A Brincadeira de Acolher


Amados Filhos,

Mãe é mãe, mas também, pai é pai... Sempre faço essa entrada até de uma forma engraçada para dizer isso mesmo: Mãe é mãe, mas também, pai é pai. Ao mesmo tempo, não há uma diferenciação, como muitos de vocês pensam e enfatizam. Às vezes eu vejo vocês falando de homem e mulher e isso me aborrece porque, por mais que vocês queiram expressar amor e aceitação, vocês expressam diferenciação, luta, abismo. Um abismo que mantém separadas as energias masculina e feminina. Um abismo que faz com que o masculino e o feminino não se encontrem, não se integrem e não se expressem de forma una.

A energia masculina está cansada também, não é só a energia feminina que está cansada. A energia masculina está de saco cheio... Porque sente toda essa reclamação, toda a imposição de uma culpa, uma culpa que até já mudou de configuração nesses seus novos tempos. Claro, não há como negar todo o estrago que a energia masculina criou quando se uniu ao “demônio das energias” e propagou o desequilíbrio e a separação das energias masculina e feminina. Tantas torturas, tantas mazelas aconteceram desde então. Mas, devo ressaltar que não há mesmo uma ação se não há uma via de mão dupla. Um faz porque o outro consente. Por isso, não há uma só vítima; não há um só vilão. Por isso, em vez de ficarem enfatizando toda essa diferença, toda as misérias que aconteceram, por que vocês não expressam a união, aceitando o masculino ativo, ágil e complacente para fazerem parte de vocês? Vocês acham mesmo que conseguirão alguma coisa mantendo toda essa luta e toda essa revolta? Ah, não!

Por isso, é hora de dar uma trégua. É hora de agir de uma nova forma, saindo do ponto em que vocês estão, rumo a novas maneiras de se relacionar com essa parte que há muito tem estado longe de vocês: o seu masculino acanhado, envergonhado por receber tanta reclamação, tanto desprezo. É hora de acolher esta energia, que é de vocês. E não é sobre perdoar, curar ou fazer algum tipo de ritual específico. É sobre simplesmente se olhar no espelho da sua alma para assumir que além de você há outros vocês; vocês que não se expressam, vocês que se retraem, vocês que foram alvo de críticas. Tragam estes vocês que talvez foram julgados como pecadores, que sentem que cometeram erros. Tragam estas energias que foram por muito tempo altamente distorcidas. 

Chega de tanto bla bla blá. A brincadeira de lutar acabou, pois o cenário da rivalidade entre o masculino e o feminino é uma ilusão. E, enquanto os véus das ilusões caem, agora, é hora da brincadeira de acolher, de fazer as pazes com os vocês. E não mais vocês serão vários vocês, mas sim, um ser único, completo. 

Que a força da energia masculina possa se aproximar de vocês da forma como ela verdadeiramente é, além de todos os mitos. E que uma nova história possa ser criada a partir dessa forma de ver quem vocês são. 


Abraço do Pai José da Nova Energia