Os Potenciais do Futuro

OS MATERIAIS DOS SHAUMBRA
A Série dos Mestres:

SHOUD 3: “Potenciais do Futuro”
Apresentando ADAMUS, canalizado por Geoffrey Hoppe

Apresentado ao Círculo Carmesim
7 de novembro, 2009



Eu sou o que sou, Adamus of Sovereign Domain (do Domínio da Soberania). Bem-vindos à sala de aula e ao laboratório da nova energia espiritual neste belo domingo, 8 de novembro de 2009. Queridos Shaumbra, bem-vindos.

Agora, vamos começar abrindo os olhos, mas não só os de Cauldre – os de cada um de vocês. Não estou falando apenas dos olhos físicos, mas, sim, de seus olhos espirituais.

Portanto, respirem fundo e se abram. Por quanto tempo vocês estiveram fechados? Por quanto tempo têm participado do jogo humano? Ah, por muito, muito tempo. É um jogo maravilhoso, um jogo incrível. Eu joguei esse jogo e jogo com vocês às vezes, mas vocês chegam num ponto em que o jogo fica obsoleto. E vocês evocam o Espírito. Vocês imploram ao espírito. Vocês ficam zangados comigo. E dizem: “Deve existir algo mais. Tem que haver mais.” E é onde nós estamos bem agora.

Somos este grupo chamado Shaumbra – sem barreiras, sem associações, nenhuma iniciação, nada a fazer além de respirar ocasionalmente – mas aqui estamos nós.


O que é Shaumbra?

Preciso dizer que é interessante quando estou com meus colegas e amigos do outro lado. Eles sabem que estou envolvido muito ativamente agora no Conselho Carmesim. Eles sabem que vim assumir de onde Tobias deixou.

Tobias, ah... vamos reservar um instante pra respirar por Tobias, pois ele está de volta à condição humana e como se precisa de respiração pra isso! [Risadas] Ah, ele está passando por experiências. Não neste Shoud, mas talvez na celebração do Natal iremos falar um pouco de Sam – como e onde ele está.

Então, tenho que explicar a meus colegas, amigos e companheiros angélicos quando eles chegam e dizem: “O que é esse negócio de...” Alguém deixou o Pakauwah lá fora. [Risadas quando Adamus repara num grande cão branco querendo entrar no auditório.]

LINDA: Ele quer fazer uma visitinha.

ADAMUS: Podem deixá-lo entrar, se ele prometer não me morder. [Risadas]

LINDA: Deixem ele entrar por um instante. A gente pega ele, se for preciso.

ADAMUS: Isso, deixem ele entrar.

LINDA: Só por um tempinho... tão lindo. [Risadas e comentários quando o cachorro entra e anda pela plateia.] Ah, você é lindo. Vem cá. Vem cá.

ADAMUS: Sinto muito, ele está ocupado cheirando as partes de todo mundo e a minha [muitas risadas] não está disponível neste instante. Certas coisas simplesmente nunca faremos numa canalização. [Mais risadas]

Então, explico aos amigos... “O que é Shaumbra?”, eles perguntam. E, a propósito, os anjos não sabem de tudo. Vocês têm esse entendimento errôneo de que só porque se está morto se sabe de tudo que acontece. Vocês fazem ideia de como os humanos são experts em se fecharem para os seres espirituais? Mesmo Deus não consegue ver vocês, não consegue ouvi-los, não consegue entrar em seus pensamentos quando vocês se bloqueiam. E a maioria dos humanos se bloqueia cerca de 82% do tempo. Oitenta e dois. Adoro números.

Assim, tento explicar o que é Shaumbra, quando me perguntam. O que é Shaumbra? Realmente, não há uma definição para isso. Obviamente, não é uma religião – eu sei quem vocês são! [Risadinha de Adamus e risada da plateia] Provavelmente, não é um culto, porque, em geral, vocês resistem a grupos. Vocês nem mesmo gostam de grupos. Vocês não querem se associar a nada disso.

“Então, o que é Shaumbra?”, eles perguntam. Nem é algo espiritual. Nem mesmo espiritual, porque “espiritual” tem uma velha conotação. “Espiritual” para muitos dos seres do outro lado significa... ah, como dizer de maneira simples... eu não vou... significa algo falso, enganador. Enganador. Espiritualidade é um dos maiores alimentos para o ego e para a mente. A mente adora quando as pessoas se tornam espirituais, porque isso é uma desculpa para estarem sempre certas, serem arrogantes, terem a mente fechada e ficarem sempre buscando.

Dessa forma, não posso dizer que um Shaumbra seja espiritual. Então, o que vocês são? Vocês não são intelectuais [risadas] e digo isso respeitosamente [mais risadas], com a devida consideração. Bom, vocês não querem ser intelectuais. Os intelectuais são muito limitados, muito voltados para si, muito condescendentes. Talvez vocês digam que eu costumava ser um intelectual em certo momento. [Risadas] Mas não sou mais. Não mais.

Vocês não são fantasiosos, por isso, dificilmente, eu poderia dizer que são adeptos da nova era. Vocês podem ter sido em algum momento, mas a nova era tem essa conotação de pertencer a algum lugar distante. E, trabalhando com Tobias ao longo desses anos, vocês superaram esse período nova era. Vocês deixaram de viver e existir na terra da fantasia e de ter essa vida aqui na Terra que era, basicamente, muito, muito desequilibrada.

Não, vocês aprenderam a respirar. Vocês aprenderam a estar no seu corpo, amar seu corpo, amar o corpo do companheiro, a amarem-se uns aos outros. Vocês se permitiram começar a aproveitar o que a vida tem a oferecer – que é muito. Muito mesmo.

Nós ainda estamos passando por dificuldades porque ainda estamos superando os padrões mentais. Os padrões mentais – os fatos e as estatísticas. Ainda estamos superando a programação que existiu ao longo de eras – de Atlântida, das igrejas, das escolas, de seus pais, de vocês mesmos. Entendam, vocês não são a pessoa que costumavam ser cinco anos atrás, são? Não. Vocês não são a pessoa que eram um ano atrás. Então, o que vocês são? Quem vocês são? Eu preciso tentar explicar isso aos outros seres angélicos.

Isso, de fato, é um enorme prazer pra mim, porque posso simplesmente dizer: “Eles são o que eles são. Eles são o que eles são. Sem dúvida, eles estão num processo de transformação, e esse processo de transformação é algo que, tipicamente, levaria três, quatro, cinco existências.” E vocês vão passar por ele em alguns poucos anos. Não é de se estranhar os desafios no corpo e na mente. Não é de se estranhar que seja tão difícil, mas, novamente, temos uns aos outros. Vocês têm uns aos outros. Vocês têm um enorme apoio dos seres angélicos que trabalham com vocês todas as noites. Todas as noites. Ah, temos discussões e conversas incríveis e chamamos convidados de outras esferas. Falaremos disso depois.

Mas, por enquanto, tento explicar o que é Shaumbra... porque não há nada ao que se associar, vocês não têm uma hierarquia, vocês não seguem líderes específicos que apresentam coisas que vocês devem fazer ou nas quais devem acreditar. Não há obrigações, é tudo muito tranquilo. Não é uma comunidade – Deus do Céu! [Risadas] Vocês não se dariam bem numa comunidade. Vocês não pretendem criar uma. Vocês são muito independentes e isso é uma bênção. Muitíssimo independentes.

Dessa forma, vocês não são um grupo organizado, o que me leva a crer que isso é a Nova Energia. Vocês todos são muito, muito independentes. Realmente, sem dúvida. Alguns não acreditam nisso. Alguns não querem acreditar e este, na verdade, é o problema. Mas vocês são muito, muito independentes. Fortemente determinados. É um dos problemas de se trabalhar com vocês [algumas risadas], e digo isso com todo amor e respeito, mas vocês são mesmo fortemente determinados... [Adamus toca numa pessoa enquanto anda pela plateia.] Sem querer usar ninguém em particular... mas dói a mão só de tocar o seu ombro! [Risadas] Muito, muito independentes, mas ainda assim vocês podem ficar juntos numa disposição como esta, sem regras, sem obrigações a cumprir – é tudo trabalho voluntário – e se reunir desta maneira.

Às vezes, vocês dizem que fazem isso pra tornar o mundo melhor. De fato, isso não importa, importa? Não. O mundo é o que é. O verdadeiro amor... um amor... o tipo de amor que o Espírito tem por vocês... é a aceitação absoluta. O absoluto respeito. Então, não tem realmente a ver com tentar mudar o mundo, embora seja muito, muito satisfatório lançar suas bênçãos, suas dádivas, seus potenciais para a humanidade, sabendo que os outros – se eles escolherem abraçar isso – não vão ter que passar por alguns dos tormentos e infernos pelos quais vocês passaram. Isso faz bem pro coração – saber que o trabalho que vocês fizeram tem um efeito profundo, não necessariamente na Terra... Vocês verão esse efeito na Terra, mas realmente ele ainda não se manifestou aqui do jeito que irá se manifestar. Seu trabalho está tendo efeito nas outras esferas.

As outras esferas... ah, poderíamos passar eras falando sobre elas, mas vocês sabem como elas são. Vocês já morreram antes, então... [risadas] basta se permitirem lembrar por um instante... é uma experiência. É maravilhoso. São tantas as facetas... Faz a Terra parecer muito, muito simples, muito fácil. Porque, nas outras esferas, existe qualquer coisa que vocês queiram, qualquer coisa que possam imaginar, qualquer jogo do qual escolham participar, qualquer realidade.

Sim, vocês podem ir para o céu do outro lado, mas será um de milhões de céus. As igrejas criaram a própria versão de céu e seus membros devotos vão para lá quando morrem, até perceberem que esse céu é um saco [risadas], porque ele se baseia em parâmetros humanos. Setenta e duas virgens? Não acredito! [Risadas] Torna-se chato porque esqueceram de dizer que elas vão ficar sempre virgens. [Muitas risadas] Isso é inferno pra mim! [Mais risadas]

Então, o que é Shaumbra? Eu digo a meus amigos do outro lado que é um grupo de humanos que riem, que vivenciam, que se expandem, que estão saindo de um dos mais importantes e estruturados tipos de qualidades ou atributos que a humanidade já teve: a mente. A mente. E fazem isso com relativa graça e tranqüilidade.

Novamente, sem querer falar mal da mente; ela foi uma criação brilhante de vocês quando vieram para a Terra. Vocês tinham que ter uma mente para lidar com a terceira dimensão, ou como queiram chamar esta realidade, para lidar com esta realidade na Terra. A mente foi desenvolvida para ajudá-los a ficar aqui no corpo físico e fazer o melhor com esta realidade. Mas nós vamos além disso agora. Estamos nos expandindo para algo muito, muito lindo.

Então, Shaumbra é este grupo de pioneiros da Nova Energia, este grupo de seres que viveram muitas experiências aqui na Terra e nas outras esferas, um grupo de pessoas que foram líderes em suas famílias espirituais, líderes em suas famílias espirituais. Aqueles – vocês – que deixaram sua família espiritual para seguirem sozinhos, mas sabendo o tempo inteiro que causariam um impacto profundo naqueles que vocês deixaram pra trás. Um grupo que, nos anos recentes... um grupo... vocês, que, de fato, se desconectaram da família espiritual da qual vieram, quer seja a Ordem de Sananda, quer seja a Casa de Miguel, de Gabriel ou qualquer outra casa onde vocês eram líderes. Vocês, por fim, nos anos recentes, se desconectaram deles, por algumas razões. Vocês precisavam descobrir como era ficar por conta própria, sem carregar a responsabilidade de tentar liberar as energias nas outras esferas. Vocês precisavam se libertar primeiro. Vocês tinham que fazer isso por vocês, não por outra pessoa. Vocês precisavam aprender a se amarem primeiro.

Na verdade, é mais fácil amar outra pessoa, fazer coisas pra elas, estruturar a vida de vocês para os outros – muito mais fácil. Muito mais fácil. Mas quando é hora de fazer isso por vocês, e quando, então, surgem todas as dúvidas, toda a crítica externa, todo o questionamento sobre se vocês são dignos... é quando vocês realmente entram nas energias profundas, entram no seu verdadeiro eu.

Então, eu digo aos seres do outro lado que este é um grupo forte, leal, determinado, apaixonado de anjos que são pioneiros da Nova Energia, sem saber o que ela é. Teria sido diferente se pudéssemos ter dado um livro e dito: “Kathleen, isto aqui é a Nova Energia. Você quer fazer parte dela?” Teria sido muito mais fácil. Mas aqui estão vocês dizendo: “Vou cair dentro. Dane-se tudo, vou entrar nessa Nova Energia.”

Sendo assim, estou muito orgulhoso agora, depois destes dois meses com vocês, desde que Tobias partiu, muito orgulhoso por estar lado a lado com vocês em cada passo do caminho. Eu tenho meu jeito e meu estilo, e faço assim pra movimentar a energia. Faço assim pra deixá-los, às vezes, um pouco com raiva, um pouco chocados, surpresos, um pouco mais leves, quando posso. Mas faço assim porque amo vocês e porque estou curtindo a jornada, provavelmente, mais do que vocês estão. [Risadas] Provavelmente mais.

Então, vamos respirar fundo hoje... enquanto entramos em nossa conversa.


Pakauwahs

Primeiro, vamos falar dos Pakauwahs. Sei que já tivemos essa conversa antes, mas os Pakauwahs são uma extensão de vocês mesmos. São uma criação de vocês. São um aspecto de vocês. Como Cauldre disse mais cedo, sim, foi brilhante de minha parte criar um aspecto não humano, um animal. Por quê? Porque vocês adoram os animais mais do que adoram os humanos. Simples assim. Os animais não têm todas as agendas e as questões que os humanos têm. Os animais são adoráveis. Animais também não falam com vocês usando palavras. Ah, é suficiente pra levar alguém à loucura toda a conversa dos humanos. Os animais se comunicam com o coração – como quiserem chamar – com seu nível de alma, com seu ser interior.

Assim, agora, vocês têm a oportunidade de pegar esse Pakauwah, a energia desse totem – sua energia projetada para esse belo ser – e começar a trabalhar com ela. Qual é a primeira questão com que vocês se deparam? Mary.

MARY: Não sei ao certo se sinto meu Pakauwah perto de mim.

ADAMUS: Ah, exatamente. Exatamente. A primeira questão é sua conexão. Sua conexão. Então, vocês passaram pela experiência de escolher um Pakauwah. Alguns ainda não, e se ainda não escolheram, a propósito, precisam dar uma olhada em seus problemas pra tomar decisões. [Risadas] Fazer uma escolha. Não é tão difícil assim! Isso não é pra ser engraçado. [Mais risadas; Adamus dá uma risadinha.]

É apenas imaginação, é tudo. Então, prestem atenção. Se não escolheram ainda um Pakauwah – qualquer um, uma aranha, tudo bem, qualquer um – vocês, provavelmente, têm problemas pra tomar decisões e talvez isso se baseie no fato de que vocês têm medo de tomar a decisão errada. Vocês não conseguem. Vocês não conseguem tomar uma decisão errada. Tentem. Tentem. Não é nenhum sacrifício, pra começar. [Adamus dá uma risadinha.]

O que acontece agora, e não vou entrar em detalhes quanto à física disso... mas por causa do modo como vocês mudaram sua energia e do fato de que vocês estão indo além de uma realidade de vibração para uma realidade de expansão, vocês não conseguem tomar uma decisão errada. Vocês podem achar que tomaram uma decisão errada, o que parece muito real às vezes, mas, em último caso, o que acontece é que suas próprias energias, sua própria consciência se autocorrige. E vocês podem resistir a isso e fingir que não é assim, mas realmente é. Realmente é. Confiem em mim. Não, na verdade, não confiem em mim. [Risadas] Confiem em si mesmos. Confiem em si totalmente.

Dessa forma, tudo se reequilibra. O importante, como foi dito antes, é que, ao menos, vocês têm um deslocamento acontecendo. Vocês têm esse pêndulo oscilando novamente. Por quanto tempo ele só ficou pendurado, sem fazer nada? Pendurado. E agora está oscilando novamente, mas diferente dos pêndulos normais, ele não vai oscilar somente pra frente e pra trás. Agora ele vai oscilar pra cima e pra baixo, em círculos, para os dois lados ao mesmo tempo. Isso é a Nova Energia. Espantoso – mas apenas se vocês estiverem presos em sua velha mente.

Então, seu Pakauwah é essa extensão de vocês mesmos e é essa energia de vocês. Ele não pertence a ninguém mais. Ele é vocês. Vocês estão conhecendo uma ferramenta básica muito importante da Nova Energia – o gerenciamento das energias. Vocês não estão acostumados a gerenciar sua própria energia. Vocês têm o hábito de se preocupar com ela, se irritar com ela, planejá-la, escondê-la, jogar com ela, mas não gerenciá-la. Daí, vocês criam um Pakauwah, um totem, e se conectam com ele. E é isso que estamos fazendo até agora – nos conectando com ele, sentindo-o.

Ele está aí neste momento. Respirem. Seu Pakauwah está bem aí. Vocês estão bem aí, ele é parte de vocês. Está bem aí.

Há muito tempo ele está numa espécie de modo neutro apenas esperando. Esperando por vocês para dirigi-lo ou guiá-lo para o que fazer. Alguns de vocês fizeram pedidos, deram a ele instruções muito específicas, dizendo: “Fique vigilante o tempo inteiro. Ande comigo nos meus sonhos.” Muitos de vocês fizeram isso. Bem impressionante. “Ande comigo nos meus sonhos.”

Alguns estão usando de forma exagerada seu Pakauwah, dizendo ao Pakauwah pra fazer coisas como criar muito dinheiro ou encontrar um novo companheiro. Seu Pakauwah não vai encontrar um companheiro pra vocês. Ele vai encontrar outro Pakauwah pra ser companheiro dele, mas... [Risadas] E, aí, vocês vão ver o que acontece! [Mais risadas]

Mas o Pakauwah está aí pra ajudá-los a entender como vocês se projetam para outras dimensões, como gerenciam sua energia, como se conectam com aspectos de si mesmos. É uma experiência muito valiosa. Não é uma coisa que devem fazer só de vez em quando ou uma vez por mês quando nos reunimos aqui. Trabalhem com ele diariamente. É maravilhoso. Vocês vão descobrir como é brilhante o Pakauwah.

E se vocês escolheram, por exemplo, um esquilo como Pakauwah, vocês vão reparar outra coisa. O que acontece com o esquilo? Kathleen, não para provocá-la, mas...

KATHLEEN: Ele pode mudar pra uma coisa diferente?

ADAMUS: Isso mesmo. Estão vendo como vocês são brilhantes? Ele pode mudar para uma coisa diferente, e ele mudará. Uma observação interessante sobre a Nova Energia. Só porque disseram para fazermos o Pakauwah um esquilo, vocês vão descobrir que ele se transforma num cachorro ou num urso ou golfinho. Ele começa a se ajustar às suas energias e às energias à sua volta, daí, ele começa a mudar de forma. Vocês podem acabar descobrindo que ele se transforma num humano; ele se transforma numa criatura alienígena. Ele vai percorrer seu passado e seu futuro e começar a pegar os atributos energéticos, e vai ser como um camaleão. Ele vai trocar de forma. Ele vai assumir novos atributos para certamente servir vocês.

Esta é a beleza do Pakauwah. Ele, geralmente, voltará para a forma que vocês inicialmente criaram. Se foi um esquilo, ele voltará para esquilo, até certo momento, quando, então, vai dizer: “Não sou mais um esquilo. Vou evoluir pra outra coisa.” E talvez não seja só para um outro animal. Talvez ele evolua para algo tão diferente que vocês nem mesmo o reconheçam com sua velha mente. Será interessante quando chegarem nesse ponto. Não tentem forçá-lo a se redefinir. Permitam-no assumir essas novas figuras e novas formas. E vocês podem vê-lo com cabeça de animal e corpo de espírito – um corpo não físico. Ele pode fazer todo tipo de coisa estranha.

É todo um caminho dizendo que esperem o inesperado, porque vocês estão na Nova Energia, e a Nova Energia, que diabos, é diferente da Velha e vocês querem que seja assim. E se esta jornada fosse apenas pra continuar na Velha Energia, tentar ficar apenas um pouco mais rico, um pouco mais inteligente, um pouco mais bonito, um pouco mais atraente? Acho que vocês ficariam frustrados, não?

LINDA: Sim.

ADAMUS: Sim, sim. Por favor, digam sim. [Adamus ri.]

Então, vamos reservar um tempo aqui para sentir a energia de seu Pakauwah, para se conectar com ele. Ele tem estado do lado de fora. Tem estado nas outras esferas. Esteve aí o tempo inteiro, com vocês em cada passo do caminho. Ele não se dissolveu, não saiu flutuando pra outro lugar; está esperando por vocês.


Trazendo o Pakauwah para o Lado de Dentro

Vamos dar um rumo diferente para o Pakauwah hoje. Vamos para dentro, para dentro de seu corpo. Vocês dizem: “Bem, como vou encaixar aquele elefantão enorme no meu corpo?” Ah! Ah.

(a) Ele pode mudar e assumir uma forma diferente.

(b) Quem disse que um elefante é maior do que vocês? Quem disse... alguém disse. Alguém disse que elefantes são enormes. Então, vocês pensam: “Ah, não posso colocar esse elefante, meu Pakauwah, no meu corpo. Vou explodir.” Talvez não. Talvez vocês possam se transformar ou transmutar, ou ele possa, ou ambos.

Vocês vão pedir a seu Pakauwah para entrar em seu corpo físico. Por quê? Porque vocês não têm ido lá há um bom tempo. Não têm. Vocês deixam os médicos irem lá. Vocês permitem que sondem diversas partes do seu corpo ou que eles os operem. Mas vocês não têm ido pra dentro de seu corpo físico. Vocês não gostam, necessariamente, de ir lá.

Mas o Pakauwah, que é uma parte de vocês, irá. E o que ele vai fazer? Nada. Não hoje. Mas, quando começarem a aprender com ele, ele vai entrar em seu corpo e ajudar a detectar desequilíbrios que outras partes de vocês conhecem, mas que não estão sendo relatados a vocês; desequilíbrios que têm o potencial de surgir e que ainda não estão lá. O Pakauwah vai ser capaz de entender como seu ser físico, seu ser mental pode estar atraindo o que vocês chamariam de potenciais desequilibrados ou questões de saúde – questões mentais.

Então, respirem fundo. Deixem seu Pakauwah entrar em vocês. Respirem-no.

[Pausa]

A jornada para dentro de si mesmos.

Agora, parem um instante antes que ele vá muito longe. Vamos deixar de lado as noções mentais de como é dentro de seu corpo, porque vocês estão começando a pensar: “Ah, ele deve seguir pela veia número L42?” Vejam bem: “E ficar se mexendo, ele pode?” Vejam: “Meu Pakauwah quer entrar nos meus intestinos? Devo evitar que ele vá para meus ouvidos, meus olhos?” Liberem a parte real imediatamente. Vocês são seres energéticos. Vocês são seres de energia que criaram um corpo físico. Deixem que ele entre em sua energia, não necessariamente no eu físico. Deixem que ele entre no seu eu energético aqui.

Deem permissão a ele, é tudo de que essa parte de vocês necessita, e deixem que perambule. Deixem que ande por aí.

Vocês têm um império dentro de si. A parte física de vocês é um reino magnífico; tem muitos atributos se vocês pensarem em termos de energia em vez de pura biologia. Um dos problemas da ciência moderna: “Se não puder ver num microscópio, não existe.” Mas isso está mudando. Está mudando rapidamente no momento por causa do trabalho que vocês e outros estão fazendo. Há um reconhecimento dos atributos energéticos. Isso vai continuar. Existem grupos... não muitos, mas existem grupos de médicos, metafísicos, que estão realmente começando a entender o fluxo de energia associado ao corpo físico.

Deixem seu Pakauwah entrar bem fundo agora. Deixem que ele vagueie dentro de seu corpo. Não digam a ele pra ir a determinado lugar. Não peçam a ele que cure alguma coisa agora. Simplesmente, permitam-se voltar a se familiarizar com seu corpo. Não esperem ouvir uma voz. Não esperem receber um relatório por escrito. Isto é apenas uma experiência básica com seu Pakauwah.

A propósito, sim, iremos desenvolver outros tipos de aspectos de energia de vocês. Não necessariamente Pakauwahs, mas este é o primeiro nível. Nós vamos desenvolver outras criações para atendê-los, mas vamos fazer esta antes. Vamos fazer realmente essa conexão com o Pakauwah e entender que ele viaja multidimensionalmente. Ele está sempre aí. Pode entrar em seu corpo. Pode alcançar um nível essencial dentro de vocês – o sistema de comunicação do seu corpo.

O sistema de comunicação de seu corpo é uma rede elaborada, ainda que simples, de magnetismo, eletricidade, movimento de energias, muitos tipos diferentes de física, muitos pulsos diferentes emitidos. Mas seu corpo tem esse incrível sistema de comunicação. É ele que permite que vocês façam várias coisas ao mesmo tempo – comer, andar, pensar. O corpo emite pequenos sinais, pequenos pulsos, constantemente. Milhões, milhões deles por segundo pelo corpo inteiro. Não é espantoso que vocês, de fato, não tenham controle sobre isso nem acompanhem tudo isso? Isso acontece sozinho. É um milagre da realidade física.

O sistema de comunicação de seu corpo, geralmente, funciona muito bem sozinho. Mas algumas vezes uma parte cessa a comunicação com outra. O coração já é de conhecimento de todos. Ele deixa de contatar outras partes do sistema de comunicação e, é claro, vocês têm algum tipo de doença do coração ou um ataque. O coração – o coração físico – também está associado ao coração energético. Não é a sua alma, mas ele é, na verdade, parte essencial de seu sentimento e sua percepção. Ele deixa de se comunicar às vezes.

Definitivamente, a comunicação entre a rede de seu corpo e vocês... não vamos chamar de sua mente, mas, sim, de sua consciência... existe uma grande lacuna aí. Entendam, por exemplo, que no sistema de comunicação entre sua consciência e seu corpo se eu bater com força em vocês [Adamus bate em alguém e ri.] Sinto muito, querida. Se eu bato em vocês com força, vocês sabem. O sistema de comunicação entra em ação.

A consciência diz: “Fui atacado por esse Adamus”... com amor, com amor... E ela lhes diz para ficarem alerta. Mas, geralmente, sua consciência está desconectada do sistema de comunicação de seu corpo. O sistema está funcionando neste exato momento, mas está funcionando com baixa energia e muita, muita Velha Energia. E está funcionando a partir da dúvida e do medo.

Em geral – na grande maioria –, os humanos têm medo de seus corpos, porque o corpo gera dor e o corpo morre. Eu teria medo também, se eu fosse vocês. Mas vocês chegaram num ponto em que percebem, antes de tudo, que a dor é uma ilusão, na maior parte das vezes, e que o corpo pode morrer, mas, de fato, a realidade é que vocês tiveram todas essas mortes físicas na Terra em que morreram, algumas vezes, com muita dor, outras simplesmente partiram, mas deixaram seu corpo pra trás.

Na Nova Energia, isso não é necessário. Vocês levam o corpo com vocês. Não que precisem de um corpo do outro lado, mas vocês levam todos os componentes energéticos dele, toda a sabedoria do corpo, contida na carne, que é apenas energia, vocês levam com vocês. Por quê? Bem, por duas razões. Vocês ficam com uma melhor aparência do outro lado. [Risadas] Não, vocês realmente ficam. Seres que nunca tiveram uma existência física na Terra são meio que flutuantes, entendem, são meio tênues. Não são muito definidos, realmente. Vocês veem algumas cores em sua energia, mas eles não são muito definidos.

Se vocês estiveram na Terra, e particularmente se aprenderam a levar o corpo físico junto, vocês são muito definidos. E isso realmente é legal do outro lado. Eles não podem comprar um do outro lado, não importa o que esteja fora de moda. [Risadas] E eles, vejam bem, eles querem um corpo. E, então, vocês riem quando dizem: “É fácil. É só ir lá embaixo no planeta Terra.” [Muitas risadas] “Tenha uma feliz jornada! Vejo você daqui a 10.000 existências!” [Mais risadas]

Então, essa conexão de volta para seu corpo é importante. Se escolherem a ascensão, vocês vão levar o corpo junto. É uma coisa bem melhor de se fazer. Nada pior do que ter seus ossos – vocês são ossos velhos – enterrados no chão. É um caminho certo, um caminho magnético, para puxá-los de volta. Se vocês deixam os ossos no chão e ainda há energia nesses ossos, isso vai ocasionar outra encarnação. Na verdade, essa é, provavelmente, uma das maiores causas da reencarnação, mesmo quando o ser não quer reencarnar. O corpo puxa esse ser de volta – isso e amores rejeitados. [Risadas] Puxa o ser de volta.

Assim, quando vocês o convidam para dentro de si, o seu Pakauwah entra e os ajuda a reconectarem-se com o sistema de comunicação do seu corpo. O sistema de comunicação não fala uma linguagem humana. Não fala francês, infelizmente. Não fala inglês. Mas cria uma dinâmica, um padrão e uma familiaridade, e eu quero que vocês voltem a ter isso. Quero que vocês voltem a se familiarizar com seu corpo energético.
Novamente, não comecem a estudar livros de biologia. Vocês não precisam entrar pra faculdade de medicina. Tem a ver com a energética do corpo e a capacidade de se reconectar com essa parte do corpo que sempre soube e ainda sabe se reequilibrar sozinha. Para reconstituir extremidades... elas crescem e isso é comprovado cientificamente. Mas, mais que qualquer outra coisa, energeticamente, sem dúvida, elas estão lá. Isso foi esquecido, trancado a sete chaves, considerado um dos grandes mistérios. E não é. Não é. Tem a ver com dar permissão e se reconectar com vocês mesmos. Seu corpo se cura sozinho.

Agora, se fizerem isso só pra ficarem alguns quilos mais magros ou parecerem um pouco mais jovens, vocês podem querer reconsiderar essa questão. Mas se fizerem isso pra reparar ou rejuvenescer o sistema biológico pra que possam passar mais alguns belos anos na Terra, aproveitando o que esqueceram de aproveitar da vida anterior até esta – das mil vidas anteriores até esta –, então, seu corpo dirá: “Isso! Isso!” E vocês vão respirar fundo e dizer: “Estou aqui pra jogar. Estou aqui pra aproveitar. Estou aqui pra me divertir e ser abundante – abundante em todos os sentidos, não apenas em relação a dinheiro, mas abundante em todos os sentidos.”

Este é o caminho natural. O outro caminho – do sofrimento, da falta, da doença – não é natural. Não é natural. É, de fato, uma distorção, é uma mentira e consome mais energia viver desse jeito do que viver como um ser soberano.

Então, respirem fundo e abençoem seu Pakauwah por entrar em seu corpo energético e conectar-se com a rede de comunicação de seu corpo. O seu Pakauwah pode, agora, começar a conectar esse sistema ao você consciente neste momento do Agora. Não esperem que, de repente, a saúde mude. Saibam que ela vai mudar. Saibam que ela vai mudar.

Tem alguém bem aqui, se você não se importa – por favor, levante-se – , alguém bem aqui que pode lhes falar que digo a verdade. [A plateia aplaude quando Garret Annofsky se levanta.]

Agora, Garret pode colocar em outras palavras, diferentes das minhas, mas ele sabe que precisava voltar pra dentro de si. Sim, ele teve assistência de médicos e o amor de Andrah, que ainda não mudou de nome. [Risadas] Ele teve o amor dos Shaumbra. Mas teve que voltar pra dentro, sabendo que tudo está lá. Tudo está lá. Ele não tomou nenhum medicamento exótico ou estranho. Ele não tomou nenhuma água esquisita. Ele não entoou mantras nem cânticos, e não chorou muito também. Ele não ficou me chamando; só me chamou pra jogar um pouco de xadrez da Nova Energia. Isso é uma coisa maravilhosa. Ele foi pra dentro de si. Ele manteve tudo muito simples. “Eu sou o que sou e sempre serei.” Isso disse algo à rede deste corpo e seu sistema de comunicação. Ele não trabalhou com um Pakauwah como vamos fazer, mas ele foi pra dentro e disse: “Eu Sou o que Sou.” E seu corpo ouviu. Obrigado.

GARRET: Recebi o mesmo memorando que você! [comparando a cor dos paletós]

ADAMUS: Sim, sim. [Adamus ri.] Mas no meu dizia: “Vista um paletó caro.” Sei, não [falando do paletó de Cauldre], este parece o de um garotão indo acampar! [Muitas risadas; Adamus dá uma risadinha.]

Então, vamos respirar fundo e realmente sentir a essência de seu Pakauwah. Ele é vocês. É um aspecto. É seu brilho. É seu brilho. Vocês.

Agora, quando ele entrar e trabalhar pra vocês, e quando trabalhar pra vocês no estado de sonho e o tempo inteiro, permitam que ele comece a trocar de forma, se transformar e mudar. Novamente, não esperem que ele fale com vocês, mas isso não significa que não irá se comunicar. É uma grande diferença. Conversar é um meio de comunicação muito, muito rudimentar. Extremamente rudimentar. Seria a diferença entre uma pessoa cantando fora do tom e uma sinfonia imensa com centenas de músicos e cantores talentosos atuando juntos. Vejam, a linguagem é plana. Antigamente, não era tanto – nos tempos de Atlântida, Lemúria, a linguagem cantada –, mas agora a linguagem é plana. Teremos Cauldre cantando aqui em breve. [Risadas] Cantaremos um Shoud inteiro juntos! Você vai sair da zona de conforto. Cauldre, com certeza.

Agora, respirem fundo e simplesmente deixem o Pakauwah fazer a parte dele. Façam a parte de vocês. Façam a parte de vocês.

Gerenciamento das Energias

Agora, se vocês fossem o capitão de um navio, não teriam basicamente controle sobre a tripulação? Vocês não diriam às pessoas o que fazer, como fazer, quando fazer e o que vão receber por fazer? Roger.

ROGER: Sim.

ADAMUS: Sim. Boa resposta. Excelente resposta, porque tem um elemento importante operando aqui. Vocês são o capitão do navio e vocês têm todos esses outros humanos, e se vocês não definirem suas expectativas para os outros humanos, eles terão a tendência de se rebelar, de querer assumir o comando. Então, vocês precisam ser bem claros quanto a sua liderança, seu equilíbrio e expectativa. Vocês têm que especificar isso pra eles, infelizmente.

A propósito, com os Shaumbra é um pouco diferente. Não quero entrar nisso agora, mas vocês não têm que especificar tudo; vocês têm apenas que deixá-los ir e descobrir a Nova Energia por eles mesmos. Isso cria alguns conflitos de vez em quando, algumas, ah, dinâmicas interessantes, mas, na verdade, é uma coisa boa. É uma coisa boa. Entendam, vocês reúnem Shaumbra com Shaumbra e as coisas esquentam, há atrito, às vezes. Ah, com muito amor, mas muitos atritos acontecem. Por quê? Porque todos vocês estão passando por um período muito estressante. Estão passando por muitas mudanças no momento e, na verdade, ficam testando as pessoas, por assim dizer. Vocês tiveram com elas questões em vidas passadas, algumas vezes. Tudo sob o pretexto da liderança e outras coisas mais, mas essa não é a verdadeira razão. A razão é o estresse inacreditável que está em vigor.

Mas não tem nada a ver com o assunto. Capitão do navio, sim. Vocês querem deixar claro pra todos que trabalham pra vocês que vocês são o capitão. Vocês estão por cima. Vocês mandam.

Agora, a questão é: como capitão de seu próprio navio, vocês – seu corpo, sua mente, sua alma, seus aspectos do passado, cada parte de vocês – vocês exercem controle? Timothy.

TIMOTHY: Sim?

ADAMUS: Não, vocês não exercem. Mas obrigado por responder. Não, vocês não exercem, mas... e estou usando isto como exemplo; não estou tentando provocar ninguém... mas, não, vocês não exercem, porque é tudo vocês. Vocês não têm outros humanos lá. Vocês não têm as agendas e os desejos desses humanos de se satisfazerem e tirarem seu poder e todas essas coisas que os humanos fazem. Isso é com vocês. Vocês são o capitão do próprio navio. Vocês são o chefe. O ser soberano. Cada parte de vocês – cada parte de seu corpo, de sua mente e de seu espírito – definitivamente ama vocês. Outras pessoas, necessariamente, não amam vocês, mas cada parte de vocês ama vocês.

Vocês perderam a comunicação com as outras partes de si. Por causa do modo como as coisas foram feitas, elas não respeitam vocês. Essas outras partes de vocês não respeitam vocês como costumavam e gostariam de respeitar. Mas elas querem isso.

E para complicar ainda mais as coisas, vocês deixaram de confiar em si mesmos, de modo que realmente perderam a boa vontade com vocês mesmos, com essas partes de vocês, e é por isso que muito da comunicação com sua mente, seu corpo e, definitivamente, seu espírito se fechou. Definitivamente, foi o que aconteceu com seu espírito. Vocês deixaram de confiar em si e, daí, se isolaram nesse serzinho. Nesse pequeno ser. Sem confiar em quem vocês realmente são.

A primeira vítima, é claro, obviamente é seu espírito – sua alma. Não é que vocês... eu ouço às vezes vocês dizerem: “Esquecemos de propósito.” Agora, qual é? Por favor! Mesmo! Vocês esqueceram de propósito? Vocês quiseram esquecer quem vocês eram? Quem lhes disse isso? Por que acreditaram nisso? Essas são as verdadeiras perguntas. Não, não, não.

Vocês perderam a confiança e a comunicação com vocês mesmos. Com isso, perderam todo tipo de conexão com seu espírito. Ele ainda está aí. Ele ainda está aí, sempre esteve, mas vocês pararam de se comunicar com ele, com cada parte de si. Vocês não confiam em seu corpo. Vocês não confiam em sua mente. Vocês não dão a mínima pro seu espírito. Vocês o buscam há tempos, e esse é um jogo divertido, de certo modo – “Vamos procurar o espírito.” Procurar onde? Ele é vocês. Vocês dizem: “Mas eu? Espírito?” Com certeza. Espírito que não se comunica consigo mesmo, por causa da falta de confiança.

Assim, aqui estão vocês, capitães de seus navios, e vocês têm todas essas coisas... e não estou falando só com vocês. Estou falando... digamos que estou falando com os outros que vão ler isto depois. [Risadas; Adamus ri.] Vocês são os capitães de seus próprios navios, sem comunicação com vocês mesmos, e todas essas ideias bizarras sobre Deus e sobre espiritualidade que existem... Essas ideias são uma das coisas mais difíceis que temos que superar, quando trabalhamos com vocês, que temos que fazer vocês superarem... os velhos conceitos de Deus trazidos de vidas passadas.

Ouvi falarem hoje de Roma – um lugar impressionante. Adoro ir lá. Mas muitos condicionamentos antigos que vocês têm vieram do embasamento da igreja e do que é Deus. Nem de perto, nem de perto o que muitos humanos pensam que ele é. Então, vocês estão sem conexão com essa parte.

Entendam, minha definição de Deus, na verdade... não é uma coisa só. Ele não é esse grande velho zangado com barba lá em cima no céu. Esse é o Deus de algumas pessoas, mas ainda bem que não é o Deus de vocês.

E se Deus for um acúmulo dos potenciais do passado – tudo que foi e que poderia ter sido – todos os potenciais do passado e todos os potenciais do futuro, tudo que poderia ser? E se Deus for tudo menos este momento?

[Pausa]

Potenciais – cada potencial, incluindo as coisas que vocês vivenciaram e aquelas que não vivenciaram e tudo que vocês vão vivenciar e aquilo que não vão – e se isso for Deus? E vocês, que são Deus Também, estão aqui no momento presente pegando estas energias, trazendo-as para a realidade neste momento, trazendo-as pra dentro de si? Só uma ideia, algo pra considerarem naquelas noites em que custam a dormir.

Enfim, Shaumbra, vocês chegaram no ponto aqui de voltarem a confiar em si mesmos. Cada parte de vocês – seu corpo, sua mente, seu espírito, seus aspectos, o Deus dentro de vocês, sua divindade, cada potencial vivido ou não, cada potencial que venha a existir – sinceramente quer servi-los. Cada parte é vocês. Vocês.

Então, vocês chegaram no ponto de estarem aqui neste momento e dizerem: “Eu preciso confiar em mim mesmo. Tenho que me entregar completamente.” Deixar ir, fluir. Não deixar ir por outro ser ou por seu Pakauwah ou por seu companheiro ou por algum Deus que vocês nem façam ideia do que seja – como vocês podem deixar ir? Vocês se entregam, deixam ir. E o que acontece? O que acontece quando vocês deixam ir?

SHAUMBRA (mulher): Você fica apavorado.

ADAMUS: Como?

SHAUMBRA (mulher): É assustador no início.

ADAMUS: Um tanto assustador – assustador mesmo; na realidade, é a coisa mais assustadora pela qual já passaram – um tanto assustador. Vai virar vocês de cabeça pra baixo. Vai fazer sua consciência inteira estremecer, chacoalhar. Vocês sabem como é quando algo fica fora de alinhamento, não começa a tremer e sacudir? Às vezes, o alinhamento do seu carro – vocês atingem certa velocidade, ele sacode e treme – o que vocês fazem? Reduzem a velocidade. O que vocês fazem aqui?

SHAUMBRA: Respiram. Aceleram.

ADAMUS: Respiram. Aceleram e respiram. Adoro este grupo! [Risadas] Adoro este grupo. Sim! Vocês respiram fundo e deixam ir, e deixar ir é acelerar. Pisar nos freios é reduzir a velocidade, é restrição, é parar de fluir. Não, vocês deixam ir.

Sua vida vai mudar? Será que sua vida vai mudar? Com certeza. Com certeza, ela mudará. Está tudo bem pra você ela mudar? Ou você vai tentar definir como deve ser a mudança?

SHAUMBRA: Acho que não.

ADAMUS: Sim, você vai. [Risadas] Vocês, certamente, tentarão definir a mudança. Mas tudo bem. Tudo bem, uma vez que saibam que não vai acontecer do jeito que a parte humana de vocês necessariamente espera ou quer que aconteça. Numa de nossas próximas reuniões, vamos falar sobre a diferença entre o eu da criação humana e o eu alma, e por que existe uma aparente contradição, pelo menos em curto prazo.

Assim, vocês deixam ir. Isso é a Energia 101. Já falamos sobre ela, e vocês pensaram sobre ela. Mas o problema é que vocês pensaram sobre ela. Vocês podem falar muito bem sobre ela, mas vocês não a viveram completamente. Sei que alguns de vocês deram grandes, grandes passos, mas agora vamos vivê-la – vivendo nesse lugar de absoluta confiança em si.

Isso vai trazer à tona as suas questões. Cada erro que vocês cometeram. Cada vez que seu corpo saiu do equilíbrio, cada momento que vocês se fizeram de bobos e tiveram vidas infelizes e coisas ruins – isso vai trazer essas questões à tona. Como podem confiar em si mesmos, se cometeram todos esses erros? Ah! Definam erro. Definam erro.

Então, vou encorajá-los a, constantemente, voltarem a confiar. Sem controle. O capitão de um navio controla o navio, mas vocês, como capitães de seu próprio destino, não precisam de controle. Vocês vão se concentrar em ser o sonhador, o criador, o ser de imaginação e deixar o restante das partes fazer o que tiver que fazer pra apoiar isso. Não precisa de muita estrutura. Precisa de coração. Precisa de sentimento. Não precisa do cérebro examinando como criar padrões pra obter dinheiro extra na vida. Trata-se de viver com paixão, manifestando-se de um modo muito mais simples – muito, muito, muito mais simples.

Vamos respirar fundo juntos.

[Pausa]


Fatos

Assim, desde que falamos sobre moda antes, David, de que cor é a blusa que estou usando?

DAVID: Azul.

LINDA: Se vamos fazer isso, quer que eu leve o microfone?

ADAMUS: Claro. Claro. Linda vai levar o microfone.

DAVID: Azul.

ADAMUS: Azul, sim. É, sim. E, para Gabriella, onde você está agora?

GABRIELLA: Aqui.

ADAMUS: Aqui. Onde é aqui?

GABRIELLA: Aqui no meu Agora.

ADAMUS: Como chamam este lugar?

GABRIELLA: Ah, Cold Creek Canyon.

ADAMUS: Cold Creek Canyon, com certeza. E, Elizabeth... [para Linda] Corra, corra, corra. [Muitas risadas]

LINDA: Seja gentil. Tem mais de uma Elizabeth.

ADAMUS: Que tipo de carro você dirige?

ELIZABETH: BMW.

ADAMUS: B-M-... ótimo!

ELIZABETH: Obrigada.

ADAMUS: BMW. Bom, estes são três fatos que não são verdadeiros de modo algum – não são verdadeiros.

Agora, em parte, são verdadeiros, mas muito não é. Este é o próximo passo que daremos. E vai exigir sua confiança, o que justifica eu ter acabado de falar de confiança. E vai exigir uma conexão com seu Pakauwah para se tornarem interdimensionais e começarem a entender que nada mais é um fato. Nada.

A condição humana gosta de focar o fato, gosta de se ancorar no fato. E dizer: “É assim que isso é.” A mente adora isso. Na verdade, vocês e as outras partes de seu ser gostam um bocado disso.

Fato. O fato lhes dá o que vocês acham que é clareza, mas que, na realidade, são limitações. Vocês dizem: “É fato: o sol vai nascer amanhã.” Talvez não. Alguns de vocês realmente, brilhantemente, pensaram, antes, quando cheguei e fiz minha introdução... vocês pensaram: “Humm, Adamus disse que era domingo, 8 de novembro.” Sei lá de que ano eu disse. Realmente é um fato, em algum lugar. Em algum lugar, para alguns Shaumbra que estão escutando. E não é um fato, porque é uma informação incompleta. Incompleta.

Uma das maiores transições da Velha Energia para a Nova é que o que era fato não é mais. Vai ser difícil lidar com isso, a menos que vocês confiem em si mesmos, a menos que vocês trabalhem com o gerenciamento de sua própria energia – como se conectar com algo tão simples como um Pakauwah. Bem, é apenas um aspecto animal imaginário – ou real – de si mesmos.

Assim, o fato sai porta afora, e vocês vão se deparar com isso repetidamente, o que vai desafiar sua mente e vocês vão dizer: “Mas isso é um fato.” Este chão é de madeira. Será? Em parte, é verdade. Uma parte de tudo é verdade, mesmo que seja uma completa mentira. E sua mente vai começar a dizer: “Mas, mas...” Ah, é uma boa hora pra se respirar fundo.

A mente de vocês foi programada dentro de padrões e estruturas e certos sistemas de crenças. Se vocês pudessem pegar este modelo do desenvolvimento da mente e a intensidade e a crença por trás dele e aplicá-lo a si e sua alma, seria fenomenal – desde que implantassem algo no processo que dissesse: “Em determinada altura, vou me permitir expandir para além desse intenso sistema de crenças.” A mente é um sistema de crenças – muito intenso, muito real. Um trabalho brilhante. A mente é tão inteligente que criou um aspecto brilhante de si mesma que acredita em si, que confia em si e que, realmente, pode se fechar para tudo mais para ver apenas a si.

Mas vocês não acham que, nesse brilhantismo de criação da mente, vocês deveriam ter criado um pequeno gatilho, um pequeno dispositivo que, então, a liberasse de si mesma? Não acham que deveriam ter feito isso?

Vocês fizeram. Vocês fizeram isso. Há um gatilho lá. Existe um mecanismo, por assim dizer, nos próprios padrões da mente – um pequeno botão, digamos – e é esse pequeno botão que libera a mente de si mesma. Mas adivinhem? Vocês foram brilhantes o suficiente pra criar esse mecanismo que permite que vocês explodam para além da mente – e eu digo explodam porque é isso que vai acontecer. Há muita energia amarrada no intelecto, na mente. Vai explodir quando vocês abrirem isso.

Mas ao mesmo tempo em que vocês foram espertos na criação desse mecanismo, desse mecanismo de liberação, a mente, que é realmente inteligente porque vocês a criaram, disse: “Nunca toquem nesse botão!” [Risadas]

Então, temos um paradoxo interessante aqui. Vocês sabem que está lá. Vocês sentem. Vocês sabem que a liberação dos sistemas de crenças e das estruturas está lá, mas vocês postaram um guarda no portão e lhe disseram pra não acreditar em nenhuma bobagem que vocês dissessem, não importa o que fosse. Assim, se vocês aparecerem no portão do guarda – dos guardas, tem um exército inteiro guardando o portão –, aparecerem e disserem: “Ei, olá, sou eu. Tá na hora de ir”, eles não vão acreditar em vocês.

É um jogo brilhante, mas quem é o Deus? Os guardas? Não... não, não os guardas. Vocês são. Vocês são o Deus. Vocês são os criadores. Vocês são aqueles que podem escolher sua própria realidade. Vocês podem escolher o que quiserem. Vocês podem sobrepor qualquer programação, qualquer gravação, qualquer sistema de crenças, qualquer condicionamento, simplesmente, respirando e confiando em si mesmos. Respirar é fácil; confiar em si é muito difícil – dificílimo – ou não. Ou não.

Enquanto vocês continuam se aventurando na Nova Energia, e há um tremendo suporte aqui pra todos vocês, mas enquanto continuam, vocês vão descobrir que não existe mais fato. Tudo que vocês conheciam sobre física, ciência, medicina, arquitetura, engenharia e televisão – qualquer coisa – não existe mais, porque vocês só veem um aspecto ou um potencial do que quer que seja e existe muito mais. Muito mais.

Esta blusa pode parecer azul pra vocês, mas realmente, nas outras esferas... os olhos que olham para isto nas outras esferas veem algo totalmente diferente. Ou não veem cores, como definidas na natureza física humana, ou vão ver este azul mais como tons de amarelo e, possivelmente, verde, dependendo de onde eles estejam e o que estejam fazendo. Eles não veem cores nas outras esferas – não como vocês veem – então, isto é azul? Perguntem a um anjo. Eles dirão: “Não mesmo.” Provavelmente, é laranja. Quem sabe? E, além disso, é difícil pra eles ver, porque eles consideram os padrões energéticos. Eles não veem a realidade física.

Estou o mais perto que um anjo consegue chegar de estar e ver na natureza física, porque Cauldre permitiu que os olhos ficassem abertos. Então, agora, ainda posso ver as energias de vocês, mas também vejo estes rostos bonitos.

Assim, todos os fatos vão começar a desaparecer. O intelecto vai começar a se dissolver, e vocês vão se sentir desesperados e estúpidos, às vezes. Vocês vão perder compromissos. [Risadas] Vocês vão esquecer nomes. E alguém vai dizer – e vocês, na hora, vão acreditar – que vocês estão ficando velhos, ou que estão passando muito tempo nesse tal culto do qual fazem parte, ou seja lá o que for. E, temporariamente, vocês vão acreditar, principalmente, na parte de estarem ficando velhos. Mas vocês não estão. E não saiam correndo pra comprar um punhado de remédios, vitaminas e tudo mais pra combater isso, porque seu corpo já sabe como lidar com tudo isso se vocês simplesmente deixarem. Se vocês deixarem.

Então, todos os fatos vão começar a mudar e vocês vão ficar muito desorientados. Tudo vai começar a desaparecer. Sim, vocês ainda vão dirigir um carro porque uma parte de vocês tem discernimento pra saber quando não perder a memória de como dirigir um carro. [Risadas] Vocês vão perder outras coisas primeiro.

Os fatos vão começar a mudar e vocês vão perceber que o mundo ao redor é construído em cima de fatos que não são, necessariamente, verdadeiros. Embora pareça exótico e atraente, será muito assustador, às vezes, porque o mundo que vocês conhecem vai se dissolver.

O que vai aparecer no lugar falaremos depois, mas compreendam que vocês são brilhantes o suficiente para não caírem no nada. Vocês estão criando algo muito novo, embora possa parecer um nada por um breve período de tempo.

O fato vai embora. O fato vai embora. As leis de Newton, unanimemente aceitas, saem porta afora, e, talvez, seja algo muito justo. Mesmo Newton disse que isso era uma condição temporária, essa coisa toda de causa e efeito e gravidade e todas essas outras teorias. Ele disse: “Mas isso é apenas um potencial, um que optamos por escolher e vivenciar juntos, mas é apenas um.” E isso começa a sair porta afora.

Estão se sentindo um pouco confusos ultimamente? Estão se sentindo um pouco desconectados ultimamente, não necessariamente de si mesmos, mas de outras coisas? Porque os fatos vão mudar.

Vocês leem sobre os fatos nos jornais. Aquilo não são fatos; são sistemas de crenças limitados. Sério. Sério. Vocês leem sobre os fatos nos livros e os absorvem de maneira hipnótica como se eles fossem o caminho: “Isso é fato. Estava escrito bem lá no livro.” Eu escrevi livros que são totalmente irreais, mas isso não os torna falsos. É, simplesmente, uma perspectiva diferente, e as perspectivas vão mudar agora.

Sendo assim, vamos respirar fundo. Seu Pakauwah e sua confiança em si vão ajudá-los a se ajustar ao fato de que os fatos não são mais fatos. [Risadas]


Confiança

Prosseguindo... Estamos reservando nosso tempo aqui pra vocês, embora o tempo... não seja um fato mesmo. Ele serve a vocês até certo ponto... até certo ponto. Ele ajuda a manter as coisas meio estáveis, mas vocês são viajantes do tempo. Vocês estão realmente fazendo isso bem agora. Bem agora vocês estão fazendo isso. Esse sistema de comunicação estava fechado, então, vocês pensam que só estão aqui. Vocês viajam pra trás e pra frente. O Pakauwah que vai entrar em seu corpo também está, enquanto vocês se encontram aqui, saindo e viajando no tempo. É uma coisa fantástica. A viagem no tempo é, às vezes, mais divertida do que qualquer experiência humana, exceto por algumas em que consigo pensar. Mas a viagem no tempo... ah, vamos fazer isso numa de nossas aulas. Quero continuar com nossa conversa de hoje.

Assim, vamos respirar fundo e entender que vocês podem confiar em si mesmos, de todo jeito – de todo jeito. Vocês dizem as palavras: “Eu sou Deus também.” Quando vocês vão vivê-las? “Eu sou Deus também” significa confiar em tudo. O aspecto humano tem certas expectativas e as coisas nem sempre funcionam do modo como o Sr. ou a Sra. Humano pensam que vão funcionar. Mas elas vão funcionar. Isso é confiança. Isso é confiança.

É interessante, se vocês não tiverem confiança em si mesmos, o que terão? Existências confiando nos outros? Existências duvidando de si? Se vocês não têm confiança em si mesmos, eu afirmo que vocês não existem. Vocês realmente não existem. Vocês colocam sua energia em todo o resto de modo que vocês não existem, o que não significa que estejam mortos. Vocês simplesmente não existem.


O Futuro e o Destino


Assim, hoje, vamos fazer uma jornada juntos. Em nossa última sessão, voltamos ao passado e abrimos portas. Abrimos as portas do passado e, às vezes, vocês ficam esperando essa grande troca de energia, vocês esperam relâmpagos e tudo mais. Às vezes, as mudanças são tão lindas e o que aparecem são níveis e níveis sutis fora de alcance do seu sistema de comunicação atual que vocês não percebem o que realmente está acontecendo. Mas está acontecendo.

Então, quando no mês passado, vocês abriram as portas e permitiram que os potenciais do passado viessem visitá-los neste momento do Agora, eu afirmo que vocês permitiram receber metade de seu eu Deus ao permitirem esses potenciais. Vocês vivenciaram determinadas coisas no passado – foram despedidos de um emprego, por exemplo, o que é uma coisa boa. Tobias mencionou isso e eu vou reforçar. Mais cedo ou mais tarde, queridos amigos, vocês vão ter que sair dessa grade de consciência de massa pesada de escravidão – e falo abertamente. É a escravidão dos dias modernos. Por favor. Por favor, dizem que vocês são livres, mas não são. Vocês sabem disso. Dizem: “Ah, vocês podem fazer o que quiserem.” Tentem fazer só uma vez. Vocês não são livres. É escravidão e também vamos jogar com isso. Vamos superar isso.

Vocês vão acabar trabalhando pra si mesmos ou, pelo menos, fazendo algo que vocês absolutamente amem fazer. Mas se ainda estão nesse emprego e nesse ciclo... Não posso nem acreditar que isso ainda exista na Terra hoje, e ainda vai piorar. O sistema de escravidão por hora, de trabalhar pra outra pessoa, trabalhar pro ‘seu fulano’, trabalhar por um salário e ficar sentado... Meu Deus, vocês que se sentam num cubículo, levem na segunda-feira uma marreta e derrubem tudo. [Risadas] E, depois, arranjem um bom advogado e, no tribunal, digam: “É desumano colocar alguém num cubículo.” Daí, entrem com um processo que, provavelmente, vocês ganharão dinheiro. Ou isso ou, ao menos, vão se divertir nesse ínterim. Mas está tudo errado. Está tudo errado.

Assim, fomos ao passado. Abrimos os potenciais – aqueles que nunca se concretizaram, mas que ainda estão lá. A energia deles está lá, o potencial está lá, o amor deles está lá. É um aspecto com o qual vocês nunca se comunicaram, então, nós o trouxemos pra cá.

Hoje, vamos para o futuro... para o futuro. Levantando uma questão interessante antes de irmos. O futuro está predestinado? Não. Fazendo uma pesquisa entre os humanos da Terra, para cerca de 99,7% deles, o futuro certamente está predestinado. Eles permitem isso. Eles escolhem isso. Então, se olharem de nossa perspectiva, eles seguem um padrão de destino.

Agora, o destino é uma coisa autodestinável, de certa forma, porque, em algum momento, esses humanos escolhem isso. Mas eles permitiram que outras pessoas controlassem suas vidas. Permitiram que seus aspectos controlassem suas vidas. Eles desistiram. Só não deixaram de controlar a si mesmos – pois são seres altamente controladores de si mesmos –, mas quanto ao resto, desistiram. Eles se entregaram. Dessa maneira, têm vidas predestinadas. Seguem o caminho cármico e permitem que isso aconteça. Dizem: “É meu carma.” Mesmo que não usem a palavra carma.

Eles acreditam na progressão linear da alma, e seguem isso. De maneira estúpida, seguindo esse caminho estreito, como se tivessem que fazer isso, como se Deus os obrigasse a fazer isso, como se não tivessem outra opção. Eles também acreditam no destino da consciência de massa, que é muito, muito estúpida, muito pesada; é difícil sair dessa matriz, dessa grade – ou não. Pode ser tão fácil quanto fazer uma escolha, mas, daí, sua vida vai mudar. A maioria dos humanos realmente não quer isso. E não estou sendo crítico, estou sendo observador. Vocês não gostam? Eu não julgo, apenas observo. [Risadas; Adamus também ri.]

Eles também levam uma vida baseada no destino, se tiverem sistemas de crenças muito rígidos, particularmente sistemas de crenças religiosos, espirituais. Isso cria um destino. Eles acreditam que aqui é o caminho para o céu e para o inferno e que essas são as duas direções existentes. Isso é destino. Um destino com duas escolhas, mas essas são as únicas escolhas que dão para si mesmos.

Assim, a maior parte dos humanos vive de destino e, na verdade, a maior parte deles acredita em destino. Eles acreditam num Deus todo prepotente que escolhe o destino deles por eles e lhes diz o que vai acontecer. E eles não se incomodam... vejam bem, por mais que a mente possa ser limitada, não é preciso uma mente muito astuta pra parar e pensar: “Bem, o Espírito se importa com o quê? Por que o Espírito iria querer que eu fizesse todo esse negócio? Pra quê? Tenho que provar o quê? Pra quem?” Por mais que a lógica esteja mudando, isso não é lógico. Isso não faz nenhum sentido. Mas a programação, a hipnose, as camadas são tão rígidas que pegam, por outro lado, homens e mulheres brilhantes e os deixam estúpidos, muito estúpidos.

É isso... a maioria dos humanos vive nas mãos do destino, mas não precisava viver. Não precisava ser assim. Eles são como um peixe fora d’água. Ah, vocês sabem como é viver sem destino. Anteriormente, vocês passaram por uma experiência quando disseram: “Seus guias se foram. Não existem mais regras. Seus contratos terminaram.” Isso não é destino? Não foi um pouco divertido por um tempinho, mas depois caducou? É um destino autoimposto. Mas, no final das contas, não existe nenhum destino mesmo. Mas, quando vocês vivem debaixo do telhado do destino, na verdade, fica um pouco mais confortável passado algum tempo. Fica fácil depois de um tempo, e vocês se sentem nus, expostos e vulneráveis, muito vulneráveis, quando ficam sem destino. Mas não existe nenhum mesmo. Verdadeiramente, não existe.

Então, o que está lá no futuro, para onde vamos em nossa jornada daqui a pouco? E, de fato, nós vamos mesmo fazer uma viagem até lá. E não vamos! [Risadas] Nada mais é fato. Muito fluido – muito, muito fluido – e isso é uma coisa boa.


Potenciais

Então, o que está lá? [A plateia responde: “Energia... Potencial.”] Potenciais. Potenciais. Com certeza. Com certeza.

Existe um campo de potenciais em frente de cada um de vocês, que é muito limitado realmente. Esse campo de potenciais surgiu ou foi criado pelo que aconteceu antes. Sempre que acontece uma ação bem aqui, ela cria um potencial lá adiante. Tudo que vocês vivenciam hoje cria uma nova bolha de potencial no seu futuro. E é assim que deve ser.

Os potenciais possibilitam que vocês façam uma série de escolhas, e, então, sigam a vida optando por um potencial. E, geralmente, vocês escolhem aquele que tem o efeito energético mais forte sobre vocês – não necessariamente o melhor pra vocês, mas o mais atraente. Os potenciais mais atraentes são os que vocês vão escolher. Quase sempre, eles não têm lógica. Quase sempre, eles trabalham noutras áreas de vocês. São muito, muito atraentes e, então, vocês ficam pensando que fizeram uma boa escolha. É apenas sedução.

Daí, vocês nem sempre escolhem o que realmente querem. Sei que parece contradição, mas vocês nem sempre escolhem o que realmente querem; vocês escolhem o que os seduz. E vocês dizem: “Bem, não é isso que eu quero?” Bom, sim, mas de um jeito distorcido, deformado, na pequenez da humanidade. Mas somos anjos maduros agora. [Risadas] Vamos além disso. [Linda faz uma cara engraçada e Adamus se vira pra ela, rindo.] Você ajudou a criar este conteúdo, não me olhe assim. [Mais risadas] Trabalhamos nisso a semana inteira, então... Eu sempre consulto Cauldre e Linda com antecedência, do meu próprio jeito, pra assegurar que eu nunca vá além da zona de conforto deles.

LINDA: Fica bem no limite.

ADAMUS: Eu vou até o limite, mas nunca ultrapasso pro outro lado. [Risadas]

Assim, lá no futuro, para onde vamos daqui a pouco, visitaremos os potenciais. Vamos senti-los. Não vamos pensar neles. Não vamos colocá-los numa planilha do Excel, como alguns de vocês estão inclinados a fazer. Vamos sentir as energias desses potenciais.

Mas até agora os potenciais que vocês sentiram, os potenciais de que vocês têm consciência que estão lá são aqueles que foram criados pelo passado, na maioria, por experiência passada. Esses potenciais envolvem uma ampla variedade de escolhas. Em outras palavras, vocês não estão limitados nas escolhas desses potenciais, mas as dinâmicas deles eram Velha Energia e têm como base o passado. E, portanto, às vezes, vocês sentem como se estivessem presos, desnorteados. Vocês sentem como se estivessem enfeitiçados por algum destino, quer seja o seu, o da sua alma ou o de outra pessoa, e vocês se sentem frustrados, porque tudo tem como base o passado.

Então, neste exato momento, podemos ver além deles, porque existem outros; vocês simplesmente não os viram. A rede de comunicação não os trouxe para cá. Existem potenciais que repousam além do efeito de seu passado.

Respirem fundo e não pensem sobre isso, mas levem em consideração. Sintam. Seus potenciais – aqueles de que vocês estão conscientes – têm como base o seu passado ou o passado de seus aspectos.

Os que nós vamos abrir não têm nada a ver com o seu passado, nada a ver com o seu carma, nada a ver com quem vocês eram dez minutos atrás, quem vocês eram uma existência atrás. Estes são novos. Não vão parecer como se fossem seus de início, porque eles não contêm a essência de sua condição humana, de quem vocês foram, daquele com quem vocês se identificam. Estes são tão novos que vocês podem achar, por um instante, que estão fazendo errado, que estão induzindo isso. Vocês dizem: “Bem, o que eu devo sentir?” Vocês estão acostumados a sentir uma sedução. Vocês estão acostumados a sentir poder. Vocês estão acostumados a sentir energias opostas. Estes novos potenciais não contêm nada disso. Eles contêm a sua essência mais profunda, mas são irrestritos e ilimitados, sem base no passado.

Queridos Shaumbra, isto é a Nova Energia. Vocês dizem: “Eles sempre estiveram lá?” Com certeza. Num estado de dormência. Estavam adormecidos. Mesmo antes de hoje, se tivessem ido buscá-los, vocês nunca os teriam encontrado, porque estariam procurando outra coisa. Vocês buscavam algo com outros atributos, e vocês sempre os atraíam pela sedução – sua própria sedução.


Visitando o Futuro

Sendo assim, hoje, quer escolham manter os olhos abertos ou fechados, vamos respirar fundo...

[Pausa]

E vamos fazer nossa jornada juntos para o futuro. O futuro não aconteceu ainda. Os potenciais dele estão lá. O futuro não foi escrito. É por isso que os psíquicos, os videntes e os profetas acabam errando na maioria das vezes. Por quê? Por quê? Por quê? Porque são seduzidos antes mesmo de chegarem à verdade. Bem, a sedução é uma forma de verdade, mas eles se desviam do caminho.

Então, vamos agora. Vamos fazer essa jornada. Vamos seguir juntos por um corredor como fizemos em nosso último encontro. Vamos andar por um lindo corredor em direção ao futuro. Mas, enquanto caminhamos nesse corredor, deixem o fato de existir um corredor se dissolver. Deixem o chão se dissolver, as paredes se dissolverem, as portas se dissolverem.

Vamos caminhar aí, simplesmente sem andar para a luz nem para a escuridão; vamos caminhar para dentro de nós mesmos. Caminhem para dentro de si mesmos. Andem em direção a todos os potenciais que estavam aí – os potenciais que foram criados pelo passado. Eles ainda estão aí, vamos passar por eles.

Estamos passando por um holograma multidimensional, que contém tudo e não contém nada. Ele contém tudo que pode ser, bem como nada em si.

Continuem caminhando e, agora, liberem mesmo esse caminhar. Não precisam caminhar. O Eu Sou o que Sou está bem aí.

[Pausa]

E vamos ultrapassar os potenciais óbvios que foram criados a partir dos eventos de ontem e entrar nos potenciais que representam mais o seu eu inteiro, mais o seu eu verdadeiro, mais o seu eu divino...

Potenciais que, até agora, não foram visto, conhecidos nem sentidos, mas estão aqui...

Potenciais do futuro que podem ser nitidamente muito diferentes ou muito simples...

Potenciais que dissolvem toda a crença, toda a lógica, todos os fatos...

Liberando a estrutura de energia de volta para uma energia que atenda sua nova consciência, qualquer que seja, mas não uma consciência baseada no ontem.

Quando andamos em direção a esse potencial – a esses potenciais além da velha grade e dos velhos sistemas de crenças –, não há sedução. Não há fundamento para a sedução em seus potenciais da Nova Energia.

Não existe tal coisa como a morte. Não existe tal coisa como ter que viver. Apenas é.

Esses potenciais não têm que resolver problemas nem consertar questões, nem mudar coisa alguma, porque esses novos potenciais não possuem antigos desequilíbrios. São novos em folha. São frutos novos de sua alegria e paixão, e estão aqui.

O que fazemos bem agora é não escolher, não tentar puxá-los. Estabelecemos uma conexão. Comunicação.

Estamos expandindo nossa consciência bem agora. Não é hora de entrar na atividade mental, nem de tentar dizer: “É assim que quero estruturar minha vida.” É o momento de sentir dentro de si, de sentir os potenciais irrestritos, desequilibrados ou, em outras palavras, os potenciais que não têm um equilíbrio prévio ou uma forma para eles, mas, sim, que são puros, potenciais puros, puros.

E vocês não precisam fazer nada além de senti-los.

Vocês podem senti-los através do olfato. Podem senti-los por meio do tato, mesmo com a audição e com o paladar. Mas, mais que tudo, apenas estejam lá, confiando em si mesmos.

[Pausa]

Trabalhando algumas vezes com seu Pakauwah, trabalhando desta forma outras vezes, saiam ao encontro do seu potencial. Não é uma grade nem um campo para a humanidade ou toda a criação; é de vocês. São seus potenciais. Eles estão lá.

Bem agora, ao expandir a consciência, vamos destrancar, ativar, abrir esses potenciais em sua vida.

[Pausa]

Do modo mais belo e mais fluente, eles começam a vir para o presente, para esta realidade, para seu Ponto de Presença, seu Ponto de Escolha, seu Ponto de Realização.

Respirem fundo. Sintam-se na sala.

No final de nossa conversa de hoje, vou pedir à Andrah que faça uma respiração extra e vou pedir que toquem uma música alegre pra realmente firmar isso. Quando expandimos dessa maneira, abrimos alguns sistemas, algumas redes e algumas partes de nós que precisam disso.

Antes de ir embora hoje, vou pedir-lhes que continuem trabalhando com seu Pakauwah. É um meio de entenderem como gerenciar sua energia. Lembrem-se que ele não tem que se comportar dentro dos padrões ditados pela mente. Ele muda, ele se transforma, ele troca de forma, ele parece diferente. O modo como seu Pakauwah parecia ontem pode não ser o modo como ele parece hoje. Ele muda.

Quando vocês se confrontarem com questões relacionadas a fatos, e os fatos parecem estar mudando, é hora de confiarem em si mesmos. Uma parte de vocês – e um monte de gente – vai tentar enquadrá-los novamente numa estrutura ou num padrão. Mas esse é o momento de confiarem em si mesmos, porque os fatos não são mais a única realidade. Eles se tornam muito multidimensionais.

Assim, vai ser muito fácil querer correr de volta para o conforto de um fato estabelecido – de uma vida definida. Mas confiem em si mesmos. Confiem em si para se aventurarem por esses novos territórios. É pra isso que estamos aqui. É por isso que fico tão orgulhoso quando falo com meu colegas e amigos nas outras esferas. Este é um grupo que está disposto a tentar, que está disposto a adentrar em território novo.


Uma Experiência de Grupo

Mais uma coisa antes de eu ir embora. Eu gostaria de trabalhar com todos vocês. Temos trabalhado de maneira intensa em pequenos grupos, às vezes, grupos maiores, em nosso estado de sonho. O estado de sonho é um estado real. Vocês vivenciaram isso, alguns de vocês, ultimamente. Vocês acordaram e o sonho era mais real do que o próprio quarto. O sonho tinha mais vida do que isto. Pode parecer um pouco deprimente de vez em quando, porque vocês dizem: “Quero voltar pro sonho.” Mas estamos trazendo tudo isso junto.

Bem, temos trabalhado juntos em pequenos grupos, grupos um pouco maiores, mas agora eu gostaria de trabalhar com todos os Shaumbra num evento único em sonho. E esse será o primeiro de muitos, eu espero – muitos que vocês podem organizar e fazer por conta própria.

Na noite de... e lembrem-se, fato não é mais fato, mas vocês sempre podem escolher uma faceta a ser vivenciada... na noite, digamos, de 11 de novembro, porque vocês acham que essa é uma data bem misteriosa... 11-11... 11-11-11. Não há nada... há... sim, há... tenho que parar.. Existem algumas coisas interessantes que são significantes sobre essa data, por causa desse alinhamento de números. O que quer dizer é que a energia se move através desses números e da matemática de um modo diferente de quando eles não estão alinhados. Mas, afinal de contas, números não são mais fatos também.

Vocês sabiam que para cada número existem múltiplas contrapartes desse mesmo número? Dois – não é apenas dois. Dois tem dimensões pra cima e pra baixo, e alguns dos místicos e dos antigos entendiam isso e eles riem, mesmo hoje em dia, quando veem humanos definindo dois como dois. É parte de dois, mas dois tem um dois negativo, um dois positivo, um dois lateral, um dois infinito, um dois limitado e assim por diante com todos os potenciais. Entendam, nada é como vocês achavam que era. Existe mais. Muito mais.

Então, no 11-11, porque parece bom pra todo mundo... seus amigos metafísicos dizem: “Faremos um experimento no 11-11.” Uau, uau... [A plateia responde com uuh-uuhh, aahh e risadas.] E, então, vocês vão escrever um livro e chamá-lo de “O Experimento 11-11”. E venderá muito bem, por falar nisso!

Bom, eis o que vamos fazer, se estiverem dispostos a participar... Tudo que precisam fazer é uma escolha interior; nós ouviremos. Vamos nos reunir nessa noite, não importa em que fuso horário vocês estejam, não importa que hora será. Mas, quando forem dormir nessa noite, vamos ter juntos um sonho em grupo.

Não quero falar muito sobre isso, mas todos estaremos reunidos. Teremos a mesma experiência e teremos muitas experiências diferentes. Haverá um tema básico. Terá começo, meio e fim. Terá a história do nosso sonho e histórias dentro da história. E vocês serão os participantes e terão sua própria experiência, mas ainda assim terão também a experiência de grupo simultaneamente. Então, vocês terão dois sonhos que parecem ser um e, na verdade, muito mais do que dois, mas não vamos falar disso agora. Vocês terão a porção de grupo desse sonho e sua porção individual.

Por favor, por favor, deixem papel e lápis ou caneta ou qualquer dispositivo eletrônico – aquela agenda eletrônica de vocês – ao lado da cama. E façam isso hoje à noite ou amanhã à noite. Não esperem até o último minuto, porque, daí, vocês vão adormecer e se esquecerão. Deixem o que for ao lado da cama e quando acordarem no meio da noite ou de manhã, a primeira coisa a fazer é parar e respirar fundo, e, antes de qualquer coisa, comecem a escrever. Agora, vocês podem estar apertados pra fazer xixi, mas resistam. [Risadas] Resistam ou improvisem de alguma forma, mas escrevam. Escrevam. Escrevam o sonho.

Agora, não estamos atrás de anotações com centenas de páginas. Escrevam os sentimentos importantes, as imagens importantes e mais que tudo, digamos, a resposta que vocês darão para a pergunta que for feita.

LINDA: Humm, terá uma pergunta.

ADAMUS: Eu não disse que terá uma pergunta. [Risadas] Eu disse pra escreverem a resposta para a pergunta, que pode ou não ser feita, mas vocês terão uma resposta. Nada é como era.

Então, vamos pedir à brilhante e adorada equipe que trabalha duro no Círculo Carmesim pra criar um lugar comum em que vocês possam deixar essas... deixar essas impressões. Não precisa ser nada elaborado. Não é um concurso de redação. Vamos mostrar algumas coisas muito especiais a partir disso. Pode ser um quadro de avisos montado com esse propósito. Pode ser qualquer outro artifício, mas que sirva pra reunir essas informações.

E, depois, vamos falar sobre isso de vez em quando. Com certeza, no nosso próximo encontro, vamos passar alguns insights e algumas informações. Isso vai ajudá-los a entender o que está acontecendo. Irá ajudá-los a entender um pouco mais sobre a compreensão dos sonhos na Nova Energia. A propósito, não quero dizer simbolismo dos sonhos, porque isso já era. Os sonhos são muito diferentes pra vocês agora.

Assim, vocês vão observar coisas comuns e coisas incomuns. Vocês vão ter a parte de grupo de seu entendimento e a individual. 11-11. O grande Experimento de Sonhos dos Shaumbra no 11-11 está a caminho. Então, por favor, participem. Irá nos ajudar a entender realmente o que está acontecendo aqui e agora.

Vamos respirar fundo. Tem sido uma honra e um prazer estar aqui com vocês. Faremos um pouco de respiração daqui a pouquinho. Agradeço sua energia, sua paciência, e também por fazerem parte desta experiência fenomenal enquanto nos aventuramos para a Nova Energia.

E, falando nisso, cuidado quando dizem: “Ah, querido Adamus...” ou não tão querido Adamus... Cuidado quando dizem: “Podíamos ir bem, bem, bem depressa.” [Risadas] Porque vocês precisam entender que vocês estão indo bem, bem, bem depressa. Mas não precisamos de atropelamentos. Não precisamos que as coisas desmoronem. Estamos indo rápido.

Sei que alguns de vocês, às vezes, ficam pedindo: “Seja mais exigente comigo. Não me poupe. Pode pegar pesado, pode me cobrar.” Mas vocês não precisam mais disso.

Então, com isso, queridos, um lembrete, um lembrete a todos: Tudo está bem em todo o seu universo e, portanto, eu posso ser Adamus.

Divirtam-se.
[Adamus se retira e Norma/Andrah inicia a respiração.]
 
 
Respirando com Andrah

ANDRAH: Este convite é para cada um de vocês. Para você, neste momento. Escolha receber, participar, jogar, dançar além.

Esta respiração, esta respiração, agora mesmo, pode conduzir essa energia expandida mais e mais fundo em seu âmago. Está disposto a receber esse presente que é pra você? Respire, respire esse presente que flui suavemente. Deixe-o fluir, fluir, delicadamente, entrando pelo nariz, descendo cada vez mais fundo, se fundindo no peito, aliviando o estresse, fluindo cada vez mais fundo, descendo pelas costelas, chegando ao âmago de seu ventre e a um brilhante, um brilhante mar de amor, um mar de amor que é a doce, doce alma de seu ser.

Respire. Respire somente para si, descendo dentro de si. Está disposto a se sentar no mar de amor que vive em seu âmago? Sente-se, acomode-se nessa grande banheira repleta de um líquido morno, morno que envolve você, ama você, abraça você de maneira segura enquanto você respira neste espaço.

Cada respiração faz um carinho em você. Sinta essa respiração acariciando, acariciando você tão suavemente... convidando lentamente, lentamente, a sua energia para desacelerar, desacelerar, pois nessa lentidão, nessa imobilidade, cada gota desse amor líquido pode acarinhá-lo como nunca antes.

Respire bem profundamente nesse lindo mar de compaixão que vive dentro de você. Permita-se ficar nesse espaço, lembrando que ele é o lar, o lar para esse caso de amor entre você e você mesmo. Sim. Respire bem fundo agora. Respire bem fundo agora.


Tradução para o Português:  Inês Fernandes        mariainesfernandes@globo.com

 

Tobias do Conselho Carmesim é apresentado por Geoffrey Hoppe, com o pseudônimo de "Cauldre", Golden, Colorado. A história de Tobias, do bíblico Livro de Tobit, pode ser encontrada no web site do Círculo Carmesim: www.crimsoncircle.com. O Material do Tobias é oferecido gratuitamente aos Trabalhadores da Luz e Shaumbra de todo o mundo desde agosto de 1999, época em que Tobias disse que a humanidade tinha ultrapassado o potencial de destruição e entrado na Nova Energia.

O Círculo Carmesim representa uma rede mundial de anjos humanos que estão entre os primeiros a fazer a transição para a Nova Energia. Enquanto eles vivenciam as alegrias e os desafios do status da ascensão, ajudam outros humanos em suas jornadas, compartilhando informações, atendendo e orientando. Mais de 50.000 visitantes vão ao web site do Círculo Carmesim todos os meses ler os últimos materiais e discutir suas próprias experiências.

Os encontros do Círculo Carmesim acontecem mensalmente em Denver, Colorado, onde Tobias apresenta as informações mais recentes através de Geoffrey Hoppe. Tobias declara que ele e os outros do Círculo Carmesim celestial estão, na verdade, canalizando os humanos. De acordo com Tobias, eles estão lendo nossas energias e traduzindo nossas próprias informações de volta para nós, de modo que possamos vê-las vindo de fora, enquanto as vivenciamos no nosso interior. O "Shoud" é uma parte da canalização em que Tobias fica de lado e a energia dos humanos é canalizada diretamente por Geoffrey Hoppe.
 
As reuniões do Círculo Carmesim estão abertas ao público. O Círculo Carmesim sobrevive com o amor sincero e a doação dos Shaumbra de todo o mundo.

O objetivo dos que fazem parte do Círculo Carmesim é servir de guias humanos e professores àqueles que seguem o caminho do despertar espiritual interior. Não é uma missão evangélica. Pelo contrário, a luz interior é que guiará as pessoas até você para receberem compaixão e atenção. Você saberá o que fazer e o que ensinar nesse momento, quando vier até você o humano precioso e único, pronto para embarcar na jornada da Ponte de Espadas.

Se você estiver lendo isto e sentir a verdade e a conexão, você é realmente um Shaumbra. Você é um professor e um guia humano. Permita que a semente da divindade cresça dentro de você agora e em todos os momentos que estão por vir. Você nunca está sozinho, porque a família está espalhada por todo o mundo e os anjos estão ao seu redor.

Por favor, distribua este texto livremente numa base não comercial e sem cobrar por ele. Por favor, inclua as informações na íntegra, inclusive com todo este pé de página. Todos os outros usos têm que ser aprovados por escrito por Geoffrey Hoppe, Golden, Colorado. Veja a pagina de contatos no website http://www.crimsoncircle.com/

 © Copyright 2009 Geoffrey Hoppe, P.O. Box 7328, Golden, CO 80403. Todos os direitos reservados.