo alguma coisa.

Por causa do trabalho que vocês estão fazendo com vocês mesmos – não pra salvar o planeta, não pra salvar o universo nem nada disso... O trabalho que vocês estão fazendo com a própria consciência egoisticamente, de maneira brilhante e egocêntrica com vocês mesmos, é o que está criando a diferença – criará uma diferença – para os problemas que a Terra está enfrentando no momento.

O trabalho que vocês estão fazendo cada vez que vocês assumem um probleminha pelo resto do mundo... É realmente problema deles, não de vocês, mas cada vez que vocês assumem isso, fazem parecer que é de vocês, lutam contra isso, combatem, brigam, sentem medo, é o que está realmente ajudando vocês a entender as coisas mais claramente sobre a consciência de vocês.

Vocês pensam que é seu caminho espiritual. Vocês chamam de caminho espiritual. Não é. Vocês já estão além da jornada espiritual. Realmente estão.

Vocês ainda fingem que estão trilhando, mas já concluíram esse caminho. Então, quando vocês assumem uma questão, pensando que ela é de vocês, lutando com ela e, por fim, chegando a uma nova compreensão ou a uma nova percepção, isso tem um efeito brilhante na consciência de massa, no resto do mundo.

Pode parecer, talvez, um pouco fora de contexto eu dizer isso. Vocês dizem: “Bem, o que meu problema com um amigo ou um membro da família tem a ver com isso?” Tem tudo a ver, porque vocês estão muito ativamente criando novos potenciais no planeta ao criar uma nova consciência em si mesmos.

Assim, voltando ao ponto, o planeta está numa crise de energia. Dá pra ver. Energia nos relacionamentos – muitos de vocês vivenciaram questões de relacionamento no último mês ou mais. Energia nos relacionamentos, porque é uma situação de energia. O velho jogo de roubar energia continua, e está acontecendo com os membros da família, os amigos e as pessoas no ambiente de trabalho.

E, daí, vocês ficam se perguntando: “O que está errado comigo? Por que não consigo conviver com as pessoas? Por que elas não gostam de mim?” Porque elas estão participando de um jogo de energia. Elas estão roubando, estão tentando tirar algo de vocês.

Há uma paranoia energética na Terra neste momento. Ela se manifesta de muitas maneiras diferentes. É a mentalidade do “não é suficiente”: “Não há o suficiente, por isso, preciso agarrar o que puder.” Se vocês sentirem a consciência de massa agora, existe um tipo enorme de vazio ou vácuo aí fora, das pessoas que, coletivamente, não acham que há o suficiente.

E isso é alimentado pelas reportagens, é alimentado pelos dramaturgos e todo mundo: “Não há o suficiente.” Isso cria um vazio. Que cria, então, o desejo ou o sentimento para as pessoas de que: “É melhor conservar o que tenho e agarrar um pouco mais. Tempos difíceis virão.”

Isso está gerando uma enorme crise energética emocional.

Vai gerar uma crise alimentícia e, escrevam o que eu digo, este planeta pode produzir comida suficiente pra atender 10 bilhões, talvez até 20 bilhões, se a consciência estiver correta. Mas haverá guerra por comida, mesmo com o planeta podendo produzir o suficiente. Já falamos sobre agricultura e agricultura consciente, sobre como produzir alimentos de maneira consciente pra suprir quantias tremendas de nutrição. E que os corpos – Corpos de Consciência – não precisam de enormes quantidades de comida. Eles só precisam de um pouco de conexão com a energia.

Vocês podem sobreviver com metade da comida que comem hoje, se quiserem. Vocês não precisam fazer isso. Não precisam. Vocês sobreviveriam com a metade. Não tem a ver com perder peso; tem a ver com harmonizar o seu corpo. Esses volumes não são mais necessários. Na realidade, vocês não reparam que tem dias que vocês comem demais e meio que dói? Porque o seu corpo está se tornando mais sensível.

Há uma crise energética global e, nos próximos 18 meses, tudo que vocês lerem sobre o que está acontecendo no planeta, desde as atividades bancárias a questões com comida, relacionamentos, tecnologia e tudo mais, tem a ver com energia.

O roubo de energia está se apresentando de muitas maneiras estranhas no momento. E uma das coisas que mais vocês vão ver... Vocês vão ver menos guerras, por sinal. Guerra é algo um pouco direto e tosco demais. E, de fato, não se consegue muita energia indo pra guerra. Eles estão começando a ver isso. Custa muito ir pra guerra. Desse modo, eles estão buscando outros meios. “Eles” – vocês sabem, o coletivo ou as pessoas nos governos.

As novas guerras, a nova forma de se abastecer de energia são coisas como as guerras de codificações, e elas estão acontecendo bem agora não por causa desses hackers universitários que entram e criam esses vírus e essas coisas pra tirar de vocês e outros usuários o direito de usar seu computador. É um vírus da SES colocado na programação dos computadores. Ele sai, literalmente, por aí roubando energia. [Ele está se referindo ao vírus da energia abordado por Tobias na SES – Sexual Energy School (Escola de Energia Sexual).]

Às vezes, vocês perguntam: “Bem, por que esses hackers saem causando destruição?” Energia. É por isso. Eles recebem energia direta e indiretamente. Eles têm um retorno quando provocam caos. Eles recebem em troca um suprimento indireto de energia. A angústia e a raiva de vocês em ter o computador “hackeado” elevam o nível de energia do retorno. Eles não sabem que estão fazendo uma programação nesse sentido, mas é a isso que equivale. Agora está acontecendo nas corporações. Está acontecendo nos governos. Estão criando os códigos que entram e deturpam, distorcem e roubam energia.

Assim, o que temos aqui agora é uma tremenda batalha energética acontecendo de muitas formas diferentes. Leiam as manchetes, se forem capazes, amanhã, na próxima semana e, em vez de lerem as palavras impressas no papel ou na tela do computador, pensem nisso em termos do agora: tudo é energia. Tudo. Tudo é energia. Vamos respirar fundo então.

É o que está acontecendo neste mundo, e não há necessidade de temer, certamente não há necessidade de se preocupar com isso. Vocês, meus caros amigos, vão trazer a quantidade absolutamente correta de energia pra servi-los por completo no momento. E não há nada absolutamente que precisem temer, a menos que queiram pegar esse curso, esse caminho.

Agora, é por isso que talvez seja bom o nome que sugeri, “e2012”, porque tudo estará relacionado à energia. Vocês podem mudar o nome, se quiserem. Fiquem com esse nome. Pensem sobre ele. Tudo tem a ver com energia.

LINDA: Todo mundo quer ficar com ele?
[A plateia diz: Sim!]

ADAMUS: Ah, e é um bom nome, meio dramático também, por causa de todo o alarde em torno de 2012. No final de 2012, não vai ocorrer um grande evento de big bang. Haverá uma grande agitação e muito caos de agora até lá. Haverá muitas situações semelhantes às que se sucederam recentemente na Noruega. É energia. É energia enclausurada.

E não foi apenas aquele indivíduo [referindo-se ao tiroteio na Noruega]. É uma leitura interessante, feita pelos olhos de alguns, que leem as notícias e se perguntam: “Esse homem agiu sozinho?” Bem, não. Ele agiu como parte da consciência, quer conhecesse os outros, quer estivesse consciente disso. Ele agiu como se fosse um justiceiro, com muita raiva, buscando energia, com as pessoas em mente.

Entendam, essas ligações são feitas. Os extremistas – sejam políticos, terroristas ou qualquer outro –, os extremistas se conectam. Assim como vocês se conectam uns com os outros, mesmo que não estejam juntos. Estamos nos conectando neste momento com os Shaumbra do mundo todo, mesmo que eles não estejam aqui. Vocês podem não saber o nome deles, mas há uma certa ligação energética.

Bom, eles se conectam e, particularmente, se forem intuitivos o suficiente pra saberem se conectar no estado de sonho, nas outras esferas, nas esferas Próximas da Terra, eles se conectam e se alimentam dos pontos de vista e das crenças uns dos outros. E por baixo disso está a carência. Muita situação referente à energia – à falta – e eles culpam um grupo ou outro, um governo, os pais ou o que for. O que estão vivenciando é a falta; portanto, precisam buscar energia pra se estimular, pra sentir que estão recebendo alguma coisa.

Mas, como vocês sabem, se fizeram o curso de energia sexual do Tobias, se vocês forem vítimas, vocês serão agressores. Ponto final. Se alguém leva sua energia, vocês, mais cedo ou mais tarde, saem e pegam a dos outros, mesmo que não estejam conscientes disso. É assim que vocês se abastecem.

Vocês podem se abastecer muito... alguns viveram um drama na semana passada. Não estou olhando pra ninguém em particular, mas vocês viveram um drama. É como se fosse um estímulo por um breve momento. Mesmo sendo drama, trouxe um pouco de abastecimento, e vocês estão começando a se tornar mais conscientes disso e mesmo, talvez, a se sentir um pouco culpados com relação a isso. Mas é um lembrete de que estão vivos. Na verdade, o corpo e outras partes de vocês se revitalizaram por um tempo.

Mas, então, quando isso acaba, vocês voltam para a realidade. Voltam para a vida diária e, então, vocês desabam. A energia de vocês despenca. Daí, o vampiro em vocês precisa sair e pegar mais energia em algum lugar. É o ciclo. É exatamente o que Tobias disse tão profundamente na Sexual Energy School.

Então, vocês têm todas essas dinâmicas acontecendo, todo esse abastecimento que ocorre, todo esse vácuo aí na consciência de massa, as pessoas achando – e sendo corroboradas pela mídia – que não há o suficiente pra todos. Não há o suficiente. Não há o suficiente. Daí, é preciso sair e se abastecer mais e mais. Vão fazer isso não através de guerras, mas de diversos outros caminhos – com manchetes alarmistas, a manipulação financeira e tudo mais.

Shaumbra, quando digo que tudo é energia, coloco um asterisco pra completar: exceto vocês. Exceto vocês. Vamos falar sobre isso.

O restante do mundo está operando nessa crise energética e nesse caos energético. Vai dar tudo certo, porque levará este planeta ao próximo nível, e vocês vão realmente começar a ver a diferença daqui uns dois anos. Mas, no momento, isso não precisa afetar vocês.

Faz parte da evolução. Faz parte da resistência à mudança. Faz parte das velhas estruturas que não querem se dar por vencidas, mas vai acontecer. Está acontecendo. Está acontecendo.

Percepção

Vamos falar agora sobre vocês. E, pra isso, vou falar de consciência. Consciência. O que é consciência? É uma palavra grandinha, difícil de soletrar. [A plateia dá diversas respostas.]

DAVID: Percepção.

ADAMUS: Percepção. Sim, e David leva um prêmio de Adamus. Mas, da próxima vez, David, quero que você responda cantando. PERCEPÇÃO!

DAVID [gritando]: PERCEPÇÃO!

ADAMUS: Assim. Isso. Então, David leva um prêmio de Adamus por estar bem perto de mim onde posso ouvi-lo. [Risadas] Mas, David, antes de aceitá-lo, vou pedir que faça uma escolha. Você pode escolher entre um prêmio de Adamus ou dinheiro, vinte dólares. O que você quer?

DAVID: [escolhendo o prêmio] Tem mais valor do que ouro.

ADAMUS: Mais valor do que ouro. Boa resposta. Qualquer resposta teria sido boa, mas foi uma boa resposta. Ótimo. Interessante, interessante. Vocês repararam que houve uma troca de energia?

LINDA: Entre você e Edith?
[Risadas; Adamus beija Edith.]

ADAMUS: Isso! Eu beijo, mas nunca digo.

Assim, consciência é percepção.

O que é percepção?
O que é percepção?
Vamos fazer alguns exercícios de percepção.

Primeiro, vou chamar dois “voluntários”. Vince, você é um e, Mary, você também. Obrigado por “se oferecerem”. [Risadas] Agora, lá vai o que vocês vão fazer. Vince, você vai lá pra varanda e simplesmente... saia e fique consciente. Mary, você sai pela outra porta que dá no estacionamento e fique consciente. Eu chamo vocês daqui a pouco.

É uma pergunta interessante. O que é percepção? Assim, enquanto eles estão em pé lá fora... ficando conscientes... Vamos chamá-los de volta agora. Já tiveram tempo suficiente pra ficarem conscientes.

LINDA: Agora?

ADAMUS: Sim. Certo. Vince, Mary, podem entrar. Ele está consciente de que não queria estar aqui dentro. [Risadas] Está muito mais agradável lá fora.

Vince, três coisas das quais você se conscientizou.

VINCE: De como estava bonito lá fora.

ADAMUS: Bonito, certo.
[Adamus escreve as respostas.]

VINCE: Da brisa fresca.

ADAMUS: Brisa fresca. Excelente.

VINCE: E de que a vida é boa.

ADAMUS: A vida é...

VINCE: ... boa.

ADAMUS: Ah, boa. Achei que você tivesse dito outra coisa. A vida é boa. Certo, Mary, três coisas. Do que você se conscientizou?

MARY: De que estou no momento do Agora.

ADAMUS: Estar no momento do Agora. Sério?

MARY: Mais ou menos. [Ela dá um sorriso sem graça.]

ADAMUS: Tudo bem. Sem querer contar um segredo, mas você estava se perguntando: “O que é pra eu fazer aqui?” Mas tudo bem estar no momento do Agora. Certo, próxima coisa.

MARY: De não ficar tanto na mente.

ADAMUS: Não ficar na mente. Isso. Você percebeu que estava na mente. Certo.

MARY: Isso, correto.

ADAMUS: Você está consciente de estar na mente. Certo. Depois.

MARY: De respirar.

ADAMUS: Como?

MARY: Não sei.

ADAMUS: Você não sabe.

MARY: De respirar. Eu não sei.

ADAMUS: Certo, duas respostas. Duas de três. Não é ruim.

Tudo bem, agora, vamos fazer isso em grupo. John, vou pedir que coloque a música que tocou no início da sessão, Mandolin Highway. [Comprada na PremiumBeat.com.] Vamos desligar as luzes e criar uma atmosfera ligeiramente misteriosa aqui. Coloque a música. E, enquanto a música toca, quero que fiquem conscientes. Respirem fundo e fiquem conscientes. Fiquem conscientes.

[A MÚSICA TOCA](*)


Ouça


Excelente. Linda com o microfone, por favor. Vamos acender as luzes de novo. Do que vocês ficaram conscientes? Sem makyo, por favor. Do que ficaram conscientes?

ELIZABETH: Eu só estava sentindo. Primeiro, fiquei consciente do toque com a ponta dos dedos.

ADAMUS: Ótimo. [Adamus prossegue escrevendo as respostas: Toque com os dedos.]

ELIZABETH: Fiquei consciente do meu corpo querendo se mexer com o ritmo, apenas sentindo isso.

ADAMUS: Você pode, se quiser. [Ele escreve: Corpo se mexendo.]

ELIZABETH: Certo. E fiquei consciente, mais que tudo, de uma mudança, que me deixou “pra cima”, uma elevação na energia.

ADAMUS: Sim. Ótimo. Excelente. Obrigado. Ótimo. Próximo.

EDITH: Fiquei consciente de como lindas gotinhas cintilantes enchiam meu coração de alegria e ficavam dançando, dançando, dançando.

ADAMUS: Ótimo. Alegria. Vou resumir isso [escrevendo] como alegria, meio que cintilante. Ótimo. Outros?

TIFFANY: Fiquei consciente de que saí da minha cabeça, o que me fez sentir sonolência; eu queria dormir.

ADAMUS: Sonolência. Excelente. Excelente. Falarei sobre isso. Sonolência. Ótimo.

MULHER SHAUMBRA 5: Uma sensação de estar voando e de felicidade.

ADAMUS: Ótimo. Excelente, quero mais algumas respostas. Qualquer percepção; não precisa ser algo esotérico. Pode ser qualquer coisa.

LULU: É. Fiquei consciente das mudanças de ritmo e, depois, da combinação de instrumentos diferentes.

ADAMUS: Sei. Você ficou bem consciente do movimento da música.

LULU: É. E da música retumbando dentro e fora de mim.

ADAMUS: Ótimo. É uma boa música também. Maravilha. Ótimo. Mais alguma coisa. Consciente do calor? [Alguém disse isso.]

KAREN: Pareceu pra mim como se fosse a vida em si – chi. Eu vi plantas, sementes, começando a crescer mais e mais, e, depois, começaram a se contorcer e tudo que consegui pensar foi...

ADAMUS: Você entrou numa viagem psicodélica dos anos 60. [Risadas] E como você resumiria isso? O que...

KAREN: Vida, chi. A energia chi.

ADAMUS: Certo. Excelente. Maravilha. Ótimo.

MCKENZIE: Fiquei consciente de um novo projeto de arte tomando forma na minha mente.

ADAMUS: Ah, ótimo. Vou colocar como criatividade. Maravilha. Mais duas pessoas. Qualquer coisa da qual tenham se conscientizado. Qualquer coisa. Pode ser algo que vocês considerariam totalmente trivial. Sim?

HEATHER: Fiquei consciente de algo me tocando bem aqui [no braço direito], da energia fluindo pelo meu corpo e de um cheiro que passou por mim.

ADAMUS: Sim.

HEATHER: Assim, passou direto por mim. [Ela faz um movimento com a mão.]

ADAMUS: Provavelmente, foi Kuthumi. [Algumas risadas] Cheiro e toque. Certo. Próximo.

GAELON: Fiquei consciente do ritmo, que todo mundo estava sentindo.

ADAMUS: Sei. Você ficou consciente da sala também. [Ele escreve: Música.]

GAELON: E da energia da sala que estava meio que fluindo.

ADAMUS: Maravilha. Certo, ótimo. É tudo por agora. [Ele escreve: Outros.]

Bom, muitos níveis diferentes de percepção.
Consciência é percepção.

Então, agora, vamos fazer outra experiência aqui, com a boa-vontade de Aandrah, se não se importar. E vamos desligar as luzes novamente. Mas, em nossa última reunião, Aandrah fez uma respiração silenciosa. Uma linda respiração silenciosa. Podemos repetir isso de novo agora? Sim, uma respiração silenciosa. Ela pode começar com algumas palavras, se preferirem, e, depois, entrar na...

E, agora, fiquem conscientes. Pode ser um pouco complicado, porque em instantes vocês não ouvirão mais a Aandrah falando.

AANDRAH: Então, fiquem numa posição confortável. Sintam-se. Ahhh. Isso. Certo.

Enquanto entram mais fundo dentro de si, recebam. Apenas recebam. Respirem profundamente. Sintam a respiração seguindo seu caminho pra dentro do corpo, pra dentro de vocês. Vejam como vocês desaceleram o ritmo da respiração... Profundamente, tranquilamente, devagar. Respirando... Inspirando e expirando. Inspirando... Expirando. Uma respiração de cada vez. Uma de cada vez. Profundamente, devagar, respirando.

[Silêncio durante um tempo]

ADAMUS: Obrigado, Aandrah. Obrigado. E, Linda, leve mais uma vez o microfone para a plateia.

LINDA: Com prazer.

ADAMUS: Do que vocês ficaram conscientes?

JANE: Fiquei consciente de uma brisa soprando em mim.

ADAMUS: Brisa. Ótimo. Foi gostoso?

JANE: Sim.

ADAMUS: Ótimo. [Ele continua escrevendo as respostas: Brisa (gostosa).]

MARC: Expansão.

ADAMUS: Expansão, excelente. Como foi? O corpo começou a inchar ou a cabeça ficou maior?

MARC: Eu me senti mais leve.

ADAMUS: Se sentiu mais leve. Ótimo, ótimo. Isso foi mais estressante ou menos estressante?

MARC: Menos estressante.

ADAMUS: Menos estressante. Ótimo. Às vezes, a expansão pode ser muito estressante. Ótimo.

ALAYA: Senti meu coração batendo.

ADAMUS: Ótimo.

ALAYA: Meu coração.

ADAMUS: Quando foi a última vez que sentiu seu coração batendo?

ALAYA: Bom, eu nunca me sentei e fiquei sentindo isso.

ADAMUS: É, incrível, não é?

ALAYA: Mas eu realmente senti o ritmo dele.

ADAMUS: Incrível! Você tem um coração e ele bate! O que faz com que ele continue batendo?

ALAYA: Eu.

ADAMUS: Com certeza. Lindo. Batidas do coração. Próximo.

DORIS: A pura consciência...

ADAMUS: Pura consciência.

DORIS: ... que leva às lágrimas. Sem uma emoção, mas com pureza e lágrimas.

ADAMUS: Ótimo. Ótimo. [Ele escreve: Consciência pura + lágrimas.]

DORIS: Quando senti os olhos de Aandrah...

ADAMUS: Vou desafiá-la um pouco aqui.

DORIS: Tudo bem.

ADAMUS: E, sem querer colocá-la na berlinda, mas qualquer um que vem pra cá está dando permissão pra isso.

A pura consciência... Quando se chega nesse ponto, não há absolutamente nenhuma sensação, nenhum sentimento, nada. Não fará brotar lágrimas nos olhos. Você sentiu a consciência e o potencial da pureza da consciência, mas, quando você realmente está na consciência pura, não há sentimento algum, e isso é bom. Não existem sensações. Não existem lágrimas. Pode-se dizer que não há nada e tudo, ao mesmo tempo.

DORIS: Beleza? Será essa uma palavra melhor para o momento em que me conectei com Aandrah?

ADAMUS: Sim. Beleza. Beleza está ligada...

DORIS: Beleza foi o que vivenciei.

ADAMUS: Com certeza. E não estou tentando corrigi-la ou colocá-la na berlinda, mas, para quem está escutando, acho que é importante dizer que o que você sentiu com Aandrah foi belo, com certeza. É o potencial da pura consciência e mais consciência do que você sentiu mais cedo hoje ou ontem ou no ano passado e que a levará às lágrimas e, gentilmente, lavará as velhas coisas que não servem mais pra você, em vez das energias que chegam rispidamente.

Mas, quando você realmente entra na consciência pura... é indescritível. Sem definição. Sem emoção e, de fato, é interessante, sem sentimento. Parece meio chato, mas não é. Não é. Mas obrigado.

Mais duas pessoas.

JEAN: Eu senti o cheiro da comida atrás de mim. [Risadas]

ADAMUS: Sentiu o cheiro... Excelente. Excelente. E estava satisfatório ou não? [Ele escreve: Cheiro de comida.]

JEAN: Estava realmente bom. Quero ir lá comer!

ADAMUS: Ótimo. Você está numa posição privilegiada aí. Basta se virar e pegar o que quiser. Certo, mais uma ou duas pessoas.

LINDA: Certo.

ADAMUS: E depois chegaremos ao ponto e vocês dirão: “Ah!”

SANDRA: Senti, em determinado momento... fiquei consciente de que eu não tinha corpo.

ADAMUS: Sem corpo.

SANDRA: Foi como se o corpo tivesse desaparecido, mas, assim que tive essa percepção, voltei pro meu corpo.

ADAMUS: Ah, com certeza. Certo. Sem corpo ou além do corpo. Excelente. Mais um.

SUSAN H.: Eu me senti espiralando.

ADAMUS: Espiralando. Você não devia beber antes de vir pra cá. [Risadas] Ótimo. Na verdade, tudo bem beber. Tudo bem. Obrigado, Linda.

LINDA: O prazer foi todo meu.

ADAMUS: Então, ficamos com muitas percepções no quadro aqui, cada uma delas está correta, cada uma é apropriada.

Tipos de Percepção

À medida que vocês se tornam mais conscientes de si mesmos... Vou definir isso. Essas coisas não estão gravadas a ferro e fogo, por qualquer meio, mas existem níveis diferentes de percepção, todos ligados à consciência. Essas percepções são todas importantes na vida de vocês agora.

[Adamus escreve.]

Existem as percepções sensoriais. Essas chegam através dos cinco sentidos humanos de vocês, e são coisas como cheiros, toque, ouvir a música que entra pelos ouvidos, sentir a brisa, e mesmo, até certo ponto, ter a sensação do coração batendo, do calor, é claro, do corpo se movendo. Tudo isso são percepções sensoriais.

Eu diria que, em geral, os humanos não estão conscientes de cerca de 98% das percepções sensoriais à sua volta. Eles aprenderam a sintonizar e a ignorar as coisas. Havia motocicletas passando enquanto fazíamos nossas experiências. E vocês aprenderam a se desligar de coisas desse tipo. Algo visível estava acontecendo aqui na sala, mas vocês aprenderam a ignorar isso, o que é bom, porque, do contrário, vocês ficariam sobrecarregados. Vocês se tornaram tão bons em se desligar que meio que acabaram se desligando de si mesmos.

As percepções sensoriais são uma parte importante da consciência. Ser capaz de perceber cores, tocar e cheirar é algo muito fácil e agradável de se fazer, e é um bom presente pra darem a si mesmos. Ter novamente percepção sensorial requer apenas que se pare de vez em quando e observe que uma mosca está voando pela sala aqui. Mas, a menos que ela pouse no seu nariz, geralmente, vocês nem reparam nela e simplesmente a ignoram. E ela está voando por aí. Não a matem, é o Kuthumi. [Risadas] E... [Ele pisa na mosca.] Ah, sinto muito. Ele vai voltar numa próxima existência. [Muitas risadas]

Tem a percepção mental, percepção da mente. A maioria de vocês realmente não falou do que passou pela mente, e foi muita coisa. Tinha muito lixo passando por lá. Vocês aprenderam a ignorar muitas dessas coisas, mas o engraçado com relação ao lixo mental é que ele fica voltando. Ele não desaparece em algum... bem, ele desaparece, sim, em algum lugar, mas tende a voltar.

Cada pergunta que vocês já fizeram ainda está flutuando por aí até receber uma resposta. É, são muitas. Talvez vocês devessem parar de fazer tantas perguntas malditas. [Risadas] E mesmo coisas como problemas, que vocês levam para o cérebro e não são resolvidos, voltarão. São como perguntas. Não foram resolvidos, e estão procurando por alguma coisa.

Então, acontece tudo isso. Alguns de vocês tiveram a percepção da beleza, da expansão, de coisas assim. Muitas dessas coisas são... é a percepção do pensamento.

Agora, muitos de vocês não gostam de pensar sobre seus pensamentos. Vocês não gostam de focá-los, porque são apenas um monte de lixo e entulho que fica passando. Vocês fazem uma coisa interessante. Vocês pegam os próprios pensamentos e os combinam com sua antena psíquica – a sua capacidade de receber sentimentos externos e outras coisas. Vocês juntam tudo, chamam de seu e tendem a analisar tudo isso. E é tão desgastante que, daí, vocês tentam interromper esse fluxo, mas não conseguem.

Ele continua fluindo e vocês entram num dilema. Vocês ficam muito confusos. Vocês transformam tudo em caos. Tudo são problemas e confusões, e vocês não sabem como seguir adiante. Então, vocês pensam em deixar este lindo planeta. Vocês pensam em tentar novamente na próxima existência. Quantas vezes vocês já não disseram isso? “Vou tentar na próxima vida.”

Esta é a Vida.
Vamos passar por isso nesta existência.
Chega de ficar voltando. Sim. Sim.
[Aplausos da plateia]

Assim, tem a percepção mental. E, por fim, tem o que vocês chamariam de um saber mais esotérico, espiritual, intuitivo. Usarei a palavra intuição aqui [escrevendo], percepção intuitiva.

Agora, isso é algo que, na verdade, está constantemente, constantemente, se conectando e se comunicando dentro de vocês. Vocês todos são seres muito intuitivos. Entretanto, vocês permitem que a mente se sobreponha à intuição, e deixam que suas dúvidas a afastem, então, pra outro lugar. Mas a intuição neste momento está, de fato, trazendo sentimentos de coisas que vão aparecer nos jornais só na quarta-feira.

Vocês dizem: “Tem algo errado com meu estômago. Deve ser porque estou com problemas no trabalho.”

Não. Vocês são seres intuitivos. Vocês pegam coisas que estão se movendo e se alterando na Terra. Que cheiro adorável, hummm. Vocês estão pegando a ansiedade das pessoas nas cidades em que vocês vivem. Vocês estão pegando os fantasmas que vagueiam aqui pela sala, sempre fascinados com vocês, e que estão presos à Terra, mas seus processos mentais convertem e afastam isso para uma área diferente, fazendo com que vocês duvidem de si mesmos, de modo que vocês realmente acabam não se permitindo perceber as coisas de maneira intuitiva.

Já está aí. Não precisamos ter aulas de intuição, de saber. Sabem por que não quero dar aulas sobre isso? Porque, daí, vocês vão levar a coisa pra mente. Já está aí. São vocês. Já está funcionando. Tem a ver realmente com confiar que está aí, confiar que esse não é um lixo de vocês, seja qual for, e confiar que, quando a intuição surge, a mente tenta assumir o controle.

Estes são os diferentes tipos de percepção com que vocês estão trabalhando neste momento. São os mais óbvios, porque estão bem na cara. Se eu pisar seu pé, vocês estarão conscientes disso. São os mais prolíficos. Estão sempre acontecendo. Estão deixando vocês malucos. São os mais naturais, os mais divertidos e mais fáceis, mas são os que costumam tirar vocês do caminho.

Quando eu fiz esta pergunta antes: “Onde está a sua consciência?” É uma pergunta realmente boa. É realmente boa. Alguns de vocês disseram: “Aqui.” Bem, mas será que vocês estão realmente conscientes aqui? Eu afirmaria que grande parte de sua consciência está lá fora em algum lugar, em outra esfera. Vocês a mantêm lá fora. Vocês a impedem de estar aqui dentro. Vocês a evitam de muitas maneiras. Vocês a deixaram escondida em algum lugar e realmente não sabem onde ela está.

E, quando eu faço a pergunta “O que é consciência?”, vocês me dão uma resposta mental. Vocês dizem: “Percepção.” Tudo bem, mas, de fato, o que isso significa? O que é consciência? O que é consciência?

E eu fico debatendo comigo mesmo, o que é bem divertido, sobre se devemos definir isso ou não, ou se devemos deixar isso em aberto. Eu decidi que definiríamos isso até certo ponto.

Sua Presença

A consciência é percepção, mas, colocando de maneira mais concisa, destilada, consciência é a presença de vocês.

É a sua presença, não como uma dádiva (um presente) – digo, bem, é uma dádiva – mas é a sua presença. Isso é um pouco diferente de estar no momento do Agora. É bem semelhante, como se fossem primos, mas é a sua presença. A sua consciência é a sua presença e aquilo do qual vocês se permitem estar conscientes. A sua consciência é a sua presença, e a sua presença neste momento está bem aqui, sentada bem aqui.

A sua consciência é a sua percepção sensorial, mental e intuitiva. A sua consciência é presença, e a pergunta que tenho pra cada um e todos vocês: O quanto vocês estão presentes? O quanto estão presentes? O quanto vocês são reais no momento? O quanto vocês estão conscientes?

Vocês são muito mais conscientes do que a maioria dos outros humanos. Isso é, verdadeiramente, um fato. Mas ainda tem aquele esforço pra um lado e pro outro. Ainda ficam se perguntando: “Bem, o que significa tudo isso? E o que é o Espírito e o que é consciência?”

Vou pedir a vocês neste momento, sem música, sem palavras, sem nada e sem este ventilador – só um instante, querida Linda – que sintam a sua presença, que fiquem conscientes de sua presença. E, antes disso, saiam do seu cérebro. Não coloquem a mente nisso. É, nada de cérebro agora. Simplesmente, respirem fundo...

O que é a sua presença neste momento?
Não lá fora em outro lugar, mas bem aqui.
O que é a sua presença?

[Pausa longa]

Agora, alguns de vocês estão ficando um pouquinho mentais com relação a isso. Foram treinados dessa forma. A humanidade é assim no momento, tudo fica mental. Vocês estão tentando pensar na resposta. Não vai funcionar. Alguns de vocês estão dizendo: “Não faço a mínima ideia.” Essa é, provavelmente, a melhor resposta, porque, ao menos, vocês estão se abrindo pra ela.

O que é a sua presença? Vocês estão no corpo, meus caros? Não. Não, vocês não estão. Vocês estão na mente? Até certo ponto, sim. Vocês estão totalmente presentes, Anjos? Não. Não, e tudo bem. Ao menos, vocês estão conscientes disso, entendem? E essa é a simplicidade e a beleza da coisa.

Será que vocês estão presentes? O que é a sua presença? À medida que começam a se tornar conscientes disso através dos sentidos, dos sentidos físicos, mesmo através da mente, e a mente começar a dizer “Será que estou presente?” e, depois, através da intuição, vocês vão, enfim, começar a se sentir mais presentes. Vocês vão começar a sentir mais o entorno de vocês. Vocês vão ter mais consciência da presença de vocês.

E, no momento em que vocês perceberem o que está presente, o que está aqui, vocês vão começar a entender o que não está presente. Vocês vão entender o que vocês estão evitando.

Depois, minha cara [voltando-se para Doris], vocês alcançam aquele estado de pura consciência que fica além de qualquer um destes tipos de percepção [apontando para o quadro]. Passa a ser a percepção do Eu Sou. A percepção do Eu Sou, e o fato de que “Eu estou presente e é tudo que interessa. Eu Sou o que Sou, cada parte, cada pedaço, o Corpo de Consciência, cada aspecto, cada pensamento, cada sentimento. Estou totalmente consciente. Eu Sou o que Sou.”

Bem, meus queridos amigos, vocês estão neste ciclo, no momento [apontando para o quadro]. Vocês estão nesta evolução. Vocês estão neste próximo estágio. Independentemente de eu estar aqui falando sobre isso, vai acontecer de qualquer jeito. Mas, ao discutir isso, vocês acabam se conscientizando. Vocês têm a percepção. Isso satisfaz, em parte, a sua mente; uma outra parte da mente fica ainda mais confusa do que antes. Mas, ao menos, vocês entendem agora: “É isso que está acontecendo comigo.” Vocês estão se tornando mais presentes, mais conscientes, mais perceptivos.

Esse é um fato importante. Por quê? E, depois, teremos Zapharia aqui. Porque, como eu disse antes, tudo é energia na Terra neste exato momento. Tudo tem a ver com o conflito de energias, e isso inclui luz versus escuridão, negativo versus positivo, batalhas de energias. Pode-se dizer que é como uma grande batalha final.

Além da Mente

Onde a batalha da energia está realmente acontecendo para a maior parte da humanidade é na mente. Na mente. Ela não é travada necessariamente em grandes campos de batalha; é na mente.

A humanidade está passando por uma tremenda evolução, saindo da era mental que durou tanto tempo. É questionável, mas pode-se dizer que do ano 800 ao ano 2.000 foi uma era muito mental. A humanidade está ultrapassando essa era e, como vocês sabem por experiência pessoal, é difícil. Como se sai da própria mente? Como ir além da mente, a coisa que mais controla, administra e consome energia, a unidade que exige e consome volumes imensos de energia, a mente? Não é o corpo, é a mente.

A consciência de massa está passando por isso agora. Isso não vai se estabilizar de imediato, mas, mais cedo ou mais tarde, a consciência de massa evoluirá além da mente. Vocês estão fazendo isso agora. Vocês têm feito isso há algum tempo.

Quando vocês ultrapassam a mente... o que está além dela? O que está além da mente? [Uma mulher na plateia responde, mas não se ouve.] Fale alto.

MULHER SHAUMBRA 6: O Corpo de Consciência integrado.

ADAMUS: O Corpo de Consciência integrado. Boa resposta. E a percepção e a consciência estão além da mente. A intuição. Vocês não precisam mais pensar sobre as coisas; vocês simplesmente sabem. Vocês não precisam mais tentar fazer as coisas.

E, com isso, passarei pra vocês uma tarefa como dever de casa – se quiserem fazer dever de casa. Se não quiserem, tudo bem. Mas é um bom dever de casa. É. Escolham um dia entre agora e nosso próximo... bem, entre agora e a conferência de verão em Santa Fé. Escolham um dia, qualquer dia que seja bom ou apropriado pra vocês. Nesse dia, não tentem. Que dever de casa fácil! É! Nesse dia, não tentem.

Agora, o que quero dizer com isso é: parem de tentar entender as coisas. Parem de tentar organizar e planejar as coisas. Parem de tentar. Agora, isso não significa que não vão sair da cama, a menos que não queiram. Mas parem de lutar com isso. Parem com essa atividade mental.

Quando aquela dúvida perturbadora surgir, quando o consumo de energia do cérebro começar, não entrem no jogo. Simplesmente, respirem fundo, “não importa”(*), e sigam em frente.

Reparem na diferença do seu próprio nível de energia, mas o mais importante é repararem na diferença do resultado que virá quando vocês pararem de tentar, quando pararem de tentar entender, pararem de tentar fazer acontecer, pararem de se preocupar com isso, pararem de lutar com isso. Vocês saberão que estão tentando se ficarem com uma tensão aqui em cima [na cabeça]. É quando vocês respiram fundo e param de tentar.

Ah, isso exige uma tremenda confiança, mas é uma coisa boa. É uma coisa divertida. Um dia. Se quiserem ser gentis consigo mesmos, escrevam no dia seguinte as coisas das quais ficaram conscientes, o que perceberam, como foi sua iluminação, se ela aconteceu, com relação a isso, com relação ao dia do não tentar. Trabalharemos com isso quando voltarmos a nos encontrar, em outubro, creio eu.

Assim, com isso, vamos respirar fundo.

Vocês são consciência; vocês não são energia. A energia, naturalmente, está aí e vai trabalhar a seu favor, de maneira totalmente eficiente, quando vocês se tornam conscientes, quando vocês percebem a sua presença.

Consciência é percepção, a percepção de todas as coisas diferentes que acontecem. Consciência, afinal, é a sua presença bem aqui, neste momento, a sua presença neste momento.


Perguntas & Respostas

Com isso, fico satisfeito e honrado de pedir a Zapharia [canalizada por Lee Harris] que me acompanhe com as perguntas e respostas. Linda vai ficar na plateia com o microfone. Vocês podem perguntar qualquer coisa que queiram a quem quiserem, desde que seja Zapharia ou eu. [Adamus ri.] Então, vamos dar a Zapharia um momento pra se ajustar.

[Pausa]

E, minha cara dama, peço que – quando estiver pronta – nos dê uma rápida descrição sobre você, sobre sua relação com o mensageiro, Lee, e depois passaremos às perguntas. Faça isso no seu tempo, no tempo que precisar.

ZAPHARIA: Hum. Ótimo, ótimo. Bem-vindos ao forno da Terra. [Risadas, porque está muito calor na sala.] Esta sala não poderia estar mais apropriada, pois representa o que está acontecendo em seu planeta no momento. O que vocês estão vendo na massa é a separação dos velhos modos de exteriorizar sentimentos e pensamentos. As pessoas estão entrando em contato com essas partes de si que precisam de limpeza e purificação, e isso não é algo bonito.

Aqueles de vocês que são sensitivos estão achando isso muito difícil. Está golpeando vocês. Aqueles de vocês com amplos campos de energia, infundam-se. Vão para a terra, tirem os sapatos, tirem as meias. Coloquem os pés descalços na Terra. Ela lhes dirá que está tudo bem, pois passar por essa morte do velho é um processo semelhante a quando uma mulher se torna mãe pela primeira vez. A mulher morre pra sempre, pois, uma vez que o aspecto mãe é ativado, a mulher muda pra sempre. E todos vocês estão se tornando mais maternais, não apenas com a Terra, mas uns com os outros, e é isso que a transformação da consciência fará com a sociedade de vocês.

Trará o afastamento do enfoque individual e das estruturas limitadas que estiveram em vigor por tanto tempo, vivenciadas pela massa, e, em vez disso, possibilitará que a transformação ocorra a partir dos corações. Deixando ir muitos dos limites da mente e trazendo as pessoas novamente para a simplicidade de se confortarem e confortarem o próximo, para a gratidão por esta oportunidade de estarem vivas, o que a qualquer momento pode acabar.

Assim, haverá muito medo, e os próximos doze meses serão os mais intensos. Após 18 meses, aproximadamente, dessas transformações, o mundo começará a se estabilizar um pouco mais, porque o novo mundo terá nascido. O choque e o pesar irão passar.

Para aqueles que, ao contrário de muitos de vocês, não sentiram este nível de purificação dentro de seu corpo humano por tanto, tanto tempo, será um momento glorioso pra estarem vivos. E, para aqueles de vocês que foram atormentados por anos a fio, será quando tudo começa. Mas que fique claro, muitos de vocês têm amplos campos de energia. Não é hora de expandi-lo. Vocês saberão quando expandi-lo.

Aqueles de vocês que, nessa década passada, distribuíram amor, compaixão, suas dádivas aos outros pra ajudá-los a se transformarem, o pavio já se acendeu na massa. Eles não precisam mais de encorajamento, e muitos deles vão espernear, brigar e jogar ao redor todo o peso que carregam.

Então, com isso, falo claramente com aqueles de vocês que são profundamente sensíveis: retornem pra dentro de si. O que exigirá abandonar alguns vestígios a que vocês se prendem, conectando-se emocionalmente. Exigirá um certo pesar pra vocês, mas coloquem os pés descalços na Terra. Ela lhes dirá que está tudo bem. E ela está se reequilibrando com perfeição, o que era necessário, pra permitir que este planeta e suas vidas continuassem num caminho novo. Ótimo. Obrigada, Adamus.

ADAMUS: É verdade. E você poderia nos passar algumas informações sobre você e sua relação com o Lee?

ZAPHARIA: Tem sido algo dinâmico, ou aberto, de um jeito verbal e corpóreo por quatro anos. Mas, em termos da minha história com ele, foram existências em ambos os planos, tanto físico quanto energético. E é uma integração pra ele essa vivência do masculino e do feminino possibilitado pelo meu feminino. Portanto, trabalhamos isso juntos constantemente. Sim.

ADAMUS: E que conselho ou sugestões você daria a seu mensageiro, Lee, agora que estamos na frente de todas essas pessoas e câmeras?

ZAPHARIA: Ha. Bem, ele precisou se superar hoje cedo [Adamus ri.] pra me deixar aparecer. Portanto, é um processo constante visando acalmá-lo. [Risadas da plateia]

ADAMUS: Certamente. E por que o seu mensageiro tem esse tipo de ansiedade?

ZAPHARIA: Ele teme a exposição e também a incerteza do que direi usando seu rosto e seu nome. [Risadas]

ADAMUS: Com certeza. Então, é compreensível que ele e Cauldre e outros tenham esse tipo de ansiedade. E qual seria seu conselho pra nós, pra eles, quanto a lidar com essas coisas?

ZAPHARIA: O medo e as sombras contêm uma luz maior, notável. Então, como ele aprendeu a caminhar em direção a seu medo e suas sombras e a nos permitir orientá-lo nesse caminho, então, também, é isso que ele passa enquanto mensageiro em constante aprendizado.

ADAMUS: Excelente. Assim. Pronta? Perguntas? Perguntas. Fiquem atentos. Olá, Tobin.

TOBIN (Filhinho da Kerri e do Joe): Por que Deus nos fez?

ADAMUS: Por que Deus fez vocês?

KERRI: Ele também quer saber por que – ele pensa muito nisso – por que Deus deixa que coisas ruins aconteçam?

ADAMUS: Excelente pergunta.

KERRI: E eu disse a ele que Deus é mulher.
[Risadas, inclusive de Adamus]

ADAMUS: Criança diz cada uma... Então, por que Deus nos fez e por que Deus permite que coisas ruins aconteçam? Zapharia?

ZAPHARIA: Bem, em termos de seres humanos, Deus fez vocês juntamente com vocês. Vocês decidiram vir nesta experiência humana, se divertir, jogar, aprender a amar e, algumas vezes, coisas difíceis acontecem. Mas quando as dificuldades passam, mais luz aparece. Daí, mais evolução acontece, pois este é o grande experimento: ver de que modo, na realidade física, as energias podem ser ancoradas. Por isso, este é um ponto essencial no tempo.

ADAMUS: E, Tobin, Deus fez vocês porque Deus se amava tanto que queria que houvesse outras pessoas pra saber como era isto: simplesmente estar apaixonado. É por isso. E Deus fez você porque, assim, ele teria a experiência de como é ser um garotinho. Obrigado.
[Aplausos da plateia]

Eu tenho, sim, um lado doce. [Risadas]

MULHER SHAUMBRA 7: Tenho tido vertigens e quero uma sugestão pra lidar com elas e tirar o melhor proveito disso.

ADAMUS: Sim. [falando com Zapharia] Vou pegar esta, primeiro; você pode complementar. Fique de pé no alto de um prédio muito, muito, muito alto e olhe pra baixo. [Risadas, inclusive de Adamus] Vertigem. A vertigem é a dissociação do velho corpo físico. É seu DNA mudando. É, na verdade, seu Ponto de Presença neste planeta mudando. Se você ainda não fez isso, ouça nossa sessão Re-Order (Reordene).

Tudo está mudando. O modo como vocês se adaptam ao magnetismo, ao eletromagnetismo, à polaridade, a tudo que tem a ver com o equilíbrio físico está mudando. A vertigem é apenas, na verdade, um bom sinal de que algo está acontecendo.

Então, a melhor coisa a fazer com a vertigem é não tentar acabar com ela, mas, de fato, aproveitar o momento em que senti-la, respirar fundo e permitir que o corpo se reconecte de maneiras diferentes. É muito saudável, na verdade. Zapharia?

ZAPHARIA: Pra você e seu corpo é melhor ficar no chão, não apenas com os pés, mas sentada, tocando o chão com as mãos, palmas abertas, permitindo nesse momento, se puder, que o medo da vertigem volte ao corpo e, então, sinta-se enraizada na Terra, pois não só o planeta está mudando, coisa que você sente já que é uma pessoa sensitiva, mas também você está ascendendo rápido.

E, como você quer infundir sua energia pra ficar longe das emoções dos outros que você não quer que repercutam em seu sistema, ele está impulsionando você de modo mais rápido do que aquele a que está acostumada. Sendo assim, permita-se ficar sentada nesta linda Terra que a sustentou e nutriu por tantos anos. E, se puder, como exercício, traga o medo pra dentro e permita que ele simplesmente se transmute em seu corpo, e a Terra o absorverá.

ADAMUS: Ótimo. Vá fazer isso!

MULHER SHAUMBRA 7: Sentar na Terra?

ADAMUS: Isso! É, sim. Lá fora. Por que fazer isso na cidade? Você está aqui em cima [na montanha]. Vá, e não fique na varanda; vá lá pra fora. Brilhante. Brilhante. Ah, próxima pergunta. Vá lá longe.

JEAN: Oi, Adamus. Como você sabe, estamos procurando uma casa nova, e você me falou algumas semanas atrás que havia uma casa melhor do que aquela em que moramos. E eu encontrei uma casa linda não muito longe daqui, e, assim que me apaixonei por ela, fiquei com todo tipo de dúvida.

ADAMUS: Sei.

JEAN: E uma falta de clareza.

ADAMUS: Sei.

JEAN: E, agora, não consigo decidir o que é melhor. O que é isso? Não costumo ter essa incerteza.

ADAMUS: Certamente. Entregue o microfone pra Linda trazê-lo de volta pra cá. E, se você permitir, vou pedir, na verdade, que Aandrah responda a isso, porque é... ela está ligada diretamente. Então, Aandrah, a situação é esta: Ela encontrou uma casa, gostou dela, agora está ansiosa e com dúvida. O que está acontecendo?

AANDRAH: Você é capaz de acolher isso? Respire bem fundo. Permaneça tranquila em sua essência. Receba, querida. Você é capaz de permitir que essa grandiosidade venha pra você? Você vai recebê-la? Respire bem fundo. Volte para a tranquilidade. E, quando permanecer na tranquilidade do sim, você saberá, claramente, que é merecedora. Você é a grandiosidade. Receba. Aceite isso. Obrigada.

ADAMUS: Ótimo. Zapharia, o que você tem a dizer?

ZAPHARIA: Não há nada a acrescentar além de receber, mas lembre-se que é um processo. Quando você começa a se abrir pra alguma coisa, o lixo que está no porão precisa ser limpo pra se seguir o caminho do aprimoramento. Então, permita que o processo aconteça em você. Permita que o porão seja limpo, assim como você usa o banheiro todo dia pra abrir espaço pra mais comida. É mais comida nutritiva que você se permite receber. Um lar é você. É a sua concha. É um símbolo do corpo. Esse é um processo muito delicado, a mudança de residência, então, dê as boas-vindas a ele.

ADAMUS: E, vou acrescentar uma coisa também... [Ele sobe numa cadeira.] Assim posso ver melhor você. Não é pra essa casa específica; é pra qualquer casa pra onde você vá se mudar. E tem a ver com todas as suas questões, com a autoestima, com problemas de carência – foram existências de carência, de uma absurda falta autoimposta. Tudo aflora. Então, não importa se é essa casa ou aquela ou aquela outra. Não precisa fazer nada com relação a isso. Sua mente está dizendo: “Bem, tem a ver com essa casa.” Não. Tem a ver com “uma” casa. [Ele desce da cadeira.]

Uma casa é você. A sua casa é o seu Corpo de Consciência integrado. Então, essa é uma grande metáfora pra você. Será que você está pronta pra estar em sua casa? Vocês deixam todos esses aspectos ficarem desnorteados, todas essas questões surgirem, toda essa ausência de recebimento. Por que vocês, Shaumbra, fazem isso? Pergunto a todos vocês, não só a Jean. Por que vocês fazem isso? Vocês estão tendo a mais bela oportunidade.

Metaforicamente falando, potes cheios de ouro estão prontos pra vir. Ondas de energia estão esperando. Um pessoal de apoio está de sobreaviso, a postos. Muita coisa está pronta pra vir e servir vocês, e vocês dizem: “Não sei se tenho valor. Não sei se mereço. Vou mais é me afastar.” Então, o quê? Querem voltar noutra existência e serem pobres novamente, ficarem confusos de novo? Querem passar por todas essas questões novamente? Não.

Minha querida Jean, é nesta aqui. Não vou lhe dar outra chance. É nesta aqui. Supere isso agora. Agora. Obrigado. [Aplausos da plateia] Procure destilar isso. Procure destilar, porque você tem muita coisa enrolada aí. Além disso, você chamou toda a família e os amigos pra vir ficar com você, e todos trouxeram suas próprias questões. Você disse: “Tragam as malas.” Mas não com todas as emoções dentro delas.

E você [falando com a mulher Shaumbra 7], minha querida, pode voltar pra dentro agora. Ela deve ter sofrido um bocado com o calor, mas vai ficar bem.

Bom, você, literalmente, é como um ímã que atrai m... vou dizer a palavra aqui, tudo bem? Você é como um ímã que atrai merda neste momento. E você chama todas essas coisas pra sua vida na hora que algo vai desabrochar na sua vida, algo que era pra ser bom pra você. E, daí, você chama tudo isso como distrações completas ao longo do caminho. Você não precisa mais disso. Faça a escolha de não viver mais assim. Você vai viver presente.

E meu comentário final – estou dizendo isso, mas não estou indo embora – era pra vocês viverem a sua consciência. Vocês estão vivendo o seu cérebro e um pouco o seu corpo, no momento, todos vocês. Vivam a sua consciência, a sua percepção, a sua presença. Vivam isso. Assim...

ZAPHARIA: Adamus, posso acrescentar uma coisa?

ADAMUS: Claro. Eu me empolguei.

ZAPHARIA: Fiquem conscientes da falta de confiança coletiva no físico, que agora afetará todos vocês. As pessoas não estão confiando nas coisas físicas no momento. Vocês veem isso na economia. Também veem nas questões de locomoção. As pessoas estão com medo de se deslocarem, estão com medo de viajar. Pertence ao coletivo. Livrem-se do que é coletivo, e vocês voltarão pra si mesmos.

A beleza de não confiar em coisas físicas é que isso faz com que todos se voltem para a mágica do próprio espírito, da própria alma, que não precisa organizar o físico. Precisa apenas ser e o físico acontece.

ADAMUS: Excelente. Obrigado. Próxima pergunta, pra quem for capaz.

SUSAN M.: Olá. Será que vocês podem descrever a vida em 2013 e depois daí?

ADAMUS: Ah, gostaria de pegar essa primeiro?

ZAPHARIA: Humm, não exatamente. [Risadas]

ADAMUS: É porque eu não queria ir primeiro. [Risadas]

ZAPHARIA: Em dezembro de 2012, ficará um pouco mais fácil, mas até lá é necessário esse período de busca e reconstrução. As inovações são muitas e rápidas, mas essas coisas os noticiários não mostrarão.

Pra onde quer que olhem nas notícias, vocês verão morte, porque o coletivo precisa processar a dor. Isto será o de menos para o planeta. No entanto, essas inovações não serão divulgadas, em sua maioria, até por volta do meio do ano que vem. É pra quando se espera isso. Haverá mais equilíbrio no maremoto de dor e morte, e a vida desencadeará os novos caminhos. Então, não é fácil prever com precisão como será a vida, mas será bem menos rígida, bem mais verdadeira, e a gratidão pela vida e por viver estarão mais em alta do que vocês jamais viram em sua comunidade.

ADAMUS: Com certeza, e acrescento algumas palavras. Este é um momento de caos, e o caos não é uma coisa ruim. O caos faz com que a energia se movimente. A próxima coisa que vocês vão reparar, provavelmente no início de 2013, é ainda mais separação do que se vê agora, porque o caos é como um filtro. Ele separa as coisas, e a separação não acontecerá, necessariamente, entre os poderosos e os não poderosos ou os ricos e os não ricos. Será, essencialmente, a separação entre os seres de consciência e os seres sem consciência.

O planeta nesses próximos anos terá... Os humanos vão precisar fazer a pergunta: “Este será um planeta de consciência depois de 2012 ou será o planeta para os não conscientes?” Será um pouco difícil os dois existirem simultaneamente.

A consciência pode existir junto com a não consciência, com a falta de consciência, mas a não consciência tem dificuldade de conviver com a alta consciência. Assim, este planeta terá que tomar algumas decisões sobre o que ele vai ser. Mas não importa. Existem muitas novas Terras surgindo neste momento com uma alta consciência que se pode atribuir, diretamente, ao trabalho que todos vocês têm feito. Não importa se vocês vão pra lá, virão pra cá, seguirão para o Terceiro Círculo ou todas as opções acima. Obrigado.

MULHER SHAUMBRA 8: Aproximadamente há 10 anos, eu fazia um trabalho que eu achava que era a minha cara, mas aparentemente não funcionou do jeito que eu pensava que funcionaria e eu voltei para o mundo corporativo e estou indo muito bem lá, embora sabendo que uma parte de mim realmente não está onde deveria estar. E, no começo do ano, comecei a ter alguns problemas bem sérios de saúde, e eu sabia o que era. Digo, não de início, porque foi preciso me atingir da forma como me atingiu. E realizei muito trabalho de sonho e, de repente, de maneira sincrônica, o trabalho de Adoula (N. da T.: Um facilitador Adoula ajuda os pais a desenvolverem uma conexão mais profunda e consciente com o bebê até antes da concepção.) acabou caindo no meu laptop, meio inesperadamente. Não faço parte dos Shaumbra, mas chegou até mim e eu sabia, de imediato, que era isso que eu deveria estar fazendo. Estou em treinamento com a Kathleen (Haws), mas existe um medo em torno disso, porque estou deixando aquilo a que estou acostumada. [A voz dela começa a embargar.] Assim, aceito qualquer conselho ou encorajamento que tiverem pra mim.

ADAMUS: Certamente. Madame, quer começar?

ZAPHARIA: Isso é uma explosão de vida pra você, que vai compensar o abatimento que você teve que sofrer no corpo por permanecer no mundo corporativo. E entenda que isto não é um julgamento acerca do mundo corporativo, pois o mundo corporativo em si é a vida em movimento e a evolução em movimento. Mas, para uma pessoa amplamente sensível, aberta e vivida como você, a sua vida se dividiu em duas metades – uma parte de você podia se abrir e ser seu espírito e outra parte sufocou seu espírito e o entregou ao máximo a esse mundo corporativo em que você estava, pois as barreiras pra entrar nesse mundo foram grandes.

Assim, o abatimento do corpo que, por fim, se apresentou, isso que precisou se consolidar pra que você continuasse a sobreviver nesse mundo ao qual se dedicou, está seguindo, agora, para o lado oposto. E a razão pela qual você está tão empenhada em trazer vida de maneira consciente não é apenas porque você recebeu um presente. E ficar no mundo corporativo e prender sua luz por tanto tempo não foi uma façanha qualquer. Dê os parabéns a si mesma pelo que você fez. Jamais considere isso um erro. Você levou luz a uma área muito pesada. É inacreditável. E você agora se permitirá restaurar-se, trazendo vida para as pessoas de um modo objetivo e evidente. E isso trará a vida novamente para todas as suas células.

ADAMUS: Obrigado. E, acrescentando... [Aplausos da plateia] Obrigado. Para acrescentar... Eles adoram você, a propósito [falando com Zapharia]. Eles adoram você. Sim, adoram... [A plateia diz que sim e continua aplaudindo; Adamus também aplaude.]

ZAPHARIA: Este é um lugar adorável.

ADAMUS: Então, pra acrescentar, eu amo as perguntas agora. Eu não gostava delas, mas agora eu amo. Elas são bastante relevantes pra todo mundo. A pergunta colocada aqui inclui realmente uma parte da pergunta que todo mundo tem. Brilhante.

Então, o negócio é o seguinte: Há dez anos, o mundo não estava pronto pra você. Você tem uma energia dinâmica, focada – muito precisa. Ele não estava pronto pra você. Você estava tateando no escuro, por assim dizer, testando ideias diferentes sobre o desenvolvimento da consciência, a cura potencial, e o mundo não estava pronto, mas está agora.

Você entrou no mundo dos negócios onde poderia aplicar seu enfoque preciso a determinadas coisas. Você não brinca com questões de abundância. Você ficou lá até criar uma coisa no caminho que a fizesse parar e dizer: “É hora de largar isso.” Porque o mundo corporativo, como muitos sabem, é bem atraente. Repito, é bem atraente, e se alimenta de energia, e é um ótimo lugar pra se conseguir energia. É um ótimo lugar para os vampiros de energia.

Você se deu o desequilíbrio físico pra poder dizer: “Acorda. Agora ele está pronto.” O mundo está pronto, você está pronta. O trabalho de Adoula será um novo e maravilhoso começo pra você, e vai florescer a partir daí. E, sim, vai chegar o dia em que veremos você aqui em cima [no palco, falando com as pessoas]. Então, obrigado.

E pra destilar isso, confie em tudo que aconteceu. Nada foi um erro. Você está exatamente onde deveria estar. Exatamente. Obrigado. Ótimo. Próxima pergunta.

JANE: Por que tenho tido tantas sensações estranhas no corpo, assim como sentimentos de intensa raiva e frustração?

ADAMUS: Estamos tomando um gole aqui. Espero que não se importe. [Pausa enquanto eles bebem um pouco.] Ahh! Ainda estamos bebendo. [Risadas]

O corpo estranho, por algumas razões. Quer que eu seja honesto? Já sabe que, quando pergunto isso, vem coisa por aí.

Duas coisas. Quando você... Você está numa espécie de paradoxo estranho, muito sensível, boa escritora... a propósito, Cauldre precisa falar com você, mas... boa escritora... muito sensitiva, aberta, e você vai sentir tudo. Cauldre disse antes que estava sentindo coceira porque eu estava por perto – não foi por causa de mim; ele devia tomar Benadryl (remédio antialérgico) pra isso – mas é a energia. A energia coça e a energia faz o corpo doer e tremer e coisas estranhas acontecerem. Por você estar se tornando mais presente, mais consciente das coisas, seu corpo vai se tornar mais consciente também.

O problema é a sua mente, que diz: “O que está errado comigo?” Seu eu superior, o Eu Sou, deve dizer: “Nada está errado. Só estou me tornando mais consciente das energias.” Você deve escutar ele (dirigindo-se ao marido dela, Marc) de vez em quando. Nada está errado. [Marc diz: “Obrigado, obrigado, obrigado.”; Muitas risadas] Nada está errado. Tudo está certo, mas ainda assim você precisa se juntar com a Jean e perguntar: “Por que você continua armando isso?” Por que você... Você escreve coisas brilhantes, mas duvida de si mesma.

Você está pronta para um novo lar [olhando pra Jean], mas ainda bloqueia isso. Você tem um pouco de coceira no traseiro e, veja – não você, ele [Cauldre] – e se preocupa se está agora com alguma doença. Não. É só... Shaumbra, destilem as coisas agora. Elas são muito simples e não há nada errado, a menos que queiram acreditar que está errado, então, estará. O universo e sua física são muito literais. Se querem que esteja errado, então, estará. O que você escolhe, minha querida?

Vocês estão sentindo coisas pelo corpo. O DNA de vocês está... Se vocês soubessem o que realmente acontece com todo o trabalho interno das suas células e sua biologia, e vocês... Você está liberando seu carma ancestral como louca, e ele fica voltando, tentando se religar, e você fica deixando. Todas essas coisas estão acontecendo.

Respire fundo. Vou dar a você um conselho que dei a alguém uns dois anos atrás. Ela nunca voltou pra reclamar, e não estou olhando pra ninguém intencionalmente. Pegue uma garrafa de vinho inteira pra você, beba e não se preocupe com isso. Pare de se perguntar: “Bem, será que vai me fazer mal? Será que tem química aí? Será que vai causar um efeito ruim no que está acontecendo com o meu DNA? Será que o vinho vai fazer algo destrutivo pra mim no futuro?” Beba a porcaria da garrafa de vinho! [Risadas e aplausos da plateia] E só! Obrigado. Adoro o que você escreve.

ZAPHARIA: Você não percebe ou não aceita o quanto é linda e perfeita. E as emoções trabalham fazendo acordos com a mente. Então, pra você, a opressão tem sido uma experiência de vida, repetidamente – fica oprimida, fica abatida – e sua mente acha difícil deixar ir essas histórias. Então, quando a raiva aumenta, ela não se manifesta integralmente. Ela simplesmente reverbera na sua cabeça criando novos pensamentos, criando novas histórias.

Portanto, reconheça o tamanho da sua criatividade. A raiva vem lá da base, e a base é vida. A base é criação. Se você tem esses impulsos de raiva... e muitas mulheres ficam se julgando porque sentem raiva e não deveriam se julgar, pois quando se julgam pela raiva, é como se a prendessem numa garrafa. Então, o primeiro passo pra você é concordar em nunca mais se julgar.

Mesmo que esteja zangada com o mundo inteiro e consigo mesma. O primeiro passo é concordar em nunca, jamais deixar a sua mente lhe dizer que isso é errado. E, aos poucos, quando a mente for embora, quando a rolha da garrafa de vinho não estiver mais lá prendendo a raiva que existe no vinho, você não vai só escrever, você vai pintar, vai dançar, vai cantar, vai criar vida para as pessoas além do que jamais imaginou.

Os seres humanos entram em padrões e ciclos e, mesmo naqueles de vocês que evoluem, as sementes dos ciclos permanecem. O seu ciclo, que vem de longa data, tem sido acreditar nas bobagens que os outros dizem sobre você e não ver o verdadeiro espelho em que você deve se olhar. Em vez disso, você olha para um espelho manchado, porque você se lembra de todas as vezes em que foi criticada.

Arranque essa rolha. Fique furiosa o quanto quiser. Reconheça o criador dentro de você e veja esse lindo e adorável espírito bem aí do seu lado como o verdadeiro reflexo do amor que você tem por si mesma. [Aplausos da plateia]

ADAMUS: E, querida Linda, entregue à Jane um prêmio de Adamus.

LINDA: Entregarei. Agora, acho que é hora das mensagens de encerramento. Não deixarei de entregar à Jane... mas faltam cinco minutos...

ADAMUS: Vamos ter só mais duas perguntas.

LINDA: Faltam cinco minutos. [Algumas risadas] Então, o Awakening Zone fica sem final? [referindo-se à transmissão do programa Zona do Despertar na rádio]

ADAMUS: Não, não, não, não. É... não se preocupe.

LINDA: Certo, obrigada.

ADAMUS: Então, pra Jane, um prêmio de Adamus. E, quando voltar lá, um para o Marc também. [Aplausos] Agora, vocês têm uma escolha assim como David, dinheiro ou prêmio de Adamus? [Marc diz: “Eu fico com o dinheiro.”; Muitas risadas; Jane pede os dois.] Ela pediu ambos. Por que não?! [A plateia vibra e aplaude.]

Obrigado por provar que tenho razão no que eu digo. É claro que você pode receber ambos. Com certeza. A propósito, [dirigindo-se ao Marc] você vai gastar esses 20 dólares e ele vai sumir e você vai se esquecer dele. Ela vai gastar os 20 dólares e ainda terá o prêmio de Adamus por anos pra esfregar na sua cara. [Risadas]

Mais duas perguntas. E Linda está preocupada com os ouvintes do Awakening Zone, mas o horário é até 5:30. Então, perguntas.

SUSAN H.: Oi pra vocês.

ADAMUS: Oi.

SUSAN H.: Será que vocês podem nos dar, por favor, uma visão geral de como os jovens estão considerando os eventos do mundo. E os Shaumbra e os samaritanos em geral, do que devemos estar conscientes neste momento pra apoiá-los em seu desenvolvimento. Obrigada.

ADAMUS: Zapharia?

ZAPHARIA: Gostei da sua coroa real [comentando sobre o chapéu que ela está usando]. Primeiramente, há o conceito errôneo entre os adultos de que as crianças que chegam agora têm que lidar com a mesma percepção ou o mesmo nível de tragédia mental com relação ao que está acontecendo neste mundo. Elas são a força vital do futuro. Fica mais confuso pra elas, porém, quando são ensinadas através das velhas maneiras.

É ainda mais confuso pra elas do que foi para aqueles de vocês que sabiam que eram sensíveis desde pequenos, mas não sabiam como se transformar e, então, seguiam a orientação dos adultos à sua volta. Por isso, vocês acharão as crianças nestes dias mais exaltadas, mais irritadas. Elas podem farejar a baboseira da sociedade bem mais rápido do que muitos de vocês. Dessa forma, elas não vão ter as emoções concentradas que muitos de vocês tiveram que trabalhar pra liberar.

Elas são fogo e espírito. Elas precisam da verdade. Muitas pessoas ainda querem protegê-las do que está acontecendo. Ainda existe essa mentalidade de “temer pelas crianças” em torno do que está acontecendo na Terra. As crianças são divinas. As crianças são os novos adultos. É isso que precisa ser lembrado. E vocês não precisam protegê-las da verdade, pois não existe nada de que elas já não saibam.

Quanto mais amor e orientação vocês derem a elas, e também mais respeito pela liderança delas... é isso que importa, pois muitas delas vieram prontas pra ativação, 10, 20, 30 anos antes do que qualquer um de vocês, prontas pra liderar. Isso é importante.

ADAMUS: É verdade. E existe uma coisa mais que tudo que os jovens querem de vocês – ver que vocês são capazes de confiar em si mesmos. Eles são muito intuitivos, são muito mais eficazes energeticamente, mas o que eles precisam sentir da parte de vocês é que vocês conseguem confiar em si mesmos. E, quando eles virem isso e sentirem que eles podem, eles vão confiar neles mesmos. Ótimo.

VICKI: Quem sou eu, realmente?

ADAMUS: Pergunta filosófica.

ZAPHARIA: Quem você não é, realmente? Quem você vai ser daqui a três segundos? A escolha é sua, sempre. Esse é o problema com a definição humana de identidade. É por isso que muitos estão em crise neste momento. Não por causa de como se identificam, mas de sua identidade para o contra-cheque, o emprego, a casa, a consistência dos padrões climáticos. Vocês são livres. Isso é que é tão delicioso com relação a vocês. Você sabe disso, portanto, pode brincar com isso o tempo inteiro. Essa é a sua mensagem para as pessoas. Torne-se isso, o tempo inteiro. Você é alegria. [Aplausos da platéia e de Adamus]

ADAMUS: E, cara Vicki, não importa. Do meu ponto de vista, você é uma grande atriz. Você pode ser quem você quiser. Ou a pergunta foi “Quem fui eu?” Ah.

Então, o próximo. Tempo pra mais duas perguntas.

MCKENZIE (A adolescente): Tenho uma meta que eu vou realizar, e não faço esta pergunta por minha causa. Eu faço para as outras pessoas que podem estar passando pela mesma coisa que eu, porque eu já sei o que vai acontecer. Mas, bem, minha meta é que quero ser uma veterinária trilingue mundialmente famosa. E meus amigos e familiares continuam dizendo: “Ah, não, esse é um objetivo alto demais. Ah, você não vai entrar pra faculdade com as notas que tem. Ah, isso não vai acontecer. Você deve correr atrás de algo mais acessível.” Não, é isso que eu vou fazer. E tem uma outra amiga que queria se especializar em literatura e as pessoas também ficaram dizendo pra ela: “Ah, não, que formação idiota. Você deve fazer outra coisa.” E ela cedeu e decidiu fazer outra coisa, mesmo que...

ADAMUS: E a pergunta é?

MCKENZIE: Esqueci. [Ela dá uma risadinha.] É... Você deve escutar os outros quando tem uma ideia em mente?

ADAMUS: E qual é a sua resposta?

MCKENZIE: Não.

ADAMUS: Ótimo. Obrigado.

ZAPHARIA: Tem uma coisa a ser dita sobre a ideia de ser mundialmente famosa. Lembre-se de que só se é mundialmente famoso quando corações e mentes são tocados repetidas vezes, de modo que uma grande massa de pessoas que você tocou, de um jeito ou de outro, de repente, conhece você. Daí, esse rótulo de “mundialmente famoso” ganha sentido. É uma carga e tanto lidar com isso energeticamente. Nem tudo são flores. Ter um enfoque coletivo em cima de você é uma carga e tanto.

A chave pra você é que, se você quer tocar muitas pessoas, isso começa com uma. E lembre-se de que, se você tocar uma, essa uma vai multiplicar o que você deu a ela pra outras tantas. Portanto, tire a pressão de cima de você mesma em torno de ser mundialmente famosa, pois isso exercerá uma pressão. Isso será algo que fará com que você sinta que não está atingindo o seu objetivo. Seja mundialmente famosa para uma pessoa, porque ela sempre se lembrará do seu nome, do seu coração e do seu presente. Isso é tudo de que você precisa pra se sentir realizada. [Aplausos da plateia]

ADAMUS: E, minha cara, eu vou ser muito menos eloquente com relação a isso. Aqui está o que eu penso sobre metas... [Ele cospe no chão.] Livre-se das metas. Metas geralmente são coisas mentais. Geralmente, elas se baseiam em velhas experiências, e são sempre muito, muito limitantes. Não sou fã realmente de metas.

Agora, isso é diferente de sentir sua paixão e seus sonhos. Isso não é necessariamente algo mental. Sentir uma paixão, sentir um sonho, não impõe limites, não impõe condições. Sequer impõe rótulos. Então, libere-se das metas e sinta os seus sonhos; há uma energia muito, muito mais eficiente por trás deles. Obrigado. Sim?

LINDA: Na verdade, eu não ouvi ela perguntar nada além de por que os adultos não a deixam seguir a sua paixão, por que eles ficam dizendo coisas que parecem não apoiar sua paixão.

ADAMUS: Sim. Mas essa parte ela já respondeu. “Devo escutar os outros? Não.” Não. Ótimo. Mais duas perguntas? [Zapharia concorda.] Ótimo.

ALAYA: Tive uma oportunidade de receber um cargo em tempo integral na faculdade que estou cursando. E, sendo assim, eu precisaria parar de ir a muitas aulas que estou curtindo ter. Então, estou num ponto crucial. Estou hesitando entre pegar o trabalho em tempo integral ou continuar fazendo a faculdade. E eu só... é como se eu... quando eu me aproximo desse ponto... é como se fosse um ping pong...

ADAMUS: Você não viu a Jane? Você pode ter ambos. Você pode ter ambos. Sério. Você está transformando a coisa em “ou isso ou aquilo”. E você está dando a si mesma razões mentais pelas quais só pode ter um ou outro. Você pode ter ambos. É verdade. Fale com a Jane. Você pode ter ambos.

ALAYA: Posso fazer as duas coisas.

ADAMUS: Ela vai te mostrar o prêmio de Adamus e os 20 dólares.

ALAYA: Posso continuar fazendo...

ADAMUS: Ah, é sério, pra todos vocês. Vocês ainda se prendem a coisas do tipo “ou isso ou aquilo”. Vocês podem ter ambas as coisas e elas podem ocorrer simultaneamente. E vocês conseguem ter energia pra fazer ambas e tempo. Vocês dizem: “Eu não tenho tempo.” É mesmo? Sério?

ALAYA: Eu posso fazer.

ADAMUS: Pode. Obrigado. Zapharia?

ZAPHARIA: Você precisa confiar no seu corpo. O que o corpo diz é que é algo mais alegre, mais aberto, mais livre. A mente estará muito ocupada no ano que vem ou mais. E lembre-se de que essa é a escolha entre a sua alegria, o seu amor, e uma ideia baseada no velho mundo exteriorizado de segurança, de um caminho de crescimento que muitos têm achado que é pra ser trilhado.

Agora, você não pode subestimar o poder da mente coletiva. Quando muitos acreditam numa coisa, quando muitos não acreditam na paixão de alguém, como na pergunta anterior, isso convence a mente a entrar nessa pra garantir que você está segura. “Nós vamos ficar seguros? Temos que seguir o grupo, pois no grupo há segurança.”

Você veio a este mundo como um bebê que dependia de humanos. É muito, muito difícil largar essa dependência da mente coletiva, de grupo. Você está alternando entre o velho mundo e o novo mundo.

O novo mundo é assim:
“Confie no corpo, confie nos sentimentos.”

O velho mundo é assim:
“Essa situação vai me trazer os melhores sentimentos.”

ADAMUS: Excelente. Obrigado. Obrigado. E, sem pressionar, mas a última pergunta do dia.

LARA: Quando estávamos fazendo aqueles exercícios mais cedo, eu tive uma experiência enquanto a Norma fazia a respiração silenciosa. Eu senti uma paz e serenidade ao redor. E realmente eu tinha gostado tanto da música que tinha tocado antes que foi como se eu começasse a sentir uma espécie de retrospectiva do que eu tinha sentido antes, essa dança e esse movimento. Foi como se isso criasse essa outra experiência, que foi diferente. Havia uma consciência diferente entre as duas. E quando você pediu que ficássemos conscientes de onde estávamos agora, eu fiquei consciente de que eu estava aqui. E, então, eu tive essa percepção de me sentir como se estivesse caminhando pelo oceano e escalando algumas ruínas sei lá onde. Então, será que eu só estava jogando um jogo com a minha mente ou teve algum fundamento nisso que aconteceu?

ADAMUS: Vou deixar que você responda primeiro, madame.

ZAPHARIA: A mente musical é muito poderosa para aqueles de vocês que têm afinidade com música, pois a música é um código de números e um código de emoções. Então, a mente consegue uma incrível liberação entrando na emoção ao escutar música, ainda que a mente permaneça presente. Portanto, é algo muito poderoso, porque o desaparecimento completo da mente não é uma coisa muito praticada pela massa. Assim, a música ser um portal para a sua capacidade de visualização é algo maravilhoso.

Dessa forma, suas visões e suas emoções são ativadas pela música. Você tem um longo histórico com música em suas existências. Você é mestre em música. Você sabe. É por isso que você sempre se conecta com ela profundamente. Permita que esses números, que essas emoções, a capturem. Deixem que eles a conduzam. Confie em para onde eles a levam. Eles são muito mais verdadeiros do que muitos pensamentos a que você se restringe. Confie nesse eu.

ADAMUS: Excelente. Foi uma excelente pergunta pra terminarmos o dia. Excelente pergunta pra acompanhar vocês no próximo mês e pra sentirem a sua presença, a sua consciência, pra se divertirem com isso. Vocês vão voltar pra este mesmo dilema: Será que estou inventando isso ou isso é real? Será que estou criando isso aqui como um joguinho ou é realmente algo que está acontecendo?

A resposta é a seguinte: O que vocês escolhem? O que vocês escolhem? Vocês escolhem que é real ou escolhem deixar que a mente finja que isso está sendo inventado? É quando a pura consciência e é quando vocês, sua percepção e apenas vocês podem tomar essa decisão, fazer essa escolha. Essa escolha não vem da cabeça nem do corpo. Ela vem de vocês. Vocês vão se permitir que isso seja real?

Eu diria que essa é a maior questão que qualquer um de vocês está realmente enfrentando agora. É como se estivessem... bem no limite... à beira de conseguir uma casa legal, à beira de ficarem conscientes, de serem capazes de ter mais de uma coisa... E, então, vocês param e a mente vem e diz: “Isso é real?” A mente desempenha seu papel defensivo e ela também roda suas velhas fitas obsoletas, sua velha programação que se interpõe aí. É quando vocês, sua presença, sua consciência, precisam dar um passo à frente e dizer: “Eu assumo daqui pra frente, mente. Eu assumo daqui pra frente.”

Quando vocês se depararem com qualquer um desses desafios e ficarem se perguntando se estão fazendo a escolha certa, fazendo a coisa certa, perseguindo a carreira certa ou qualquer coisa desse tipo, vai surgir um certo nível de medo, de dúvida e de incerteza. E é hora de respirarem fundo e dizerem pra si mesmos que tudo está bem em toda a criação.

[Aplausos da plateia]

Grande Abbondanza!
(Muita fartura!, em italiano.)


______________________________________________

Tradução de Inês Fernandes
mariainesfernandes@globo.com

O Círculo Carmesim representa uma rede mundial de anjos humanos que estão entre os primeiros a fazer a transição para a Nova Energia. Enquanto eles vivenciam as alegrias e os desafios do status da ascensão, ajudam outros humanos em suas jornadas, compartilhando informações, atendendo e orientando. Mais de 50.000 visitantes vão ao web site do Círculo Carmesim todos os meses ler os últimos materiais e discutir suas próprias experiências.

Os encontros do Círculo Carmesim acontecem mensalmente em Denver, Colorado, onde apresentam as informações mais recentes através de Geoffrey Hoppe. Tobias declara que ele e os outros do Círculo Carmesim celestial estão, na verdade, canalizando os humanos. Eles estão lendo nossas energias e traduzindo nossas próprias informações de volta para nós, de modo que possamos vê-las vindo de fora, enquanto as vivenciamos no nosso interior. O "Shoud" é uma parte da canalização em que Tobias fica de lado e a energia dos humanos é canalizada diretamente por Geoffrey Hoppe.

As reuniões do Círculo Carmesim estão abertas ao público. O Círculo Carmesim sobrevive com o amor sincero e a doação dos Shaumbra de todo o mundo.

O objetivo dos que fazem parte do Círculo Carmesim é servir de guias humanos e professores àqueles que seguem o caminho do despertar espiritual interior. Não é uma missão evangélica. Pelo contrário, a luz interior é que guiará as pessoas até você para receberem compaixão e atenção. Você saberá o que fazer e o que ensinar nesse momento, quando vier até você o humano precioso e único, pronto para embarcar na jornada da Ponte de Espadas.

Se você estiver lendo isto e sentir a verdade e a conexão, você é realmente um Shaumbra. Você é um professor e um guia humano. Permita que a semente da divindade cresça dentro de você agora e em todos os momentos que estão por vir. Você nunca está sozinho, porque a família está espalhada por todo o mundo e os anjos estão ao seu redor.

Por favor, distribua este texto livremente numa base não comercial e sem cobrar por ele. Por favor, inclua as informações na íntegra, inclusive com todo este pé de página. Todos os outros usos têm que ser aprovados por escrito por Geoffrey Hoppe, Golden, Colorado. Veja a pagina de contatos no website http://www.crimsoncircle.com/

© Copyright 2011 Geoffrey Hoppe, P.O. Box 7328, Golden, CO 80403. Todos os direitos reservados.