O Novo Pensamento

OS MATERIAIS DO CÍRCULO CARMESIM
A Série e2012: 
SHOUD 2: "O Novo Pensamento"
Apresentando ADAMUS
Canalizado por Geoffrey Hoppe


Apresentado ao Círculo Carmesim
1 de outubro de 2011



Eu Sou o que Sou, Adamus, também conhecido como Drácula. [Risadas; ele está fantasiado assim. Muitos estão fantasiados por causa das tradicionais comemorações de Halloween nos Estados Unidos durante o mês de outubro.] De verdade. É bem verdade, queridos Shaumbra.


Equilíbrio

Antes de entrar nessa história, só um lembrete a cada um e a todos vocês que estão aqui hoje. Não importa o que aconteça, mantenham o equilíbrio – o seu equilíbrio. Não importa o que aconteça, lembrem-se de que vocês têm todas as ferramentas pra lidar com isso. Todas as ferramentas. Eu olho pra cada um e todos vocês – os que estão assistindo online hoje – lembrem-se destas palavras: Não importa o que aconteça, vocês têm o equilíbrio, o seu equilíbrio. Vocês têm as ferramentas. Vocês têm a sabedoria.

Ah! Vocês estão perguntando: “Do que diabos o Adamus está falando?” [Risadas] “Ele está um tanto sério hoje.” Estou, sim. Estou. Quer seja um simples acidente de carro, sem nenhum dano terrível, ou a perda do emprego ou algo embaraçoso que aconteça a vocês, qualquer coisa desse tipo; ou algo que esteja acontecendo bem agora mundialmente que venha a afetar este planeta inteiro, permaneçam no seu equilíbrio. Vocês, às vezes, alegam não saber onde está seu equilíbrio, mas vocês sabem. Lembrem-se das ferramentas.

Primeira ferramenta: respirar. Respirar. Próxima: rir. É verdade. Depois, respirar. [Risadas] E, então, rir. E, depois, se lembrar, como eu gosto de dizer a vocês toda hora, que não tem a ver com vocês. Realmente não tem. Ah, vocês estão no meio da coisa, é claro, mas não pertence a vocês. Não tem a ver com vocês.

Vou continuar repetindo isso até vocês ouvirem claramente com sua própria voz. Não tem a ver com vocês. Vocês acham que tem, mas não tem. Então, lembrem-se, mantenham o equilíbrio. Ele existe. Vocês sabem disso. Eu sei disso. Vocês gostam de ficar encontrando limitações, mas sabem que ele está aí.


Drácula

Então, a minha história. A de Drácula, na verdade. Eu sou Drácula. Nos meus últimos dias nas Escolas de Mistério, a maior parte passados na Romênia, Transilvânia, nós, todos nós, fizemos coisas interessantes, interessantes por lá. Sabíamos que era o momento de interromper as Escolas de Mistério, pra que vocês voltassem pro mundo. Vocês não podem permanecer dentro de quatro paredes. Nem mesmo aqueles que vocês estão fingindo criar. Não... Padre! [Risadas quando ele se depara com Sart, que está vestido de padre.] Sim! [Muitas risadas quando Adamus beija a cruz que Sart está segurando.] Não machuca!

SART: Ohhh! [Risadas]

ADAMUS: Isso tudo é mito. Agora beije aqui. [Muitas risadas] Bem aqui. [Sart faz uma cara feia, mas acaba beijando o medalhão que Adamus está usando.] Está pensando o quê, padre?! Não sou nenhum garotinho! [Muitas risadas] E, comandante Desastre, como está você hoje?! [Falando com Dave, o fotógrafo, que está vestido de piloto de avião.]

DAVE: Adoro um piloto automático! [Risadas]

ADAMUS: Piloto automático! [Adamus está rindo.] Eu canalizando enquanto ele voa.

Então, nos últimos dias de nossas Escolas de Mistério...

TOBIN (Filhinho da Kerri e do Joe): Eu gosto de voar.

ADAMUS: Olá, pequenino. Ele reconhece um vampiro quando vê um. [Risadas]

TOBIN: Eu sei! [Adamus ri.]

ADAMUS: Então, estávamos num processo de encerramento das Escolas de Mistério. Era hora de vocês voltarem para o mundo. Tínhamos ido o mais longe possível com as Escolas de Mistério. Sabíamos que uma nova era estava chegando. Eu sabia que era minha hora de partir. Eu sabia que, apesar de amar tanto este planeta, era hora de seguir em frente, pois onde mais eu poderia encontrar momento mais grandioso do que ficar comigo mesmo? [Risadas, principalmente quanto ele olha pra Linda, que está fantasiada de bruxa.] Belo sapo. [Ele está se referindo ao sapo pendurado no pescoço de Linda.] O que mais se diz para uma dama? [Mais risadas] E o propósito seria...?

LINDA: Bem, eu estava viajando e uma pessoa do atendimento a clientes da companhia aérea não foi muito legal comigo. [Risadas, porque ela quis dizer que transformou a pessoa em sapo.]

ADAMUS: Pensei que tivéssemos conversado sobre feitiços e bruxarias não apropriados. E quem era essa pessoa antes de ser transformada nisso?

LINDA: Era uma atendente da United Airlines. [Mais risadas] Eles não sabem o que é atendimento a clientes.

ADAMUS: Ah, não. Você deveria voar do meu jeito, sem avião.

LINDA: Ela não virou nem um bom sapo, daí eu a transformei nesta bolsa pra colocar os prêmios de Adamus. [O sapo no pescoço é uma bolsinha com um zíper entre as pernas.]

ADAMUS: Os prêmios de Adamus! [Risadas] Saindo direto da bunda de um sapo! [Muitas risadas] Não sabiam que traz boa sorte? Menos se for um representante de atendimento a clientes da United Airlines. [Mais risadas] Vamos fazer uma magiazinha pra transformar as energias negativas contidas aqui em... [Ele movimenta a mão em torno da bolsinha.] ... em nada. É apenas energia pura. Falaremos sobre isso daqui a pouco.

Assim... E, me dirigindo a todos que estão fantasiados de bruxos hoje, e tem um bocado de gente, estou surpreso que consigam sequer entrar nessa fantasia. Não, é sério, é sério. Digo, significa muito. Depois de terem sido bruxas, zumbis e tudo mais no passado, depois de terem sido queimados no poste pelos... [Ele fuzila com os olhos o “Padre” Sart.] Vocês sabem quem, logo ali, é. Há muitas feridas sérias – feridas profundas, profundas, de aspectos – em muitos de vocês que ficaram traumatizados com suas crenças. O fato de estarem aqui, hoje, rindo disso, brincando, fantasiados assim, é realmente impressionante. Então, um agradecimento especial a todos que estão fantasiados hoje, especialmente eu. [Adamus ri; ele está usando uma imponente capa vermelha, um colete de veludo carmesim e uma camisa branca em estilo antigo, com babados.]

Assim, queridos Shaumbra, as Escolas de Mistério, na Transilvânia, no final dos anos 1700, estavam na hora de fechar. E, quando fizemos isso, vocês – todos os estudantes – voltaram para o mundo. Alguns voltaram para a Europa. Outros foram para a Rússia, pra cá pra esta recém-surgida Atlântida, agora chamada de Estados Unidos. Vocês carregaram essa sabedoria, carregaram o entendimento com vocês.

Então, isso criou uma espécie de movimento. Foi quase como uma tendência cult. As pessoas ainda queriam acreditar que as Escolas de Mistério estavam abertas, mesmo sem estarem. Queriam acreditar que havia algo mais a ser vivido além do que estavam vivendo, além das monarquias e dos diferentes tipos de governos a que estavam acostumadas, e as limitações, então, elas queriam acreditar que as Escolas de Mistério ainda existiam. Elas existiam, mas no coração de vocês. Não mais como instituição física, só no coração.

Muitos rumores começaram a se espalhar rapidamente sobre a localização das escolas, e foi divertido, por um tempo, ver algumas ordens religiosas se juntarem em novas cruzadas pra incendiarem as Escolas de Mistério. É claro que não existia nenhuma. Encontraram alguns castelos errados e acusaram as pessoas de coisas erradas, incendiaram esses castelos de qualquer jeito, mesmo não havendo realmente nenhuma Escola de Mistério lá, e isso prosseguiu indefinidamente. Na verdade, isso acabou intensificando ainda mais a intriga, o mistério sobre a coisa toda, até o ponto em que certas [encarando Sart novamente] ordens, certas ordens religiosas, simplesmente não puderam mais suportar. Sabiam que precisavam fazer uma campanha publicitária contra essas Escolas de Mistério. Então, criaram uma historinha sobre este ser... sobre este ser que não pode se ver no espelho, e que outros também não podem.

É claro que não! Quando se chega nesse ponto de consciência, de vibração, não dá pra se ver no espelho. Alguns de vocês têm tido pequenos vislumbre disso: estão andando pela sala e, por um instante, não estão lá. Por quê? Porque sua vibração, sua consciência está começando a evoluir. Vocês não vão mais se ver como um reflexo. Vocês vão se ver como uma presença. Obrigado. [Ele entrega a capa à Linda.] Como uma presença. As outras pessoas também não vão vê-los no espelho. Então, foi uma grande coisa dizer que esse ser não podia se ver no espelho.

E deram continuidade ao mito. Falaram de querer sugar o sangue de vocês. Bem, eu tinha um hábito e ainda tenho... [Algumas risadas] Não disso, meus caros amigos, mas quando se vai beijar outra pessoa... [Ele olha pra Elizabeth.] Pode se levantar? Venha até aqui. [Risadas]

ELIZABETH: Oh, meu Deus.

ADAMUS: É, Oh, meu Deus, melhores amigos pra sempre. [N. da T.: Elizabeth falou OMG (Oh, My God – Oh, meu Deus) e ele lembrou do BFF (Best Friends Forever; melhores amigos pra sempre).] Então, quando se beija alguém... [Adamus a beija nas bochechas.]

ELIZABETH: Obrigada.

ADAMUS: ... na verdade, não é muito energizante aí nas bochechas. Não existem muitos pontos de energia aí nas bochechas. Mas... [Ele a beija no pescoço.] ... um beijo bem aqui atrás. Não lhe deu arrepios?

ELIZABETH: Ah-ham.

ADAMUS: Em mim também! [Risadas]

ELIZABETH: É. [Adamus ri.]

ADAMUS: Bem aí atrás. Viu a diferença?

ELIZABETH: Ah-ham.

ADAMUS: Agora, não se pode sair por aí hoje em dia... [Adamus beija o pescoço dela de novo.] ... beij... hummm, que cheiro bom.... beijando assim. Ou talvez sim. Do outro lado. [Ele beija o outro lado do pescoço dela.]

ELIZABETH: Oh, meu Deus! [Ela dá uma risadinha.]

ADAMUS: Humm, então... espero que tenha sido bom pra você.

ELIZABETH: Foi muito bom.

ADAMUS: Sim, sim. Alguém tem um cigarro? [Algumas risadas]

Assim, é claro, eles usaram isso. Usaram todas essas histórias, juntaram tudo e acharam um autor medíocre, que havia escrito alguns livros, que falava de coisas meio místicas, que estudou hipnotismo e tudo mais, mas que, no fundo, era de fato terrivelmente rígido, conservador e muito, muito leal à Monarquia Britânica na altura, um irlandês chamado Bram Stoker. Eles o encarregaram... pagaram a ele muito bem pra escrever um livro – Drácula – e demonizá-lo, porque imaginaram que, fazendo isso, criando essa figura cult, esse Dracula... E eles se basearam em diversas coisas que eram verdadeiras e muitas que não eram. E, é claro, eles pegaram... porque éramos muito fortes na Romênia, nos arredores da Transilvânia... eles pegaram as histórias de Vlad, o empalador, e meio que amarraram uma coisa na outra. Publicaram o livro encomendado no final dos anos 1800 – 1897 – pra tentar frear toda a intriga em torno das Escolas de Mistério, em torno de mim – embora eu nunca tenha sido citado – e em torno de vocês.

Funcionou até certo ponto, mas... mas... [Ele bebe um gole de refrigerante.] Sangue bom. Humm. [Algumas risadas] Funcionou até certo ponto, mas, o que vocês têm hoje? O que vocês têm agora pra fechar o ciclo? Um novo fascínio por vampiros, muito contemporâneos. Os vampiros da Nova Energia, os vampiros vegetarianos. [Risadas] É verdade. Não estou inventando. Assistam a Crepúsculo, assistam àqueles outros.

LINDA: True Blood.

ADAMUS: É um tipo inteiramente novo de fascinação por ser imortal. Por ser imortal, mas estando aqui na Terra, estando no corpo físico.

Agora, é claro, acrescentam coisas dramáticas, um quê de traiçoeiras, mas há um novo fascínio. As pessoas querem saber o que está além de sua condição humana, e elas estão explorando isso no momento de um modo novo e fenomenal. Elas querem saber, como queriam centenas de anos atrás, quando as Escolas de Mistério fecharam. Tem que haver algo mais.

E há. E isso está começando a vir à tona. Está começando a acontecer.

Está provocando muita controvérsia, em todo lugar, no planeta inteiro. Vocês veem isso todo dia. Está provocando muita controvérsia no que eu chamo de esferas Próximas da Terra, onde muitos que partiram – como na música que acabou de tocar – ficam presos. [Ele está se referindo à música que tocou antes do Shoud chamada Dearly Departed (Queridos que Partiram), de DeVotchKa.] Está provocando muita controvérsia em algumas forças do cosmos que, como dissemos antes, não acreditam num Deus. Não acreditam num espírito. Não acreditam realmente em muita coisa, exceto neles mesmos. Nada errado em se acreditar em si mesmo, é claro, mas no Eu inteiro. No eu que não precisa se alimentar de nada mais; no eu que sabe que o equilíbrio já está dentro de si, que as ferramentas já estão aí e podem ser usadas sempre que quiserem; no eu que está fora do pensamento da consciência de massa, do velho pensamento. As pessoas querem saber, neste momento, que existe mágica.

Agora, elas ficam meio deslocadas. Pensam que mágica é como, de repente, manifestar ouro. [Ele abre a mão.] Você esperava que eu fizesse isso, não esperava? De repente, manifestar ouro nas mãos, caminhar sobre a água, esses tipos de truques. Mas a mágica real é a percepção de si mesmo, de sua presença bem agora, em cada dimensão em que operam. Vocês gostam de achar que só estão operando aqui, mas vocês estão operando num monte de dimensões.

Aqui é como se fosse o centro, Pete. Não precisa tirar a perna; vou chutá-la de novo mesmo. Aqui é como se fosse o centro onde grande parte das coisas acontece. Sim, muitas coisas incríveis estão acontecendo pra vocês, com vocês, nessas outras esferas. Aqui é como se fosse o ponto em que tudo se junta, onde tudo entra em foco e vem se materializar.

Então, meus queridos amigos, pra encerrar a história; realmente, existiu um Drácula, e o Drácula não precisava pegar nada de ninguém. O Drácula entendia que sua vida era imortal. Ele seguia indefinidamente. O Drácula entendia que podia estar neste planeta na forma física. Ele podia estar neste planeta na forma não física também, ou onde mais quisesse estar.

Existe um pouco de Drácula em cada um de nós. Não permitam que o que eles dizem [algumas risadas quando ele olha pro Sart de novo] altere a percepção que vocês têm de si mesmos. E sei que esse é um assunto sobre o qual precisamos falar de vez em quando. A dúvida. A dúvida surge.

Estas duas últimas semanas, particularmente, foram tempos de dúvida. Tão logo pensaram que tinham limpado um bocado do passado, volta tudo de novo. Vocês sentem essa dúvida, e ela vai ficar por aí durante um tempo. Vai ficar pressionando vocês por um tempo até que ela – a dúvida de si e, em parte, da consciência de massa – até que a dúvida perceba que não precisa mais pressionar nada. Assim como o vampiro, que não se vê no espelho porque não precisa mais. Não precisa mais ver o reflexo. Não precisa ver o que vem de fora. Está bem aí. Bem aí [no coração].


É Real

Queridos Shaumbra, como também já mencionei muitas vezes, está acontecendo neste momento. Neste momento. O mais grandioso, o mais grandioso, o mais grandioso tempo na Terra, um tempo de grandes mudanças de energia, transformações, como nunca em qualquer existência que tiveram, está acontecendo agora.

Mas a dúvida chega e diz: “É, e se...?” Não. Este é o momento, bem agora. Está acontecendo de modo impressionante e continuará a acontecer, às vezes de forma dramática, às vezes um pouco devastadora, mas está acontecendo bem agora.

Eu pedi a Cauldre que trouxesse alguns exemplos do que falamos, se pudermos passar os slides, por favor.


Primeiro Slide

Agora, nós falamos de coisas como a Nova Terra, e é... Podem reduzir as luzes, por favor. Falamos de coisas como a Nova Terra, que é um conceito esotérico interessante. É meio vago. Vocês pensam em todas essas novas Terras. E eu tinha dito antes que havia uma Nova Terra, uma única Nova Terra que estava sendo arquitetada, projetada e manifestada por vocês no estado de sonho.

Agora, nem tudo está ocorrendo no estado de sonho. Vocês meio que estão vivendo entre os mundos neste exato momento. Partes de vocês estão expandindo agora enquanto vocês estão aqui sentados.

Eu lhes disse um tempo atrás que a Nova Terra e a velha Terra não se misturariam de imediato, que poderia levar mais 30 anos. Isso foi há cerca de cinco anos. Ainda é incerto, mas isso não importa realmente. Ainda é incerto se algumas forças aqui na velha Terra vão querer continuar a viver no velho modo ou vão estar prontas pra evoluir, e isso realmente não importa, exceto pelo fato de que este é um lindo planeta e vocês detestam entregá-lo àqueles que querem voltar atrás no tempo, que querem voltar para os velhos padrões. Mas, de certa forma, isso não importa.

Existem novas Terras, e não mais apenas uma. Existem muitas, muitas, muitas por aí afora, centenas delas. Elas vão ser a morada, o lugar dos seres angélicos que nunca viveram uma encarnação física, e são muitos – suas famílias espirituais.

Este planeta não pode acomodar muitos mais em termos de população. As novas Terras que estão sendo criadas podem. Algumas são substancialmente maiores do que o atual planeta Terra – cem vezes maiores – e estão aí fora. E, por mais estranho que seja, apareceram nas notícias, bem recentemente, as evidências. E elas vão continuar a aparecer.

Vejam bem, é interessante porque a consciência pavimenta o caminho; a tecnologia acompanha. O que temos falado aqui nos últimos dez anos está ocorrendo. A tecnologia está chegando ao ponto em que pode começar a ver essas novas Terras.

Agora, não significa que esses lugares exatos que foram relacionados nas notícias venham a ser os lugares onde os seres angélicos vão ter suas experiências físicas. Mas significa que mesmo a ciência está começando a reconhecer o que nós... o que vocês já sabem há algum tempo. É uma validação. É muito, muito real.

A propósito, eu adoro ciência. Adoro ciência – até certo ponto. Adoro a ciência desde que os cientistas permaneçam com a mente aberta. Quando eles entram no padrão, quando ficam presos à profissão e não examinam sequer outros potenciais – as coisas que se pode mapear com a atual matemática ou ciência – aí, passa a ser um problema. Aí, realmente isso inibe a energia e algo acaba explodindo. [Kathleen ri.] Obrigado. Eu precisava dessa risada. Ela recebe um prêmio de Adamus. É, direto do traseiro do sapo. [Risadas]

Mas, não, é assim. Se a ciência enquadra alguma coisa por muito tempo, algo explode. Agora, nem sempre tem uma correlação direta. Por exemplo, por muito tempo a ciência assumiu que a Terra era plana, e [apontando para o “Padre” Sart] a sua organização impediu que se olhasse pra outra possibilidade. Muitas pessoas foram perseguidas por... [Sart levanta a mão.] Obrigado. Pelo garoto propaganda da... [Sart diz algo e todos riem.]

Ah, antes de encerrarmos o dia, vocês terão muito mais dessas coisas. [Risadas] Vamos converter vocês todos hoje! [Adamus ri.]

Assim, adoro ciência até o ponto em que deixam de procurar novas possibilidades. Uma coisa interessante aconteceu nesses últimos poucos anos na comunidade científica. Nem todas, mas pessoas suficientes estão dizendo: “Existe algo mais. Existe algo mais que nossos microscópios, nossos computadores e nossos cálculos não estão mostrando. Vamos investigar.” Isso é chamado de física quântica há tempos, e mais e mais cientistas estão entrando nessa. Mais e mais cientistas estão com esse desejo de descobrir. E eu adoro a ciência quando ela trata de descobertas. Ainda tem muito mais a ser descoberto sobre a realidade física de vocês e muito mais a ser descoberto sobre as outras esferas.

Vocês sabem disso e eu digo as palavras agora... vocês estão dizendo: “Eu sei que existem outras coisas lá fora, e eu sei que existem coisas abaixo dos níveis atômico e subatômico. Eu conheço esse caos.” Muitos de vocês estão dizendo: “Eu sei que esse caos não é caos de forma alguma. É, na verdade, a ordem divina que a mente ainda não consegue assimilar.” Mas, queridos Shaumbra, a ciência é uma coisa ótima e, literalmente, com o trabalho que vocês vêm fazendo, vocês estão ajudando a abrir os potenciais e as possibilidades para a nova ciência.

Houve, na verdade, algumas descobertas interessantes, alguns anos atrás... ah, foi há cerca de nove, dez anos... referentes à nova matemática. Isso foi rejeitado pela comunidade matemática tradicional, mas não está morto. Está fermentando. Está em fogo brando. Está esperando pra se mostrar novamente. Será desafiador pra muitos aceitar que dois e dois nem sempre é igual a quatro, assim como foi, centenas de anos atrás, pra seres, seres instruídos, aceitarem que havia números negativos. Vejam, não faz tanto tempo que foi considerado heresia acreditar em números negativos! Mas aí estão eles. Todos vocês sabem disso hoje. Bem, vocês sabem quando estão sem cobertura no banco... [Algumas risadas] É negativo, e é muito real.


Segundo Slide

Então, o próximo slide, que veremos agora... Não preciso dizer isso, Cauldre. Ele sabe.

Então, eis aqui um exemplo. É algo que um Shaumbra nos enviou outro dia. Essa é uma organização governamental no Canadá, eh, que está utilizando o slogan em seu site: “Nova Energia.” Agora, de onde eles pegaram isso? [A plateia diz: “De nós.”] Alguém que criou... sim, padre?

SART: Fui eu que fiz. [Risadas]

ADAMUS: É, foi.

LINDA: Pode repetir pra que possam ouvir? [O pessoal online não conseguiu ouvir o que ele disse.]

ADAMUS: Ele disse: “Eu que fiz.” Sim, sim. E é verdade que você vai tomar confissões mais tarde na cabine telefônica? [Algumas risadas]

SART: É, estou pronto pra isso.

ADAMUS: É. Vai ficar meio tumultuado lá, mas, tudo bem. Por falar nisso, espero que tenha bastante tempo, porque, com este grupo... [Risadas] Eles gostam de contar histórias – não contam muitos pecados, mas muitas histórias.

SART: Eu vim preparado.

ADAMUS: Então, isso veio de uma organização governamental que está usando o termo “Nova Energia”. Agora, não é algo científico, mas é cultural. É cultural. Estão pegando o que foi colocado aí em potenciais. O sujeito criativo que foi designado pra apresentar uma campanha a essas províncias canadenses em Newfoundland e Labrador pensou: “Vou falar sobre o quê? É muito frio aqui em cima. Fica meio escuro, às vezes. Tenho que mostrar alguma coisa.” Esse ser criativo respirou fundo algumas vezes e disse: “Nova Energia! Falaremos sobre a Nova Energia que está aqui em cima, e vamos até criar uma musiquinha pra acompanhar.” Uma musiquinha... [a canção começa a tocar] da Nova Energia.

LETRA DA CANÇÃO [trecho; é uma melodia popular e divertida]:

“I had a dream, I was home by the water (Eu tive um sonho; fiquei em casa, à beira d’água)

Lending a hand to my mother and father (Dando uma mão à minha mãe e ao meu pai)

And they would show me just how things were done (E eles me mostraram como as coisas eram feitas)

And they would tell me just how far they’ve come (E eles me disseram até onde chegaram)

Today I feel New Energy around us (Hoje, eu sinto a Nova Energia ao nosso redor)

Today I share the hope that has found us (Hoje, compartilho a esperança que nos alcançou)

Fathers and mothers, sisters and brothers (São pais e mães, irmãs e irmãos)

Who stand here together today” (Que permanecem aqui juntos hoje)

ADAMUS: Está bem. [Risadas] A questão é, Shaumbra, que está acontecendo. Está acontecendo de um jeito engraçado como este. Está acontecendo de um modo científico muito real. Está acontecendo em níveis que... [Ele para, tentando fazer o slide avançar.] Ah, agora foi. Está acontecendo na física.


Terceiro Slide

Agora, aqui está um artigo. Uma descoberta surpreendente: “Novo experimento espera capturar antimatéria bizarra.” Agora, acho que muitos de vocês sabem o que é o CERN, aquele laboratório imenso na Suíça que gerou muita controvérsia. Será que vamos explodir o mundo? Será que vão fazer alguns experimentos com as partículas científicas e vão sugar a criação inteira? Talvez tenha acontecido... [Algumas risadas] Nenhum prêmio pra isso [referindo-se às risadas]. Quem sabe?! Como vocês sabem que a realidade não foi sugada pra esse buraco negro? Mas, e daí? A realidade continua. Só porque entraram num buraco negro e foram sugados para um grande nada... ontem não vai ser diferente de hoje. [Algumas risadas]

Assim, o experimento apresentado neste artigo... incrível, interessante... mostra que, quando fazem a matéria colidir – sabe-se o que é matéria, porque ela tem substância – com a antimatéria, que não se sabe o que é... é invisível. Ninguém realmente assimilou isso direito ainda. São muitas as teorias sobre isso, mas o que se sabe é que é a antítese, porque, na consciência da dualidade, tudo que aparece aqui tem que aparecer ali. Tudo que tem um lado superior tem um inferior. Tudo que é luz tem um lado que é escuridão. Todo aspecto “certinho” de vocês tem um aspecto “porra-louca” que o complementa. Tem. É assim que a consciência da dualidade funciona.

Então, temos aqui os cientistas, nesse laboratório meio secreto e muito caro, na Suíça, fazendo esse experimento interessante com todas essas energias magnéticas e eletromagnéticas, lançando pequenas partículas do laboratório na Suíça pra um laboratório na Itália, chocando as partículas entre si. O que vocês acham que acontece? [Alguém diz: “Algo mais rápido que a velocidade da luz,”] Mais rápido que a velocidade da luz!! Pensei que nada fosse mais rápido que a velocidade da luz. Ah, Einstein, é isso aí! Existem muitas, muitas coisas mais rápidas do que a velocidade da luz, inclusive a consciência de vocês – começando pela consciência de vocês, passando pelos pensamentos, indo até os sentimentos. Tudo isso é mais rápido do que a velocidade da luz.

Quando se reduz ou se desacelera a energia, ela se torna luz. E, então, a partir da luz, de repente, ela diminui e vira o espectro eletro, que diminui e acaba por se transformar nesta realidade em que vocês estão.

Mas o interessante também é que esta realidade não está na base da pilha. Não é pra onde tudo desce, chegando ao fundo do recipiente. Esse é um modo muito dualístico de pensar na coisa, porque é um círculo. Não é um fosso. Porque, mesmo quando a energia desce pra esta realidade, ela continua a evoluir. Não volta pra cima, de onde veio, mas evolui para além. Considerem as implicações disso.

Existem partículas mais rápidas do que a luz. Além da matéria sólida, além da dualidade, há uma outra porta, uma outra física, outros sistemas operacionais, e não fica mais denso a partir daqui. Não fica. E vocês não voltam pra cima. Vocês continuam ao redor. Na verdade, é uma grande espiral. Vocês seguem dando voltas.

Então, literalmente, em sua evolução, vocês vão da matéria densa – sem querer ofender ninguém –, da matéria densa... vocês vão disso até algo mais rápido que a luz. Algo mais rápido que a luz. De fato, é uma física bem básica, mas os cientistas vão gastar bilhões de dólares ou cavar quilômetros e quilômetros de rocha pra entendê-la. Vocês já sabem.

Vocês estão se dissolvendo neste momento – diante dos meus olhos –, se dissolvendo da realidade física. Não voltando, mas expandindo pra fora mais rápido que a velocidade da luz. Então, existem coisas mais rápidas que a velocidade da luz, como se comprovou.

Nesses experimentos também, havia a antimatéria e a matéria colidindo entre si. Qual foi o resultado legítimo? Está dito no artigo. Pura energia! Pura energia. Pura energia. Não dizemos há um tempão que, quando as coisas são liberadas de seu estado de confinamento ou do estado de expressão – vocês estão num estado de expressão –quando os pensamentos são liberados do estado de crença, quando os aspectos são liberados do estado de tortura, de sua ferida, o que acontece é semelhante a esse experimento, de certa forma? É a velha e a nova colisão entre si, com um amor bruto contundente. Uau! [Algumas risadas] Eles estão rindo [apontando pra cima]; eles, não [a plateia]. [Risadas] Vocês aí [os seres não físicos] levam um prêmio de Adamus. Eles estão uivando lá em cima!

HOMEM SHAUMBRA: Não sabem de nada.

ADAMUS: Deve ser alguma coisa na água. [Risadas] Eles ficam rindo, porque não estão aqui embaixo. Isso também foi engraçado.

Assim, vocês têm aqui essa colisão entre a matéria e a antimatéria. Isso retorna para a energia pura e é comprovado pelos cientistas. Temos falado sobre isso, todos nós, há um bom tempo já. O que acontece quando se libera algo do estado de expressão, do estado de ser? Isso retorna para a energia pura.

O que eles não viram aqui ainda, mas que vocês sabem, é que, quando chega aí um outro elemento – a consciência e a escolha mais consciente – e entra na equação, no experimento, também produz verdadeiramente Nova Energia. Esses experimentos, com base na dualidade, estão liberando energia da forma de confinamento, fazendo ela voltar pro estado puro, como dissemos a respeito da nuvem de energia. O que eles vão descobrir daqui a cinco anos, dez anos, não importa, é que algo mais foi criado. E vão dizer: “Como se faz isso? Como se pega duas quantidades conhecidas, se choca uma com a outra...? Ainda deve resultar em duas quantidades conhecidas que se juntaram.”

Mas eles vão ver que algo muito estranho acontece. Eles vão ver um outro elemento em algum momento. Eles não têm as ferramentas pra realmente avaliarem isso agora, porque o novo elemento viaja mais rápido do que a velocidade da luz.

Queridos Shaumbra, eu podia ir embora agora mesmo. Eu podia voltar pro meu Terceiro Círculo e nunca mais me reunir com vocês, porque acabamos de dizer tudo. Está tudo aqui. Mas estou me divertindo muito. Vocês não estariam, se fossem eu? Quero dizer, olhem. [Adamus ri.]

Assim, isso está acontecendo bem agora, e é quando eu me empolgo. E é por isso que fico animado de trabalhar com vocês, porque vocês estão... apesar do fato de que... está bom, chega de slides; podem voltar praquelas coisas engraçadinhas que vocês colocam no telão... apesar de serem tempo difíceis e vocês serem desafiados em muitos níveis diferentes, vocês estão fazendo isso. Vocês vão continuar lendo sobre isso nos jornais. Vou mais longe ainda... Vou ouvir alguns resmungos aqui, mas... vocês estão prontos pra resmungar. Prontos? Equipe, estão prontos? Vou mais longe e dizer que tem um lugar, um site na Internet, pra onde as pessoas podem enviar e submeter artigos diversos, porque eles estão surgindo do mundo todo agora. Artigos que ajudam a validar, ajudam a instruir, ajudam a informar os Shaumbra de que está acontecendo. Vocês verão artigos com aquilo que tenho escrito aqui o tempo inteiro. Então, se vocês criassem um espaço pra fazer isso... Bom, ótimo. Ótimo.

Vamos respirar fundo agora.


O Novo Pensamento

Continuando. O próximo item. O Novo Pensamento. O Novo Pensamento. Kuthumi falou sobre ele no encontro em Santa Fé, na conferência de verão, que aconteceu em setembro, coisa que não entendo, mas...

Bom, Kuthumi falou do Novo Pensamento nessa ocasião. Muitos de vocês estão permitindo que o Novo Pensamento comece a surgir, comece a fazer parte de sua realidade, mas vocês ficam pensando: “Não sei bem o que é o Novo Pensamento. Não sei bem como fazer isso, então, vou esperar até que Adamus me diga.” Então, eu vou lhes dizer. Não tem a ver com pensar. Vocês não conseguem pensar o Novo Pensamento. Vocês podem escolhê-lo, vocês podem sê-lo, vocês podem vivenciá-lo, mas não podem pensá-lo, porque no momento em que começam a pensá-lo, aí é o velho pensamento. Assim, realmente não importa. Mas as implicações são importantes aqui, se estiverem se permitindo entrar nessa.


Advertências sobre o Novo Pensamento

Agora, normalmente, eu faço minhas advertências depois de pedir que vocês façam uma escolha. Desta vez, vou fazer as advertências primeiro. Se realmente escolherem o Novo Pensamento, primeiro, vocês vão tê-lo; segundo, ele vai confundi-los, mas ótimo. Realmente vai, porque o Novo Pensamento é intuitivo, meio psíquico, se quiserem usar essa palavra. O Novo Pensamento não é... [Ele faz uma pausa.] deixando Cauldre assimilar isso... não é um pensamento associativo ou associado. Tudo que vocês fazem agora está associado a alguma coisa. Cada vez que pensam, o que pensam agora está associado à outra coisa.

Vocês ligam os pontos até outra coisa – uma outra experiência que tiveram, algo que leram ou aprenderam, ou o que for –, mas é um processo de associação. É como... e Fred sabe bem o que é isso... é como se vocês criassem uma rede mental e essa rede mental estivesse, constantemente, trabalhando. Ela meio que trabalha sempre do mesmo jeito, e é como se usasse sempre os mesmos padrões, a mesma lógica, as mesmas técnicas pra produzir resultados.

O Novo Pensamento não faz isso. Ele não é um pensamento associado. Não tem nada a que se associar. Não tem nenhum registro anterior. Com o tempo, terá, mas não. Vocês aprenderão que esse Novo Pensamento, na verdade, destrói os registros. Ele não gosta de registros. Não gosta de padrões. Realmente não gosta de se estruturar por mais tempo do que o suficiente pra ter uma experiência, e depois vai embora.

Ele não gosta de histórias, não gosta de drama de forma alguma. Alguns de vocês vão ter... Vou usar isso pra apoiar meu pé. [Ele tira o chapéu do David da cadeira pra ele colocar o pé.] Belo chapéu. Alguns de vocês vão... não vocês, mas vocês como um todo, no geral... vão ter dificuldades com o Novo Pensamento porque não há drama. Não há um abastecimento de energia acontecendo.

Eu diria que a maioria dos humanos está viciada em drama. Realmente está. Vocês veem isso. Qualquer um que tenha feito a SES – Sexual Energy School (Escola de Energias Sexuais) – vê isso. Eles são viciados em drama. Não podem viver sem ele. No momento em que o drama deixa a vida deles, eles se entediam. Eles se inquietam. Eles ficam desesperados. Daí, eles criam alguma coisa. Vão destruir as próprias coisas, ou normalmente as coisas de outra pessoa, pra se abastecerem.

Agora, o abastecimento é apenas energia meio que entrando em movimento – um movimento estranho – e, daí, eles dão uma bela mordida nisso. Eles gostam de ficar em volta. É estimulante. É como um vampiro. É um vampiro que se alimenta dos outros. Isso.

E, então, existem os autovampiros, as pessoas que adoram se alimentar do próprio drama. Elas não incluem ninguém mais. Não estou olhando pra nenhum de vocês. [Adamus ri.] Só aconteceu de eu estar olhando nessa direção. Elas... [Alguém diz: “Você é engraçado.”] Hilário, às vezes.

Mas existem aqueles que realmente prometeram não se alimentar dos outros, daí, eles se tornam vampiros de si mesmos, e criam esse jogo, como bem sabe Aandrah, com os aspectos deles – um se alimentando do outro, o outro se alimentando do um. Eles, de fato, vão tão longe, acreditando que realmente isso vem de outro lugar, que criam divisões ou muros na identidade deles. É conhecido como transtorno de personalidade múltipla. Um aspecto se alimentando do outro, e eles têm que fingir que o outro não está realmente lá pra que possam achar que estão se alimentando. É meio como beber e comer ar, fingindo que tem mesmo alguma coisa. Dá pra se ter um pouquinho, mas não muito.

O Novo Pensamento vai confundir a mente de vocês por um tempo e, quando ele confundir a mente, vai confundir o corpo. Vai derrubar seus sistemas de crenças. O Novo Pensamento vai provocar uma enorme rash (erupção cutânea) de insegurança... uma parcela, ah, chamaremos derash também. (N. da T.: Rash, erupção cutânea, e ration, parcela, têm pronúncias semelhantes em inglês, e alguém achou que ele tinha dito ration e não rash da primeira vez.) Qualquer um temrashes agora – e não estou olhando – qualquer um tem rashes. Muitas vezes, a dúvida se manifesta em rashes. É também uma boa forma, às vezes, de limpeza, a menos que seja um rashcontínuo. Ah, entendem? Mas um rash. Se qualquer um de vocês estiver tendo rashes no momento, uma pequena coceira em alguns lugares, provavelmente é só um indicativo, um pequeno sinal de que... Ah, meu Deus, você tem uma faca aí!

MULHER SHAUMBRA 1: Tenho.

ADAMUS: Você vai usá-la?

MULHER SHAUMBRA 1: Já usei. [Ela “esfaqueia” o pulso com uma faca retrátil de brinquedo.]

ADAMUS: Oh, nossa! [Adamus ri.] Continue e faça para a câmera. Aquela lá atrás. Levante-se pra gente brincar de Halloween. [Ela “esfaqueia” o pulso várias vezes, mostrando para a câmera.]

Ah, eles estão... Espere um instante. Eles precisam pegar isso com a câmera grande.

MULHER SHAUMBRA 1: Ah. Continuo fazendo. [Agora está sendo mostrado no telão.]

LINDA: Eca.

ADAMUS: É. Oh, oh, oh.

Então, onde estávamos? Alimentar a si mesmos. Era aí que estávamos. Então, os rashes, ou como vocês chamam quando alguém começa a se cortar, os automutiladores, esses tipos de coisas, está tudo relacionado à dúvida. À dúvida.

Assim, deixem-me prosseguir com a lista de advertências aqui, antes de entrarmos no Novo Pensamento. Ele vai fazer com que se sintam muito desconectados. Com o Novo Pensamento, vocês vão fazer coisas como olhar algo do seu passado, subitamente, e se perguntar que diabos os atraiu praquilo – familiares e coisas desse tipo [algumas risadas] –, se perguntar por que foram pra lá.

Isso não é tão ruim, mas, de repente, vocês sentem que estão perdendo sua plataforma na vida, sua base de realidade. A base inteira da realidade começa a se transformar. Quando ela se transforma, de repente, vocês têm, sim, matéria e antimatéria, crença e anticrença, confiança e dúvida e todo tipo possível de dualidade começando a colidir entre si.

Será que isso é uma coisa ruim?

MULHER SHAUMBRA 2: Não.

ADAMUS: Sim, é! Machuca! [Risadas] É realmente uma droga, como muitos vão dizer pra vocês. Com certeza – mas é apenas por um curto período. Apenas por um período bem curto.

PETE: Defina curto. [Muitas risadas, inclusive de Adamus]

ADAMUS: Vou pedir pra você conversar com o Padre sobre isso. [Mais risadas] Ah, não faz diferença, entende. Não existe tempo, blá, blá, blá, blá, blá.

Bom, é por um período relativamente interessante, com experiências dinâmicas na vida, tudo acontecendo junto. Mas lembrem-se que, quando essas partículas – não apenas essas partículas físicas, mas as partículas das crenças, as partículas dos aspectos, as partículas de qualquer coisa – colidem dessa forma, isso cria pura energia. Faz com que as coisas retornem para a forma original.

Isso também cria a Nova Energia. Está fazendo isso agora mesmo enquanto conversamos – criando Nova Energia.

Essa Nova Energia não vai pra algum grande reservatório, a grade, o Campo, como quiserem chamar. Ela permanece bem aí.

Não serve a um coletivo. Não é para o bem de todos os seres, o que é... Isso é bom ou ruim?

TIM: Na verdade, é uma boa coisa.

ADAMUS: Tanto faz. Não importa, realmente. Não importa. Não importa, mas muitos ainda acreditam que tudo que fazem deve servir ao bem maior. De onde veio isso?

LINDA: Da igreja. [Muitas risadas, inclusive de Adamus, quando o “Padre” Sart levanta a mão e todos apontam pra ele.]

ADAMUS: Está muito fácil isso aqui hoje! [Risadas] Isso veio do pensamento da consciência de massa, do pensamento de grupo, do pensamento Borg (Adamus está se referindo, como já fez em outro Shoud, à raça alienígena de seres coletivos retratada em Jornada nas Estrelas.) Veio de alguém que falou: “Não seria ótimo dizer às pessoas que é pecado amarem a si mesmas? Não seria ótimo dizer a elas que os outros devem vir em primeiro lugar”, incluindo as organizações dessa gente, “porque Deus ama isso? Não seria ótimo dizer ‘Não foquem em si. Foquem em qualquer outra coisa. Garantam seu lugar no paraíso. Garantam seu lugar’?” E vocês sabem agora que o único caminho pro céu, que é, na verdade, apenas uma tomada de consciência, o único caminho que eu conheço, que outros Mestres Ascensos conhecem, é amar a si mesmo. Só isso.

É muito simples pra mim. Quando vocês se amam, isso significa que vocês se aceitam. Vocês têm total compaixão por vocês sem ter que ir se confessar e sem qualquer tipo de remorso – nenhum. Vocês foram treinados pra que isso fosse uma coisa difícil de se fazer, não ter remorso com relação a nada que já tenham feito. E eu ouço os “mas” surgindo o tempo todo. “Mas... eu fiz essa coisa realmente ruim.” “Mas... se eu me perdoar completamente, então, talvez eu volte e faça algo ruim de novo.” De jeito nenhum. De jeito nenhum.

Quando uma pessoa se ama por completo e tem total compaixão por si mesma, pra mim, pros outros Mestres Ascensos, isso resulta num benefício muito belo. De repente, ela passa a amar todo mundo. De repente, ela tem compaixão por todo mundo. De repente, ela entende a jornada de todo mundo. De repente, ela não vai tentar empurrar ninguém pra esse túnel até o paraíso em primeiro lugar. De repente, ela vai pra lá primeiro, direto pra casa dela primeiro, tornando-se umStandard.

Assim... o Novo Pensamento vai, literalmente, mudar a sua vida. É por isso que eu disse que, nas últimas semanas, havia muita energia de dúvida rolando, desde que Kuthumi falou do Novo Pensamento.

A maioria de vocês disse: “Parece maravilhoso.” E é. A maioria de vocês começou um processo interno com o Novo Pensamento. E é por isso que alguns de vocês... Quantos estão se lembrando dos sonhos agora? Com mais frequência do que há dez anos? [Muitas pessoas levantam a mão.] Estão se lembrando mais. Quantos não se lembram dos sonhos nunca? [Poucas levantam a mão.] Tudo bem. Não tem certo nem errado e, na verdade, os sonhos ocorrem de qualquer jeito. Eles, sem dúvida, ocorrem. Vocês é que têm um portal que vocês fecham atrás de vocês. Às vezes, isso é, de fato, bem mais conveniente, mas é hora de começar a deixar que venham agora.

No início – por parte daqueles que estão tendo muitos sonhos intensos no momento... No início, não é muito confortável, ficar sonhando a noite inteira. Vocês dizem: “Preciso dormir à noite.” Ou seja: “Preciso esquecer os sonhos.” Porque vocês estão trazendo essa energia, essa consciência de volta com vocês. Mas fugi do assunto.

Nas últimas semanas, vocês têm tido muitos sonhos com eletricidade, troca de fiação na casa, problemas elétricos, explosão de transformadores, blecautes e coisas desse tipo. Falo pra quem está tendo esses sonhos. E há uma razão pra eles; é porque vocês estão se reconectando neste momento.

Agora, o fato é que vocês estão se reconectando há muito tempo, mas vinha sendo num nível mais físico até então. Muita coisa no DNA, muita coisa física, se reconectando com seus aspectos. Agora, vocês estão se reconectando de uma nova maneira, no pensamento, no que costumava ser o processo mental.

O interessante é que, quando falo de se reconectar, não estou falando de algo velho, como um velho equipamento plugado, como esta sala aqui que está equipada com conexões elétricas. Tem fio pra todo lado, e é o que se usa pra ligar as luzes.

Imaginem agora que este local fosse receber novas conexões, mas sem fios. Imaginem que a nova conexão fosse de tal forma que vocês pudessem realmente colocar a mão na corrente de energia, direto na corrente, sem levar um choque. Como está agora, vocês levam um choque. Vocês levam um choque – uma coisa bem dualística o modo como a eletricidade funciona.

Então, imaginem uma conexão, agora, que vocês possam segurar – esse fluxo de energia que vai acender as luzes – que possam tocá-lo e não serem afetados por ele. É mais ou menos o que está acontecendo dentro de vocês, uma espécie de transição do velho pensamento para o Novo Pensamento. É isso que está acontecendo bem agora. Neste exato momento.

Isso vai causar alguns rompimentos no velho sistema. Pode causar... e digo isso porque, às vezes, vocês se apavoram... pode fazer com que vocês fiquem fisicamente doentes, talvez não. Pode fazer com que sintam como se estivessem ficando malucos, mas não estão.


Resultados do Novo Pensamento

Agora, o que acontece aqui, particularmente, quando vocês se reconectam nesse processo de tomada de consciência... e é só isso, vocês vão sair da percepção limitada mental para a percepção do Novo Pensamento, que é totalmente diferente. No processo de sair do velho pensamento, todas as coisas começam a se dissolver ou a se desfazer, e vocês se deparam com um período de dúvida generalizada. Vocês se deparam com um período de sentimentos que estão desvinculados de tudo mais, particularmente, das coisas que faziam parte da rotina diária, que começam a mudar e sumir.

Qual é a primeira coisa que as pessoas, em sua maioria, fazem? Que os Shaumbra, na maioria, fazem? Tentam se agarrar à força àquilo que costumavam fazer. Tentam se agarrar, mesmo que tenham amaldiçoado esses velhos modos. Mas eles tentam se agarrar, porque ao menos era confortável. Ao menos, era familiar.

Agora, é como pular naquele abismo, completamente escuro, sem saber qual a profundidade, sem saber o que está lá no fundo, sem saber se existe uma plataforma logo abaixo. É assustador. E, acima de tudo, e o melhor, é que é uma experiência maravilhosa. E daí? Quem se importa? Quem se importa com o que tem lá?

É interessante, porque, na realidade da Nova Energia, que está começando a chegar na sua realidade física, a mente pensa que, quando vocês pulam naquele abismo, algo ruim vai acontecer. Isso é o que a mente faz. Ela tenta proteger vocês. Ela diz: “Não pule naquele abismo.” E fica tentando calcular; acaba jogando uma pedra nesse buraco escuro pra escutar quanto tempo leva pra cair e diz: “Ohh, que droga! É uma looonnga queda.” [Risadas] E, mais que tudo, vocês ouvem os murmúrios e os assobios dos demônios lá adiante. “Ohh...” E vocês recuam.

No Novo Pensamento, vocês pulam no abismo e, de repente... preciso dizer isso corretamente... de repente, a realidade se transforma, muda. Não é mais a beirada de um abismo. Não é mais um buraco fundo. É, na verdade, aquilo que vocês escolherem vivenciar no momento. De repente, trata-se de escolha, da qual falarei daqui a pouco; a escolha que surge muito rapidamente, bem depressa, e se manifesta muito rapidamente – é mais rápida do que a velocidade da luz –, que, de repente, é uma experiência real, uma verdadeira alegria.

O que estou dizendo, queridos Shaumbra... e vamos respirar fundo com isso... Eu sinto toda essa pressão mental aqui.

Vocês vão passar por uma transformação muito interessante com o Novo Pensamento. Como eu disse no começo da conversa, conseguem se lembrar do seu equilíbrio? Será que conseguem se lembrar de que vocês já têm as ferramentas?

Agora, aqui vão as dicas. O equilíbrio não está onde a sua mente acha que ele está. As ferramentas não estão onde vocês acham que elas estão, porque esse é o velho pensamento. Vocês precisam ser capazes de se abrir, de ir além, de expandir. Vocês precisam estar dispostos a confiar tanto em si mesmos, ou a ficarem tão abertos, ou tão doidos, não importa o que seja, que se prontifiquem a sair do velho lugar onde vocês encontravam as coisas.

Já falamos um pouco sobre isso antes, mas quero realmente enfatizar isso agora. Particularmente, nessas próximas semanas e meses, em sua vida e nos eventos do mundo que estão cada vez mais evidentes, aquilo onde vocês costumavam encontrar conforto ou segurança está agora num lugar diferente, mas não é linear como costumava ser. Em outras palavras, se costumavam encontrar conforto aqui [sinalizando a área logo acima da cabeça], não esperem que agora vão encontrar conforto aqui [sinalizando mais para o alto]. Se costumavam encontrar energia aqui [gesticulando para um lado], não esperem encontrá-la aqui [gesticulando para o outro lado]. Isso é muito linear. Se costumavam pegar a caixa de ferramentas aqui embaixo [mostrando o chão], não esperem agora que ela tenha simplesmente chegado um pouco pro lado [mostrando outro lugar no chão].

O conforto vai vir de um lugar totalmente diferente, as respostas, de um lugar totalmente diferente, e a sua mente vai analisar isso como sendo algo um pouco assustador de se ver. Vocês vão sentir ansiedade quando realmente estiverem indo além, quando estiverem expandindo, porque, no momento em que precisarem de conforto, vocês vão ficar um pouco desesperados. Vocês querem o conforto por perto. Vocês querem que seja familiar. Sua mente vai resistir e dizer: “Não, precisamos de conforto agora. Precisamos de estabilidade agora. Então, vamos recuar e fazer o que sempre fizemos.” Isso é, basicamente, enfiar a cabeça na areia, fingindo que o problema realmente não existe. [Ele aponta para o teto.] Eles estão rindo. [Adamus ri.]

Então, vai acontecer uma reação automática. Vai acontecer a reação programada de voltar pra onde é o costume, e vai estar em outro lugar. Está aí. Ah, está aí, mas vejam, vocês continuam voltando pros velhos lugares de conforto. E me dizem que não. Vocês me dizem que estão indo pra lugares novos. Não, vocês estão indo pra um lugar linear. Vocês dizem: “Se meu equilíbrio não está aqui, ou as respostas, ou as ferramentas, o que seja que não está aqui, eu procuro bem aqui.” É o mesmo maldito lugar comum.

LINDA: Geoffrey precisa de água. [Ela entrega um copo a ele.]

ADAMUS: Ah! É bom. [Ele dá um gole.] Eu me empolguei um pouco.

Assim, a pergunta sobre o Novo Pensamento: Vocês estão dispostos a realmente, na hora que entrarem numa experiência nova... essa é uma forma legal de dizer outra coisa... Na hora que entrarem numa experiência nova, estão dispostos a respirar fundo e rir, e se permitirintuitivamente encontrar esse lugar novo onde as ferramentas estão, onde o equilíbrio está, onde o conforto está? Estão dispostos a dizer: “Espere aí, isso é coisa velha. Não vai mais funcionar. Não vou entrar nesse velho jogo”? Será que vocês estão dispostos a respirar fundo e, intuitivamente, encontrar esse lugar novo?

Agora, não posso lhes dizer onde está. Está... bem, será que está lá no espaço? Provavelmente, não. Está numa dimensão, acho que se pode chamar assim. Está num lugar que não é aqui, mas que também não é lá, se faz sentido. Não é aqui, significando esta realidade física, esta longitude e latitude, este tempo e espaço em que vocês existem. Não está aqui. Não poderia residir aqui. Não quer residir aqui. Não neste momento, mais tarde talvez. Mas não está lá fora.

E tem a lógica linear que diz: “Bem, se não está aqui, tem que estar lá.” Certo? “Se não está aqui, tem que estar lá, é claro.” Não está. E aqui é onde as palavras ficam difíceis. É onde a intuição, é onde a confiança – acho que vocês usariam essa palavra – se torna importante. Onde está?

É como a ciência... Adoro ciência. Adoro ciência, porque ela realmente tem a ver com descoberta até o momento em que entram nos padrões, que ficam limitados. A ciência valida o que acontece com a consciência. A ciência é a beleza de descobrir todas as coisas que vocês já criaram. Sim, vocês já as criaram. Agora, vocês as estão descobrindo. Interessante, não é? Mas muito verdadeiro. É o mesmo princípio de voltar no tempo pra descobrir como era já ter ascendido. Acontece o mesmo com o lugar das ferramentas, o lugar do equilíbrio, o lugar das respostas, permitindo que a intuição os deixe encontrar essas coisas.

Bem, esse é o Novo Pensamento. E o interessante é que, com o Novo Pensamento, vocês vão ter, todos vão ter, plenas oportunidades pra vivenciar isso. Então, vocês permitem que sua intuição trabalhe, vocês descobrem o Novo Pensamento e, de repente, vão dizer: “Ah, agora, eu sei do que Adamus estava falando quando disse que não estava lá nem tampouco está aqui.” Vai fazer sentido alguma hora.


Desafios e Bênçãos do Novo Pensamento

O interessante agora... porque vocês ainda estão usando, antes de mais nada, o velho pensamento... então, da próxima vez que tiverem uma experiência, que encontrarem talvez um desafio ou algo aconteça, vocês vão dizer: “Ah! Sou realmente bom nesse negócio de Novo Pensamento. Eu usei isso da última vez. Vou respirar fundo. Vou bater os calcanhares e vou entrar no Novo Pensamento.” Não estará lá. Por quê? Bem, ainda está lá, mas não está lá.

A mente – a mente do velho pensamento – sendo categórica, diz: “Ah, é pra lá que vamos.” Arranja uma definição linear pra isso, coloca isso numa estrutura e diz: “Ah, está ali.” Mesmo que seja só uma sensação, mesmo que seja um caminho intuitivo, a mente vai mapear a coisa e dizer: “Está ali. Vamos pra lá da próxima vez.” Vocês vão pra lá da próxima vez, não vai estar lá.

Agora, o que vai acontecer? Vocês vão duvidar de si e dizer: “Eu só tive sorte.” Ou: “Adamus fez aquilo pra mim.” Ou algo desse tipo.

Ainda está por aí. Só mudou a maneira como se associa a vocês ou se desassocia de vocês. Ainda está disponível, mas vai exigir, de novo, que vocês usem a intuição. Usem a confiança. Respirem fundo e digam: “Que se danem todas essas barreiras.” ... toda essa merda que passa pela sua mente. E é assim que é. Tem um rio de merda passando por lá. [Algumas risadas] É verdade. Noventa por cento... é. Eu não poderia ter usado palavra melhor. Pilha de fezes, mas... é, e falamos sobre isso recentemente com o grupo de Keahak.

Noventa por cento do que passa por lá é puro lixo. Realmente é, e não é uma acusação sobre vocês ou ninguém aqui. É assim que a mente humana foi programada e que a consciência humana funciona. E vocês têm sorte. A de vocês é só 90%. A da maioria das pessoas chega a 99% de puro lixo. Verdade. Verdade. Esse um por cento da mente realmente usa o fluxo que passa por lá para um propósito construtivo, mas a maior parte é só conversa fiada. É uma conversa que deixa vocês malucos e que faz com que não gostem de si ou de ficarem sozinhos consigo mesmos.

Com o Novo Pensamento, vocês vão descobrir, vocês vão além disso. Vai ser a glória. Vai ser uma celebração. Isso [o lixo mental] acaba.

O mais importante é que, no Novo Pensamento, vocês reconhecem que os lixos de pensamento que vocês têm agora, os pensamentos limitados da mente que vocês têm, são muito lentos. Têm comprimentos de onda muito lentos ou o fluxo que passa por lá é muito lento.

Agora, lenta é a velocidade da luz neste momento ou lento é um pouco menos que seus pensamentos neste momento, alguns deles bem menos – mas, de repente, tudo começa a acontecer muito rápido.

É quando seu Novo Pensamento permite que a mente se desenvolva naturalmente, evolua agora pra onde ela está indo... vocês ainda terão um cérebro, uma mente, mas ela vai evoluir. E é quando o Novo Pensamento demonstra clara evidência de que os pensamentos, mesmos os pensamentos, podem ir além da velocidade da luz... porque a maioria dos pensamentos agora não vai; alguns vão, a maioria não. A maioria dos pensamentos que vão além da velocidade da luz não fica registrada no cérebro nem neste espaço-tempo contínuo, então, se tornam pensamentos desconhecidos. Vocês sabem que eles estão lá, mas não sabem o que eles são. Vocês sabem que tem alguma coisa lá, mas, quando tentam entender o que é, não conseguem.

O que acontece com o Novo Pensamento é que ele vai... Eu fico meio frustrado, porque as palavras nem sempre... Então, vou transmitir muito sentimento aqui. O pensamento de vocês está começando a ir além da velocidade da luz e além, além da velocidade da luz e além da necessidade de qualquer registro de velocidade, além de qualquer tipo de velocidade. E, quando isso acontecer, vocês vão, de repente, descobrir como é o verdadeiro insight. Vocês vão descobrir como realmente são pegos por um monte de pensamentos velhos, lentos, trabalhosos, cansativos que são desnecessários. Vocês vão perceber, exatamente, aquilo que falamos já há muitos anos, que tudo de que precisam está no Agora. Não é só um clichê bonitinho, mesmo que alguns de vocês o venham usando dessa forma. Não estou olhando pra ninguém. [Algumas risadas] “Tudo de que preciso está no agora.” [Ele fala com uma voz engraçadinha.] É, bem, comecem a vivenciar isso, então. Parem de... [Ele mexe a mão como se fosse a boca falando.] Parem com isso.

A propósito, vocês também vão reparar que essa... [fazendo de novo o movimento da boca falando] ... vai mudar – essa falação. A boca é escrava do cérebro, e fica tagarelando e tagarelando, às vezes igual ao cérebro, e produz um monte de palavras pra preencher um monte de espaço que aborrece um monte de gente, e impede que vocês realmente estejam na presença de vocês. Então, essa falação tem que acabar.


Estando no Novo Pensamento

O que vai acontecer com o Novo Pensamento? Menos conversa. Humm. Menos conversa. Por quê? Porque vocês podem fazer um som – arre – e outro – pift –, qualquer som, e isso pode transmitir uma tremenda quantidade de consciência que atrai uma tremenda quantidade de energia pra si e que pode mover montanhas. Pode, sim, ou o que vocês quiserem mover.

Sendo assim, esse Novo Pensamento é incrível. Vocês se apresentaram como voluntários, quer saibam disso ou não, pra fazerem parte do desenvolvimento do Novo Pensamento. Mas vocês não podem pensar sobre isso. [Risadas] Vocês podem vivenciá-lo. Podem estar nele. É por isso que, no outro mês, eu falei de estarem na sua presença. O Espírito está presente. Vocês têm que ter esse fator. Vocês têm que estar presentes. Bem, vocês devem estar, do contrário, ele vai passar direto por vocês. Vai passar zunindo. E, daqui a cinco anos, vocês vão se sentar aqui e dizer: “Eu não consegui.” Bem, vocês conseguiram, só não estavam conscientes disso.

E isso acontece com muita frequência agora. As coisas estão passando direto agora. As coisas... são pensamentos, ideias, energias e todo tipo de coisa, e vocês ficam: “Bem, não captei.” Não, vocês estão captando, só não estão conscientes disso, porque estão focados numa pequena parcela da realidade.

O Novo Pensamento permite que vocês se abram, que vocês vivenciem isso.

Vamos fazer um exercício com o Novo Pensamento bem agora. Por falar nisso, todas as reclamações que recebi nas últimas duas semanas... culpem o Kuthumi, não eu. Ele introduziu o assunto. [Kuthumi apresentou e conduziu uma experiência com o Novo Pensamento durante a Conferência de Verão, em Santa Fé, de 9 a 11 de setembro de 2011.] Todas as reclamações, todas as ansiedades, todas as preocupações e dramas que têm surgido – e não estou olhando pra ninguém, como Kuthumi faria – são resultado do Novo Pensamento. Vocês estão se permitindo entrar nele.

Eu tenho que rir, mas depois choro um pouquinho, porque vocês levantam a mão e dizem: “Não, eu quero fazer parte dessa equipe. Quero seguir em frente. Quero trazer isso pra minha experiência pessoal de vida.” Daí, a coisa acontece e vocês ficam assim: “O que está errado comigo?! Eu não devia ter feito isso! Eu não devia ter me juntado ao grupo de Shaumbra.” Ou entrado nesse determinado projeto ou feito aquele workshop ou o que quer que seja. Mas, não, essa é a ironia da coisa. Isso não aconteceria de outra forma.

Vocês não estariam na segunda onda ou na terceira onda, e tentei falar com muitos de vocês sobre isso. Eu disse: “Por que não esperam pelo próximo barco que deixar o porto? Não sigam no primeiro. Os primeiros vão descobrir se há dragões e demônios nas águas. Os outros só vão seguir a rota...” Vocês quiseram ser os primeiros, então, aqui estão vocês. Não aconteceria de outra forma, e é por isso que eu amo trabalhar com vocês.


Uma Experiência com o Novo Pensamento

Então, vamos fazer uma coisa aqui. Vamos fazer uma experiência com o Novo Pensamento, se vocês quiserem; não são obrigados. Vocês podem bater em retirada ou, simplesmente, fingir que estão fazendo, ficar resmungando muito e suando um bocado. Quem estiver do lado vai pensar que vocês realmente chegaram lá. Vão ficar muito, muito impressionados. Vocês vão sair daqui dizendo: “Que bom que não corri atrás disso. Não preciso de mais problemas na minha vida. Só quero um pouco de grana e um bom relacionamento na vida. Só quero, meu Deus, me afastar de vez em quando. Não quero essa maluquice toda.” Tudo bem. Vocês estão absorvendo a energia das outras pessoas, e isso vai acontecer de qualquer jeito.

Então, vamos fazer isso. Os que estão online, juntem-se a nós.

Quando... vou falar do humano típico; não necessariamente de vocês, mas do humano típico... Quando são muito jovens, não veem a hora, até certo grau, de se levantar de manhã e ter uma experiência. De fato, quando vocês eram muito jovens, não julgavam realmente se uma coisa era boa ou ruim. Outras pessoas faziam isso por vocês. Se choravam, elas julgavam que vocês estavam tendo uma experiência ruim. Não necessariamente; vocês estavam apenas chorando! Não queria dizer que era ruim. Só significava que algo estava acontecendo.

Quando vocês eram jovens, não julgavam muito as coisas. Tinham muitos sonhos, literalmente. Vocês tinham muitos sonhos lá atrás. Daí, eles ficaram bloqueados. Vocês tinham muitas visões quando eram jovens. Vocês tinham... cada um de vocês, sem exceção, teve amigos imaginários, mas eles não eram bem imaginários; eram seres reais. Eram pequenos aliens, pequenos gremlins, pequenos qualquer coisa que viessem até vocês. Pequenos devas da natureza... ah, eles adoram crianças. Eles ficavam com vocês.

Alguns vinham de fora. Outros vinham de dentro. Vocês eram pequenas fábricas de fantasia. Criavam seres à vontade. Os seres que vocês criavam saíam pra brincar com outros seres, os seres da natureza, aqueles que ficam à toa por aí agora. Aqueles primeiros aninhos eram preenchidos de fantasia e experiência. Sem preocupação nenhuma.

Vejam, eu observo a maioria das culturas hoje. Existe uma ênfase tal na estrutura mental que, quando as crianças estão com dois anos, agora, são forçadas a estudar. Agora, estudar não é uma coisa ruim, mas sempre que... e isso pode virar... Precisamos ter uma conversa sobre a educação da Nova Energia, mas muitas pessoas vão ficar realmente transtornadas. Sempre que há um estudo de ciência, de matemática, de linguagem, também precisa haver um estudo associado a outros potenciais. Não deve nunca parar no que está escrito no livro, no que é colocado no quadro-negro nem posto numa máquina de calcular. Então, quando ensinam as crianças, devem sempre, sempre, ensinar também os outros potenciais. Os “e se...?”. Os “por que não?” E se... não quero fugir do assunto...

Então, agora... as crianças estão estudando demais, ficando muito mentais. Agora, escrevam o que eu digo, lembrem-se do que eu disse. Quando algo é posto numa garrafa, é enquadrado, é estruturado, quando a ciência não explora totalmente novas possibilidades fora das teorias vigentes, esse algo explode. O que está acontecendo com a educação, no momento, é que ela está oprimindo. A criatividade, todas as artes estão sendo excluídas, a música está sendo excluída. Como eu disse antes, a arte salvará o mundo. Verdade. Quando uma sociedade se torna artística, acima de tudo, significa que ela se liberou. Não é a pintura que vai libertar ninguém. É a consciência de que “podemos gastar nosso tempo com prazeres alegres, sensuais, na Terra, em vez de coisas mentais, em vez de regras e regulamentos.” Isso reflete uma sociedade livre.

Então, assim é uma criança. Infelizmente, estão tirando muito da experiência da infância no momento. Ah, imaginem, Shaumbra, alguém abrindo uma escola da fantasia. E a fantasia incluiria o estudo da matemática. Isso é fantasia. De verdade. A matemática, a geometria moderna, atual – é tudo fantasia. E contabilidade... isso é que é criatividade! [Risadas]

Bom, depois, vocês entram na fase adulta. Vocês entram, digamos, nos primeiros anos da maioridade e o que acontece é que vocês começam a adiar os seus sonhos, as suas ambições e o caminho que vão seguir. Vocês começam a encontrar um monte de desculpas – começam a trabalhar ou constituir família. O que realmente acontece é que há muita pressão da consciência de massa e pressão mental. É uma espécie de forçação de barra pra descartar esses sonhos e esperanças. É uma forçação pra descartar a paixão de se lançar em algo inteiramente novo. É uma tentativa de fazer vocês focarem o desempenho perfeito do que já é evidente, o desempenho perfeito do que já está à disposição, porque, assim como o maldito espelho, se vocês têm disponível uma realidade inteira... essa realidade nunca será perfeita, por sinal; não foi projetada – nunca foi projetada – dessa maneira.

Então... [Ele faz uma pausa.] Uma conversinha paralela aqui. [Ele está se referindo aos seres não físicos.] Sabem como é, eles ficam contestando, do outro lado, o que é dito, às vezes.

Então, vocês se veem presos ao pensamento de que têm que desempenhar com perfeição o padrão no qual se encontram antes de poderem passar pra outro padrão. Destruam essa ideia agora mesmo. Peguem ela e destruam. Basta liberá-la na energia pura.

O que acontece nos seus, digamos, nos seus vinte e poucos anos, 30, 40, é que vocês começam a adiar as coisas. Vocês – vocês – adiaram as coisas. Vocês se deram um monte de desculpas. Vocês não podem por causa disso, não podem por causa daquilo, não têm tempo pra fazer isso nem aquilo – basicamente pra si mesmos. Estão ocupados fazendo tudo pra todo mundo e pouco pra si mesmos. Está terrivelmente esgotada, por estes dias, a maioria das pessoas. Terrivelmente esgotada.

Esse caminho, essa tendência continua. Vocês ficam mais mentais. Vocês entram mais nos seus padrões, mais nas rotinas. É aí que vocês realmente ficam presos. É aí que vocês realmente ficam presos. Até quando atingem os anos mais avançados – e isso não tem a ver apenas com idade; é, na verdade, uma espécie de redução do ritmo mental. Vocês vão ficando mais maduros e, infelizmente, muitos aqui e escutando online dizem: “Já fiz tudo que tinha que fazer nesta vida. É isso. Já realizei tudo que vim realizar.” Vocês sentem algum remorso e mentem pra si mesmos. Vocês dizem: “É, mas, na verdade, vou tentar depois, assim que essas contas forem pagas ou assim que esse problema de relacionamento for resolvido.” E isso prossegue indefinidamente. Mas algo dentro de vocês está dizendo: “Já fiz tudo que tinha que fazer. Já cheguei no limite. Agora, o que posso fazer? Vou tentar me divertir com os poucos momentos preciosos que me restam.” E vocês podem estar com 20, 30, 40 anos.

Uma parte de vocês que está no velho pensamento já desistiu. Vocês carregam uma tristeza com relação a isso. Há uma decepção se manifestando. Vocês dizem: “É, mas talvez amanhã. Quem sabe, algo aconteça. Talvez depois de ir a essas reuniões do Círculo Carmesim por 10 anos, talvez, de repente, um raio caia em cima de mim e eu saia dessa completamente iluminado. Talvez, quem sabe.” E, Padre, você podia correr a sacolinha agora e ver... [Risadas e Adamus também ri porque Sart estava antes com uma sacolinha de doação.]

Meus queridos amigos, sem querer pressionar ninguém, mas esse é o velho pensamento, e é um lixo. É um lixo total. Vocês não superam isso com mais lixo, com conversinhas superficiais, alguns clichês, nada disso. Não dá. Mas vocês podem fazer a escolha de sair desse velho pensamento. Vocês podem escolher, basicamente, um novo começo.

Quero que vocês considerem uma coisa antes que eu faça a verdadeira pergunta. Para a maioria de vocês, esta é a sua última vida no planeta – pra maioria, é a última vida neste planeta. Agora, considerem o que acabei de dizer sobre suas esperanças, seus sonhos, sobre achar que chegaram no limite, que fizeram o máximo possível, nada mais de projetos, nada mais de grandes criações, nada mais de relacionamentos, nada mais de coisa alguma. Esse não é o jeito mais acertado de deixar o planeta.

Quando digo que esta é, provavelmente, a sua última vida, e digo isso pra maioria de vocês aqui, alguns optarão por ficar conscientes de que sua ascensão já aconteceu. Outros vão seguir pra essas novas Terras. Há um chamado pra vocês. Querem vocês lá. Querem vocês lá, e vai ser muito fácil. Vocês serão o centro das atenções. Falarão sobre como desenvolveram a Terra, como a criaram. Vocês vão se sentir muito bem. Muitos de vocês vão pra lá. Vão optar por não reconhecer a sua ascensão ainda. Por quê? Vocês querem outra oportunidade. Vocês ainda querem fazer alguma coisa, e será muito, muito tentador na Nova Terra. Muito tentador.

Vocês conhecem o jogo. Sabem como ele foi desenvolvido; ajudaram a criá-lo. Vocês sabem pelo que têm passado. Vocês vão se levantar lá e falar como experts, e eles vão simplesmente cair a seus pés. Vocês vão ser gurus pra eles e... Ah, e vocês sabem, eles são anjos. Não são espertos. Não são nem um pouco espertos. Vocês são espertos. Vocês estiveram aqui, fizeram isso.

Então, agora, contemplem uma coisa. Aqui, vocês têm essas duas forças – a última vida na Terra e o limite em que estão. Isso é o velho pensamento. Será que vocês podem, neste exato momento, permitir o Novo Pensamento? Ah... parem agora mesmo! Viram? Assim que eu disse isso, já teve gente começando um planejamento. Não existe esse negócio de planejamento no Novo Pensamento. Não existem metas, não existem objetivos.

Vocês não podem colocar numa folha de papel algo que querem manifestar. É falácia. O Novo Pensamento tem a ver, simplesmente, com fazer uma escolha e, então, deixar que os ventos cheguem. Deixar que os ventos da mudança e da evolução cheguem.

Quando digo que vocês estão prontos pra ingressar no Novo Pensamento em se tratando disso, o que vai acontecer no seu cérebro bem aí – cheguei no limite, fiz o máximo possível” – é que vocês não podem criar outra meta. Vocês não podem dizer: “Ah, certo, mas agora eu quero abrir uma grande escola. Quero escrever dez livros. Quero...” Não funciona assim, entendam. Esse é o velho pensamento. Esse é o pensamento linear. Isso é o que chamo de pensamento de gratificação, mas é uma falsa gratificação. E é uma coisa falsa mesmo vocês se sentarem e tentarem fazer esses projetos idiotas que acham que vão cumprir, e que não dão certo. E, aí, vocês ficam realmente frustrados consigo mesmos e dizem: “Tá vendo? Cheguei no meu limite. Eu sabia o tempo inteiro.” E, aí, vocês começam a ter rashes e coceiras e dizem: “Não sei por que arranjei esse rash! Passei um negócio, mas continua coçando!” É a dúvida. É a dúvida. Certamente.

Assim, Shaumbra, vamos experimentar o Novo Pensamento – se vocês quiserem. Vamos criar um Novo Pensamento pra esse conjunto todo de padrões que regem a progressão de sua vida, de que, ao ficarem mais velhos, um pouco mais maduros, vocês não podem realizar coisas grandes, maravilhosas e inspiradoras. De que, quando vocês ficam um pouquinho mais velhos, vocês perdem o gás, ficam sem energia, esgotam as paixões. Vamos criar um Novo Pensamento pra isso.

Como criamos um Novo Pensamento? Vamos chamar Aandrah até aqui pra respirar conosco um instante. Então, Aandrah, por favor. Venha cá. Nenhum pensamento é permitido durante a respiração. É isso que eu adoro na respiração.

AANDRAH (NORMA DELANEY): Que paradoxo engraçado.

Assim, eu os convido. Observem. Vocês se permitirão sentir? Sentir esta respiração. Ela quer estar aqui por vocês. Recebam-na. Inspirem. Inspirem bem fundo. Sintam. Está bem aqui. Está bem aqui. Está bem aí. Inspirem.

Respirem bem fundo, enquanto dizem sim. Sim. Sim pra sentir que ela está viva. Sintam isso. Respirem. Respirem e recebam. Respirem e recebam. A cada respiração, sintam-se mergulhando e se transformando em alegria. Na alegria de estarem vivos.

Respirem bem fundo. Respirem agora. Respirem... [Ela prossegue respirando silenciosamente por alguns instantes.]

ADAMUS: Ótimo. Ótimo. Talvez, apenas momentaneamente, vocês tenham sentido que estavam presentes, como falamos em nosso último Shoud. Apenas momentaneamente vocês não precisaram pensar. Vocês estavam simplesmente presentes. Vocês estavam apenas conscientes do que está ao redor.

Uma coisa interessante acontece com o Novo Pensamento. A sua percepção começa a se expandir. É como se a mente parasse de meter o bedelho e a percepção, simplesmente, começasse a se expandir. Vocês dizem: “Que diabos, estou presente.” Vocês só precisam disso.

Nesse lampejo, nesse instante, tudo começa a mudar. Vocês não podem impor um fator linear nessa hora. Tudo, de repente, está aí. Vocês não precisam planejar nada nem se estressar com isso. É um modo muito, muito diferente de operar.

Vamos continuar falando sobre isso em algumas de nossas próximas sessões. Espero falar sobre isso em nossa próxima viagem. [Ele está se referindo à excursão que o grupo fará à Europa ainda este mês.] O Novo Pensamento.


Vivendo no Novo Pensamento

O Novo Pensamento tem a ver com escolha – se quiserem chegar na essência da coisa –, uma escolha que estejam dispostos a fazer. Diferente de algumas escolhas que vocês têm feito até agora, o Novo Pensamento não é uma escolha por uma manifestação específica. O que quero dizer com isso? Bem, muitos de vocês ainda usam afirmações, visualizações ou mesmo escolhas feitas de maneira muito mental, e dizem: “Isso, faço a escolha de ter 10.000 dólares ou um milhão de dólares.” Já repararam que esse dinheiro não vem? Alguém já reparou? Será que alguém realmente já recebeu isso? OK.

MULHER SHAUMBRA 3: Não tinha nenhuma moeda de ouro no baú.

ADAMUS: Não tinha nenhuma moeda de ouro no baú, e é muito justo que não tivesse. Não é pra ser desse jeito.

A escolha verdadeira não diz: “Eu quero um companheiro.” Ou então: “Eu quero me livrar do meu companheiro.” [Algumas risadas] Isso é uma manifestação. A escolha verdadeira não diz: “Eu quero pintar todo tipo de quadro.” Isso é, na realidade, uma manifestação, não uma escolha verdadeira, e é, de fato, muito mental.

Vou fugir do assunto um pouco pra ressaltar uma coisa. Vocês vão se perguntar nas próximas semanas: “Será que estou usando o Novo Pensamento?” E, daí, vão ficar na dúvida. Vocês vão dizer: “Não, todo mundo está, mas eu não.”

A maneira de dizer se vocês estão, agora, começando a ficar com esse Novo Pensamento é se o drama começar a sair da sua vida. Drama é um subproduto da mente. Uma vez que estiverem no Novo Pensamento, não há necessidade alguma de drama. Nenhuma necessidade desse grande confronto de dualidade. Nenhuma necessidade de entrar no seu drama – no seu próprio drama pessoal. Não estou olhando pra ninguém. [Adamus limpa a garganta.] Mas nenhuma necessidade de entrar nisso. O drama começa a se dissipar. Vocês vão se sentir meio nus por um tempo e, vez ou outra, vão querer voltar pro drama, mas então, de repente, vocês vão perceber o gosto amargo que ele tem, como se fosse um veneno. Por que continuam voltando pra ele? Ah, não estou olhando pra você, Padre. Por que continuam entrando no drama?

Quando vocês entram no Novo Pensamento, o drama vai embora e, com ele, a necessidade de ter altos e baixos a partir de uma posição mental ou emocional. Vocês vão se sentir um pouco estranhos, porque a emoção mal vai começar a sair porta afora e vocês já vão dizer: “Nossa, não sinto emoção nenhuma, mas, engraçado, eu me sinto bem mais feliz.” Humm.

Assim, a maior parte das escolhas está voltada para o subproduto, a manifestação. Não funciona, porque não existe o que eu chamaria de sentimento verdadeiro aí. Escolhas verdadeiras são coisas como escolher a alegria, escolher viver na experiência. Uma escolha verdadeira é realmente dizer: “Eu Sou o que Sou.” Essa é, provavelmente, a escolha suprema. “Eu Sou o que Sou. Estou presente. Estou vivendo. Estou consciente. Droga, Eu Sou o que Eu Sou!” Isso é uma escolha.

Uma escolha verdadeira, pode-se até dizer, é assim: “Eu escolho viver. Eu escolho viver absurdamente abundante.” Por que não? Você estará escolhendo viver, o que é importante; absurdamente, no sentido de estar disposto a correr alguns riscos, a ir além dos padrões; e abundante, no sentido de pleno, rico. Não significa apenas ter dinheiro.

A partir daí, todas as manifestações começam a dar resultado. Não enfoquem tentar manifestar um pote de ouro aqui ou vocês vão se dar mal. Esse é o velho pensamento. A escolha deve ter um sentimento agregado a ela. A escolha deve ter profundidade. Não deve soar como um lixo mental. Não deve soar como makyo. Deve ser real. Uma escolha verdadeira é a de simplesmente viver. Viver.

É engraçado como muitas pessoas escolhem um carrão chique, muito ouro ou dinheiro, uma casa grande, um parceiro bem atraente, mas não escolhem a vida. Hã. Não é curioso, mesmo a pequena, a pequena porcentagem das pessoas que ganham na loteria, o que elas fazem? Destroem tudo em dois ou três anos. Acabam com tudo. Esquecem de escolher a vida. Esquecem de escolher a alegria básica, a existência, a condição de Eu Sou.

Assim, enquanto entramos no Novo Pensamento, muita coisa vai começar a mudar. O Novo Pensamento é uma questão de escolha. O Novo Pensamento é permitir que um conjunto inteiramente novo de coisas não preestabelecidas faça parte da sua vida, é ter um modo inteiramente novo de estar consciente da sua presença e expressá-la.

Então, com isso, peço a minha capa de volta...

LINDA: Com todo prazer. [Ela o ajuda a colocar a capa de volta.]

ADAMUS: ... porque talvez eu me transforme num morcego e saia voando daqui. [Risadas]

Com isso, vamos respirar fundo, Shaumbra. Espero ver muitos de vocês em nossa viagem. Estou ansioso pra voltar a Paris daqui a alguns dias.

Com isso, vocês querem que eu simplesmente sacuda a minha capa e desapareça?! [A plateia se agita.]

Com isso, lembrem-se de que tudo está bem em toda a criação e, portanto, isto é apenas uma maldita ilusão. [Risadas]

LINDA: E assim é.

[Aplausos]


Tradução de Inês Fernandes – mariainesfernandes@globo.com

Os materiais do Círculo Carmesim com Tobias, Adamus Saint-Germain e Kuthumi lal Singh têm sido oferecidos gratuitamente desde agosto de 1999.

O Círculo Carmesim representa uma rede mundial de anjos humanos, chamados de Shaumbra, que estão entre os primeiros a fazer a transição para a Nova Energia. Enquanto eles vivenciam as alegrias e desafios da ascensão, tornam-se os Standards para os outros seres humanos em sua jornada de descobrir o Deus interior.

Os encontros do Círculo Carmesim acontecem mensalmente em Denver, Colorado, onde Adamus apresenta as informações mais recentes através de Geoffrey Hoppe. Essas reuniões do Círculo Carmesim estão abertas ao público e todos são bem-vindos.

Se você estiver lendo isto e sentir um sentido da verdade e conexão, você é realmente um Shaumbra. Você é um professor e um guia para os humanos e os anjos também. Permita que a semente da divindade cresça dentro de você neste momento e por todos os tempos que virão. Você nunca está sozinho, pois existe a família que está por todo o mundo e os anjos que estão ao seu redor.

Você pode distribuir livremente este texto em uma base não-comercial, sem nenhum custo. Por favor, inclua as informações na sua totalidade, incluindo as notas de rodapé. Todos os outros usos devem ser aprovados por escrito por Geoffrey Hoppe, Golden, Colorado. Ver contatos página no site: www.crimsoncircle.com

© Copyright 2010 Geoffrey Hoppe, Golden, CO 80403