O Ensino Começa

O MATERIAL DE TOBIAS

Série do Professor: 

SHOUD 1: "O Ensino Começa..." 
Apresentando Tobias, canalizado por Geoffrey Hoppe

Apresentado ao Círculo Carmesim
5 de Agosto de 2006

 



 
E assim é, queridos Shaumbra, que nos reunimos neste espaço, em nossa própria dimensão, nossa energia dos Shaumbra, para começar a próxima série – a Série dos Professores. Um tempo que esperamos, um tempo pelo qual ansiamos, um tempo para o qual vocês todos têm se preparado há muito tempo. Oh, as histórias que vamos contar e as histórias que temos para compartilhar com vocês, algumas agora, outras quando retornarem para cá, outras ainda quando vierem visitar o chalé. Incríveis histórias sobre o que aconteceu com vocês nestes últimos sete anos. Poderiam escrever vários volumes apenas com a sua própria história.

Sabíamos que algo especial ia acontecer na Terra na época que começaram a reunir as suas energias como Shaumbra há sete anos. Não se sabia exatamente como atravessaríamos todo este período de transição. Em geral do nosso lado sentíamos que não haveria nenhuma catástrofe na Terra, que as energias da Terra – particularmente através das preparações feitas por Kryon – tinham ajustado e equilibrado as redes magnéticas sobre a Terra, e na Terra, para aliviar muitas das pressões e tensões acumuladas no seu interior, mas que ainda seria necessário um trabalho disciplinado em nome dos que se chamavam trabalhadores espirituais, daqueles que se chamavam anjos humanos divinos. Um enorme trabalho para dar continuidade à evolução da consciência da humanidade.

No nosso lado havia perguntas sobre se haveria guerras que atrapalhariam todo esse processo de consciência que estava se desenvolvendo, porém não houve. Não houve nenhuma grande guerra. Sabemos que isto sempre parece estar no limite, neste momento até mesmo nas terras do Oriente Médio, parece estar no limite. Porém, sempre há algo que parece impedi-las de ir muito longe, e é a consciência daqueles que estão trabalhando no planeta justamente agora – os movimentadores da energia espiritual, os professores espirituais – para evitar que isto vá longe demais, para permitir que aqueles que estão querendo fazer uma mudança de consciência em suas vidas façam isso sem ficar imobilizado no mesmo lugar. 

Não havia um plano escrito nisto tudo. Nós junto com vocês tivemos nossos sonhos e nossas aspirações de como as coisas poderiam ser. Sabíamos que tínhamos o que considerávamos, do nosso lado e do seu, uma quantidade muito pequena de tempo para trabalhar. Voltando a Agosto de 1999 quando as energias dos Shaumbra se reuniram... mesmo que naquela época vocês ainda não soubessem o que era o Círculo Carmesim, mesmo assim estavam trabalhando com Shaumbra. Mesmo assim estavam trabalhando do seu lado para começar a juntar essas energias enquanto nós estávamos trabalhando no nosso lado.

Em sete anos, vocês fizeram um enorme progresso. Sabíamos que haveria momentos oportunos. Sabíamos que haveria esta coisa chamada Salto Quântico. Mesmo que naqueles dias não soubéssemos a data exata. Não sabíamos quando ocorreria, porem sabíamos que viriam. Havia uma enorme soma de mudança de consciência que teriam que fazer por sua própria conta. E outra vez, nenhum de nós sabia de que modo isso se apresentaria.

Havia – e há – o que vocês chamam de uma outra equipe preparada para entrar. Humanos – que não estão na forma humana neste momento... Estão nos reinos angélicos – esperando para entrar, caso o trabalho se torne muito pesado para vocês, no caso de todo este grupo de Shaumbra decidir deixar esta próxima onda entrar e assumir o comando. Seres Angélicos que se prepararam para chegar e assumir corpos humanos e assumir o comando no ponto onde vocês talvez pudessem parar. Porém, vocês não desistiram. Resistiram. Pouquíssimos Shaumbra, na verdade, se retiraram. Alguns regressaram para o nosso lado porque sentiram que poderiam ser mais úteis aqui. Outros, ao longo do caminho eles, como vocês dizem, caíram fora ou seguiram outras direções, porém a integridade da energia Shaumbra permanece intacta. Mesmo atravessando circunstâncias muito difíceis em suas vidas, vocês permaneceram intactos. Assim, é uma honra, é de fato uma celebração hoje para nós começarmos esta Serie dos Professores.

Se sentirem a energia, há algo diferente neste salão ou de onde quer estejam unido a nós, há uma energia diferente dos outros Shouds que fazemos. Não é somente o começo da Serie dos Professores – um marco para novos inícios – mas, se quiserem parar um momento somente para sentir a energia... se quiserem inspirá-la, senti-la com o corpo, a mente, o espírito e, definitivamente, com gnost... enquanto começamos a Serie dos Professores, já não há mais alimentação acontecendo. Não há mais alimentação.

Ora, havia uma alimentação acontecendo em vários níveis diferentes nas nossas reuniões de Shaumbra anos atrás. Oh, a alimentação era pesada. Vocês vinham aqui sentir a energia e alimentar-se dela. Não que haja algo de errado com isso, pois vocês precisavam disso na época. Precisavam desse reabastecimento e desse rejuvenescimento, e nós estávamos preparados e providenciamos isso. Trouxemos as energias dos nossos convidados, trouxemos as energias de outros reinos, trouxemos as energias de Gaia para que pudessem se rejuvenescer. Para que pudessem fazer sua reserva de energia.

Muitas outras entidades, que vocês não chamariam de Shaumbra, também vinham se alimentar. Entidades do nosso lado do véu que se reuniam ao redor... e com todo o direito a... mas que também se alimentavam da energia desta sala. Tínhamos seres que já não estavam encarnados, que estavam do nosso lado completamente confusos e perdidos. Alguns deles têm um tipo de energia vampiresca – que se alimentam de qualquer coisa – eles entravam no salão também. Energias escuras, como vocês as chamariam, entraram aqui. Algumas vezes puderam senti-las. Algumas vezes puderam sentir o medo, o frio, o vazio e, é claro, sempre achavam que eram vocês. Porém, estes seres entravam aqui para se alimentar porque esse era o equilíbrio ou o quociente de energia durante aquelas reuniões de Shaumbra.

Porém depois do que vocês passaram nestes últimos meses, depois dos Shouds que ajudaram a criar e a liberar, vocês também criaram um tipo diferente de energia nesses Shouds: Sem alimentação. Se notarem hoje, não há entidades externas, não há fantasmas ou até mesmo anjos que estejam tirando energia desta sala. Agora mesmo, enquanto falamos com vocês, vocês não tomam a energia de nós. Simplesmente estão aqui, um Ser soberano, que não tem necessidade de se alimentar, de tomar nada de ninguém. Você é um criador soberano que realmente está edificando a sua própria energia, e realmente aproveitando essa energia para irradiar para todos os outros que encontrarão este material em algum momento no futuro. Estão dando a eles a sua luz, o seu amor, sua energia. Assim, hoje o Shoud é diferente, um tipo diferente de Shoud aqui nesta sala.

Nós passamos para a série dos Professores. Passamos para o verdadeiro trabalho, a razão pela qual vieram aqui para a Terra. Hoje vamos conduzi-los com um pouco mais de calma. Hoje não haverá nenhum convidado direto. Como sempre, há muitos, muitos seres que se unem a nós no terceiro círculo apenas para observar, apenas para ver o que vocês estão fazendo aqui na Terra. Às vezes temos algum convidado específico que agrega o seu equilíbrio de energia, porém hoje queremos que vocês sintam a SUA energia neste Shoud. Não há necessidade de nenhum convidado específico.

Muita coisa tem ocorrido em sua consciência nos últimos dois meses. Nos dois últimos meses, vocês permitiram que tudo acelerasse. Talvez isso não tenha necessariamente se manifestado na sua vida física ainda, porém permitiram que a consciência se acelerasse tão rapidamente para que pudessem começar esta série, para que pudessem começar o trabalho de ensino. Quiseram inclusive começar antes do salto quântico. Alguns de vocês têm se questionado porque não esperamos para começar com todo este ensino, para fazer esta mudança de energia Shaumbra depois ou até mesmo no momento do salto quântico. Porque o Shaumbra como um todo sentiu que era importante fazer isso agora, começar o seu trabalho de ensino, obter experiência como professor agora, para estarem preparados e prontos para lidar com todas as energias que entrarão na hora do salto quântico.

E então preparamos uma energia um pouco diferente para este dia. Sem convidados. Sem discursos longos. Sem desafios. Não vou empurrá-los até o limite, como reconheço que às vezes faço – obviamente não tanto quanto Adamus! Quis primeiro começar esta série com uma discussão sobre os professores. O que é um professor?

Muitos de vocês – todos vocês – têm em mente alguma idéia, algum estereótipo de professor. Professores que tiveram em seus primeiros anos de escola. Professores de escola primária. Professores que tiveram no colégio. Professores que tiveram na universidade. Eles se tornaram o seu exemplo ou seu estereótipo de professor. Também têm tido professores espirituais. Têm ido às suas aulas e participado de seus cursos. Então, vocês têm uma idéia do que é um professor. Têm uma base para isso.

Porém um professor da nova energia é também diferente. Vocês não precisam necessariamente estar diante de uma classe. Não precisam necessariamente estar com um grupo. São professores o tempo todo, todos os dias da sua vida. Mesmo se continuam indo ao mesmo emprego que tiveram durante um determinado período, mesmo que não saiam e se sentem diante de uma classe de humanos, ainda assim estarão ensinando. Ainda assim serão exemplo, ou como diria Saint Germain – um Modelo.

Vão perceber que as pessoas chegam a vocês de maneiras inusitadas. Talvez parando vocês enquanto estão fazendo compras em uma loja. Talvez um colega de trabalho com quem você quase não fala, se aproxime de você um dia e comece a fazer perguntas. Ou um membro da família, particularmente um membro da família do qual esteja afastado há algum tempo, um ex-marido ou esposa, um vizinho que talvez nem sequer saiba seu nome ou sobrenome, de repente começa a se aproximar de vocês. Algumas vezes eles se mostrarão um tanto confusos, sem saber por que estão ali. É aí que o ensino começa.

E o ensino mais que nada não é discurso. O ensino não é agarrar alguém pelo colarinho e fazê-lo se sentar estudar todas as lições que vocês têm ajudado a criar nestes últimos sete anos. O ensino começa com o ouvir. Os ensinamentos começam com uma energia total – que vou chamar – uma varredura completa de energia. Eles estarão dizendo palavras a vocês, porém observem que está ocorrendo muito mais além das palavras. Haverá expressões faciais e linguagem corporal, haverá movimento dos olhos – e estas são as coisas óbvias. Observem tudo que está se passando.

Haverá coisas que eles NÃO vão dizer, porém são tão importantes como as coisas que DIZEM. Observem tudo isto. Depois observem a energia deles. Eu sei que vocês dirão, “Mas eu não sei como ler a energia, eu não vejo cores”. Na verdade isto é uma coisa boa. Simplesmente sintam a energia deles. Este é um momento maravilhoso para gnost, para introduzir gnost. Gnost é o conhecimento criativo. Gnost está além da mente. Este é o momento de ouvir a voz de gnost. O que realmente está acontecendo com esta pessoa, que de repente se aproxima e fala com vocês? Escutem e sintam a sua energia antes que comecem a discursar, antes que comecem a falar com eles.

Depois façam algumas perguntas. Saberão o que perguntar. Pergunte a eles porque se sentem desse jeito. Perguntem se eles já se sentiram desta maneira antes. Perguntem a eles “O que realmente está se passando no seu interior?” Essa é uma das perguntas mais importantes – o que realmente está se passando do lado de dentro.

Vejam só, os humanos que chegam a vocês – os alunos – estarão dizendo uma coisa, porém haverá muitas, muitas outras coisas acontecendo. Os humanos que estarão chegando a vocês como alunos estarão se focando, talvez, em um problema ou em uma situação que é a mais evidente e aparente para eles. Estão buscando uma maneira de aliviar alguma dor por um curto período de tempo, porém geralmente o que estão dizendo não vai coincidir com o que realmente está se passando interiormente. Alguns de vocês que têm feito trabalhos de assessoramento e cura sabem disso. Compreendem que a verdadeira razão pela qual a princípio chegam até vocês não tem nada a ver com a realidade da situação. Assim ultrapassem a superfície, precisamente transcendam as palavras que eles estão dizendo. Ouçam cuidadosamente.

Podem fazer isto também quando estiverem trabalhando com um grupo ou se estiverem em uma situação de aula. Ouçam cuidadosamente. O que vai acontecer aqui, conforme fazem uma conexão com eles de humano para humano... estarão ouvindo suas palavras e observando seus movimentos de corpo e suas ações, porém conforme vocês estiverem trabalhando com a energia gnost e estiverem ouvindo a sua voz em todos os níveis, vão começar a ouvi-los em todos os níveis também.

É uma experiência maravilhosa e interessante. Vocês avançarão além da mente deles e começarão a sentir o coração deles. Vão começar a sentir seu passado, inclusive as suas vidas passadas. Vão literalmente ser capazes de começar a se conectar com a gnost deles, ainda que não esteja ativado no interior deles ou mesmo que não estejam conscientes do que é isso. Ela está lá, ela está no campo de energia deles. Está inativa, esperando.

Quando vocês a reconhecem e quando reconhecem a divindade deles, o Deus dentro deles... que novamente apenas está em estado dormente ou dormindo profundamente, porque eles o colocaram para dormir... quando começarem a reconhecer isto e a se conectarem com isso de maneira não-mental, através do coração ou como queiram chamar isso – de divindade para divindade – a história inteira deles vai começar a se abrir diante de vocês. Vão receber respostas mais rápidas até mesmo antes que consigam fazer as perguntas. Vão começar a receber vislumbres de seu passado. Vão receber vislumbres e sensações de seus medos. Vão compreender mais sobre eles do que possivelmente queiram saber.

Uma das razões pelas quais temos lhes dito uma vez ou outra “não se trata de vocês”, é para prepará-los para serem professores porque vai ser muito fácil ser apanhado nos pensamentos e sentimentos e emoções deles, e, se não forem cuidadosos, tomá-los como seus, porque vocês são altamente empáticos. São seres muito sensíveis. Por isso, compreendam que quando estão nesse tipo de situação, não é nada com vocês. Somente estão assimilando deles. 

O professor compreende que não pode dar as respostas. Vocês não podem dar a resposta. Professores compreendem que estão lá como um guia. Estão lá como um farol de luz e estão lá como um Modelo, como uma energia equilibrada constante. Não estão aí para assumir ou resolver os problemas deles. Essa é uma das coisas relativa ao professor da Nova Energia. Não estão aí para resolver os problemas de ninguém.

Estão aí para ajudá-los a descobrir as suas próprias respostas. Estão aí para auxiliá-los a desembrulhar a solução por si mesmos. Esta é a maior forma de se outorgar poder, de autocapacitação, a melhor forma de ensinar. Como provavelmente notaram – os melhores professores, não são os que fazem discursos, não são os que permanecem em um palco improvisado e dizem aos outros o que fazer. São simplesmente firmes, modelos, equilibrados, para que outras pessoas possam descobrir a si mesmas.

Vamos falar sobre a palavra “professor” e sabemos que alguns de vocês têm preocupações com ela. Alguns de vocês querem saber se têm os requisitos para ser professor. Vislumbram-se diante de um grupo e logo bloqueiam isso porque dizem “Não consigo ficar diante de um grupo”. Alguns de vocês pensam que um professor tem que ser também um conselheiro e pensam “Como eu posso aconselhar os outros quando tenho meus próprios problemas?”.

Porém Shaumbra, vocês não têm que resolver o problema. Não têm que discursar. Trata-se de simplesmente guiar. É só estar presente e com segurança. Serem firmes com a pessoa cuja vida está um caos em meio à turbulência, onde se perderam tanto em sua própria ilusão, onde ficaram com a mente tão confusa que não sabem como sair. Vocês se tornam um exemplo ou, como Saint-Germain diz, o Modelo. Não importa o que digam, isso não é tão importante. Vocês se tornam esse exemplo de energia equilibrada e energia integrada, integrada em cada nível. Masculino e feminino integrados, humano e anjo integrados, velha e nova energias integradas, integrados em todos os aspectos de seu Ser. Assim, vocês se tornam um exemplo para eles.

Sim, muitas outras coisas acontecem enquanto vocês realizam o trabalho de professor. Eles falam, choram, talvez pulem para cima e para baixo, passam por uma espécie de colapso catártico – que não tem nada a ver com as coisas que estão acontecendo. É fácil ficar confuso com estas coisas, vejam vocês. É fácil focalizar toda sua atenção em suas crises, em seu transtorno, por que é isso o que eles precisam neste ponto. Precisam de alguém como vocês, ou qualquer outro que possam encontrar, para lhes dar atenção e esta atenção está lhes servindo de alimento.

Já notaram como podem se sentar com alguém que não esteja apenas liberando algumas lágrimas, mas que está passando por uma crise intensa, como essa pessoa drena a energia de vocês? Está se alimentando. Já notaram que quando passa a crise nervosa, essas pessoas dão um grande abraço em vocês e dizem que os ama imensamente e que foram de muita ajuda para eles, e vocês ficam ali sentados, esgotados, pasmos e se questionando sobre o que acaba de acontecer? Eles se sentem melhor. Saem pela porta e dizem que vocês são o melhor amigo que já tiveram – até que, é claro, vocês não respondam ao telefone no meio da noite!

Assim então, o ensino vai ser um pouco diferente, e sabemos que vocês têm noções preconcebidas sobre todo este conceito de ensino. Sim, para alguns de isto significará estar à frente de um grupo de humanos. Alguns de vocês encontrarão grande, grande alegria em fazer isso, dirigir um grupo uma vez por semana, ou uma vez por mês. Porém, para muitos de vocês, vai ser continuar com a vida, aproveitar a vida e simplesmente estar disponível para aqueles que vierem até vocês, que precisam do seu exemplo.

Seu exemplo de energia equilibrada – e sim, vocês têm – esse exemplo de energia equilibrada se torna um modelo para eles. Eles literalmente sentem seu equilíbrio, sua luz e sua integração. Então, podem dizer, “eu também posso fazer isso, dentro de mim”. Eles usam vocês como um ponto de referência ou exemplo. Não tiram a sua energia neste ponto, somente dizem que “isso pode ser feito”. Vão se espelhar em vocês dentro deles próprios e se fizerem isto apropriadamente, vão usar os seus próprios recursos internos para desenvolver o mesmo tipo de integração para eles mesmos para terem o que vocês têm dentro de si.

Enquanto continuamos, conforme passamos para a Série do Professores e, na verdade, vamos passar para a questão de vocês serem professores, vão descobrir que será muito diferente de algumas das idéias que poderiam ter. Alguns de vocês vão ser professores de forma diferente. Vão ser promovidos no trabalho. Vão ser promovidos para cargos em que sejam responsáveis por outras pessoas. Serão o chefe deles. Isto é ser professor. Estão sendo promovidos porque em algum lugar as energias da companhia, com a administração, sentem que é apropriado vocês mudarem para essa área. Eles não compreendem todas estas coisas pelas quais vocês têm passado nestes últimos anos, não compreendem o movimento de consciência, porém sabem que há algo diferente com vocês. Sabem que vocês têm uma qualidade. Vão utilizar palavras como “estável”, “inteligente”, “parece que sempre sabe a resposta”, deixem alguns deles quebrando a cabeça sem terem a certeza do que é, mas sabendo somente que há algo a seu respeito. Alguns de vocês receberão promoções.

Alguns de vocês se encontrarão na situação de ensinar membros da família. Alguns de vocês vêm de famílias... vem encarnando em famílias que estão tendo sérias questões emocionais e abusos emocionais, e abusos que vêm acontecendo vida após vida, energias que necessitam ser liberadas agora. E ao assumir o papel de professor, vão assumir a liderança da sua própria família. Eles começarão a chegar até vocês de uma forma um pouco diferente. Buscarão o professor em vocês, como um exemplo e como alguém que pode ajudar a equilibrar e curar algumas dessas velhas feridas de família, um tipo de ferida cármica. Virão até vocês porque vocês liberaram essas questões dentro de si mesmos, liberaram seu próprio carma pessoal, liberaram a questão do carma familiar ou do carma ancestral. Então, vocês assumirão um novo papel na sua família, o de professor.

O ensino vem de muitas, muitas formas diferentes. Alguns, certamente, vão escrever livros. Quero fazer um comentário a respeito disso, sobre o fato de que muitos de vocês se sentem frustrados. Querem escrever livros, têm idéias maravilhosas. Há depósitos ou armazéns de idéias nestes outros reinos, nos reinos cristalinos e celestiais, repletos de suas idéias que ainda não foram manifestadas na Terra.

Alguns de vocês têm idéias para inventos ou canções ou tantas coisas diferentes e se sentem frustrados por não conseguirem colocá-las em prática. Estão frustrados por que as coisas parecem emperrar e culpam a si próprios. Ficam zangados e angustiados. Porque não encontram o tempo para fazer isso? Por que a inspiração não chega? Francamente, porque vocês têm trabalhado em muitas outras coisas, trabalhado com a sua própria evolução de consciência. 

Já perceberam que, particularmente nestes últimos meses tem sido difícil iniciar novos projetos? E que os que foram iniciados, é uma luta conseguir realizá-los, porque muito de sua energia tem sido consumida, retida internamente para esta completa mudança de consciência que vocês vêm fazendo. Agora isso vai mudar. Agora vai mudar. Agora não quer dizer que tudo vai ser rápido. Ainda estão na dualidade, ainda estão lidando com a Velha Energia ao redor de vocês, porém vão ter o seu próprio sentido de clareza renovado sobre a maneira de fazer isso, de utilizar esta energia de gnost como solução e como manifestação.

Para os frustrados por não serem capazes de escrever esse livro ou criar essa canção, questionando-se sobre o que vêm fazendo ultimamente, é que vocês têm estado envolvidos com muitas outras coisas. Isso muda agora, como eu disse. Chegou a hora de sentar diante do computador, pegar os pinceis, pegar os cadernos e o bloco de rascunhos.

Estamos nos desviando um pouco aqui, porém não é coincidência que todo este trabalho com a sua organização, o Círculo Carmesim, não é coincidência que eles estejam trabalhando justamente agora – e vocês estejam trabalhando justamente agora – reunir tudo isto para apoiar as suas idéias e os seus conceitos, apoiar tudo isto em consciência ou financeiramente ou ajudar a manifestar isso na Terra. O Círculo Carmesim é de vocês. Vocês estão construindo seu próprio tipo de incubadora, sua própria máquina de desenvolvimento agora para que suas idéias e criações decolem.

Evidentemente, falaremos muito nesta série sobre professores: como é ser um professor, alguns dos desafios de ser um professor da Nova Energia em um mundo de Velha Energia. Mantenham-se abertos a conceitos diferentes do que é um professor. Observem principalmente daqui para frente, as coisas que chegam em sua vida – pessoas, situações – nada é por engano. Tudo está chegando a vocês por uma razão. Quando isso acontecer, ouçam cuidadosamente. Vasculhem e sintam todas as energias. Dêem permissão a sua energia gnost. Terão um entendimento muito mais amplo sobre o que está acontecendo.

Gostaria de dedicar uns momentos para revisar o que tem se passado nestes últimos três meses. Em nosso último Shoud da Série da Clareza, dissemos que chegara a hora. Chegara a hora de o ensino começar. Foi por isso que vieram à Terra. Não vieram aqui para limpar carma. Não vieram aqui simplesmente para se sentar à sombra de uma arvore. Não vieram aqui porque o Espírito acidentalmente os desviou aqui para baixo. Vieram aqui nesta vida para ser Professor, para se preparar e ajudar nesse tempo de mudança sem precedentes.

Nunca houve uma mudança como esta na humanidade, jamais. Inclusive nos tempos da Atlântida. Algumas vezes vocês e eu falamos de forma muito romântica sobre a Atlântida ou até sobre a Lemuria. Mas realmente foram épocas muito difíceis. A consciência se movimentava muito, mas muito lentamente naqueles tempos, porque ainda estávamos nos acostumando a ela. Ainda estávamos nos acostumando com o corpo físico. Ainda estávamos, de certa maneira, irritados por termos assumido o corpo físico e concordado em fazer esta jornada na Terra!

Mas agora já conseguem caminhar a passos largos com isso. Estão acostumados com a sua fisicalidade, estão acostumados a operar em um mundo material físico. Agora aceitaram-no como uma segunda natureza. Agora estão prontos para mudar para uma consciência com ritmo mais rápido. E como já descobriram nestes anos que passamos juntos, uma mudança de consciência pode ser difícil, pode ser desafiadora. Uma mudança de consciência não é necessariamente o que pensam que vai ser. A mudança de consciência às vezes implode todos os velhos conceitos e as velhas idéias – esta idéia de ser um super-humano. A mudança de consciência não vê vocês dessa forma, não vê vocês somente como um super-humano com super-poderes. Ela realmente não compreende isso desta forma. Ela os vê como espírito e divino. Assim, nesses últimos sete anos, houve um enorme aprendizado sobre a maneira como a consciência muda e a maneira como nos adaptamos a ela.

Porém, exatamente agora ela está sendo mais rápida do que nunca. E sim, algumas das simples razões pelas quais estão vendo as guerras que estão ocorrendo, e potenciais de guerras surgindo, é que a consciência está se movendo tão rápido que está trazendo à baila estas questões. (Linda espirra). Saúde... gnost! (muitas risadas referentes às colocações engraçadas sobre gnost feitas por Geoff e Linda durante a introdução).

Vocês vêem isso no mundo todo ao redor de vocês. Não é diferente do que vocês têm passado todos estes anos. Lembrem-se das batalhas e dos conflitos que tiveram consigo mesmos? As questões que foram trazidas à superfície devido à mudança de consciência dentro de vocês? As dificuldades e vicissitudes pelas quais passaram? Suas próprias batalhas interiores. Estão vendo isto neste instante fora de vocês.

Estão vendo velhas questões, por exemplo, com Hapiru – a família de Hapiru – que são tanto judeus como palestinos. É o mundo judaico e o mundo muçulmano. É uma velha questão de família que está sendo empurrada ao primeiro plano. Está pedindo resolução agora mesmo. As energias estão desequilibradas há um longo tempo e estão pedindo resolução. Como vão resolver, depende deles. Podem fazer isto através da destruição, que às vezes é uma energia de resolução muito interessante tal como vocês têm encontrado em suas próprias vidas. A destruição pode certamente liberar velhas energias, conseguir com que as energias movimentem-se novamente. Ou podem fazer de outra forma, formas mais pacíficas, formas mais iluminadas.

Os últimos dois meses passaram muito, muito rápido. Se vocês se sentiram presos em certos projetos ou se as coisas não deslancharam no nível material, é porque vocês vêm fazendo a sua própria transformação.  

Durante nosso encontro anual falamos sobre a energia gnost, uma energia que é sua. Não vem dos outros, ela é sua. Sempre esteve aí, apenas estava desativada. Esteve ociosa por várias razões, voltando ao modo dos tempos de Atlântida onde basicamente a deixamos fora da consciência. Voltando também aos tempos onde vocês simplesmente não queriam isso. Vocês queriam um tipo diferente de experiência sem gnost. O que é apenas utilizar o corpo, mente e espírito? E eu defino o espírito aqui como energia de força vital.

Às vezes perguntam, “Bem, o que quer dizer com espírito?”. Não estou falando sobre um deus. Não estou falando sobre uma entidade ou divindade em particular. Estou falando sobre o espírito como energia de força vital. Vocês queriam descobrir o que significava somente ter corpo, mente e espírito – como eles funcionariam sem este elemento de gnost. Porém, no nosso recente encontro, introduzimos “dei un gnost...” novamente para aqueles de vocês que optarem por utilizá-la.

Gnost é uma energia brilhante. Gnost é conhecimento criativo. Gnost é a energia, a porção de vocês, o aspecto de vocês que pode pegar uma idéia ou um conceito, pode pegar algo que é muito criativo – uma inspiração – e logo canalizar aquelas energias para baixo através dos seus reinos interdimensionais e ajudá-las a se manifestar ou a se tornar sólidas, estáveis e equilibradas aqui neste reino.

Vocês são muito interdimensionais por seu próprio mérito. Vocês têm muitos, muitos níveis dentro de si. Somente estão operando em um pequeno aspecto desses níveis neste momento como ser humano. Gnost abre o portal para integrar muitos destes níveis interdimensionais dentro de vocês. Vão descobrir que esta energia de gnost é incalculável. É uma ferramenta incrível para ajudá-los a manifestar idéias e sonhos nesta realidade. Novamente, é muito difícil falar sobre gnost, porque ela não é uma energia que se origina da mente. Ela não pode ser manipulada pela mente. Ela resistirá totalmente a isso. Não pode ser limitada pela mente. A energia gnost está no seu próprio reino.

Agora, a coisa interessante é que você vai descobrir que sua mente estará mais do que feliz em trabalhar com gnost. Sua mente pegará o ritmo conforme comecem a utilizá-lo. A mente entenderá que tem um novo amigo, que é um companheiro que vai liberar muita carga da mente. A mente inicialmente vai tentar controlá-lo porque é assim que a mente tem sido programada, até agora. Porém, ao começarem a utilizar gnost, a mente vai soltar o controle, vai parar de controlar, e simplesmente permitirá que esta solução de gnost entre. 

A mente fará melhor o que ela faz hoje. Ajudará a manter as coisas organizadas, manterá sua base de dados e bancos de informação, e ajudará a materializar algumas das fases finais... a colocar em ação algumas das coisas que necessitam fazer como criadores que também estão vivendo na Terra neste momento. A mente, por exemplo, sabe como dirigir um carro. Gnost não necessariamente sabe como fazer isso. A mente sabe como operar seus dispositivos de computação. Gnost fará disso uma experiência mais satisfatória e criativa, porém é a mente que controla as mãos e os dedos e algo da informação armazenada tal como a linguagem que usam. A mente é maravilhosa para fazer essas coisas.

Gnost vai permitir a vocês manifestar tudo sem o mínimo esforço. E novamente, requer que vocês utilizem-no, mais que qualquer coisa. Requer que vocês permitam a sua entrada em suas vidas, e sabemos que há um certo paradoxo por que dizem, “Mas como eu a utilizo? Defina gnost. Ajude-me a criar um retrato”. E não podemos. Não há nenhum. Somente podem admiti-la e utilizá-la em sua vida.

Agora, já que é cada vez maior o número de Shaumbra trabalhando com a energia de gnost, vocês serão capazes de defini-la melhor e com maior precisão. Terão mais de uma base de dados ou uma base de experiência para falar sobre ela ou tratar dela. Mas neste momento gnost é uma energia simples e bonita. Novamente, não vem de nós. Não vem de nenhum deus distante. Não vem da Terra. Vem de vocês. 

Falamos que gnost basicamente ficou perdida ou desativada por um longo tempo. Chegou a hora da sua volta, mas reparem que não fizemos uma ativação de gnost, porque literalmente não se trata de reativar algo anterior. Não se trata de trazer de volta a gnost que conheceram no princípio da Atlântida. É diferente agora. É uma energia totalmente diferente e serve a você de maneira diferente. É a peça que falta da qual falei recentemente.

Vou pedir-lhes – e continuarei pedindo – para utilizá-la repetidamente de novo. Às vezes podem ficar frustrados porque não sabem como usá-la, parecerá iludi-los às vezes. Requer um tempo para reintegrar isso à sua vida material de agora. Continuem a trabalhar com ela. Continuem a respirar com ela, e lembrem-se sempre que ela não está chegando do lado de fora de vocês. Ela já aí dentro.

Gnost é um dos quatro componentes que foi construído dentro do projeto do ser humano muito tempo antes que chegassem à Terra. Vocês têm o corpo físico, a mente, o espírito é sua energia da força vital, e gnost, a sabedoria criativa. Não confundam gnost com divindade, essa é uma discussão completamente diferente. Mas estamos falando das quatro ferramentas que o humano, o ser divino trouxe consigo à Terra.

Assim nós falamos sobre gnost. Trouxemos esta lembrança de volta quando nos encontramos há algumas semanas. Então Kuthumi entrou, retornou. Foi uma delícia tê-lo de volta, uma delícia, e a propósito tenho que dizer que ele disse que estava afastado escrevendo livros e que não teve tempo de modo algum para fazer nada (algumas risadas). Ele estava literalmente afastado em outros reinos, longe, longe da Terra, em outras dimensões, estava nos – é muito difícil descrever – simplesmente nos reinos angélicos ou galácticos fazendo um trabalho muito, muito importante para ajudar a ajustar energias. 

Conforme falamos a vocês sobre antes quando... antes que viessem à Terra de volta ao que chamamos de dias das guerras das estrelas... tudo se paralisou por completo. Tudo parou. Todas as energias pararam de fluir. Foi quando se decidiu criar este lugar chamado Terra para buscar resolução do “por que”. Porque todas as energias fora do Lar chegaram ao ponto de paralisação.

Bem, estas energias começaram a despertar recentemente. Essas energias estão retornando à vida. Se vocês conseguirem imaginar simplesmente congelar tudo, parar tudo até que alguma resolução fosse alcançada neste lugar que vocês chamam de planeta Terra, alguma resolução fosse alcançada através da Ordem do Arco. Tudo esteve parado em todas as outras partes da criação fora do Lar. Elas começaram a despertar. Estão saindo de seu congelamento profundo e estão voltando à vida. Estas energias estão começando a se movimentar outra vez.

Alguns de vocês têm sentido isso em seus sonhos profundos porque estão intimamente conectados a eventos que aconteceram há muito tempo e que ficaram suspensos. De forma que vocês têm tido coisas estranhas acontecendo à noite, porque essas energias estão voltando à vida agora. Conforme elas voltam à vida, é quase como se vocês estivessem acordando de um sono, desnorteados, sem saber o que está acontecendo, nem que dia é. É o que está acontecendo com essas energias, lá atrás. Apesar de tudo isso ter acontecido no passado ainda estão tão no presente quanto vocês estão agora.

Assim, ao despertar, estas velhas energias ficam confusas, um tanto iradas e sentem muita fome por energia. Kuthumi tem trabalhado com uma equipe que retorna a essas energias em processo de despertar, para ajudá-las a compreender que há este lugar chamado Terra que foi criado para ajudá-las a encontrar resoluções às suas questões. Este lugar, a Terra, está finalmente elevando seu nível de consciência e está servindo de base para que todos esses outros reinos e dimensões despertem. 

Há muita coisa acontecendo nesses níveis. É por isso que alguns de vocês em alguns dias se sentem dispersos, um tanto frustrados. Estão sentindo seu lar, sua família Angélica. Bem, ele voltou lá no ano passado para trabalhar com essas dimensões ou realidades no processo de despertar do passado.

Há um impacto significativo... é difícil explicar aqui, porém há um impacto significativo no que acontece na Terra com o que acontece em todos os outros reinos. Tomem, como exemplo um pensamento seu. Somente um pensamento aqui por um momento que “Céus, desejaria que Tobias não continuasse com isso hoje. Está me dando tanto sono sentado aqui na minha cadeira” (risos). Agora esse simples pensamento tem sua própria identidade, tem sua individualidade – se fossemos fazer uma analogia em seu mundo agora mesmo – tem seu próprio código “0” e “1” em si. É como um padrão digital, só que não é digital, é a consciência. Tem sua própria impressão.

Agora que um único pensamento basicamente se dirige para outros reinos e para o nosso lado do véu, somente esse pensamento faz com que mais de mil respostas ocorram do nosso lado. Há anjos cujo trabalho é equilibrar e transportar para frente e para trás estas energias. Cada único pensamento como este tem mil reverberações no nosso lado, e essas reverberações inclusive chegam atrás no tempo, de volta aonde tudo se paralisou. Assim, podem imaginar a quantidade de trabalho que tem que ser feito aqui, nos nossos reinos, basicamente auxiliando no equilíbrio e ajuste contínuos de cada porção de consciência que vocês desenvolvem.

Dissemos a vocês há muito tempo, vocês estão na linha de frente. Não estão nas linhas de trás dos reinos angélicos, estão na vanguarda. Tudo o que fazem tem um impacto aqui atrás – então deixem de pensar tanto! (risos). Dêem-nos um dia de descanso!

Mas, falando sério, o impacto de suas mudanças de consciência despertou todas as outras energias. Kuthumi está muito ocupado com isso. Embora ele seja uma personalidade perfeita, um ótimo comediante, o querido Kuthumi é um dos seres mais sábios e simples que eu conheço. Eu digo “simples” na forma mais elevada de respeito. Quando um ser – qualquer entidade – pode simplificar a sua energia, pode simplificar tudo sobre si mesmo, são verdadeiramente soberanos. Um Ser soberano não é complicado. Um Ser soberano não tem todos os sistemas complexos dentro de si, eles se tornam muito simples. Por que? Porque tudo está integrado. Tudo se torna integrado novamente dentro de uma ressonância Angélica muito simples.

Kuthumi é simples. Kuthumi é maravilhoso. Por isso foi requisitado pela Ordem do Arco, e particularmente pelo Arcanjo Miguel, para retornar e trabalhar com algumas dessas velhas energias que estão despertando. Ele também contou recentemente a vocês sobre a energia de gnost, a solução, sobre o fato de vocês não terem problemas e de simplesmente não permitirem que uma solução entre em sua vida. E estou falando não somente aos Shaumbra, estou falando a todos que prestarem atenção. Vocês simplesmente não querem uma solução. Kuthumi trouxe isto de uma forma muito bonita e simples. 

E então, é claro, Saint-Germain chegou para realmente apertar os botões. Saint-Germain falou sobre a iniciação da Ordem do Círculo Carmesim na Terra. Como podem lembrar, Saint-Germain é responsável pelas energias de organização e administração e manifestação. Saint-Germain ajuda a ancorar e a solidificar energias. É um perito. É aquele que poderia converter pedra em ouro. É o que poderia fazer aparecer água do nada, inclusive no meio do deserto. Entende que toda energia está disponível, toda energia é a sua tela. Ele é o artista e pode levá-la a uma estrutura... até a ilusão, talvez, da estrutura... porém dentro de uma estrutura que sirva a ele de qualquer forma. Ele compreende. É um mestre ao permitir que toda energia o sirva. Assim ele chegou para iniciar o Circulo Carmesim na Terra.

A energia do Círculo Carmesim foi ampla e bonita, porém agora chegou a hora do verdadeiro trabalho. É hora de ir além do simples falar. É hora de parar de se reunir somente uma vez ao mês, ter discussões sobre a vida, é tempo de vocês saírem e fazer o trabalho. Ao fazer a iniciação da Ordem do Círculo Carmesim, Adamus Saint-Germain está ajudando vocês – trabalhando com vocês – para solidificar e estruturar essas energias.

Vão ver uma estrutura no Círculo Carmesim, alguns de vocês podem estar um pouco assustados com isso. Vão ver um edifício, e então dois, e depois três e depois por todo o mundo. Vão ver Centros de Serviço Shaumbra em estruturas, em edifícios. Vão ver um fluxo de energia ou diretrizes de energia em torno deles a fim de manter essa energia e essa estrutura no seu estado mais saudável.

Vão ver o Círculo Carmesim propriamente dito, não somente operando em outros reinos. Dissemos-lhes faz muito tempo que a Universidade Shaumbra foi criada há anos – há décadas na verdade – em outros reinos. Vocês tinham o forte desejo de trazê-la à Terra e Saint-Germain, ao iniciar a energia, ao estruturar a energia, permitiu que isso se tornasse mais fácil, mais rápido. Permitiu que tivessem as ferramentas que necessitam ou desejam como professores da Nova Energia.

Ele iniciou aqueles que estavam dispostos a atuar como Padrão da Nova Energia. Iniciação tem a ver com aceitação. Ele basicamente perguntou a vocês: “Aceitam este cargo? Escolhem seguir adiante? Escolhem cumprir a sua paixão na vida ou querem permanecer em uma ocupação secundária e continuar falando sobre isso? Querem somente sonhar ou querem fazer?”.

Isso parece uma pergunta óbvia com uma resposta óbvia, porém há aqueles que preferem sonhar ou não fazer. Sonhar cria uma sensação de vontade intensa e de desejo, que é por si mesma uma energia viciante. Sonhar permite a vocês sempre manter isso fora de vocês, nunca verdadeiramente ter que tomar a responsabilidade. Sonhar é – como dizer – uma energia muito sonhadora, uma energia suave e macia. Vocês sonham todas estas coisas maravilhosas, porém, podem ir além de um sonhador e ser um criador? Tragam isto a estes reinos na Terra. É para isso que estão aqui. Vieram à Terra para fazer isso, para manifestarem na energia mais densa que já se conheceu.

Assim Saint-Germain ao perguntar a vocês... se escolhiam ser iniciados, estava perguntando “Vocês escolhem ir além do sonho, e manifestá-lo e fazer e ter responsabilidade por ele?”. Não precisar que ele ou eu, Tobias, faça isso por vocês, mais sim fazer por si mesmos.

Certamente, isto gerou muitos questionamentos. Os questionamentos na superfície, se fossem olhar para isso, é sobre suas vida passadas nas Ordens. Como Saint-Germain disse, vocês foram expulsos, pediram que saíssem. Porém foram mandados embora não porque tinham cometido erros – mesmo que fosse o que sentiram em seu coração – foi pedido a vocês para partir porque haviam crescido demais e muito rápido, porque os superiores destas Ordens, ao trabalhar com Seres angélicos do nosso lado, sabiam que vocês estavam reprimindo a sua energia ao permanecer nessa Ordem. Estavam suprimindo o seu próprio crescimento. Haviam superado que a Ordem podia lhes dar e inclusive superaram o que poderiam dar de volta à Ordem. Assim foi pedido que saíssem – saíssem por sua própria conta – para que pudessem se tornar a sua própria Ordem soberana pela primeira vez.

Quando Saint-Germain falou sobre a iniciação, fez surgir todas as imagens, todas estas lembranças do passado sobre os pedidos para que saíssem.

Porém, outra coisa que estava acontecendo, e uma das questões muito difíceis, os botões que foram apertados, foram sobre “Estão prontos para ir mais além do sonhar e desejar e esperar? Estão querendo ir mais além deste trabalho criativo – e trabalho criador – que fazem durante seu estado de sono, que vocês fazem em alguns destes reinos astrais, estão querendo estabelecê-los na Terra agora?”. Essa é uma pergunta difícil.

Ela requer um tipo diferente de ser um anjo humano para ir mais além do sonho e realmente deixar que ele se manifeste aqui na Terra, porque depois isto se torna muito óbvio. Uma vez que começam a manifestar e estabelecer isso na sua realidade, isto ficará bem na frente de vocês. Então há todas as perguntas sobre “Sou um bom criador?”. Ou, “Sou muito bom como criador?”. É um criador tão bom que faz piadas sobre mover céus e terra e em seguida há uma tremenda tempestade que por pouco não arranca sua casa e põe abaixo todas as árvores? Isso faz você pensar duas vezes sobre a sua habilidade, a sua capacidade como criador.

Assim ele estava apertando os seus botões ao dizer “São realmente vocês? São realmente vocês ou simplesmente vão continuar sonhando sobre isso?” Perguntas difíceis. Perguntas difíceis.

Ele falou também do fato de que se vocês escolherem a iniciação, se optarem por ser um Padrão da Ordem do Círculo Carmesim, teriam que ter um correspondente. Ele escolheu cuidadosamente a palavra “correspondente” Não disse guia, “guia” tem uma conotação totalmente diferente. Mas um correspondente é um Ser angélico em nosso reino. É diferente de um runner (mensageiro). Os runners têm a responsabilidade de equilibrar e transportar as energias de uma parte à outra.

Correspondente é basicamente um Ser angélico que esteve na Terra antes, que foi altamente treinado em algumas das escolas do nosso lado sobre a Nova Energia, sobre o papel de vocês como professor. O correspondente é uma interconexão individual com você do nosso lado para o seu. Um correspondente não é aquele que vai fazer isto por vocês, mas que vai ajudar continuamente a equilibrar as suas energias do nosso lado. Um correspondente também estará continuamente restabelecendo informação e energia para vocês a partir do Conselho Carmesim.

Um correspondente representa, talvez, uma ajuda para o professor, um ajudante específico para o seu trabalho de ensino. Não na sua vida em geral, não tem que cuidar de pagar as suas contas e coisas como essas, mas fará a correspondência nos reinos angélicos do que vocês estão fazendo nos reinos da Terra.

Assim quando estiverem sentados diante de um grupo de alunos, alunos humanos como estamos justamente agora – falando a um grupo de humanos divinos e maravilhosos – os anjos correspondentes que agora estão aqui ajudando Cauldre, nós e vocês a vermos mais que este minúsculo e estreito aspecto da consciência. O correspondente ajuda a ver o aspecto completo do que está acontecendo nos nossos reinos e nos seus. Portanto, vocês terão esta energia com a qual trabalhar.

Outra vez, sabemos que Saint-Germain apertou muitos botões, como ele intencionava. Ele ama fazer isso! (Tobias ri). Como diz esse velho ditado... na verdade ele ajudou vocês a instalarem alguns dos botões somente para que ele pudesse apertá-los (risadas).

Shaumbra os últimos meses estão em um ritmo acelerado, muita mudança de consciência. Vão começar a perceber isso em sua vida diária.

Também gostaria de contar uma história hoje, uma história curta. Uma história curta que talvez ajude a ilustrar a sua viagem e a viagem dos alunos com os quais vão trabalhar.

Então respirem profundamente aqui... sintam novamente as energias em nossa dimensão, nosso espaço que criamos. Não há nenhuma alimentação acontecendo. Espantoso. Nenhuma alimentação. Assim não estão sentindo aqueles puxões de energia que algumas vezes sentem quando estão aqui. Não estão sentindo a drenagem de energia. Estão sentados nesta energia soberana juntos.

Assim gostaria de contar a história de Joly. Joly era uma jovem e bela rainha. E o reino que governava era chamado Tibus. Isto é uma ficção parcial, de certa forma é real. É um conglomerado das energias de muitos de vocês, então sintam a si mesmos enquanto eu conto a história da Rainha Joly.

E enquanto eu contar a história vou pedir que sintam sobretudo as energias de despertar nestes lugares onde Kuthumi tem trabalhado, lugares que existiram há muito tempo atrás, lugares onde vocês viveram, lugares que neste instante estão entrando em contato com vocês de várias formas diferentes. Quando disse que seriam professores, eu não disse que iriam ensinar humanos somente aqui da Terra. Falarei mais sobre isso mais tarde.

Então Jolee era uma jovem e bela rainha que governava Tibus. As terras de Tabus se estendiam até onde os olhos não podiam alcançar. Às vezes se dizia que o sol nunca se punha em Tibus, tão vastas eram essas terras. Certamente, como rainha, ela herdara o trono da sua mãe que também foi uma rainha que, por sua vez, herdara o trono do seu pai que havia sido rei. Ela vinha de uma linhagem real.

Conforme ia crescendo, a jovem Jolee raramente saía dos muros do reino, muito raramente saía das terras de Tibus. Foi treinada desde muito cedo para governar, para a realeza. Foi educada e disciplinada para compreender as regras e as leis da terra e foi treinada para ser juíza e jurada para aqueles que algum dia chegassem diante dela quando fosse rainha.

Herdou o trono muito cedo e agora tinha a responsabilidade de ouvir as queixas, os casos e as diversas discussões que aconteciam com seus súditos, e precisava tomar decisões, aplicar regras e juízos. Todos os dias eles vinham diante dela.

Às vezes, eram recém-casados que estavam brigando e alegando que não podiam resolver suas diferenças, assim eram trazidos diante da Rainha Joly para que ela desse uma sentença. E ela dava. Considerava ambos os lados da energia e logo dava seu juízo e pronto. Nenhuma pergunta era feita ou cabeças rolariam.

Às vezes havia disputas de terras. Os latifundiários vinham a ela com a queixa de que alguém havia roubado a terra de outro, havia movido as sinalizações que marcavam as diferentes sessões de terra. E com muito pouco conhecimento do que realmente estava acontecendo, ela teria que dar uma sentença favorável a um lado ou a outro.

As pessoas vinham a ela com todo tipo de problemas e questões e ela não fazia mais nada a não ser aplicar regras e regulamentos e se assegurar de que cada palavra da sentença era acatada. Ela era justa e honesta tanto quanto podia ser. Compreendia que tinha uma responsabilidade com cada um no reino. Compreendia que a sua palavra significava tudo, portanto devia utilizar suas palavras de uma maneira muito sagrada. Devia tratar cada caso que chegava diante de si com honra e equilíbrio.

Porém, depois de alguns anos fazendo sentenças, foi ficando entediada e frustrada com seu trabalho. Questionava-se a cada noite quando ia para seu quarto, “deve haver uma maneira melhor de fazer isso. Deve haver uma maneira melhor do que somente dar sentenças àqueles que estão passando por conflitos, porque não estão aprendendo nada. Não estão aprendendo como resolver os problemas Eles não estão aprendendo como resolvê-los entre si mesmos. Estão simplesmente vindo aqui para um julgamento final e a última palavra”. Às vezes a Rainha Joly dizia a si mesma, “Nem sequer sei se tomei a decisão correta. Sei tão pouco sobre quem vem diante de mim. Sei tão pouco. Realmente cometeram esse crime pelo qual foram acusados? Realmente roubaram sua família e amigos?”.

Assim continuou desempenhando seu papel de rainha, seguiu dando veredictos, porém esta sensação de impaciência, o sentimento de estar inquieta se tornou cada vez pior, a ponto de ter fortes dores de cabeça, tipo enxaqueca. E em meio às suas enxaquecas, certamente, todos os seus casos da corte foram se acumulando e era cada vez maior o número de pessoas confusas que a procuravam para uma resposta. E quando não estava com enxaqueca, estava resfriada ou com gripe ou algum tipo de aflição porque não estava feliz com o que estava fazendo. Provocava em a si mesma estas coisas para não continuar com o trabalho de dar sentenças. Certamente agora as coisas estavam se tornando piores no reino porque não havia ninguém ali para estipular como deveriam proceder.

Um dia em total frustração desespero mandou seus guardas chamarem o Sábio Ancião dos bosques. Oh, todas as boas histórias têm um Sábio Ancião dos bosques (risos), e como ela conhecia algumas histórias, sabia que devia haver um Sábio Ancião em algum lugar do reino. Assim, eles o trouxeram. Levaram-no aos seus aposentos particulares e ela falou com o Sábio Ancião e disse, “estou tão frustrada com o que estou fazendo. Não tenho alegria ou felicidade nisso. O que mais me frustra é que não estão aprendendo nada. Simplesmente continuam se ocupando, fazendo as mesmas coisas que sempre têm feito e sabem que quando se deparam com as piores situações têm que vir até mim para uma sentença. Sinto quase como se estivesse recolhendo, sentindo toda a culpa e vergonha, de todas as questões, e não quero mais isso”. Digo, “quero ser professora. Quero ensinar em vez de julgar. Quero ensinar em vez de regulamentar. Desta forma, Sábio Ancião, o que posso fazer?”.

E o Sábio Ancião se pôs confortável, respirou profundamente, porque isso é o que os sábios anciões fazem (algumas risadas), e disse, “deve renunciar a seu título de rainha. Você deve deixar este belo e magnífico palácio. Deve se disfarçar de plebéia. Deve ir para uma pequena aldeia em algum lugar onde ninguém a conheça onde poderá começar seu trabalho de professora”.

Agora Joly estava um pouco preocupada com tudo isso, já que isso significaria uma mudança maior em sua vida e não sabia se poderia verdadeiramente se disfarçar nem se poderia renunciar à comodidade daquele belo palácio em que vivia. Mas depois de um pouco de meditação e pensando em ficar mais trinta, quarenta, cinqüenta anos, fazendo sentenças e juízos todos os dias, disse, “eu farei isto”. Agora o Sábio Ancião, claro que disse “Sempre espere pelo inesperado. As coisas não são o que parecem ser (risos, Tobias rindo silenciosamente). Mantenha seus olhos abertos, mantenha a si mesma num lugar equilibrado e estável”.

Assim, várias semanas depois, a rainha escreveu uma longa nota dizendo que iria visitar algumas terras estrangeiras sozinha. Queria ver além do oceano. Preparou tudo para que ninguém tentasse encontrá-la, e disse um dia retornaria. Enquanto isso, qualquer pessoa que tivesse problemas e que precisasse de sentenças, deveria procurar outras pessoas da corte. Pegou algumas poucas coisas para que pudesse se disfarçar como plebéia e seguiu em direção a uma das pequenas aldeias à qual nunca havia ido antes, uma aldeia chamada Vila Comum (algumas risadas, Tobias sorrindo). E disse, “aqui é onde vou começar meu trabalho de professora”. Disse, “Aqui é onde verdadeiramente vou começar a encontrar minha paixão”. Estava tão emocionada com isso, pensando que poderia ensinar para todos na Vila Comum todas as coisas maravilhosas e sábias.

Instalou-se com uma família que estava alugando um quarto e que precisavam de dinheiro extra. Tinham um monte de problemas. Tinham problemas uns com os outros. Brigavam o tempo todo. Joly pensou consigo mesma, “Este é um excelente lugar para começar meu trabalho de professora”.

Assim que se mudou, desarrumou as malas e imediatamente começou a tratar de ensinar. Certamente não sabia o que era ensinar, não compreendia do que se tratava tudo isso, porém dirigiu-se ao pai da família e começou a dizer, “Bem, a razão pela qual está tendo todos estes problemas financeiros é porque não está equilibrando seu orçamento. Está gastando mais do que ganha. Está trabalhando somente alguns dias na semana, portanto não tem dinheiro suficiente para alimentar sua família, e devido a isso sua família está discutindo e brigando uns com os outros”.

E ela tinha um grande sorriso no rosto enquanto falava com Bob, o pai da família. Ele bateu a mão na mesa, com força suficiente para assustar Joly, e disse, “Quem é você para me falar sobre minhas finanças? Você não sabe de nada. Eu quero que saia desta sala e nunca mais tente falar comigo sobre minha situação até que você se coloque no meu lugar”.

Ela sabia que... havia um montão de problemas familiares e sabia que a jovem adolescente chamada Susana estava tendo muitos problemas com a família, com noivo, com coisas da sua vida, então pensou, “Bem, em vez disso serei professora da Susana”. E se sentou com Susana e disse, “Agora você está tendo problemas com este garoto porque ele está te controlando e não está lhe dando a atenção que você quer e aqui está o que você deve fazer”, e deu a Susana alguns conselhos. E Susana se virou de costas, fez uma cara feia e disse, “Quem é você para me dizer o que devo fazer com meu noivo? Nem sequer é casada! Provavelmente jamais tenha estado antes com um homem e mesmo assim quer resolver os meus problemas? Saia do meu quarto imediatamente!”.

Depois de alguns dias tentando ensinar todo mundo da casa, tentando fazer sermões a eles, Joly foi colocada na rua. Aprendeu uma lição valiosa aqui. Aprendeu a lição de que há muitas pessoas que de fato não querem ter seus problemas resolvidos. O professor não pode fazer nada com aqueles que escolhem se apegar aos seus problemas.

Bem, Jolee não desistiu da Vila Comum. Logo encontrou alguns amigos passando num restaurante. Conheceu uma jovem encantadora chamada Bárbara, e começaram a conversar. E Bárbara tinha todo tipo de problemas. E certamente Joly estava tentando ajudá-la, tentando solucionar as questões, porém simplesmente não parecia se fazer compreender por sua nova amiga Bárbara. E Bárbara não parava de falar sobre seus problemas de saúde e seus problemas emocionais, falava sem parar sobre quantas vezes havia sido casada, sobre como seus filhos tinham todo tipo de problema.

Joly estava muito preocupada porque tampouco era capaz de ajudar sua amiga Bárbara e um dia simplesmente teve que se afastar, simplesmente teve que partir e parar de tentar ensinar Bárbara. E aqui aprendeu uma lição igualmente muito valiosa. Há algumas pessoas que somente querem falar que os seus problemas são os maiores de todos. Não estão buscando solução. Às vezes somente querem ter essa energia de saber que seus problemas são maiores e melhores, que eles são mais especiais do que qualquer outro humano.

Agora, Joly estava se sentindo um pouco constrangida com todo esse assunto de ensinar, porem decidiu seguir tentando. E conheceu um jovem, um jovem que se interessava por ela e por quem ela também se interessava – queria ensiná-lo. Ela estava querendo fazer qualquer coisa a esta altura para ensinar! (risos) Passou noites, passou dias com ele, falando e praticando, e cada vez que o deixava... seu nome era Jim... cada vez que saía, sentia-se exausta e drenada a ponto de ficar doente novamente. Sentiu-se completamente esgotada a ponto de um dia dizer, “simplesmente não posso mais vê-lo. Não posso ser sua professora”. E disto ela aprendeu uma lição igualmente valiosa. Há algumas pessoas que realmente não querem mudar. Somente querem tomar sua energia. Isso é exatamente o que ele estava fazendo com ela, somente roubando-lhe energia.

Assim, para alongar ainda mais uma história já longa... (muitas risadas), Joly finalmente estava tão frustrada com relação à profissão de professora em Vila Comum que foi embora. Foi se encontrar com o Sábio Ancião no bosque, e sentando-se diante dele disse: “Eu queria ser professora, tinha tanta paixão – tanta paixão – porém nada disso funcionou. As pessoas não querem mudar. Querem se agarrar a seus problemas. Somente querem se alimentar de mim. Somente querem falar do quanto seus problemas são grandes e especiais, porém não querem mudar nada. Assim, o que supõe que eu deva fazer agora? Para onde devo ir?”.

E o Sábio Ancião do bosque respirou profundamente, como os sábios anciões do bosque sempre fazem (risos), e disse, “Parte do problema aqui Joly, uma das coisas sobre as quais tentei lhe advertir, é que você não tinha experiência, não tinha conhecimento para verdadeiramente ser uma professora. Tinha a paixão, porém não tinha a experiência. Agora você tem que ir a outro povoado, a um lugar diferente. Tem que assumir e experienciar todos os problemas que as pessoas comuns têm. Têm que ir a este lugar chamado Campo Simples; tem que se casar; tem que ter filhos; tem que arrumar um emprego; tem que esquecer que algum dia foi uma rainha; tem que esquecer que algum dia quis ser professora. Tem que ir lá e simplesmente viver e experienciar o que representa ter todos estes problemas para que desperte verdadeira e profunda empatia nos que quer ensinar”.

E Joly pensou sobre onde tinha vindo. Pensou sobre o reino. Pensou sobre sua paixão. Não sabia mais para onde ir, assim acatou o conselho do ancião, foi para Campo Simples, se casou, teve filhos e logo se esqueceu. Esqueceu-se do por que estava ali. Estava vivendo como todos os demais.

E isto continuou ano após ano totalmente, esquecendo-se de que algum dia havia sido rainha desta grande terra de Tibus. Até que um dia, supostamente, sentiu que algo estava acontecendo com ela. Sentiu um tremendo chacoalhão e um estrondo em seu interior. Sentiu que tudo começara a mudar em sua vida. Agora não podia recordar de onde vinha, porém sabia que algo estava acontecendo. Estava passando por um re-despertar.

Agora, tendo esquecido de onde vinha, esquecido o motivo dessa longa jornada, porem sentindo que havia algo errado por dentro, sentindo-se muito confusa e frustrada, não sabendo nem mais para onde voltar, estava vagando um dia nos bosques e, claro, encontrou o Sábio Ancião. Ela disse, “Sábio Ancião” – e certamente ele a reconheceu – “Sábio Ancião, há algo mudando em minha vida e não sei o que é. Algo com o qual sou feliz. Eu fui esposa, mãe, tinha um bom emprego, porém nada disto mais me satisfaz. O que está acontecendo? Ouvi dizer que você é um Sábio Ancião que pode me ajudar”.

Assim, o Sábio Ancião a fez se sentar e, é claro, tentou fazê-la se lembrar de quando era rainha e professora e lhe contou uma história, contou que se lembrava dela. Certamente ela não acreditou. Não podia aceitar o fato de que ela havia sido uma rainha. Isso era muito grande. Não podia aceitar o fato de que havia renunciado ser rainha da grande terra de Tibus para ser uma professora. Isso parecia uma loucura. Não podia aceitar o fato de que inclusive havia ido a Campo Simples e se esquecido de quem era, para viver a vida de uma plebéia. E o Sábio Ancião disse, “Fez isso para que tivesse a compaixão, para que pudesse ser a professora, para que pudesse ajudar a sua gente”.

Ela se desgostou muito com ele, se zangou muito. Sentiu medo. Sentiu náuseas. Sentiu-se insegura e desorientada porque tudo isto estava sacudindo a sua realidade – a sua realidade de que era somente uma pessoa comum.

 O Sábio Ancião disse, “Sim, me disse para sentar, falara com você e lembrá-la de quem você é, lembrá-la de que agora que desenvolveu a empatia, vivendo como todos os demais, vivendo na ilusão, vivendo na consciência de massa, e que agora pode ser professora. Antes estava sendo pastora. Antes estava saindo e dizendo às pessoas como viver. Porém agora pode verdadeiramente sentir o que estão passando. Tem o coração e a alma e a empatia. Agora pode sair e fazer o que originalmente se propôs fazer”.

E nesse momento Joly lembrou-se de tudo. Lembrou-se de ter sido rainha. Lembrou-se de ter ido à Vila Comum e tentar mudar a todos. Lembrou de ter entrado neste sonho profundo, neste coma de consciência, para que esquecesse, para que pudesse viver como todos os demais. Lembrou que se propôs a fazer isso a fim de verdadeiramente servir o seu reino e a todas as pessoas.

Nessa lembrança despertou, olhou o Sábio Ancião em seus olhos e disse, “Obrigada. Obrigada por estar aqui comigo todo esse tempo, todo este caminho. Tem sido uma jornada incrível. Agora posso sair e ensinar. Agora posso ter esta paixão que sempre busquei”.

Abraçou-o e o beijou, dizendo: “Certamente, esqueci de perguntar a você o seu nome, Sábio Ancião”. E ele sorriu enquanto punha seus pés sobre a otomana (espécie de sofá baixo e sem braços), tomava um gole do seu vinho e dava uma baforada em seu charuto (risos) e disse, “meu nome é Tobias” (muitas risadas). 

Agora, Shaumbra eu contei a vocês uma história bem longa... poderia ter criado uma muito mais longa, certamente... (risos) contei a vocês esta história porque é a história de vocês. Tenho estado com vocês todo este tempo. Alguns de vocês tiveram muita dificuldade para aceitar que foram líderes e governantes de famílias angélicas. Passaram por tempos difíceis equilibrando isso, não é? Isso de alguma maneira os remete à sua história.

Tiveram tempos difíceis compreendendo que foram escolhidos por sua família Angélica para vir aqui para a Terra representando uma das 144.000 energias da Ordem do Arco. Passaram momentos difíceis tentando compreender que renunciaram à realeza em favor de sua família Angélica, para que pudessem ensiná-los, para que eles pudessem aprender com vocês. Foram tempos difíceis tentando compreender que um dia deixaram o seu lar angélico para vir aqui e se disfarçar de humano, como um plebeu, como Bob, como Patrícia, como Maria, ou como quem quer que seja. Vestir-se como todos os demais, atuar como todos os demais.

Saint-Germain apertou alguns botões quando falou com vocês. Disse que eram especiais. Vocês são professores. Este é um grupo especial. Ele apertou vários botões porque vocês tiveram passaram por muitas dificuldades antes da aceitação disso. Conseguiram se perder tanto na consciência – a consciência comum.

Mas eu estou aqui para lembrar vocês. Eu sou o Sábio Ancião, estou aqui para relembrar vocês o motivo pelo qual partiram, pelo qual deixaram a sua família angelical. Estou aqui para lembrar-lhes como tentaram cumprir esta paixão por ser professor e que vocês tropeçaram algumas vezes no passado. Como vocês mesmos mergulharam nesta energia da Terra e da humanidade e desenvolveram a compaixão e a sabedoria interiores, para agora ser professor.

Vocês serão professores, não somente para os humanos aqui na Terra, mas professor para a sua família que está despertando quando estiverem de volta ao Lar.

E assim é!
 


Tradução: Glaucia Cerioni glauceri@terra.com.br

Tradução e Revisão: Sonia Bidutte bidutte@terra.com.br        

Tobias do Conselho Carmesim é apresentado por Geoffrey Hoppe, com o pseudônimo de "Cauldre", Golden, Colorado. A história de Tobias, do bíblico Livro de Tobit, pode ser encontrada no web site do Círculo Carmesim: www.crimsoncircle.com. O Material do Tobias é oferecido gratuitamente aos Trabalhadores da Luz e Shaumbra de todo o mundo desde agosto de 1999, época em que Tobias disse que a humanidade tinha ultrapassado o potencial de destruição e entrado na Nova Energia.
O Círculo Carmesim representa uma rede mundial de anjos humanos que estão entre os primeiros a fazer a transição para a Nova Energia. Enquanto eles vivenciam as alegrias e os desafios do status da ascensão, ajudam outros humanos em suas jornadas, compartilhando informações, atendendo e orientando. Mais de 50.000 visitantes vão ao web site do Círculo Carmesim todos os meses ler os últimos materiais e discutir suas próprias experiências.
Os encontros do Círculo Carmesim acontecem mensalmente em Denver, Colorado, onde Tobias apresenta as informações mais recentes através de Geoffrey Hoppe. Tobias declara que ele e os outros do Círculo Carmesim celestial estão, na verdade, canalizando os humanos. De acordo com Tobias, eles estão lendo nossas energias e traduzindo nossas próprias informações de volta para nós, de modo que possamos vê-las vindo de fora, enquanto as vivenciamos no nosso interior. O "Shoud" é uma parte da canalização em que Tobias fica de lado e a energia dos humanos é canalizada diretamente por Geoffrey Hoppe.
As reuniões do Círculo Carmesim estão abertas ao público. O Círculo Carmesim sobrevive com o amor sincero e a doação dos Shaumbra de todo o mundo.
O objetivo dos que fazem parte do Círculo Carmesim é servir de guias humanos e professores àqueles que seguem o caminho do despertar espiritual interior. Não é uma missão evangélica. Pelo contrário, a luz interior é que guiará as pessoas até você para receberem compaixão e atenção. Você saberá o que fazer e o que ensinar nesse momento, quando vier até você o humano precioso e único, pronto para embarcar na jornada da Ponte de Espadas.
Se você estiver lendo isto e sentir a verdade e a conexão, você é realmente um Shaumbra. Você é um professor e um guia humano. Permita que a semente da divindade cresça dentro de você agora e em todos os momentos que estão por vir. Você nunca está sozinho, porque a família está espalhada por todo o mundo e os anjos estão ao seu redor.
Por favor, distribua este texto livremente numa base não comercial e sem cobrar por ele. Por favor, inclua as informações na íntegra, inclusive com todo este pé de página. Todos os outros usos têm que ser aprovados por escrito por Geoffrey Hoppe, Golden, Colorado. Veja a pagina de contatos no website http://www.crimsoncircle.com/
 © Copyright 2006 Geoffrey Hoppe, P.O. Box 7328, Golden, CO 80403. Todos os direitos reservados.