Vocês Estão Criando Nova Energia

TOBIAS E O CONSELHO CARMESIM

Círculo Carmesim, 5 de maio de 2002 


Série da Ascensão

Lição 9: Vocês Estão Criando Nova Energia





TOBIAS: E assim é, amados amigos, queridos professores, que nos reunimos com vocês neste círculo da Nova Energia! Que deleite estar aqui de volta com vocês, nesta energia amorosa e carinhosa, e neste lugar repleto de compaixão e com a essência de sua jornada! Pois aqueles que acham que a nossa chegada lhes é energizante, saibam que é exatamente o oposto: NÓS, do nosso lado do véu, é que ficamos energizados ao estarmos aqui com vocês! Nós é que experimentamos arrepios de excitação em nossas ‘colunas vertebrais etéricas’! [risos da platéia] 

E aqueles que podem ver as cores daqueles que se reúnem ao seu redor e também neste palco, verão luzes cintilando por todos os cantos da sala, enquanto adentramos este templo sagrado. Pois isto é o que vocês criaram aqui, professores e Shaumbra, um templo sagrado… Quando vocês se reúnem assim, criam o templo da Nova Energia. Vocês nos admitiram em seu espaço sagrado e nos permitiram chegar às portas de seu templo divino. E em sua honra ‘tiramos nossos sapatos’. Cauldre acha que nós lhe pedimos para se descalçar porque não gostamos muito destas coisas engraçadas em seus pés. Mas esta é também a maneira de demonstrar nossa honra por vocês, ao ‘tirar nossos sapatos’ para estarmos aqui com vocês. E lhes agradecemos por nos convidarem para vir a este templo da Nova Energia. 

Queridos amigos, que grande honra é estar aqui! Que honra é testemunhar o que vocês estão fazendo! Pois não é tarefa pequena o fato de serem os primeiros a entrarem na Nova Energia. E é sobre isso que conversaremos hoje. Falaremos do que verdadeiramente é a Nova Energia. Puxa, que honra estar aqui com vocês, irradiando-lhes tanto amor! É algo que não precisa ser transmitido em palavras. Vocês sentem o que lhes estamos enviando? Vocês percebem o que estão criando aqui, tanto os que se encontram nesta sala, como aqueles que estão se conectando através da Internet? 

Repito: vocês estão criando tudo isto! Num certo sentido, poder-se-ia dizer que estamos tirando retratos de vocês, mesmo tendo ouvido Cauldre dizer que fotos não são permitidas aqui! [Tobias graceja.] De fato, tiramos ‘fotos energéticas’ quando nos reunimos com vocês, e as afixamos nas ‘paredes’ do nosso lado do véu. E então agrupamos as fotos deste grupo, o Círculo Carmesim, assim como os retratos individuais de cada um de vocês que está aqui, ou lendo estas palavras. E então comparamos as fotografias atuais com aquelas de um ano atrás, dois anos atrás... e reparamos nas magníficas mudanças que têm ocorrido dentro de vocês. 

Ora, vocês também podem ver estas fotos. Simplesmente peçam. Traremos vocês para visitar nosso ‘salão de retratos’, onde todas estas ‘fotos energéticas’ são afixadas. Traremos vocês aqui à noite, em seus sonhos, ou até mesmo em seu estado desperto de vigília. E à medida que vocês aprenderem a liberar a dualidade, aprenderão a viajar sem automóveis ou aeronaves. Pois vocês também podem vislumbrar estas fotos mostrando o progresso que realizaram em tão poucos anos. Pois vocês sabem que alguns anos é um curtíssimo período de tempo, após experiências de centenas ou milhares de vidas! Atentem para o que vocês estão fazendo em tão curto período de tempo! E eis que esta sala se enche com as energias daqueles que vieram para esta lição, e daquele que é o nosso ilustre convidado, assim como dos muitos mais que aqui se agrupam em círculos ao seu redor... assistindo... honrando... e sentindo o amor de um pequeno grupo de humanos que trilharam uma longa e difícil estrada durante muitas e muitas existências... 

“Sim” - foi a resposta que ouvimos de vocês há um mês atrás. “Sim” - foi o que ouvimos de sua alma, de seu ego humano e de sua consciência, quando Metatron lhes perguntou, “Vocês estão prontos, meus queridos?” “Sim” - foi o que ouvimos de vocês quando lhes perguntamos, “Vocês estão prontos para se desapegarem de todas aquelas coisas que têm mantido vocês atados?” Certamente que houve aqueles que inseriram suas próprias cláusulas naquele “sim”! “Sim, Espírito. Sim, Família, mas vocês devem me dar isto ou aquilo!”

E, querem saber, queridos, isso foi apropriado! Nós queremos saber quais são as coisas que vocês precisam na Terra. E o seu próprio ser e sua própria alma precisam ouvir também. Vocês têm tido medo de pedir as coisas. Vocês andaram pensando que a taça do Espírito fosse limitada. Vocês acharam que só poderia haver uma quantidade limitada de sopa na terrina divina! Vocês queriam se certificar de que houvesse o suficiente para manter cada ser humano sobre a Terra. E como amamos vocês por isso! Mas tal prato não tem fundo. Há mais do que suficiente para todos. E é importante que vocês nos façam saber de que é que precisam em sua jornada. Talvez não possamos entregá-lo a vocês na forma tangível de um produto material, mas nós podemos passar-lhes nossa energia e nosso amor. E quando vocês pedirem coisas, vai ajudar se sua própria alma souber aquilo de que precisam naquele momento. Não tenham receio de pedir. 

Queridos e amados, façam-nos saber se é de amor que necessitam, se é compaixão de que precisam. E permitam que vocês mesmos saibam que também precisam de abundância agora. Não imponham limitações sobre “quanto, quando ou onde.” Simplesmente irradiem a vibração de que agora é o momento para que estas coisas da natureza humana, para que estas coisas relacionadas às suas emoções e as coisas de natureza espiritual cheguem à sua vida. E elas serão trazidas até vocês. E este é um dos aspectos da física da Nova Energia: as coisas chegam até vocês. Também ouvimos “Sim”, quando Metatron perguntou, “Vocês estão prontos para mostrar quem vocês são? Vocês estão prontos para expressar seu próprio ser e sua divindade?” 

“Sim” foi a resposta que ouvimos quando Metatron lhes perguntou, “Vocês estão prontos para irradiar a luz de sua divindade?” Não mantendo-a num lugar secreto e oculto, mas iluminando-a dentro de si e também ao seu redor. “Sim” foi o que ouvimos - um coro afirmativo vindo de Shaumbra - quando lhes perguntamos, “Vocês estão prontos para saber quem verdadeiramente são?” Não esta ou aquela ilusão de um humano com limitações; não aquela ilusão de alguém preso nos ciclos de vidas e renascimentos sobre a Terra. E então, vocês estão prontos para se perceberem e se conhecerem a si mesmos como Deus? Pois vocês partiram do Lar há um longo tempo atrás… embora não tão longo assim. Vocês são aqueles que estavam no Reino Primordial com o Rei e a Rainha, e que um dia herdariam o trono, trazendo-o para dentro de seu próprio ser. 

Esta é a razão pela qual Metatron perguntou, “Vocês estão prontos para saber que são os próprios herdeiros do trono?” Existem muitas implicações nisto tudo, sobre as quais continuaremos a discutir com vocês. Contudo, é chegado o momento de vocês serem e assumirem o seu próprio Eu-Divino de pleno direito, ainda em unidade com Tudo O Que É, mas agora com uma identidade separada. “Vocês estão prontos para saberem quem vocês são? Vocês estão prontos para receberem o Fruto da Rosa?” E a resposta que ouvimos foi: “Sim, mas estamos um pouco confusos sobre o que isto significa!” [risos da platéia] Significa assumir posse de quem vocês são, sua própria divindade. Trata-se do saber profundo de que vocês criaram todas as soluções, mesmo antes de as experiências correspondentes se manifestarem em suas vidas. 

O Fruto da Rosa É sua Divindade. E quando perguntamos, “Vocês estão prontos para recebê-lo?” - vocês responderam, por toda a Terra, e também individualmente em seus corações: “Sim, Metatron! Sim, Espírito! Sim, Tobias! Estamos prontos! Por que é que vocês acham que passamos por tantas dificuldades? [risos da platéia] Por que é que vocês acham que têm de nos fazer todas estas perguntas? Já não lhes respondemos repetidas vezes?” Ora, amigos, Metatron repetiu tais perguntas porque o momento é realmente apropriado. Também lhes perguntamos, “Vocês estão prontos para permitir aos outros o espaço deles, e compreenderem que eles estão em sua própria jornada, num caminho que eles escolheram para si mesmos?” Pois no devido momento, eles virão até vocês. No meio tempo, porém, é uma questão de permitirem que eles joguem o próprio jogo, permitirem que suas almas se desenvolvam, experimentem e cresçam, assim como vocês o fizeram. 

Ah, queridos, mas quando lhes perguntamos, “Vocês estão prontos para amarem a si mesmos?”, o que ouvimos ao redor de todo o mundo foi: “Talvez… talvez.” [risos da platéia] Esta foi a mais difícil de responder, porque lançou todas aquelas perguntas para um nível realmente profundo de seu ser. Esta pergunta levantou questões pessoais ao longo de muitas noites por vir, relacionadas à auto-estima e ao merecimento de vocês. “Vocês estão prontos para amarem a si mesmos?” Pois em seus sonhos, e até mesmo em seu estado de vigília, vocês têm vislumbres das coisas que fizeram no passado. Houve traições, assassinatos, doenças, abuso de poder e corrupção. Vocês criaram todas estas coisas na energia da dualidade. E então se julgaram por causa delas. Mas e agora, queridos e amados, vocês estão prontos para amarem a si mesmos? Estão prontos para compreenderem que tudo isso trouxe experiência? Vocês pagaram suas “contas”! Vocês as quitaram, uma vida após outra. Não há razão agora para se apegarem a qualquer coisa do passado, além da sabedoria de todas as experiências. 

O Espírito, e Metatron, e todas as outras entidades não fazem julgamento algum. Eles nem sabem o que significa “pecado”. Não conhecem nem mesmo esta coisa a que vocês chamaram “carma”, e que impuseram sobre si. “Vocês estão prontos, queridos”, perguntamos a vocês neste dia, “para amarem a si mesmos, terna e intimamente?” Pois lhes foi ensinado que haveria algo errado em amarem-se a si mesmos, e que isso seria algo narcisístico ou pervertido. 

Mas, QUERIDOS AMIGOS, ESTA É A COISA MAIS SAGRADA QUE VOCÊS PODEM FAZER! AMAR TUDO O QUE VOCÊS SÃO, E ENTENDER QUE TODAS AS SUAS EXPERIÊNCIAS LHES TROUXERAM A ESTE MOMENTO DE SABEDORIA! 

Queridos e amados amigos, Metatron também lhes perguntou, “Vocês estão prontos para liberarem a ilusão da dualidade? Vocês estão prontos para se desapegarem, mesmo quando nem sabem o que virá para ocupar o lugar dela?” Ah, que grande desafio! Muitos de vocês disseram, “Estou pronto para liberar a dualidade e, embora esteja assim tão próximo do que está por vir, nem mesmo sei o que é! A dualidade é um aspecto tão intrínseco de quem eu sou, que simplesmente não sei como liberá-la.” Mas o “sim” que veio de seu coração, de seu ser, proferido por sua própria boca, foi expresso para que todos pudessem ouvir... 

Este “sim” estabeleceu uma energia que ajuda a liberar a dualidade. Vocês ainda não compreendem plenamente aquilo em que estão adentrando, esta coisa chamada Nova Energia. Parece um mistério - algo esquivo e indefinido, ainda incompreensível nesta altura. Mas esse entendimento virá. Falaremos disto nesta lição. 

Quando Metatron mencionou os ventos, o fogo, as águas e os tremores da Terra, ele certamente falava das coisas sobre as quais vocês lerão a respeito em seus jornais. Contudo, ele estava transmitindo a vocês uma mensagem a respeito de si mesmos. “Vocês estão prontos para os incêndios que varrerão seus corpos físicos?” Talvez vocês experimentem este fogo como uma gripe, ou erupções cutâneas, ou ainda manifestações de calor. Estes são os fogos que virão de sua faxina interior, pois existe muita fricção ocorrendo exatamente agora, em níveis muito profundos de seus corpos energéticos. Tal fricção ocasiona calor, originando os fogos internos, os quais purificam o interior de seu ser das antigas marcas e cicatrizes. E assim como acontece em suas matas e florestas, onde há árvores caídas e o solo está repleto de escombros, tal se dá em seu próprio ser. Tais coisas requerem limpeza e purificação. E os fogos internos lhes ajudam a liberá-las. E então vêm os terremotos... 

De fato, Metatron também estava falando dos tremores e abalos que provêm de seu interior, na forma de dores e incômodos no corpo. Seu próprio DNA está sendo alterado por vocês mesmos bem agora. E aqui estamos, junto de vocês, para ajudar a providenciar amortecedores energéticos que minimizem os impactos de todas estas transformações. Vocês estão modificando a própria estrutura de seu DNA, tanto ao nível molecular, como ao nível atômico de seus seres. Seu interior está mudando, e isto causará terremotos. Vocês ainda guardam as marcas energéticas do passado em seus tecidos, em seus ossos e em todo o seu corpo físico. E às vezes se requer um terremoto para liberar tais registros. E quando isso acontecer, não venham até nós, dizendo: “Metatron e Tobias, por que vocês fizeram isso comigo? Por que meu corpo está doendo?” 

Queridos amigos, vocês estão liberando. Compreendam o processo e aceitem fluir com ele. E então virão as chuvas… as águas… estas significam as lágrimas. Estas são as lágrimas de seus corações. De fato, há certa tristeza em deixar a velha energia, a energia da dualidade que vocês chamaram de lar por tanto tempo. E as lágrimas de seus corações ajudarão a lavar os resíduos emocionais do passado, purificando o que é antigo, e lhes permitindo verdadeiramente moverem-se para o que é novo. Ah, ainda há os ventos. Os ventos internos. Não é de se admirar que haja ventos interiores, pois vocês estão indo tão rápido agora! Vocês já puseram sua cabeça para fora da janela de um veículo viajando a 100 milhas por hora? Vocês podem sentir a força da rajada... E isto é grande parte do que vocês estão fazendo agora. 

Vocês estão entrando tão rapidamente na Nova Energia, que isso está causando um tipo de vento interno. Sim, os ventos também purificam. Os ventos também liberam. Às vezes os ventos são como um escova macia acariciando todo o seu ser, suavizando e confortando. Outras vezes rugem como furacões e tornados. Todas estas coisas acontecem dentro de vocês, à medida que adentram esta coisa chamada Nova Energia. 

Muito daquilo que Metatron falou em nosso último encontro foi relacionado a vocês. Vocês também verão tais coisas acontecendo em seu mundo exterior. Mas mesmo enquanto estão transformando sua própria consciência, vocês ajudam os outros a mudarem as consciências deles. Mesmo trabalhando em sua escrivaninha o dia inteiro, sem nem interagir muito com os colegas de trabalho, a consciência de vocês em transformação está afetando os outros ao seu redor. Eles também estão atravessando seus próprios processos, assim como vocês o fizeram. Os deles serão um pouco mais fáceis, porque eles terão professores - vocês - para guiá-los e orientá-los. Eles chegarão até vocês no momento apropriado. 

Mas enfim, amigos, a energia de Metatron se encontra firmemente sobre a Terra. E levou um certo tempo para chegar até aqui. Demorou um pouco para que Metatron ajustasse sua energia e também para que vocês pudessem absorvê-la. Mas agora esta energia está bem firme aqui. Não existe mais a necessidade de enviar anjos mensageiros, ou de utilizar filtros ou barreiras como precisávamos antes. Ela está aqui. 

Metatron, queridos amigos, É vocês. Metatron é a energia coletiva daqueles que estão se movendo para a Nova Energia. Vocês podem ver seu próprio reflexo em Metatron. Ele é a iluminação de quem vocês são: sua própria divindade. Metatron, que se apresentou como “Sua Voz No Espírito”, é a aquela parte de vocês que não tinha sido capaz de se integrar ao plano da Terra por muitas, muitas razões. 

Metatron é a consciência divina que não tinha sido capaz de penetrar a dualidade até agora. E esta energia de Metatron, de vocês mesmos e de sua divindade está agora firmemente plantada aqui. Foi um deleite para esta consciência de Metatron poder falar com vocês há um mês atrás. A consciência dele continuará a lhes falar, mas vocês poderão se reconhecer nela. E também reconhecerão Shaumbra nesta voz de Metatron. E Metatron continuará a trabalhar com vocês. 

E sim, está aqui um convidado especial que nos visita para participar da lição de hoje. Ele tem se aproximado aos poucos, aguardando para chegar neste momento tão apropriado. E ele vem hoje para celebrar, e oferecer a vocês o exemplo de uma jornada rumo à Nova Energia. Aquele que aqui chega tem nos visitado em algumas de nossas recentes discussões. É a energia de Gautama, o Buda, ou Sidarta. Ele é conhecido por muitos nomes, tais como O Iluminado, sendo esta a verdadeira essência da palavra Buda - “O Iluminado”. Gautama se faz presente, particularmente nesta época do ano, no mês de maio, no qual se acredita tenha recebido o nosso querido Buda sua iluminação sob a figueira... 

Gautama vem para estar conosco e também conversar sobre a Nova Energia da Terra. A energia de Gautama se faz presente entre todos vocês. Sintam esta energia fluida, dourada e pulsante, vibrando em todas as cores, mas repleta de matizes dourados. Nós convidamos Gautama para várias de nossas sessões recentes. 

E nós o trouxemos ao nosso encontro junto ao Grande Lago Salgado [Salt Lake, no Estado Americano de Utah], quando falamos sobre a verdade em constante mutação e evolução. POIS NÃO EXISTE UMA VERDADE SIMPLES E ESTÁTICA. A VERDADE EVOLUI EM CADA MOMENTO NO TEMPO E COM CADA MUDANÇA DE CONSCIÊNCIA. CONTEMPLEM AS FOTOS DE VOCÊS, AS QUAIS AFIXAMOS EM NOSSO MURAL ENERGÉTICO. VOCÊS CONHECIAM A VERDADE HÁ DOIS ANOS ATRÁS. MAS A VERDADE QUE VOCÊS HOJE CONHECEM É DIFERENTE. VOCÊS EVOLUÍRAM, E ESTÃO MAIS SÁBIOS. 

Levamos pois Gautama a este lugar próximo a Salt Lake (Workshop de Tobias de 30 de março de 2002: “O Que É A Verdade?”), para que vocês soubessem que a verdade evolui e se transforma. Suas vidas e suas verdades mudarão, mesmo além do que são hoje. E há uma semana e um dia, Gautama veio conosco à cidade de Nova York (para o Workshop de Tobias de 27 de abril de 2002, durante o Festival de WESAK), naquele templo e naquele santuário erigidos em sua honra. A energia dele se fez presente entre todos os que lá estavam. E foi muito importante que sua energia aí se expressasse, pois falamos de uma compreensão a que Sidarta chegou. Uma realização que não pôde ser plena para ele naquela sua existência. Ele a podia compreender. Ele tinha ciência dela em sua mente, e podia sentir tal vibração em seu ser. Mas ele não podia estar naquela consciência, porque a energia daqueles tempos não o permitia. E há oito dias ele veio àquela cidade, que passou por tantas coisas, para deixar uma mensagem sobre como entrar no Vazio da Ascensão.

E ele falará mais sobre este tema hoje, através de mim, Tobias, e de Cauldre. Mas antes que prossigamos com a Lição Nove da Série da Ascensão, queridos amigos, façamos uma pequena pausa. Pediremos a vocês que respirem profundamente, pois iremos ajustar as energias deste templo sagrado. Gautama está sorrindo, pois ele sabe que vocês são aqueles que também trilham o Caminho. Vocês são aqueles em busca da verdade e das respostas interiores. Como o Buda, vocês não se apegam a nenhuma verdade ao longo do caminho. Vocês não param e plantam seus pés em determinado ponto, dizendo, “Esta é a verdade; não preciso ir além.” Ora, vocês também são Budas… vocês são os Iluminados... 

Quero contar a vocês uma pequena estória... [Tobias graceja.] Cauldre (Geoffrey Hoppe) está rindo. Ele acha minha estória engraçada. Mas na verdade, eu realmente conheci Gautama, o Buda, em minha vida como Tobias. E como Tobias, o mercador, viajei para terras longínquas e vastas, para fazer aquisições para meu rei. E algumas de minhas jornadas foram talvez um pouco mais extensas do que o rei gostaria. E fui atraído para aquela região onde Gautama ensinava. E fiquei sabendo que ele se encontrava em uma vila não muito distante do local onde eu estava fazendo minhas compras. Decidi, portanto, ir ouvi-lo. 

Eu era relativamente jovem à época e ele já era um honorável ancião. Sentei-me e pus-me a escutá-lo. Eu era Israelita, Judeu, firme em minhas crenças, mas sempre buscando, pesquisando, investigando. Embora fosse algo rígido com relação às minhas próprias crenças, sempre gostei de ouvir o que os outros tinham a dizer. E quando ouvi Gautama naquele dia, e vi a paz de seu semblante, e senti a presença divina em todo o ambiente, muito mudou em minha forma de pensar. E após escutá-lo durante horas, tive então o prazer de falar pessoalmente com ele por breves momentos. Ele não me disse muitas palavras, porém recebi uma torrente de energia que provinha de seu coração. E eu lhe disse: “Ó Amado, Ó Iluminado, Príncipe Buda, fala-me da verdade que encontraste. O que Tu sabes, que eu também deveria saber?”

E o Buda caiu na risada e disse, “Por que é que você acha que eu descobri a verdade?” E lhe respondi, “Amado Buda, porque todos dizem que Tu és O Iluminado, e te chamam de O Grande Sábio.” Ele riu de novo e disse, “A VERDADE ESTÁ SEMPRE EVOLUINDO. VOCÊ NUNCA A “DESCOBRE”. VOCÊ APENAS COMPREENDE CERTAS ENERGIAS QUE TÊM A VER COM ELA. E QUANDO VOCÊ ACHA QUE ENCONTROU A VERDADE, É HORA DE SE MOVER ADIANTE E PROCURAR PELO NÍVEL SEGUINTE DA VERDADE.” E acrescentou, “Por que é que você acha que eu continuo a caminhar por estas estradas, de vila em vila, mas não ensinando tudo o que sei, e sem estar satisfeito em ficar num único local?” E prosseguiu dizendo, “Mas eu ensino a cada pessoa que o Divino está dentro delas, que a Iluminação vem do íntimo delas, e que elas jamais a descobrirão em outro indivíduo ou em outro lugar.” 

E sobreveio sobre Gautama uma tristeza… E ele disse, “Você sabia, querido Tobias, que esta é a minha verdadeira mensagem e, contudo, quão poucos são os que desejam ouvi-la? A maioria quer ver milagres...” E concluiu, “Eu posso fazer alguns milagres. Truques, num certo sentido. Milagres, talvez. Mas eu prefiro não realizá-los, porque não desejo focalizar a energia nisso. E as pessoas querem milagres, mas não desejam ouvir a voz interior. Elas querem um salvador. E eu não posso ser isto para elas. Portanto, continuo em busca de minha própria verdade expandida, podendo somente ter a esperança que a mensagem do Divino Interior alcance alguns ouvidos...” 

E aquela minha vida em que me encontrei com Gautama teve um impacto tremendo... Vocês podem imaginar que deleite é, para mim, ter Gautama em nossa presença neste dia, para estar energeticamente com vocês, e também para revelar algo sobre Quem Vocês São? Gautama nasceu na realeza, como príncipe. Isto deveria dizer algo a vocês… o fato de que ele era um príncipe, nascido no Reino do Rei e da Rainha... E que um dia herdaria o trono... Não há coincidência nesta estória! Seus pais e família sabiam que havia algo diferente nele. Não soa familiar, queridos amigos? Eles tentaram mantê-lo afastado do caminho da iluminação e de trilhar a difícil jornada. E eles o mimaram e protegeram de diversas maneiras, não permitindo que ele visse as dificuldades e desafios da jornada humana. Mas dentro dele havia uma inquietude, que insistia em querer explorar o exterior, para ajudá-lo a entender quem ele era no interior... Não soa familiar, Shaumbra? 

E assim foi que Gautama tentou satisfazer aqueles ao seu redor. Casou-se muito jovem, aos dezesseis anos de idade. E ele se casou porque isso é o que se esperava dele. Foi uma opção que os outros lhe impuseram. E após alguns anos, ele e sua esposa trouxeram ao mundo uma criança. E então, o que ele fez? O que foi que ele fez? Ele partiu. Estava desiludido com a vida. E renunciou ao mundo da realeza em que vivia. Oh, vocês podem imaginar as manchetes dos jornais se ele estivesse vivendo na época de hoje? “Pai Abandona A Família!” ou ainda, “Príncipe Deixa A Família Em Troca De Uma Viagem Egoísta”. Mas Gautama precisava buscar por sua própria verdade e sua própria divindade. Ele deixou a família real e assumiu o voto de pobreza.

Não soa familiar, queridos amigos? E ele também assumiu o voto de castidade. Ele trocou de disfarce e mudou de identidade, queridos Shaumbra. E Gautama passou a sentir que seu corpo e sua humanidade não eram apropriados, que eles o prendiam e lhe impediam de saber quem ele verdadeiramente era. E ele então abusou de seu corpo, não o alimentando ou nutrindo. Ele tentou negar a si mesmo, mais do que seguir a canção de seu coração. E ele fez isso em sua busca pela verdade. 

Não soa familiar, queridos Shaumbra? Ele abandonou os relacionamentos que tinha com todos aqueles que havia conhecido. E ele suportou inúmeras dificuldades físicas e emocionais em seu caminho. E lá se foi ele estudar com um mestre, um grande e sábio professor. E ele estudou, queridos amigos, a arte do “nada”, a arte da “não-coisa”, achando que se ele se esvaziasse de todo o seu ser, viria a saber quem de fato era. E ele estudou diligente e demoradamente com aquele mestre da arte de esvaziar-se. 

E aqui está Gautama agora, para dizer a vocês que o que ele estava fazendo era apenas experimentar mais um nível de negação. Ele estava negando à sua própria mente a capacidade de funcionar, e permitir que as vibrações e energias por ela passassem, entrando e saindo. Foi-lhe ensinado em seus estudos como bloquear a mente, e interromper seu fluxo de energia. E ele também fez isso com seu corpo, negando-lhe a própria expressão do amor. Certamente que ele aprendeu muito fazendo isso. Ele aprendeu que a dor não é nada divertida... Ele aprendeu que existem muitas “viagens” e estados alterados de consciência que vocês podem empreender quando seu corpo e sua mente se encontram nestes níveis profundos de negação. Mas ele também percebeu que aqueles estados alterados não tinham como base o próprio viver e a realidade da vida. Também eram ilusões. Aquelas “viagens” não lhe traziam a Essência do Amor, a essência do Espírito, e a essência da Verdade. 

E Gautama se “divertiu”, brincando com aquele profundo nível de negação, até que... seus cabelos caíram, pois não dispunham de nutrientes que os vivificassem… e então suas unhas dos pés literalmente caíram... Ele não estava amando o seu corpo - ele o estava negando. E quando seus próprios ossos se tornaram quebradiços, ele aprendeu ainda mais sobre esta negação, o tal “nada”, a “não-coisa”. E eis que um dia a voz interior de Gautama o fez perceber que aquela não era a verdade que ele buscava. Era somente um aspecto. E ele então partiu, e retomou a estrada. E ele continuou com suas meditações profundas. Ele continuou com suas cerimônias. Ele continuou com todas aquelas práticas sagradas, as quais, num certo sentido, ajudaram-no a direcionar-se. Pois elas criavam pontos baixos. 

Oh, sim, Gautama experimentou depressão, medo e ansiedade. Mas o que ele realmente estava fazendo era CRIAR UM PONTO TÃO BAIXO QUE EVENTUALMENTE O AJUDASSE A CHEGAR A UM NOVO NÍVEL DE ILUMINAÇÃO. E ao longo da estrada ele ouviu falar de outro mestre. E os ensinamentos deste novo sábio soaram verdadeiros e profundos. E lá se foi ele para ser doutrinado pelo segundo mestre, que lhe ensinou a arte da não-percepção, que pregava que todas as coisas seriam meras ilusões. E Gautama adorou aquele estudo, aquele jogo mental, de não ter percepção, sem ilusões de coisa alguma, de liberar todas as coisas. 

Num certo sentido, isso era a própria antítese da negação que ele havia estudado anteriormente. E ele logo percebeu que aquela tal de “não-percepção” era simplesmente outra forma de negação. Pois quando todas as coisas são chamadas de ilusões e disto nada se aproveita, e quando há a negação do “agora” que vocês estão experimentando… isto nada mais é que outra forma de negação. 

Não soa familiar, Shaumbra? E então Gautama abandonou aquela segunda escola em profundo desespero, sem descobrir as respostas e a verdade pelas quais realmente procurava. E em determinado ponto, ele compreendeu que aquela vida de negação, bloqueios e de não viver no “agora”... não era a verdade. E ele voltou a comer, alimentando seu corpo com a energia de que este precisava. E retornou a uma vida de certa abundância. Ele percebera que não ter abundância estava somente causando dor. E com esta nova sabedoria, ele chegou a um equilíbrio de entendimento... de energias… de abundância… de alimentar o corpo… de permitir o fluxo da mente. E ele retornou ao mundo do “agora”, restabelecendo o relacionamento com aqueles de sua família e com aqueles que haviam sido seus amigos. 

Vocês compreendem o que Gautama está lhes dizendo neste dia, queridos amigos? Que após ter suportado dor e sofrimento através da negação, ele recebeu sua maior iluminação naquela sua existência. E enquanto estava sentado sob aquela árvore, GAUTAMA COMPREENDEU QUE NA VERDADE ELE ERA ESPÍRITO, DEUS EXPRESSANDO-SE EM FORMA HUMANA… MAS QUE, DE FATO, ELE ERA ESPÍRITO. E quando ele entendeu isto, nos níveis mais profundos dentro de si, os outros o perceberam no semblante e na aparência dele. E as pessoas começaram a segui-lo, pois queriam o que ele tinha. E ele repetidamente dizia aos seguidores, “Tudo está dentro de vocês. De fato, posso oferecer-lhes a sabedoria de minha experiência, mas a jornada pertence a cada um de vocês”. 

E ele não gostava muito daquela situação, mas as pessoas continuaram a segui-lo. Inúmeros livros foram escritos sobre O Iluminado. Muitos templos foram erigidos em honra dele. Os povos ao redor do mundo descrevem suas jornadas e aquilo que ele aprendeu. Mas ele está aqui hoje para lhes dizer algo: a assim chamada iluminação, o assim chamado entendimento divino... ele não os pôde abarcar plenamente naquela sua existência... mas se encontram disponíveis a vocês, Shaumbra, nesta sua mesma vida atual.

Vamos explicar o que queremos dizer com isto. 

Falemos um pouco sobre energias, como elas operam, e sobre a dualidade. Conversemos por um momento dos altos e dos baixos e, depois, da Nova Energia da Terra, para a qual vocês estão caminhando. E, finalmente, nas lições restantes desta Série, falaremos sobre a Nova Energia, e sobre o que verdadeiramente está acontecendo ao seu redor. A dualidade constituiu-se em um método para que vocês olhassem para si mesmos, para que olhassem para o oposto, como que num espelho. Vocês vieram do Um, do Reino Primordial, onde somente havia a Unidade. E quando vocês partiram do Lar, quando vocês deixaram o Primeiro Círculo da Criação, queridos amigos, apareceram as energias iniciais da dualidade. Foi quando, pela primeira vez, vocês puderam olhar-se para si mesmos no espelho. Dualidade, dois opostos, realidade dual… Foi quando, pela primeira vez, vocês começaram a ter uma identidade própria. Até então, vocês eram essencialmente aqueles que viviam no Reino, na unidade primordial. 

Vocês estavam começando a desenvolver sua própria identidade. Pois sua identidade enquanto Jack, o Príncipe, era como um rochedo no leito de um rio. Falamos recentemente sobre tais rochedos. Sua identidade era como um rochedo que quebrava o fluxo da água, pois as energias do Reino constituíam um fluxo singular. E agora, sua nova identidade era como um rochedo na corrente da energia divina. Quando se coloca um rochedo na água, o mesmo cria turbulência, e quebra a suavidade do fluxo. Parte da água corre por sobre o rochedo, e parte da água o contorna, gerando vórtices no outro lado. 

Num certo sentido, isso é o que é a dualidade. O seu senso de identidade fora do Reino age como um rochedo no curso d’água das energias. E tudo isso é apropriado. Tudo apropriado, ajudando vocês, queridos Príncipes e Princesas, a desenvolverem novas compreensões de quem vocês verdadeiramente são. As energias da dualidade, num certo sentido, são como as ondas que surgem à frente do rochedo. E nelas há altos e baixos, e movimentos de sobe-e-desce. A dualidade é como uma onda de energia. Imaginem aquela conhecida representação gráfica de uma onda de energia alternando subidas e descidas. 

Quando vocês atravessaram a Muralha de Fogo - sabemos que alguns irão querer questionar isto - mas havia uma quantidade finita de energia que passou com vocês. Sim, quando vocês partiram do Lar, uma quantidade finita de energia acompanhou vocês. Claro, essa quantidade finita era vasta! Enquanto humanos, vocês não precisam se preocupar com a possibilidade de a mesma se esgotar. Todas as coisas fora do Primeiro Círculo contêm uma quantidade finita de energia. E, desde então, mesmo antes de vocês chegarem à Terra, as energias da dualidade se estimularam uma à outra. A luz competindo com a escuridão. O esquerdo jogando com o direito. O masculino atiçando o feminino. Todos dançando juntos, por assim dizer. Às vezes o embate das energias, uma contra a outra, era uma forma de provocar transformações e mudanças, mas jamais chegou a criar uma Nova Energia. 

As energias da dualidade continuamente modificavam seu equilíbrio de luz e escuridão, nunca porém a quantidade de energia dentro de cada uma. A dualidade significa simplesmente duas energias opondo-se uma à outra. Elas às vezes chegam juntas, às vezes invertem seus papéis, e às vezes assumem um outro rosto, uma nova máscara. Mas o somatório ou quantidade da energia nunca muda. Em suas vidas, portanto, vocês experimentam altos e baixos. É o vai-e-vem das ondas da dualidade. Vocês as vivenciam em muitos níveis diferentes. Vocês experimentam altos e baixos emocionais, físicos e até espirituais. Como humanos, vocês tentam escapar dos baixos e experimentar somente os altos. Mas os baixos são apropriados. 

Façam uma retrospectiva de suas próprias existências. Não foi exatamente nos pontos baixos, nos momentos mais desafiadores de suas vidas, que vocês tiveram os maiores ‘insights’ e as maiores compreensões? Assim, é claro, como o maior desejo de logo sair depressa dali! [risos da platéia] Vocês faziam tudo para logo escapar dos baixos! Vocês não eram complacentes nos pontos baixos. Nem Gautama o foi, quando ele atravessou o seu período de negação. Ele se encontrou no mais baixo estado de todos, física e mentalmente. 

Contudo, foi isto o que proporcionou a energia e a motivação para que ele seguisse adiante. Na dinâmica da dualidade, os pontos baixos propiciam como que um efeito de montanha-russa, que lhes impulsiona para os pontos altos. Nos períodos de alta, vocês solidificam as iluminações e a sabedoria que adquiriram nos períodos baixos. E é aí que vocês trazem esta nova sabedoria para uma forma mais tangível e cristalina. Mas vocês sabem o que acontece, queridos Shaumbra, quando vocês alcançam o pico? Vocês logo querem saber de outra volta na montanha-russa! E assim vocês se permitem mergulhar de novo nos pontos baixos. Vocês conseguem perceber a si mesmos neste processo? Os pontos baixos lhes ajudam a ganhar o potencial da sabedoria, e também a motivação para continuar se movendo adiante. E, então, vocês as trazem consigo para os altos estados, ancorando-as lá, por assim dizer, antes de partir em sua próxima corrida na montanha-russa. E é assim que a dualidade tem funcionado - através de altos e baixos. 

Portanto, é realmente prejudicial tentar evitar os baixos. Esta é a razão pela qual temos falado contra estas drogas psicótropicas e calmantes que jogam um pesado cobertor em cima do viver no agora. Ah, os baixos! Como eles têm sido preciosos... Eles têm sido parte integrante da jornada de vocês, assim como da jornada de Gautama. Pois esta é a maneira através da qual a dualidade tem operado. E nós sabemos que muitos de vocês temem os pontos baixos. Vocês abominam os baixos. Vocês não querem estar neles. Vocês acham que há algo errado com eles e, contudo, eles constituem uma parte natural da dualidade. As ondas de altos e baixos trouxeram vocês a este ponto em seu caminho. 

Entretanto, tais ondas jamais criaram Nova Energia. Elas simplesmente trouxeram novos entendimentos acerca da energia que já existia. E finalmente chegou o momento de que Metatron falou - quando vocês adentram a Nova Energia. E vocês estão literalmente entrando nela agora. Não é mais uma onda de altos e baixos. 

É difícil descrever a Nova Energia. De fato, até mesmo as palavras que falamos hoje deverão evoluir em discussões futuras. A velha energia era como uma onda linear de altos e baixos, indo em uma única direção. Já a Nova Energia se compara à adição de outra onda que corre paralelamente, mas se interpenetra com a antiga onda de dualidade - uma onda que ainda sobe e desce, dançando com uma nova onda que oscila à esquerda e à direita. Estas ondas interceptam-se uma à outra. Ainda teremos muitas outras discussões sobre isto. 

Por enquanto, basta dizer que a dualidade não está sendo destruída nem negada. Ela está sendo expandida. Vocês estão se expandindo do “2” para o “4”. Vocês verão que há quatro padrões na Nova Energia, para cima e para baixo, mas também de um lado para o outro. Eles se mesclam e se interseccionam um com o outro. Isto muda a forma como os pontos baixos passam a ser percebidos, pois existe uma nova onda equilibradora que flui lado a lado com a antiga. E isto é a Nova Energia. Ela ainda contém a essência da dualidade, mas a ela se alia toda uma nova dimensão. 

Há uma semana e um dia atrás, falamos do Vazio da Ascensão. E plantamos esta energia na Cidade de Nova York, onde agora existe aquele grande espaço vazio onde ficava o World Trade Center. Aqueles edifícios representavam a dualidade. Há menos de um ano atrás, falamos a vocês que as paredes e os muros viriam abaixo, e o dissemos literal e figurativamente. E, de fato, as paredes e os muros da dualidade, representados pelas duas torres, vieram abaixo. Não, nós não sabíamos naquela ocasião que este seria o local específico, mas sabíamos que as energias estavam prontas para isto. Poderiam ter sido outros prédios. Poderiam ter sido instituições ou governos.

Num certo sentido, vocês, enquanto humanos, escolheram este símbolo da dualidade, próximo à sua Estátua da Liberdade - o próprio símbolo da liberdade. Vocês não acham que as energias da liberdade ajudaram a liberar as energias da dualidade? E assim, quando estes edifícios vieram abaixo, e os escombros foram removidos, ali restou um vazio. Nada além de um grande buraco. E não é o momento de reconstruir. Deixem aquele vazio lá. Oh sim, poderá ser apropriado erigir um monumento ali, ou criar um parque. Todavia, o melhor, por enquanto, é deixar o local vazio, pelo menos por algum tempo.

E como isso se relaciona a vocês em suas próprias vidas? Como isso se relaciona à Nova Energia, e como se relaciona a Gautama, nosso convidado neste dia? Simples. À medida que vocês realizam sua transição rumo à Nova Energia, e vocês vivenciam as experiências que se manifestam em suas vidas, além das questões e desafios que chegam, entrem naquele Vazio por um breve período de tempo. E quando vocês tiverem em sua mente alguma pergunta muito premente, não a dirijam a nós. Nem mesmo tentem preencher a lacuna por si mesmos. Sim, esta é uma tendência muito humana. Quando vocês estão prontos para liberarem algo, logo querem a resposta para o que é novo antes de se desapegarem do antigo. 

Mas não é assim que as coisas funcionam na Nova Energia. Permitam-se mergulhar e estar naquele vazio por algum tempo. Tomem como exemplo alguma situação de suas vidas. Uma atividade profissional, talvez. Pode ter acontecido que um emprego tenha sido tirado de vocês. Existe a forte tendência humana de querer substituí-lo imediatamente. E vocês vêem suas contas se amontoando e seu talão de cheques se esvaindo. E vocês então clamam, “Preciso de um novo emprego!” Ao invés disso, entrem naquele vazio, o Vazio da Ascensão. 

Sim, há várias questões em suas vidas, e nós pudemos ver muitas delas durante o recente seminário sobre abundância. [A chamada ‘Higher Learning Series’, a Série de Cursos de Aprendizado Superior, do Círculo Carmesim] Naquela ocasião, nós pedimos a Cauldre que lhes falasse sobre postar-se em serenidade e quietude, sem ficar pedindo a Deus, ao Espírito, pela resposta, e sem tentar fabricar uma resposta para si mesmos. Ao invés disso, que entrassem no vazio por um curto período de tempo. Isto significa colocar de lado, por algum tempo, aquele problema ou aquela questão. 

Por que? Porque se vocês tentarem preencher a lacuna imediatamente, e resolver o problema no mesmo instante, vocês estarão tentando solucioná-lo com a mente da dualidade. Vocês estarão tentando responder a pergunta à luz da Velha Energia. Por enquanto, coloquem-nos de lado, quaisquer que sejam tais desafios ou questões. E então, o que irá acontecer é que sua própria Divindade, que existe na Nova Energia, lhes trará resolução. E esta é a solução de que Metatron lhes falou, aquela que já existe. Mas ela existe na Nova Energia, não na Velha. Ela permite que sua Divindade a traga à luz, em vocês e através de vocês. E então vocês terão aquele momento de “Ah-hah!”, de sabedoria e conhecimento, aquele “Ah” de iluminação de que falamos. 

Mas antes, temos aquele curto período de tempo no Vazio da Ascensão, quando vocês já tiverem liberado o Antigo, mas não o substituíram ainda. Este vazio não é um abismo. Não é a escuridão, nem um ponto baixo da dualidade. Entrar neste vazio significa apenas deixar as coisas de lado temporariamente, de forma receptiva ao Momento Divino. E o que acontece aí, queridos amigos, é um milagre, um verdadeiro milagre. E ao colocarem de lado suas questões, vocês estarão permitindo que o Fruto da Rosa lhes traga a Divina Solução. E ao permitirem que isso ocorra, algo precioso acontecerá, em total realização e plenitude. Algo que nem mesmo Gautama pôde compreender ou realizar naquela sua existência como o Buda. E QUANDO VOCÊS PERMITIREM QUE SUA DIVINDADE ENCONTRE A SOLUÇÃO, NOVA ENERGIA É CRIADA! NOVA ENERGIA…! 

Há pouco dissemos que quando vocês partiram do Lar, do Reino Primordial, uma quantidade finita de energia os acompanhou. Nenhuma Nova Energia jamais havia sido criada fora do Primeiro Círculo da Criação. Vocês somente mudaram e transformaram a base energética existente. E vocês se lembram quando lhes falamos sobre como todas as coisas no Segundo Círculo chegaram a um impasse? Em determinado ponto, as energias universais tornaram-se paralisadas. A dualidade não mais podia se expressar.

Conversamos sobre isto na escola do Círculo Carmesim. Cauldre está nos corrigindo: Curso Intensivo. [Curso Intensivo I do Círculo Carmesim: ‘Fora do Círculo’] Foi o período da “Guerra nas Estrelas”, quando a energia não mais podia avançar e se expandir, tendo chegado a um impasse, uma parada total. Foi quando se criou a Ordem dos Arcanjos, para se pudesse encontrar uma solução para o impasse. A Terra foi criada, a fim de se descobrir uma solução para o impasse energético a que se havia chegado. E quando vocês contemplam as estrelas à noite, estão a olhar para o seu passado. E quando seus cientistas se valem de novos e sofisticados telescópios para sondar o universo, também estão olhando para o seu passado. Eles estão observando o que vocês deixaram para trás, para tudo aquilo que vocês criaram. E estes são os fatos. Como já dissemos, a evolução tecnológica segue-se à expansão de consciência da humanidade. A consciência de vocês está se elevando.

Vocês se encontram exatamente em meio a um salto quântico de sua consciência pessoal. Portanto, não é de se surpreender que vocês estejam tendo acesso a estas recentes e incríveis fotos do espaço [através da utilização do Telescópio Hubble] bem agora! E vocês sabem o que seus cientistas perceberão, muito em breve, que irá de encontro a tudo aquilo sobre o que eles já especularam? Assim como também virá de encontro a muito daquilo que tantas de suas religiões ensinam? Eles descobrirão que o universo é finito! Eles descobrirão que, em algum ponto da história do próprio universo, todas as energias pararam. E eles não saberão como interpretar isto. Eles não entenderão o porquê de existir tanta energia no universo e, todavia, tudo haver parado em certo ponto. O que eles não compreendem é que eles estão vendo algo do passado. Mas isso constitui toda uma outra discussão. 

E quando vocês entrarem no Vazio da Ascensão, não estarão trazendo consigo a velha energia ou a dualidade. Pois as soluções que vocês estão buscando não vêm da mente da dualidade. Entrem neste espaço de silêncio e quietude. Lá vocês nem se estressam nem enlouquecem com seus problemas, mas permitem que o Fruto da Rosa apresente a solução. E assim é que a Nova Energia é criada. Algo que jamais havia sido feito antes. Entretanto, esta Nova Energia ainda não está numa forma que vocês possam reconhecer de imediato, ou numa forma que emane de suas mãos e pés. Ela não se apresenta numa forma que vocês possam consumir. Contudo, esta é uma Nova Energia. E haverá inúmeras implicações por toda parte ao seu redor.

Falaremos delas em nossas duas próximas lições desta série. E esta é a Lição Nove da Série da Ascensão: VOCÊS ESTÃO CRIANDO NOVA ENERGIA. Vocês a estão criando ao liberarem a dualidade, sem tentarem substituí-la com a consciência da Velha Energia. QUANDO VOCÊS DESCOBREM QUE AS SOLUÇÕES VÊM DE DENTRO, ISTO CRIA NOVA ENERGIA, ALGO JAMAIS FEITO ANTES. E AS IMPLICAÇÕES DISTO SÃO TREMENDAS… implicações conscienciais, implicações para o Planeta Terra, e também para vocês, enquanto indivíduos. 

E o dever de casa para vocês, ao longo dos próximos 30 dias, é entrar no Vazio da Ascensão, neste espaço em que vocês não mais se encontram na Velha Energia, onde vocês não mais tentam achar a solução em sua mente dual. Permitam-se penetrar neste espaço. Poderá ser atemorizante a princípio, mas vocês estarão bem. As respostas e soluções virão de seu próprio interior. E vocês saberão que a voz que as oferece é a sua própria voz. E ela virá envolta em sabedoria e iluminação. 

Gautama está em júbilo por estar aqui neste dia, pois celebramos o mês em que se supõe tenha ocorrido a própria iluminação do Buda. Mas ele balança sua cabeça e diz, “Sim, eu me iluminei relativamente àqueles tempos e para aquela consciência da Terra, mas por causa da consciência global de então, eu não podia tomar posse de minha verdadeira divindade. Eu não podia criar uma Nova Energia. É verdade que cheguei a compreender muitas coisas sobre minha jornada, mas não pude receber a verdadeira iluminação, porque a consciência da Terra não estava pronta para isto naquela época.” Gautama não pôde mergulhar nesta energia da ascensão, agora disponível a vocês. Certamente, houve muitas coisas magníficas que ele realizou e compreendeu. Mas ele não podia entrar no Vazio da Ascensão, pois este não existia.

Também trouxemos Gautama aqui hoje, especialmente porque queremos apontar e atentar para algo muito relevante. A meditação tem sido uma importante parte de sua jornada até agora. E, recentemente, pedimos a vocês que a liberassem. A meditação lhes serviu bem. De fato, serviu muito bem ao Buda. Todavia, um dos próprios aspectos da meditação tem sido uma forma de negação, através da qual vocês tentaram bloquear a mente e o corpo. E na Nova Energia, mesmo no Vazio da Ascensão, não há bloqueios. Todas as energias irrompem através de todo o seu ser. E o rio flui uma vez mais... A Identidade de vocês agora se funde ao rio... Mas não precisa ser um rochedo bloqueando as águas, pois estas fluem através de vocês. É como o pulsar de sua respiração, como o ar entrando e saindo dos pulmões... 

Sim, nós lhes pedimos que liberassem a meditação. Não adotem outra prática para tomar o lugar dela. Não tentem substituí-la com qualquer outra coisa neste momento. O Vazio da Ascensão não é uma meditação, nem uma tentativa de clarear a mente. Ele está permitindo que sua divindade traga soluções e expressão: em vocês e através de vocês. Pois se vocês estiverem sempre se esforçando, “forçando a barra”, tentando cumprir cerimônias e seguir rituais de oração e meditação, sua Divindade não terá chance de se manifestar através de vocês, se procurarem preencher-se com alguma outra coisa. Pois é através deste vazio que a Divindade pode se expressar. 

Não tentem substituir a velha energia com algo novo. Não tentem repor os edifícios destruídos em Nova York com novas construções. Existe a tentativa, por parte de alguns, para fazer isto neste momento, pois eles querem ‘tapar o buraco’. Eles querem que o vazio seja rapidamente preenchido, pois ele é desconfortável. Nada existe lá. Os humanos em dualidade sempre quiseram algo para preencher as lacunas, algo para substituir o que se foi. Mas estejam no Vazio da Ascensão por algum tempo. E, somente então, sua Divindade - seu próprio Eu Divino - poderá irromper através de vocês. E quando ela chegar, vocês terão ‘insights’ e entendimentos que vocês nunca poderiam ter tido através da mente da dualidade. E vocês chegarão a novas compreensões, e coisas lhe acontecerão que em nada se comparam com o que vocês estão esperando, porque suas expectativas vêm da mente da dualidade. Será muito diferente... mas não podemos explicar muito além disso. É uma experiência que vocês deverão ter por sua própria conta. 

É por isso que também lhes pedimos que liberem os seus guias, assim como os cristais e todos os outros apetrechos que se preenchem com a energia de vocês. Liberem-nos. Desapeguem-se deles. Estejam no Vazio da Ascensão. E então seu Eu Divino poderá chegar. E repetimos: não se parecerá com NADA que vocês esperam que seja... 

Lição Nove da Série da Ascensão: VOCÊS ESTÃO CRIANDO NOVA ENERGIA. E vocês pensaram que esta Nova Energia fosse apenas outro nome para substituir a expressão ‘Nova Era’! Mas não é. A NOVA ENERGIA É UMA NOVA FÍSICA, que está começando a ocorrer agora. VOCÊS A ESTÃO CRIANDO, mesmo enquanto falamos. 

E Cauldre está agora chamando nossa atenção, dizendo que a fala deste dia está se estendendo demais. E de fato está. Mas nós queríamos aproveitar este momento para trazer o entendimento do que seja estar no Vazio da Ascensão, assim como a consciência de que sua Divindade vem de seu interior, e que a Nova Energia está chegando. Está acontecendo agora e é algo fenomenal! E está acontecendo após éons de tempo... AGORA! E vocês se perguntam às vezes por que sua jornada tem sido difícil? Gautama diz que a jornada dele foi difícil para ele naquela época, mas nada que se comparasse à de vocês. 

As ondas duais, os altos e os baixos, eram então mais espaçados, além de não serem tão altos ou tão baixos, como o foram naquela sua existência como o Buda. Os de vocês são muito mais comprimidos agora, e as ondas chegam muito mais rapidamente. Os pontos altos são ainda mais altos, e os pontos baixos, ainda mais baixos, chacoalhando e mudando de direção mais rápido do nunca... Definitivamente, este tem sido um tremendo desafio para vocês! Lembremo-nos que Gautama também contava estórias de jornadas. Todos nós gostávamos de contar estórias sobre jornadas em nossos dias, pois é assim que costumávamos explicar as coisas. E dessa forma podíamos expressar nossas experiências de iluminação. 

E sim, também Sidarta teve quatro compreensões… e quatro iluminações… e se encontrou com quatro humanos na estrada... Vejam que não sou somente eu, Tobias, que conto tais estórias! [risos da platéia] Pois este é o significado do número “quatro”. É a Nova Energia. Assim como existe um significado em qualquer relato ou estória sobre Shaumbra na estrada. E quando vocês, Shaumbra, estão em sua jornada em busca da verdade, são acompanhados por aqueles que chamam a VOCÊS de mestres. E eles são aqueles que atendem pelos nomes de Yeshua [Jesus], Metatron, Gautama e todos os outros. Pois vocês nunca estão sós. E nós os amamos ternamente. 

E assim é! 


 
Tobias do Conselho Carmesim é apresentado por Geoffrey Hoppe, Golden, Colorado. A história de Tobias, do livro bíblico de Tobit, pode ser encontrada no site do Círculo Carmesim na rede – www.crimsoncircle.com O material de Tobias tem sido oferecido sem ônus aos Trabalhadores da Luz e Shaumbra mundo afora desde agosto de 1999, data quando Tobias disse que a humanidade ultrapassou o potencial de destruição e entrou na Nova Energia. 

O Círculo Carmesim é uma rede global de anjos humanos que estão entre os primeiros a fazer a transição para a Energia Nova. Passando pelas experiências, alegrias e desafios do status ascensional, eles ajudam outros humanos em sua jornada compartilhando, cuidando e guiando. A cada mês mais de 40.000 pessoas visitam o site do Círculo Carmesim para ler os últimos textos e para discutir suas próprias experiências. 

O Círculo Carmesim realiza seus encontros mensais em Denver, Colorado, local onde Tobias apresenta as últimas informações através de Geoffrey Hoppe. Tobias afirma que ele e outras entidades do Conselho celestial Carmesim, estão na verdade canalizando os humanos. De acordo com Tobias, eles lêem nossas energias e traduzem nossa próprias informações de volta para nós de maneira que possamos vê-las de fora, enquanto as experimentamos por dentro. Os encontros de Círculo Carmesim são abertos ao público, embora RSVPs seja bem vindo. Não há custos ou taxas a pagar. O Círculo Carmesim recebe sua abundância através do amor aberto e da doação dos Shaumbra pelo mundo. 

O propósito último do Círculo Carmesim é servir como guias humanos e professores de humanos que percorrem o caminho do despertar espiritual interior. Esta não é uma missão evangélica. Pelo contrário, a luz interior guiará as pessoas a sua porta para compaixão e cuidado. Você saberá o que fazer neste momento, quando o humano único e precioso – prestes a embarcar na jornada da Ponte das Espadas – chegar a você. 

Se você está lendo isso e sente a verdade e a conexão, então você é realmente um Shaumbra. Você é um professor e um guia humano. Permita que a semente da divindade floresça em seu interior neste momento e por todo o tempo a frente.Você nunca está só porque há a família ao redor do mundo e há os anjos nas esferas ao seu redor. 

Por favor distribua estes texto livremente sem base comercial e sem cobrar. Por favor, inclua a informação em seu todo, inclusive as notas ao pé de página. Qualquer outra utilização precisa ser aprovada por escrito por Geoffrey Hoppe, Golden, Colorado @copyright 2001 Geoffrey Hoppe, POBox 7328, Golden, Colorado, CO 80403. E-mail: Tobias@crimsoncircle.com. Todos os direitos reservados.
 
TRADUZIDO POR ESTÊVÃO VERÍSSIMO DIAS DOS SANTOS EM MAIO DE 2003.